Consciência da educação em sua totalidade

19/09/2010 • Por • 448 Acessos

Consciência da educação em sua totalidade

Falar da educação é algo que nos remete aos ensinamentos que nos foram dados por nossos pais, avós e tios, enfim nos faz pensar sobre a educação domestica algo que todos os indivíduos que nascem no seio da família recebem como base para a construção dos seus conhecimentos e caráter. Na leitura de "Comunidades tribais: a educação difusa" Maria Lúcia Aranha, mostra como as tribos transmitiam o conhecimento. Tudo era através dos gestos e repetições, que as crianças aprendiam sobre todas as coisas. De forma, que a simples repetição era à base utilizada para passar os conhecimentos que elas utilizariam a média que fossem sendo necessário para sua sobrevivência e interação com os outros habitantes da tribo. Os valores que a tribo praticava e a divisão de tarefas, desde quem ia caçar e pescar, plantar e colher, tudo de acordo com as regas daquele local, eram dadas pelo chefe da tribo. E estas tarefas eram entendidas como de fundamental importância para a sobrevivência deles. Porém não era designada uma pessoa responsável para ensinar aquelas crianças a desenvolver as atividades de maneira didática, ensinando o passo a passo como caçar ou plantar. Pois bem a educação vai muito mais além do que ler e escreve ou pregar uma filosofia de vida sem se preocupar em praticar a boa conduta. De nada valerá para o educador, orientador levar o conhecimento a quem não tem se não houver uma conduta ética e moral sendo passada em conjunto com este conhecimento. O texto de Aranha relata como somos educados pela atitude, conduta e repetição desde os nossos ancestrais até os dias atuais. Como base o educador (a) deve se aprofundar na "Consciência da educação em sua totalidade" isso significa não transmitir apenas o conhecimento exaustivamente até ter certeza do seu papel enquanto educador cumprido, mas respeitar a capacidade de apreender do outro. Permitindo que através das dificuldades do aprendiz, o educador possa se inclinar a ajudá-lo, de maneira que o possibilite por meio mais fácil absorver os ensinamentos. Vale salientar que pra ser um bom educador dever primeiro observar a quem  vai levar este conhecimento, sempre partindo do pressuposto que cabe ao educador mostrar os princípios básicos de educação como, bom dia, boa tarde, boa noite, por favor, conlicença e obrigado, para que o aprendiz possa desde já identificar no educador os valores que a ele foram confiados. E isso vale para todos os seguimentos da nossa vida seja no trabalho, com a família, os amigos e até com nós mesmos como indivíduos capazes de ter um raciocínio lógico sobre todos os princípios básico de educação. Que permitirá inclusive que se tenha uma boa relação com o outro individuo ou não. Muitas vezes a falta de educação afasta e distância o outro individuo no qual tem como valores básicos, a educação para manter uma boa relação com os demais.

Conclusão:

A educação é a base fundamental para todo e qualquer individuo estar bem colocado na sociedade em que ele faz parte. O educador é o orientador que levará este aprendiz a porta do conhecimento. Cabendo agora apenas a ele chegar ao núcleo do conhecimento, ou seja, ao centro. Devemos também lembrar que ainda aprendemos mesmo nos dias atuais como os primitivos e os povos das tribos. Pois bem, é importante estaá praticando como educador a repetição em sala de aula de maneira que ao educar para o conhecimento nossos alunos sejam a extensão do que você enquanto educador contribuiu para o crescimento e conhecimento dele como pessoa. Tornando ele o futuro cidadão que preparamos para inserir na sociedade.

Referencia:

ARANHA, Maria Lúcia Arruda

Perfil do Autor

Leila da Silva Campos

Sou graduanda de Licenciatura em Pedagogia na Faculdade Dom Pedro II. Realizo  pesquisas na área de educação e jurídica com a finalidade de...