Contribuições do Desenho na Educação Infantil

Publicado em: 31/10/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 181 |

Sandra Maria dos Reis Bernardo Lira

Nadia Geane Bernardo Naves

1. Introdução

Este trabalho foi motivado pelo desejo das autoras de identificar as contribuições do desenho infantil no processo na aquisição da escrita por crianças na faixa etária de dois a sete anos. Buscou-se reunir e revisar a bibliografia sobre estudos de alguns teóricos traçando um breve panorama sobre o assunto. Foram objetivos desse trabalho: analisar os estágios de evolução do desenho infantil; revisar bibliografia sobre o tema e compreender como o desenho infantil influencia no processo de alfabetização.

Muitas crianças ao chegarem ao 1º ano do ensino fundamental apresentam dificuldades de aprendizagem relacionadas à escrita. É possível que estas crianças não tenham tido oportunidades significativas de interação na educação infantil, fase na qual se desenvolve a função simbólica e consequentemente os sistemas de representação, fato que pode ter prejudicado o desenvolvimento da criança. Em situações como esta, é perceptível a importância do trabalho na educação infantil que priorize e preserve os momentos lúdicos e prazerosos, que certamente contribuirão para o desenvolvimento do desenho infantil.

Ao final do seu primeiro ano de vida, que compreende o estágio sensório-motor, descrito por Piaget (1948), a criança é capaz de manter ritmos regulares e produzir seus primeiros traços gráficos. O desenvolvimento progressivo do desenho implica mudanças significativas que, no início, dizem respeito à passagem dos rabiscos iniciais da garatuja para construções cada vez mais ordenadas, fazendo surgir os primeiros símbolos. De acordo com o mesmo autor, a função semiótica é a capacidade que a criança tem de representar objetos ou situações que estão fora do seu campo visual por meio de imagens mentais, de desenhos, da linguagem. A criança passa a desenvolver essa função no estágio pré-operatório, que compreende faixa etária de dois a sete anos.

As crianças no início dessa fase começam a representar na tentativa de interagir com o mundo que a cerca, desenvolvendo a função simbólica, entendida como ato de representação, possibilita à criança, de acordo com Ribeiro (2007) "[...] à tomada de consciência da organização do mundo e o entendimento de fatos passados, presentes e futuros [...]". Sendo assim, entende-se que a representação é requisito básico para as operações mentais.

O que constitui a função semiótica e o que a faz ultrapassar a atividade sensório-motora é a capacidade de representar um objeto ausente, por meio de símbolos ou signos, o que implica poder diferenciar e coordenar os significantes e os significados ao mesmo tempo. (PILLAR, 1996, p.26)

A cada representação que a criança faz, o jogo simbólico e o desenho passam a ser uma necessidade, e é assim que elas vão se inserindo no processo de alfabetização, desde o estágio pré-operatório, onde se inicia o processo de representação, interagindo com a escrita como se a mesma fosse um jogo que contêm regras e, contêm também o imaginário. Dessa forma a escrita deixa de ser uma representação mental e passa a ser uma representação gráfica, carregada de sentidos, assim como o desenho que, primeiro passa pelo plano da representação mental e só depois a criança passa a representá-lo graficamente. Assim o desenho infantil pode ser considerado precursor da escrita, estando diretamente relacionado ao processo de alfabetização.

1.1 - Pressupostos Teóricos

Os primeiros estudos sobre desenho das crianças datam do final do século XIX e estão fundados nas concepções psicológicas e estéticas da época.  São os psicólogos e os artistas que descobrem a originalidade dos desenhos infantis e publicam as primeiras 'notas' e 'observações' sobre o assunto. Como escreveu o famoso pintor Pablo Picasso em relação às suas observações sobre o desenho infantil: Quando criança, eu desenhava como Rafael. À medida que fiquei mais velho, passei a desenhar como criança.

De certa forma eles transpuseram para o domínio do grafismo a descoberta fundamental de Jean Jacques Rousseau sobre a maneira própria de ver e de pensar da criança. As concepções relativas à infância modificaram-se progressivamente. A descoberta de leis próprias da psique infantil, a demonstração da originalidade de seu desenvolvimento, levaram a admitir a especificidade desse universo.

Piaget (1948) diz que a representação é gerada pela função semiótica, a qual possibilita à criança reconstruir em pensamento um objeto ausente por meio de um símbolo ou signo. A representação é condição básica para o pensamento existir, uma vez que, sem ela, não há pensamento, só inteligência puramente vivida como no nível sensório-motor. É através do surgimento da função semiótica que a criança consegue evocar e reconstruir em pensamento ações passadas e relacioná-las com as ações atuais. Essa passagem é possível por interações da criança com o ato de desenhar e com desenhos de outras pessoas. Na garatuja, a criança tem como hipótese que o desenho é simplesmente uma ação sobre uma superfície, e ela sente prazer ao constatar os efeitos visuais que essa ação produziu. No decorrer do tempo, as garatujas, que refletiam o prolongamento de movimentos rítmicos de ir e vir transformam-se em formas definidas que apresentam maior ordenação, e podem estar se referindo os objetos naturais, objetos imaginários ou mesmo a outros desenhos. Na evolução da garatuja para o desenho de formas mais estruturadas, a criança desenvolve a intenção de elaborar imagens no fazer artístico. Começando com símbolos muito simples, ela passa a articulá-los no espaço do papel, na areia, na parede ou em qualquer outra superfície.

Passa também a constatar a regularidade nos desenhos presentes no meio ambiente e nos trabalhos aos quais ela tem acesso, incorporando esse conhecimento em suas próprias produções. No início, a criança trabalha sobre a hipótese de que o desenho serve para imprimir tudo o que ela sabe sobre o mundo. No decorrer da simbolização, a criança incorpora progressivamente regularidades ou códigos de representação das imagens do entorno, passando a considerar a hipótese de que o desenho serve para imprimir o que se vê.

É assim que, por meio do desenho, a criança cria e recria individualmente formas expressivas, integrando percepção, imaginação, reflexão e sensibilidade, que podem então ser apropriadas pelas leituras simbólicas de outras crianças e adultos.

O desenho como possibilidade de brincar, o desenho como possibilidade de falar de registrar, marca o desenvolvimento da infância, porém em cada estágio, o desenho assume um caráter próprio. Estes estágios definem maneiras de desenhar que são bastante similares em todas as crianças, apesar das diferenças individuais de temperamento e sensibilidade. Esta maneira de desenhar própria de cada idade varia, inclusive, muito pouco de cultura para cultura.

Pillar (2006) afirma que a criança não nasce sabendo desenhar, que este conhecimento é construído a partir da sua relação direta com o objeto, assim são suas estruturas mentais é que definem as suas possibilidades quanto à representação e interpretação do objeto. Assim a criança é o sujeito de seu processo, ela aprende a desenhar a partir de sua interação com o desenho. Vários teóricos seguem essa linha teórica quanto ao desenho infantil, dentre eles Luquet (1969), Piaget (1948), Gardner(1999), Méredieu (1995) dentre outros.

Luquet (1969) foi um dos primeiros teóricos a se interessar pelo desenho infantil, analisando-o numa abordagem cognitiva. O autor buscou respostas para questões relativas o quê e como a criança desenhava, assim como suas intenções e interpretações. Aborda os 'erros' e 'imperfeições' do desenho da criança que atribui a 'inabilidade' e 'falta de atenção', além de afirmar que existe uma tendência natural e voluntária da criança para o realismo.

Em Méredieu (1995), Luquet distingue quatro estágios do desenho infantil: o Realismo fortuito: começa por volta dos 2 anos e põe fim ao período chamado rabisco. A criança que começou por traçar signos sem desejo de representação descobre por acaso uma analogia com um objeto e o seu traçado passa a nomear seu desenho; Realismo fracassado: por volta dos 3 a 4 anos tendo descoberto a identidade forma-objeto, a criança procura reproduzir esta forma. Surge então uma fase de aprendizagem pontuada de fracassos e de sucessos parciais; Realismo intelectual: estendendo-se dos 4 aos 10-12 anos, é o principal estágio e caracteriza-se pelo fato que a criança desenha do objeto não aquilo que vê, mas aquilo que sabe.

Enfim, aos quatro anos, a criança chega ao realismo visual cuja principal manifestação é a submissão mais ou menos infeliz na execução à perspectiva. (Luquet, 1969, p.212)

 A análise dos estudos piagetianos mostram que o desenvolvimento do desenho segue os mesmos estágios de Luquet (1969), no entanto são analisados dentro da perspectiva das fases do desenvolvimento infantil da representação. Piaget classifica as fases do desenho como:

  • Garatuja: Faz parte da fase sensório motora (0 a 2 anos) e parte da fase pré-operatória (2 a 7 anos). A criança demonstra extremo prazer nesta fase. A figura humana é inexistente ou pode aparecer da maneira imaginária. A cor tem um papel secundário, aparecendo o interesse pelo contraste, mas não há intenção consciente. A fase da garatuja pode ser dividida em outras duas partes:
  • Desordenada: movimentos amplos e desordenados. Com relação à expressão, vemos a imitação "eu imito, porém não represento". Ainda são um exercício, simples riscos ainda desprovidos de controle motor, a criança ignora os limites do papel e mexa todo o corpo para desenhar, avançando os traçados pelas paredes e chão. As primeiras garatujas são linhas longitudinais que, com o tempo, vão se tornando circulares e, por fim, se fecham em formas independentes, que ficam soltas na página. No final dessa fase, é possível que surjam os primeiros indícios de figuras humanas, como cabeças com olhos.

2. O desenho e o processo de alfabetização

A partir dos estudos realizados é possível dizer que existe uma estreita relação entre a evolução da escrita e a do desenho. Para Ferreiro citada por Ribeiro (2007) a aprendizagem da língua escrita á a construção de um sistema de representação, assim como o desenho. A aprendizagem, nesse enfoque, converte-se na apropriação de um novo objeto de conhecimento, ou seja, em uma aprendizagem conceitual. [...] para conhecer os objetos, é preciso agir sobre eles de maneira a decompô-los e a recompô-los. (PIAGET, 1948, p.8)

[...] para que a criança se aproprie do sistema de representação da escrita, ela terá que reconstruí-lo, diferenciando os elementos e as relações próprias ao sistema, bem como a natureza do vínculo entre o objeto de conhecimento e a sua representação. (PILLAR, 1996, p.32)

As pesquisas realizadas por Emília Ferreiro indicam que cada sujeito, no processo de construção da escrita, parece refazer o caminho percorrido pela humanidade, qual seja: Pictográfica: forma de escrita mais antiga que permitia representar só os objetos que podiam ser desenhados: desenho do próprio objeto para representar a palavra solicitada. Ideográfica: consistia no uso de um simples sinal ou marca para representar uma palavra ou conceito: uso de símbolos diferentes para representar palavras diferentes. Logográfica: escrita constituída por desenhos, referentes ao nome dos objetos e não ao objeto em si.

Assim como as primeiras civilizações faziam inscrições na pedra e a "escrita" representava o próprio objeto, para Ferreiro citada por Ribeiro (2007), a criança associa o significante ao significado. Sendo assim, considerando a escrita como sistema de representação, a autora observa que [...] quando uma criança começa a escrever, produz traços visíveis sobre o papel, e além disso, e fundamentalmente, põe em jogo suas hipóteses acerca do significado mesmo da representação gráfica. (RIBEIRO, 2007, p. 40)

Na pesquisa realizada por Emília Ferreiro e Ana teberosky (1999) sobre a aquisição do sistema de escrita, concluiu que havia níveis nesse desenvolvimento. Os níveis descritos pelas autoras são: pré-silábico, silábico, silábico-alfabético e alfabético.

O nível Pré-silábico I, em m que a criança acredita que escrever é reproduzir ou imitar os traços da escrita do adulto. Nesta etapa a criança pode ter a intenção de produzir marcas diferenciando desenhos de letras ou outros códigos, mas sua escrita ainda não pode funcionar como um veículo informativo. e Pré-silábico II. Se a forma básica de escrita que a criança tem contato for letra de imprensa, fará rabiscos separados, com linhas retas e curvas; se for letra cursiva fará rabiscos ondulados.

No nível pré-silábico II a criança já usa letras ou criam pseudoletras, quando ainda não dominam as letras convencionais do nosso alfabeto para escreverem algo. A criança pensa que é possível ler nomes diferentes com grafias iguais; Posteriormente a criança  nega esta sua hipótese, porque acredita que, para ler nomes diferentes, eles devem ser escritos com letras diferentes.

Ainda de acordo com Ferreiro e Teberosky (1999), a criança passa por uma fase em que ocorre o que denomina eixo quantitativo da escrita. A criança, de um modo geral, exige um mínimo de três letras para o escrito ser uma palavra. As palavras como pé, sol, rua, lar e outras, segundo ela não poderão ser lidas porque tem poucas letras. São rejeitadas, em função do critério interno de quantidade. O adulto que, normalmente, lê artigos, preposições, conjunções e outros, jamais suspeitariam desse critério que a criança utiliza. Daí a ênfase de Emília Ferreiro no sentido de que o processo de alfabetização tem que ser visto do ponto de vista de quem aprende (aluno) e não daquele que ensina (professor).

Segundo as autoras, a criança pode vir a passar por momentos onde afirmam que para que se possa ler ou escrever uma palavra, torna-se necessário, também, variedade de caracteres gráficos. As palavras que possuem letras iguais são também rejeitadas. A criança acredita que "não servem para ler". De acordo com este critério de variedade, para possibilitar a leitura, é preciso haver letras variadas nas palavras.

Outro ponto a ressaltar, é que numa determinada fase, a criança não separa letras de números. Costuma, às vezes, escrever colocando numerais junto às letras, já que ambos envolvem linhas retas e curvas. A característica observada é que a criança acredita que os nomes das pessoas, animais ou objetos devem ter nomes grandes. Por conseguinte, as coisas pequenas terão nomes pequenos. É o que chamamos de realismo nominal lógico.

2.1 -Práticas na educação

No que diz respeito ao trabalho desenvolvido nas escolas em relação ao desenho, principalmente nas séries iniciais do ensino fundamental, é certo descaso com a disciplina que mais trabalha esse conteúdo a Artes como parte integrante do currículo e da formação das crianças. Os professores, em sua maioria, acreditam que o desenho nessa fase escolar não é importante e por esse motivo não planejam o trabalho envolvendo a arte em sala de aula. Mas o que foi observado durante o estudo sobre o desenho infantil e suas contribuições no processo de alfabetização, é que a arte é importante não só porque é uma forma de construir conhecimentos, é uma atividade que envolve a inteligência, o pensamento, a cognição; mas também que a arte influi na construção de conhecimentos, em especial em relação à escrita.

Luquet(1969) exemplifica como se dá o abandono da criança pela atividade do desenho, conforme sua teoria, esse desinteresse é produzido na idade em que a criança chega à concepção do realismo visual - com a sua conseqüência fundamental: a perspectiva; os desenhos que executava anteriormente de acordo com o realismo intelectual já não satisfazem o seu espírito crítico desenvolvido, e sente-se incapaz de fazer desenhos como quereria fazer. O autor afirma que o ensino do desenho deve visar não a acelerar artificialmente a evolução espontânea do desenho, mas por a criança em estado de desenhar convenientemente em realismo visual quando tenha esta intenção. Isso deve ser feito mostrando-lhes objetos de seu quotidiano e exercitando o desenho tanto quanto possível ao natural.    

Para este autor, a principal atitude do educador deve ser a de "apagar-se", deixar a criança use a sua criatividade, fazendo sempre com que estas sugestões não soem como imposições deixando-a desenhar ao seu modo, sem intervenções ou críticas.    A princípio, para a criança, o desenho não é um traçado executado para fazer uma imagem mas, um traçado executado simplesmente para fazer linhas. (Luquet, 1969 pg.145)

Dessa forma, possibilitar às crianças que desenhem, ao contrário de ser perda de tempo, é propiciar-lhes representar graficamente as suas experiências, ou seja, é construir representações de forma e espaço através do desenho.

O desenho está também intimamente ligado com o desenvolvimento da escrita. Parte atraente do universo adulto, dotada de prestigio por ser "secreta", a escrita exerce uma verdadeira fascinação sobre a criança, e isso bem antes de ela própria poder traçar verdadeiros signos. Muito cedo ela tenta imitar a escrita dos adultos. Porém, mais tarde, quando ingressa na escola verifica-se uma diminuição da produção gráfica, já que a escrita (considerada mais importante) passa a ser concorrente do desenho.

No entanto, cabe ao professor estudar e conhecer as fases do desenho infantil e qual a relação que elas têm com os níveis de desenvolvimento da escrita, para que assim ele possa proporcionar aos alunos aulas que contribuíram tanto para o desenvolvimento artístico como o desenvolvimento do processo de aquisição da escrita. É aconselhável, ao professor, que ofereça às crianças o contato com diferentes tipos de desenhos e obras de artes, que elas façam à leitura de suas produções e escutem a de outros e também que sugira a criança desenhar a partir de observações diversas (cenas, objetos, pessoas) para que possamos ajudá-la a nutrisse de informações e enriquecer o seu grafismo. Assim elas poderão reformular suas idéias e construir novos conhecimentos. Enfim, o desenho infantil é um universo cheio de mundos a serem explorados.

O desenho está também intimamente ligado com o desenvolvimento da escrita. Parte atraente do universo adulto, dotada de prestigio por ser "secreta", a escrita exerce uma verdadeira fascinação sobre a criança, e isso bem antes de ela própria poder traçar verdadeiros signos. Muito cedo ela tenta imitar a escrita dos adultos. Porém, mais tarde, quando ingressa na escola verifica-se uma diminuição da produção gráfica, já que a escrita (considerada mais importante) passa a ser concorrente do desenho.

Como podemos perceber a linha de evolução é similar mudando com maior ênfase o enfoque em alguns aspectos. O importante é respeitar os ritmos de cada criança e permitir que ela possa desenhar livremente, sem intervenção direta, explorando diversos materiais, suportes e situações.

3 - Considerações Finais

Partindo da pesquisa bibliográfica sobre o desenho infantil, observamos que embora a abordagem e a nomenclatura usada variem, não existem divergências entre os autores no que diz respeito ao desenho infantil sendo que este é notadamente, composto por fases, etapas, estágios, movimentos, qualquer que seja a nomenclatura usada para definir que o desenho evolui conforme o próprio crescimento da criança, dentro do seu processo de desenvolvimento como ser humano. Ou seja, as garatujas ou os rabiscos aparecem na fase sensório-motora, etapa da teoria do desenvolvimento humano desenvolvida pelo estudioso Jean Piaget, onde a criança explora materiais e movimentos, não na fase pré-operatória, onde a criança começa a construir e a representar. O desenho infantil é um parâmetro de análise importante o progresso da criança. O seu desenvolvimento contribui a representação simbólica, para o desenvolvimento motor, emocional e conseqüentemente, para a alfabetização.

Observou-se na construção desse artigo que a bibliografia sobre o assunto é restrita, principalmente no âmbito educacional. Foram encontrados poucos autores e estudos sobre o assunto. A bibliografia encontrada é em sua maioria de autores da década de 50 e 60, sendo os principais deles Luquet e Piaget. Diante deste fato é importante que novas pesquisas sobre o desenho infantil sejam realizadas com a finalidade de subsidiar o trabalho dos educadores, assim como ampliar as hipóteses sobre o assunto, a partir de novas descobertas.

A evolução do desenho infantil está diretamente relacionada à representação simbólica que se manifesta por volta dos dois anos de idade, na fase pré-operatória. Assim sendo, este processo é intrínseco ao desenvolvimento das estruturas cognitivas e motoras necessárias à alfabetização e que são desenvolvidas pela interação entre a criança e o objeto. São essas interações que privilegiam a capacidade da criança representar e interpretar.

Diante disso é possível dizer que o desenho é precedente a escrita, mas que os dois possuem uma relação de interdependência, pois quanto mais oportunidades as crianças tiverem de representar e transcrever para o papel toda a sua impressão sobre o mundo que a rodeia, seus sentimentos, emoções etc, mais ela estará preparada para se apropriar do sistema de escrita, visto que o mesmo, assim como o desenho, também é uma forma de representação.

Educadores e pais devem oportunizar às crianças momentos significativos de interação, dentre as quais as atividades lúdicas tem um papel fundamental. O desenho, como uma atividade lúdica, é um dos principais exemplos. Podemos ainda citar o brincar, os jogos e as dramatizações, todos contribuintes para o desenvolvimento da representação simbólica.

Referências Bibliográficas

FERREIRO, Emília, TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da Língua Escrita. Trad. Diana Myriam Lichtenstein, Liana Di Marco e Mário Corso. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.
GARDNER,Howard.Arte, Mente e Cérebro: uma abordagem cognitiva da criatividade. Tradução: Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.
LUQUET, G. H. O desenho infantil. Porto: Editora do Minho, 1969.
LUQUET, G.H. Arte Infantil. Lisboa: Companhia Editora do Minho, 1969.
MÈREDIEU, F. O desenho infantil. São Paulo: Cultrix, 1995.
PIAGET, J. A formação dos símbolo na criança. PUF, 1948
PILLAR, Analice Dutra. Desenho & escrita como sistema de representação.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
RABELLO, Sylvio. Psicologia do Desenho Infantil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1935.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/contribuicoes-do-desenho-na-educacao-infantil-6279214.html

    Palavras-chave do artigo:

    desenho infantil

    ,

    motivacao

    ,

    escola

    Comentar sobre o artigo

    A pesquisa faz uma abordagem autobiográfica, aplicando a literatura infantil na sala de aula. Fundamenta-se em autores como Marisa Lajolo, Lígai Cadermatori e Regina Zilberman. O livro infantil na sala de aula proporciona à criança a educação, o desenvolvimento da imaginação, o incentivo á leitura de forma prazeirosa e a construção da sua identidade.

    Por: Geraldo Francisco dos Santosl Educação> Educação Infantill 22/04/2011 lAcessos: 8,536
    Eliaquim Barbosa Pereira

    Este trabalho teve a finalidade de fazer uma pesquisa bibliográfica sobre desenvolvimento da coordenação motora fina, como uma proposta relevante para o crescimento da criança da pré-escola. Buscando em diversas bibliografias a opinião de autores sobre como é realizado o trabalho de estimulo e incentivo ao desenvolvimento da coordenação motora dos alunos da educação infantil. Busca-se abordar aspectos necessários para diagnosticar e discutir a aplicação de ações, tanto por parte da família quant

    Por: Eliaquim Barbosa Pereiral Educação> Ciêncial 27/02/2010 lAcessos: 9,503

    O presente estudo propõem uma reflexão sobre as limitações e possibilidades do ensino de Geografia na Educação Infantil. São objetivos da pesquisa através de leituras, caracterizar as etapas da criança segundo teorias do desenvolvimento de Vygotsky e Piaget; especificar os conceitos importantes para auxiliar obter noções espaciais; analisar a importância da orientação espacial e temporal; pesquisar estratégias para trabalhar o ensino de Geografia na Educação Infantil.

    Por: maristela brum peroniol Educação> Educação Infantill 28/03/2011 lAcessos: 8,209 lComentário: 1
    Nathália Alves de Oliveira

    O presente artigo busca demonstrar a importância do processo educativo lúdico na educação infantil, visto que jogos e brincadeiras são, conforme estudiosos, experiências afetivas mútuas para o ambiente e devem ser consagradas nas crianças em fase escolar. Embasada por significativos referenciais teóricos, a proposta apresentada permite afirmar a existência de jogos e brincadeiras infantis no processo que aumentam rendimento no processo escolar.

    Por: Nathália Alves de Oliveiral Educação> Educação Infantill 08/02/2012 lAcessos: 12,888

    O presente artigo tem como objetivo reconhecer a importância da literatura infantil e incentivar a formação do hábito de leitura na idade em que todos os hábitos se formam, isto é, na infância, é o que este artigo vem propor. Neste sentido, a literatura infantil é um caminho que leva a criança a desenvolver a imaginação, emoções e sentimentos de forma prazerosa e significativa

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 300
    ( clarafênix)

    Este artigo tem por objetivo dividir a experiência vivenciada com classes de alfabetização na Educação Infantil e demonstrar que a falta de experiência não representa um entrave na vida do professor,mas, uma oportunidade para o crescimento profissional.Através deste artigo espera-se que as novas colegas que adentram o universo infantil o percebam como um leque de desafios,oportunidades e realizações, o que só é possível através da troca de experiências em sala de aula

    Por: ( clarafênix)l Educação> Educação Infantill 27/11/2011 lAcessos: 132
    Rosimeire Moreira Quintela

    RESUMO Esta pesquisa visa transformar métodos tradicionais contidos na escola levando os professores a participarem de pesquisas, práticas pedagógicas, inovações para que suas aulas se tornem mais criativas e produtivas. O objetivo é de auxiliar na superação do fracasso escolar em relação à leitura, pois se acredita na possibilidade de sucesso de todas as crianças...

    Por: Rosimeire Moreira Quintelal Educação> Educação Infantill 11/01/2012 lAcessos: 1,084
    Berenice Neves Grisoste

    Este artigo relata a relação afetiva entre aluno/professor que é de extrema importância para o desenvolvimento de aprendizagem saudável entre os educandos, e adaptação dos mesmos ao meio físico e social. O desenvolvimento do aluno tem um valor imprescindível para o processo de construção de conhecimentos e da realidade em que ele vive. Percebe-se que o afeto é um grande laço que liga o professor e aluno, é um conjunto onde estão relacionados á autoestima, amor, sentimentos e valores, são essas r

    Por: Berenice Neves Grisostel Educação> Educação Infantill 24/11/2013 lAcessos: 55

    RESUMO Durante os primeiros anos de escolaridade, as crianças sentem uma insaciável necessidade de movimento; ficam felizes em fazer experiências novas e se entusiasmam com todos os jogos ou brinquedos. A aquisição das qualidades físicas básicas (equilíbrio, coordenação, resistência, flexibilidade, equilíbrio, etc.) juntamente com o desenvolvimento das funções psicomotoras através da aprendizagem da Dança, é de vital importância para o seu desenvolvimento. Do ponto de vista pedagógico

    Por: Jeanne Chaves de Abreul Educação> Ensino Superiorl 19/05/2011 lAcessos: 1,146

    Este artigo pretende discutir a formação de leitores no ensino fundamental sob o ponto de vista dos Parâmetros Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa(PCNs) recomendado para a formação de leitores na escola. Apontando para a necessidade de a escola reconhecer essa ação e sua importância no desenvolvimento humano, e que por meio dela, o aluno é capaz de transpor conflitos, descobrir uma infinidade de informações e transformá-las em conhecimentos funcionais para sua vida.

    Por: Doralice da Silva Marianol Educação> Educação Infantill 19/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Explicação do Livro de Foucault: Vigiar e Punir e sua ação pedagógica discriminatória. Para Foucault como para diversos outros epistemólogos, o ser humano não nasce pronto, não tem essência Locke, muito menos uma natureza a qual é atribuído a ela um determinado fundamento, são tábuas rasas, os homens são desenvolvidos pelas suas próprias atividades, que estão relacionadas com o corpo humano, na função do vigiar e punir.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Educação Infantill 15/03/2014 lAcessos: 12
    Romilda Aparecida Lima

    Este artigo tem por objetivo refletir sobre as concepções de superioridade das elites sobre as percepções de infância e adolescência dos séculos XVI a XXI. Essas concepções apontam transformações socioeconômicas no Brasil, que pode nos assinalar a posição que encaixa os adolescentes enquanto seres. Nesta análise, percebe-se que de uma forma, ou de outra, continuam sendo válidas na atualidade, situações que não são novas, mas que se repetem séculos após séculos.

    Por: Romilda Aparecida Limal Educação> Educação Infantill 11/03/2014 lAcessos: 13

    Esse estudo objetivou-se fazer uma revisão bibliográfica sobre transtorno de déficit de atenção/hiperatividade focando na sua etiologia, diagnóstico e tratamento, além da prevalência. Essa pesquisa trouxe importantes contribuições para um melhor entendimento sobre o que seja o TDAH e suas causas.

    Por: Ana Cecília Melo de Mirandal Educação> Educação Infantill 05/03/2014 lAcessos: 16

    Este artigo tem como tema "A importância dos contos para a formação de valores e o desenvolvimento psíquico Infantil", abordando, a relevância que a contação de história demonstra na dimensão lúdica nos aspectos que favorecem o desenvolvimento infantil. Apresenta uma abordagem teórica, que favorece a reflexão e análise do tema. O questionamento que motivou a escolha dessa temática foi: qual é a importância da fantasia no desenvolvimento infantil? A pesquisa bibliográfica fundamentou a elaboração

    Por: Vilma vianal Educação> Educação Infantill 27/02/2014 lAcessos: 27
    Ademilson Rosa

    Quando falamos em educação, o Brasil ocupa sempre as últimas colocações. Todos querem saber de quem é a culpa, mas nem todos querem fazer a sua parte. Se existe alguém que é inocente nessa história, é o professor, pois ele vai para sala de aula transmitir seus conhecimentos, ao invés de ser bem recebido, ele é hostilizado por alunos sem educação.

    Por: Ademilson Rosal Educação> Educação Infantill 26/02/2014 lAcessos: 11

    Todo início de ano temos uma visão panorâmica das consequências da falta de planejamento e atitudes de nossos administradores públicos. Junto com as festas e comemorações, somos bombardeados pelas notícias de enchentes, quedas de barreiras, pessoas que perdem suas casas, seus bens e até mesmo suas vidas

    Por: Central Pressl Educação> Educação Infantill 17/02/2014 lAcessos: 19
    FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTA

    Alfabetização leitura do mundo, leitura da palavra é um livro de Paulo Freire com colaboração de Donaldo Macedo, publicado nos Estados Unidos e traduzido aqui no Brasil por Lólio Lourenço. Letramentos Múltiplos, escola e inclusão social é um livro da dra em Linguística Roxane Rojo. Tento aqui estabelecer uma relação analítica entre esses dois livros e aproximá-los no que se refere aos conceitos de alfabetização. O gênero do texto está muito mais para uma resenha do que propriamente um artigo.

    Por: FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTAl Educação> Educação Infantill 15/02/2014 lAcessos: 32

    O presente artigo tem como objetivo reconhecer a importância da literatura infantil e incentivar a formação do hábito de leitura na idade em que todos os hábitos se formam, isto é, na infância, é o que este artigo vem propor. Neste sentido, a literatura infantil é um caminho que leva a criança a desenvolver a imaginação, emoções e sentimentos de forma prazerosa e significativa

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 300

    Este artigo trata da importância do lúdico desenvolvido nas escolas de educação infantil voltado para uma perspectiva das crianças, relatando a relevância no ambiente educacional.

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 1,258

    Considera-se a Brinquedoteca no âmbito educacional, como espaço voltado às brincadeiras, com função lúdica não diretiva e não interventiva da ação docente, objetivando nesta, possibilitar inúmeras vivências e experiências para desenvolver as potencialidades do educando. Como instrumento de coleta de dados, utilizou-se questionários compostos de quatro questões abertas

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 70

    O presente artigo aborda as questões de identidade, autonomia, linguagem oral e escrita e o que está presente no cotidiano da criança, permitindo ampliar o universo com significações a partir da realidade que estão vivenciando. Pretendemos levar o educador, a se colocar em uma posição de inovação, apontando a importância de sua pratica educativa na educação.

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 61

    Este trabalho tem como objetivo descrever a contribuição pedagógica do jogo e da brincadeira na educação infantil, tendo como meta buscar significados que venha a esclarecer nossas indagações acerca do tema, baseado nas pesquisas bibliográficas e em autores e estudiosos do assunto. Compreender melhor e mostrar os desafios enfrentados e as dificuldades superadas para ampliar conhecimentos, assim como a apreensão de novos valores com várias propostas baseado em teóricos.

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 161
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast