Criança Na Escola- Escolha, Acompanhe E Valorize

Publicado em: 14/04/2009 |Comentário: 2 | Acessos: 2,998 |

Escolher e valorizar a escola de nossos filhos SEMPRE será um processo difícil. Isso não significa que este deva ser problemático, ansioso, conturbado ou mesmo deixar-nos com tantas dúvidas que, na hora da decisão final, não consigamos ponderar qual a melhor escolha.

A decisão da escola implica em avaliar com detalhes o que é oferecido e, por outro lado, o que a família(mãe, pai, e porque não avós e tios) acham importante e valorizam na educação de seus filhos.

Sabe-se que a fase inicial da educação da criança, principalmente aquela que compreende os 3 primeiros anos de vida, são essenciais para a formação psíquica, física, motora, social, cognitiva da criança, ou seja, é nesta fase que se formam aspectos que acompanharão a criança pela vida toda.

Decidir entre um cuidador especializado em casa(babá), deixar a criança com um parente como avó ou tios, ou mesmo coloca-la no berçário é uma decisão difícil e polêmica.

O importante na decisão é fazê-la com maturidade e confiança e depois, monitorar e acompanhar o processo da escolha feita. Devemos lembrar que sempre é tempo para mudar e optar por outras alternativas.

Quando opta-se por um berçário, há condições que devem ser primordiais e obrigatórias na escolha:

1- espaço físico do berçário-limpeza, se é arejado ou não, nível de segurança( janelas, piso, etc), espaço específico para estimulação e repouso dos bebês.

2- corpo técnico: os profissionais nesta fase são extremamente valiosos para a criança, para a família e a escola. A qualidade do vinculo que a criança estabelece com o cuidador/pedagogos da instituição refletem no comportamento da criança no ambiente escolar e familiar. Logo, algumas questões devem ser observadas ,tais como:

berçaristas- número de berçaristas por criança, qualificação das berçaristas, acompanhamento pedagógico e médico dos bebês.

3-alimentação: deve-se respeitar o tipo de nutrição seguida pela família, claro que sempre validada pelo pediatra da criança.

4- espaço para estimulação dos bebes- deve haver um espaço específico e seguro, com material pedagógico adequado para cada faixa etária, com pessoal treinado para os cuidados com o desenvolvimento psico-socio-motor de cada bebê.

5-comunicação com a família- nesta etapa, todas as mudanças e progressos devem ser informados e os pais e familiares sempre presentes no processo de educação da criança. A escola deve estar aberta para dialogar, ouvir dúvidas, ansiedades, etc.

6-postura educacional: deve-se lembrar que a escola cumpre uma função/papel social, educacional e interfere diretamente no desenvolvimento da criança. No entanto, deve-se ter o cuidado de zelar pelo ambiente escolar- a escola deve ter um plano político pedagógico( norteando o processo educacional e disciplinar), não confundindo a escola com uma segunda família a fim de manter o caráter profissional da instituição. É possível ser afetivo e assertivo concomitantemente.

Além das questões especificas da escola, a família sempre deve ponderar outros fatores, como: tempo de deslocamento da criança para o

 berçário, respeito à sua rotina, tempo de permanência, etc.

O processo de adaptação da criança à nova escola também deve ser gradual e paulatino, principalmente se for o iniciação da mesma à vida escolar.

Devemos lembrar que há, de fato, uma mudança de espaço físico e psicológico da criança para este novo ambiente, que ela não conhece. Tudo o que é novo e inexplorado gera medo e insegurança, o que é PERFEITAMENTE normal.

 Por este motivo, se a criança chora, resmunga, enfim, mostra o seu sentimento(porque muitas vezes ainda não sabe expressá-lo verbalmente), este sentimento deve ser valorizado e  trabalhado em parceria pelos pais/escola e não ser descartado. Fazer de conta que “ele não existe e a criança se adaptará de qualquer forma” talvez não seja a atitude mais adequada na construção da singularidade deste novo sujeito, que está em formação e como citamos anteriormente, incorpora as maiores influencias e vivências do meio até os 3 anos.

A escola e a família podem acordar a necessidade da presença dos pais em questão de tempo, local, etc(a mãe ou quem está fazendo a adaptação pode ir se retirando lentamente deste espaço, por exemplo), mas é importante que, por menor que seja a criança, ela seja informada do acordo realizado. Assim, sua importância também é valorizada.

Conforme a criança responde positivamente à escolha feita, o nível de ansiedade dos pais geralmente costuma diminuir. Afinal, uma vez a escolha feita, o acompanhamento deve ser realizado com bom-senso, permitindo que a escola tenha autonomia no trabalho que realiza e nas condutas que adota.

Uma prática que deve ser observada quando o aluno é novo na escola é o nível de informações que a escola exige a respeito do mesmo. Quanto mais valor a escola der à história da criança, é bem provável que a abordagem seja mais humanista na forma de tratar e conduzir o desenvolvimento individual do aluno.

É importante que as reuniões individuais e de sala aconteçam periodicamente, pois esta é uma forma de sistematizar e comunicar aos pais o que a criança faz, como se comporta e se desenvolve, como a escola se posiciona, enfim, de que forma esta parceria aluno/escola se desenvolve efetivamente.

Nestes momentos mais privados entre professor, coordenador e pais, é oportuno que a família informe se problemas pontuais e específicos aconteceram com o filho( mudança de comportamento em casa, algum tratamento médico, etc) e vice-versa(ou seja, que a escola pontue e oriente pais e familiares caso perceba alguma mudança SIGNIFICATIVA).

Deve-se levar em conta que o desenvolvimento de casa criança é único, singular e especifico e que não se pode, de forma alguma, padronizar e comparar duas crianças : cada uma tem uma história que a faz diferente do outro. Logo , o processo de desenvolvimento psico-bio-socio-pedagógico de cada aluno também é único e deve ser monitorado em termos de evolução, progressos, mudanças e regressões, sempre com bom-senso.

 Conforme a criança cresce, a família reavalia questões como proposta pedagógica, método, convívio social, proposta religiosa de escola de seu filho- sempre calcada no histórico da criança- e, se necessário, efetiva mudanças conforme necessário.

No entanto, o aspecto de formação da criança em termos morais e éticos deve SEMPRE SER PRIVILEGIADO, e este se constrói na intersecção entre escola, família e sociedade- a criança reforça conceitos adquiridos na escola através das vivências escolares, sociais e familiares. Por isso, a importância da formação integral do aluno tanto nos primeiros anos de vida como posteriormente: é importante que este se veja e seja visto  como um ser total, único, capaz, que respeite e tolere seus limites e do outro e que assim, possa conviver, colaborar e construir uma sociedade melhor, mais justa e mais humana.

Aprender a conviver em grupo, discutir, ouvir, ponderar, olhar PARA o outro, enfim, todos estes são papeis da escola. Nela o aluno tem a oportunidade de adquirir e consolidar habilidades, comportamentos, atitudes e competências necessárias e relevantes para sua formação como aluno, cidadão e ser integral.

Como falamos anteriormente, este processo de formação JAMAIS será completo se não houver a parceria e ENVOLVIMENTO pleno da família e da sociedade em que se vive.

Este processo de formação completa é complexo e dialético- permeado por conflitos. O conflito, no processo de “educar “o outro e a si mesmo, acontece ao mesmo tempo.

 Quando o professor interfere na sala de aula criando situações ou contextos para que os alunos elaborem determinados conteúdos, ele propicia ao aluno e a si mesmo condições de olhar o processo de desenvolvimento, observar etapas, localizar cada criança, trabalhar questões globais e específicas.

Neste processo, ele também se coloca como mediador, pontua para o grupo( e consequentemente, para si mesmo) os pontos fortes e avalia oportunidades de melhoria. Assim, aprendemos a ser, a fazer, a refletir, a construir, a pensar, enfim, aprendemos como evoluir como seres humanos, aprendizes e cidadãos.

Logo, qualquer que seja a escola, é imprescindível que:

- o aluno seja acompanhado individualmente e que a escola mostre se apropriar da história de cada um- o aluno é um sujeito singular e único,

- as diferenças sejam respeitadas e questões individuais RELEVANTES sejam tratadas sempre com a família , tendo-a como parceira,

- que a escola valorize a formação de seu corpo profissional quanto a habilidades, atitudes e comportamentos: não adianta um professor cheio de conteúdo e atitudes imprudentes,

- exista um canal de dialogo acessível família/escola,

- as habilidades das crianças sejam trabalhadas de forma integral: corpo e mente,

- valorização de aspectos sócio- culturais, enfatizando os  valores morais e éticos, tolerância e respeito,

- a escola jamais é a família e vice-versa,

- que apresente atitudes de apoio às famílias e alunos quando necessário, sem rotular ou excluir a família de processos importantes de decisão.

Se a escolha de uma escola pode ser demorada e complexa, devemos refletir o quanto é complexo e amplo o processo de educar e formar nossos filhos. Por este motivo, devemos nos aliar às instituições que formam nossos filhos, valorizando e enaltecendo a importância do processo de formação desde a educação infantil.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 5 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/crianca-na-escola-escolha-acompanhe-e-valorize-865774.html

    Palavras-chave do artigo:

    escola

    ,

    familia

    ,

    aluno

    Comentar sobre o artigo

    O presente estudo vem a ser uma resposta que desejo dar a mim mesma desde quando iniciei minha carreira de professora, sempre vi os professores acarretados de tarefas, na preparação de aula, preocupados com novas dinâmicas de ensino para tornar a aula mais interessante, mais atraente aos olhos dos alunos. Como resultado desses esforços sempre via os professores infelizes e desanimados, porque as atividades não foram recebidas como o planejado pelo professor, enfim este teve suas expectativas fru

    Por: MARRUSHl Educação> Educação Infantill 10/06/2012 lAcessos: 397
    Antonia Matos

    Este trabalho tem finalidade de fazer uma breve reflexão sobre o papel da escola e da família no processo ensino-aprendizagem, a importância do trabalho conjunto dessas duas instituições tendo objetivos, estratégias e planos de ação conjuntos objetivando o sucesso acadêmico de seus filhos/alunos. Também será analisado o papel do psicopedagogo neste processo.

    Por: Antonia Matosl Educação> Ensino Superiorl 15/10/2012 lAcessos: 1,017

    escola e a família, considerando suas diferenças e semelhanças, compreendendo-as sob o olhar denso da cultura, levam-se em consideração os cidadãos, homens e mulheres, enquanto sujeitos sociais e históricos, presentes e atuantes na história da sociedade, tão arraigada de divisores de classes, que separam constantemente os homens da natural condição de igualdade. Diante de tal realidade, a escola, enquanto instrumento da educação, enfrenta grandes desafios, quanto às açõ

    Por: Odil Educação> Educação Infantill 24/06/2012 lAcessos: 647

    A inclusão e a exclusão tornou-se uma problemática que se constitui num enorme desafio a ser superado pela família, educadores e sociedade. O grande desafio é da oportunidade aos excluídos aqueles desprovidos de oportunidades. Entre tantos excluídos podemos discorrer sobre a exclusão vivenciada pelo aluno "N.R.S" . Oriundo de uma família desprovida de qualquer condição social, a margem da sociedade, onde os pais semi-analfabetos e com o pai dependente de drogas.

    Por: Marta Kalianel Educação> Ensino Superiorl 04/05/2013 lAcessos: 112
    Luiza C de Azevedo Ricotta

    O tema deste artigo reflete o pensamento da autora no livro "Os Valores do Educador: Uma Ponte Para a Sociedade do Futuro" SP: Àgora Ed (2006) cujo intuito principal é a melhoria da qualidade do profissional de educação, sua saúde psíquica e uma consciência e mentalidade crítica com relação à sociedade, sendo portanto capaz de exercer seu papel de formador de pessoas e transmissor de valores humanos para uma socieadade viável.

    Por: Luiza C de Azevedo Ricottal Educaçãol 30/01/2009 lAcessos: 13,060 lComentário: 3
    SONIA OLIVEIRA SILVA

    A participação dos pais na educação dos filhos deve ser constante e consciente. A vida familiar e escolar se completa.

    Por: SONIA OLIVEIRA SILVAl Educação> Ciêncial 11/07/2008 lAcessos: 340,798 lComentário: 29
    Ribamar Pinho

    É de extrema importância a presença da família no contexto escolar onde é imprescindível que os pais frequentem o ambiente escolar para saber de que maneira é desenvolvido o comportamento e aprendizagem de seus filhos. A presença da família na escola é significante porque demonstra apoio e preocupação com a aprendizagem da criança, sendo que, com a presença dos mesmos, a sociedade escolar, sentir-se-á honrada, compromissada e motivada para tratar o processo de ensino aprendizagem da criança.

    Por: Ribamar Pinhol Educação> Educação Infantill 20/01/2013 lAcessos: 706

    A estrutura familiar está desaparecendo a cada dia e é na escola que muitas crianças encontram seu referencial para a vida. Em meio a tantas más influências, a escola deve estar preparada para oferecer aos seus educandos o maior número de influências positivas para que ele possa ver a escola como um exemplo de cidadania que respeita seus educandos e busca uma relação dialética com eles a fim de ajudá-los a solucionar seus problemas e orientá-los em suas decisões.

    Por: Deise Coelho Schinoffl Educaçãol 25/05/2012 lAcessos: 612

    O presente artigo consiste em uma revisão bibliográfica sobre a violência escolar, trazemos o conceito de bullying, as consequências dessa violência para a comunidade escolar. Para tanto usamos como referencial teórico autores que retratam esta temática como: Constanatini (2004); Fante (2005); Lopes Neto (2005) Fante e Pedra (2008); Guareschi (2008), Pereira (2009) dentre outros. Apresenta-se uma reflexão sobre a contribuição da família e da escola na minimização deste tipo de violência.

    Por: EURICLÉIA FAGUNDES RAMOSl Educação> Ciêncial 24/11/2011 lAcessos: 666
    Carla Cardoso Gomes

    O presente artigo tem como objetivo apresentar os principais fatores que influenciam nas dificuldades dos discentes nos processos de aprendizagem. Uma pessoa que não conseguiu desenvolver todas as habilidades de leitura e noção matemática encontrará muitas dificuldades e desafios para relacionar-se com a sociedade de um modo geral. Quando a Escola não ajuda com um atendimento personalizado e especifico, a criança deixa de vivenciar situações de construção da identidade.

    Por: Carla Cardoso Gomesl Educação> Educação Infantill 05/08/2014 lAcessos: 21
    Carla Cardoso Gomes

    O presente artigo é resultado de uma pesquisa para a obtenção do título de graduada do curso de Pedagogia pela Faculdade Evangélica Cristo Rei – FECR, realizada com alunos do Ensino Fundamental I, da Escola Municipal de Ensino Fundamental Monsenhor José Borges. O objetivo dessa pesquisa é explicitar a concepção de leitura realizada por alunos do 4º Ano do Ensino Fundamenta I e também do professor.

    Por: Carla Cardoso Gomesl Educação> Educação Infantill 05/08/2014 lAcessos: 22

    O presente texto aborda as contribuições dos jogos no processo de ensino e aprendizagem, seu meio desafiador, estimulante e lúdico no contexto da sala de aula.

    Por: Elizabeth Melnyk de Castilhol Educação> Educação Infantill 23/07/2014 lAcessos: 16

    O gosto e o prazer pela leitura começam quando a criança se deslumbra com o maravilhoso emanado do livro, ou seja, com a história, pois não são as letras nem as sílabas que as extasiam, mas o enredo...Dessa forma, leitura é prazer, e por ser prazer, pode ser renovada a cada aula, a cada dia. Por isso, não pensar em leitura como hábito, pois hábito insinua repetição freqüente de um ato, mas pensar a leitura como objeto que leva ao gozo, à fruição... Daí advém a vontade de a ela sempre retornar,

    Por: ELKE EMILIA C.PAILOl Educação> Educação Infantill 22/07/2014 lAcessos: 12

    A linguagem oral deve ser estimulada ao longo da vida escolar de várias formas, através de apresentações de trabalhos orais, recitação de poemas, na leitura de textos e discussões em grupo sobre determinados temas propostos pelo professor. Esse tipo de trabalho estimula a oralidade, fazendo com que o aluno se expresse sem compromisso, sendo o mais espontâneo possível, mas nunca se esquecendo de contextualizar a linguagem com a situação da fala.

    Por: Maria Zilda da Silva Barbosal Educação> Educação Infantill 20/07/2014 lAcessos: 25

    Trabalhar com a questão da sexualidade é muito complexo tendo em vista a grande banalização do erotismo ocorrida pela mídia e meios de comunicação, são músicas com gestos promíscuos, letras detrativas, com teor de sexo implícito. Diante disso crianças são submetidas a uma cultura onde a sexualidade denota poder de comando e autoridade.

    Por: Maria Zilda da Silva Barbosal Educação> Educação Infantill 20/07/2014 lAcessos: 23

    A educação das crianças foi uma função considerada por muito tempo sendo uma responsabilidade das famílias ou de um determinado grupo social ao qual a mesma fazia parte, e assim ela aprendia, adquiria conhecimentos e era moldada seguindo as acepções que do meio. Porém com a grande transformação da sociedade e suas estruturas, logo o sistema educacional também sofreu muitas mudanças dando mais importância para a formação infantil.

    Por: Maria Zilda da Silva Barbosal Educação> Educação Infantill 20/07/2014 lAcessos: 38

    O presente texto aborda questões referentes à importância do currículo no campo educacional. Busca também, refletir o papel dos educadores quando se trata em trabalhar com o currículo e que implicações o mesmo traz para a escola e para todo o processo de ensino e aprendizagem.

    Por: Elizabeth Melnyk de Castilhol Educação> Educação Infantill 20/07/2014 lAcessos: 16

    Este artigo trata de um tema interessante, de como o modelo de mundo contemporâneo globalizado interfere na educação de nossos filhos e o que podemos, como pais, fazer para sustentar um modelo adequado de educação, que compartilhe a modernidade com princípios e valores éticos necessários para a formação de um bom cidadão

    Por: sandra ethel kroppl Educação> Educação Infantill 24/11/2010 lAcessos: 384

    Este artigo visa refletir sobre o papel da mediação como estratégia de resolução e encaminhamento de conflitos na escola, valorização e re-significação da escola como instituição essencial na construção do processo de aprendizagem no mundo contemporâneo

    Por: sandra ethel kroppl Educaçãol 11/08/2009 lAcessos: 2,713

    Este artigo visa discutir como permitir à criança se desenvolver social e picologicamente, com respeito à sua individualidade-sentimentos , mas levando em conta a dinamização e tecnologização do mundo moderno.

    Por: sandra ethel kroppl Educação> Educação Infantill 03/08/2009 lAcessos: 1,064 lComentário: 1

    Este artigo amplia a discussão quanto à formação e desenvolvimento da criança através da experiência social, da importância dos limites e disciplina e o papel da plasticidade cerebral neste contexto.

    Por: sandra ethel kroppl Educaçãol 30/07/2009 lAcessos: 1,957

    Este artigo visa refletir sobre a mudança de parametros de ser para ter, a dificuldade de educar os filhos no mundo moderno, o papel da educação enquanto reflexão e transmissão de valores e o uso da tecnologia neste processo.

    Por: sandra ethel kroppl Educaçãol 30/06/2009 lAcessos: 223

    Comments on this article

    0
    Elisangela 07/03/2011
    Gostei muito dos artigos, mais preciso de mais informações sobre mudanças de comportamento da criança na educação infantil !
    0
    jose 02/02/2010
    A esolha de uma boa escola para nossos filhos pode se dar apenas através de guias de escolas ( www.portalguiaescolas.com.br ) ou deve-se usar de outros recursos e quais, se nosso tempo é escasso? Obrigado.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast