Fatores responsáveis para o desenvolvimento da inteligência emocional nos alunos

Publicado em: 17/09/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 819 |

A criança não precisa só do desenvolvimento cognitivo como se pensava os primórdios da educação, precisa de subjetividade, ou seja, participar ativamente com o professor no processo educativo. Com isto, deve-se ter uma educação que promova a formação e o desenvolvimento integral do ser humano, seria uso do estudo e da prática da Inteligência Emocional na educação formal. Pois a educação nesses novos tempos necessita-se do trabalho e uso da solidariedade e da consciência na prática pedagógica, buscando contribuir para o extermínio daquele currículo onde só valorizava o conteúdo memorizado em cada matéria. Deve-se criar condições de formar seres humanos conscientes do seu papel em quanto cidadão, ao contrario do que se tem hoje na educação, que é um ensino fragmentado, estimulador da repetência e dos conflitos entre professores e alunos.

Partindo desta ideia, que atitudes devem ser mudadas para que a escola realmente trabalhe a inteligência emocional? O ponto de partida que temos são as observações em sala de aula, pois sabemos que é através desse estudo que conhecemos nossos alunos e a maneira de adequar às atividades a realidade de cada um, daí vem o seguinte pressuposto "devemos ver o homem por inteiro, em uma sociedade solidária e justa, com uma educação de qualidade para todos, que respeite o aluno e lhe permita o desenvolvimento pleno de suas potencialidades". Mas como implantar esta teoria na prática, se não temos quase nada do exposto na afirmativa anterior, pelo contrario temos uma sociedade individualista e pobre em princípios éticos e morais?  

Parece ser absolutamente impossível desenvolver a inteligência emocional nos alunos, principalmente por que os educados não acreditam em seus professores, criando assim um ambiente conflituoso onde as consequências são imediatas, desinteresse por parte dos alunos e diminuição da capacidade de ensinar por parte dos professores, diante de tamanha desmotivação, ambos revelam-se baixa auto-estima e não estão conseguindo dá o melhor de si, contribuindo para agressões físicas e verbais, repetência, abandono escolar e migrações, problemas esses que vem sucateando o processo de ensino aprendizagem. 

Mas continua a pergunta aparentemente sem resposta: como desenvolver essas habilidades no ambiente escolar que temos hoje em dia? Principalmente porque o currículo da educação básica e os cursos de formação de professores ainda estão voltados para a era da informação e não do conhecimento, provocando assim o desgaste de todos envolvidos no processo. Augusto Cury nos alerta para:

Professores, não se preocupem em dar 100% das matérias que lhes foram incumbidas, essa educação está errada e falida. Numa educação participativa, que valoriza o treinamento da emoção, devemos dar mais atenção à qualidade das informações do que à quantidade (CURY, 2001, P. 71)

        A profissão de educador amplia-se além da prática de conteúdos pré-estabelecidos. Nela está inserida a formação enquanto ser humano e isto implicam aspectos afetivos e cognitivos exigindo diversificação de comportamentos, ou seja, é toda uma junção das necessidades escolares e sociais para que o ensino ganhe significado para a vida do educando, pois sabemos que no mundo atual o que realmente importa é aquele conhecimento que atende as necessidades elementares do dia a dia, pois é através deste princípio que o aluno irá chegar à verdadeira aprendizagem, a aprendizagem para a vida. Na escola revela-se toda uma gama de sentimentos; emoções e comportamentos a que um indivíduo possa expressar e se submeter, considerando que ambos passam grande período de tempo nesse ambiente, e, é nele que se expande a possibilidade da educação emocional. Sentimento como amor, alegria devem ser valorizados e incentivados. Mas não significa que as emoções negativas como: raiva, medo, tristeza, frustrações deixarão de existir, no entanto se houver a aproximação aluno/professor, ambos aprenderá a lidar com este tipo de sentimento, pois, são através dessas emoções negativas que o professor conhece seu aluno, podendo criar estratégias para a solução de tais problemas.

Quando o professor está apto a trabalhar estas áreas, auxiliará seu aluno a conscientizar-se de suas emoções. Para isso precisa ser intuitivo. "Quem não desenvolve a intuição pode estar preparado para educar robôs, mas não seres humanos". (CURY, 2007, p. 58).

O meio social hoje está absorvida em grandes problemas de relacionamento devido à falta de controle emocional e isto acaba atingindo a escola: crianças extremamente estressadas, individualistas, carentes de afeto, entre outros. Não seria à hora do professor aproximar do aluno, interessar pela vida do mesmo? Uma sugestão para esta aproximação seria: fazer com que o aluno se sinta útil no meio escolar, como por exemplo, o professor poderia pedir auxílio ao educando em acesso a internet, pois sabemos que os jovens têm certa facilidade no uso da tecnologia. Com isto o aluno entenderia que o conhecimento é recíproco que todos precisam uns dos outros, o aluno aprenderia a ser feliz na escola, descobrindo o prazer de aprender, e vendo o professor não só como profissional que esta lá para ensinar, mas como um aliado no processo de desenvolvimento educacional. Além disto, não podemos descartar o ambiente em sala de aula, pois deve ser acolhedor, organizado, de grande interação onde os próprios alunos são os responsáveis por esta organização fazendo com que eles se sintam ativos não só no desenvolvimento da aprendizagem, mas no processo de formação do ser humano.

Espero que os educadores e planejadores estejam à altura do desafio de criar ambientes em que as inteligências possam ser avaliadas de uma maneira tão naturalista e justa para com a inteligência quanto possível. (GARDNER, 1999, P. 211).

Diante do exposto não devemos esquecer as limitações enfrentadas pelos educadores como: extensa carga horária de trabalho, salas lotadas, o não envolvimento do meio social (pais, família, comunidade), pouco tempo reservado ao planejamento, sentimentos e profissionalismo do professor, além da sensibilidade, que se torna um fator imprescindível no papel que desempenha no processo de ensino-aprendizagem e desenvolvimento emocional. Deve-se ter também uma participação maior por parte do Poder Público em todos os aspectos principalmente no sentido de valorização dos professores, na organização do sistema educacional, melhoria nas estruturas físicas das escolas propiciando um espaço agradável ao desenvolvimento das diversas atividades. Com tudo isto tornará possível o desenvolvimento de uma educação não doentia, e o professor poderá desempenhar suas funções com maiores chances de sucesso.

 

REFERÊNCIAS

CURY, Augusto. Maria , a maior educadora da história. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007.

CURY, Augusto. Treinando a emoção para ser feliz. São Paulo: Academia de Inteligência, 2001.

GARDNER, Howard. O Verdadeiro, o Belo e o Bom: os princípios básicos para uma nova educação. EUA. Objetiva, 1999.

TIBA, Içami. Disciplina: limite na medida certa. Novos paradigmas – ed. ver. atual. E ampl. – São Paulo: Integrare Editora, 2006.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/fatores-responsaveis-para-o-desenvolvimento-da-inteligencia-emocional-nos-alunos-5227885.html

    Palavras-chave do artigo:

    desenvolvimento da inteligencia emocional na educacao basica

    Comentar sobre o artigo

    Ricardo Capozzi

    As competências interpessoais são apontadas como fator determinante para o sucesso profissional. É inteligente emocionalmente aquele profissional que tem autoconsciência, pois consegue monitorar-se, observar-se em ação e fazer com que seus atos influenciem positivamente outras pessoas. Saber manter-se equilibrado em situações de estresse, transmitir confiança e tranqüilidade são predicados essenciais para a manutenção do comportamento humano.

    Por: Ricardo Capozzil Carreira> Recursos Humanosl 05/07/2011 lAcessos: 4,367

    O presente trabalho tem como propósito apresentar um estudo através de uma análise bibliográfica sobre a incorporação das tecnologias da informação e da comunicação na educação básica. Apontando algumas reflexões e discussões acerca do uso das tecnologias no cotidiano e nas práticas pedagógicas dos professores de educação básica.

    Por: Patricia Coelhol Educação> Educação Onlinel 24/08/2010 lAcessos: 4,844 lComentário: 1
    Fabiana Saturnino da Silva

    O presente trabalho é uma pesquisa que tem como objeto de estudo o brincar no desenvolvimento infantil. A pesquisa aborda o papel do brincar na Educação Infantil, uma vez que os jogos e as brincadeiras são excelentes oportunidades de mediação entre o prazer e o conhecimento historicamente construído.

    Por: Fabiana Saturnino da Silval Educação> Educação Infantill 16/02/2015 lAcessos: 25

    O uso da ludicidade é neste artigo sugerido como ferramenta de apoio, para ser resgatado como processo educativo e para ser utilizado nas atividades lúdicas não como substituta pura e simples do método tradicional de ensino, mas torná-lo mais eficiente e compreensível para o aluno, pois os jogos possuem a vantagem de, ao mesmo tempo em que ensina diverte. Dessa forma a criança comunica-se consigo mesma e com o mundo, aceita a existência dos outros, estabelece relações sociais, constrói conhecime

    Por: Elizabete Rodrigues Rebouças Pereira da Cruzl Educação> Educação Onlinel 19/01/2011 lAcessos: 3,729
    Berenice Neves Grisoste

    Este artigo relata a relação afetiva entre aluno/professor que é de extrema importância para o desenvolvimento da aprendizagem saudável entre os educandos, e adaptação dos mesmos ao meio físico e social. O desenvolvimento do aluno tem um valor imprescindível para o processo de construção de conhecimentos e da realidade em que ele vive. Percebe-se que o afeto é um grande laço que liga o professor e aluno, é um conjunto onde estão relacionados á autoestima, amor, sentimentos e valores, são essas r

    Por: Berenice Neves Grisostel Educação> Educação Infantill 24/11/2013 lAcessos: 158
    Fayson Merege

    Considerando que o movimento, a corporeidade e o lúdico são de suma importância para o desenvolvimento da criança e que a Educação Física é parte do processo de cultura e humanização da mesma, o presente estudo busca construir e consolidar uma parceria entre a Pedagogia e a Educação Física na Educação Infantil. Pela importância que a infância representa na formação da personalidade do indivíduo, buscam-se respaldos por uma "nova práxis pedagógica" que leve a uma organização didática.

    Por: Fayson Meregel Educação> Educação Infantill 13/06/2012 lAcessos: 721
    Marcelo Gomes González

    O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil é um documento que equivale aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), já que foi criado pelo MEC em 1998. No entanto, há um debate ferrenho entre as grandes esferas da administração é o fato desse nível de ensino compor a Educação Básica, mas ser posta de forma facultada, fazendo com que, muita das vezes, não seja cursada pela criança, que fica com um ensino deficitário na base do conhecimento.

    Por: Marcelo Gomes Gonzálezl Educação> Educação Infantill 17/10/2012 lAcessos: 747
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    A pesquisa possibilitou-nos demonstrar a importância das atividades lúdicas na aprendizagem, visto que os jogos e brincadeiras são, conforme diversos estudiosos, experiências que se correlacionam ao ambiente e devem ser aplicadas as crianças em fase escolar, indiferente de idade e série. Ostentada por expressivos referenciais teóricos, a proposta de trabalho apresentada permite afirmar a existência de jogos e brincadeiras infantis, que se bem aplicadas, auxiliarão no desenvolvimento infantil.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 15/05/2014 lAcessos: 276

    No processo de inclusão a escola propõe a conviver com o "diferente", aceitá-lo, auxiliá-lo, e muitas vezes aprender algo com essas crianças. Entretanto para oferecer uma inclusão verdadeira é preciso entender as particularidades das crianças, mediar a socialização de forma que todos trabalham para o aprendizado de cada uma delas, em benefício de todos. Pretendo contribuir com as discussões éticas e educacionais que envolvem a formação da criança Down por meio da educação.

    Por: Rosely dos Santos Ferreiral Educaçãol 17/12/2014 lAcessos: 17
    Rita de Cássia Santos Almeida

    Este artigo trata da influência que os contos de fadas exercem sobre as crianças. Acredita-se que todos os personagens dessas narrativas, de alguma forma tornam-se 'modelos' para as crianças. Elas acabam se imaginando na versão dos personagens bons, acreditando que isso poderá levá-las à solução de seus problemas, de modo ético e final e assim resolverem seus conflitos interiores da melhor forma possível e viverem felizes para sempre...

    Por: Rita de Cássia Santos Almeidal Educação> Educação Infantill 12/04/2015 lAcessos: 14
    Joseléia Graciano da Silva

    Este artigo surgiu a partir da proposta de analisarmos a escrita em crianças na fase de alfabetização e letramento. Para tanto, buscou-se verificar em textos de crianças nessa fase os fatores que indicam o inicio da aquisição da escrita pela criança, e, assim, realizar uma análise dos dados coletados, não considerando as inadequações da língua padrão como "erro", mas sim como construção de conhecimento.

    Por: Joseléia Graciano da Silval Educação> Educação Infantill 11/04/2015 lAcessos: 13

    Este artigo apresenta um breve histórico de como iniciou o atendimento as pessoas com deficiência até aos dias de hoje. Fala da Constituição Federal de 1988 que deu o primeiro passo a implementação da Educação Inclusiva no nosso país.

    Por: MARCIA AP.M.FARIASl Educação> Educação Infantill 30/03/2015 lAcessos: 23

    Ao destacar o tema "dificuldade de aprendizagem" muitos confundem esta concepção com uma desatenção em sala de aula ou 'espírito bagunceiro' das crianças. Mas a dificuldade de aprendizagem é tratada por muitos teóricos e estudiosos como um distúrbio ,que pode ser gerado por uma série de problemas cognitivos ou emocionais , afetando o individuo em qualquer área do desempenho escolar.Este artigo visa apresentar uma breve reflexão sobre essas concepções

    Por: Eliete Lopes Matricardil Educação> Educação Infantill 27/03/2015 lAcessos: 18

    Esta temática esta presente diariamente em reuniões que buscam analisar e discutir o problema, para então apontar formas para resolver os distúrbios disciplinares no cotidiano das escolas. A desmotivação e a indisciplina são os maiores obstáculos apresentados pelos professores, que se deparam no dia a dia com à desordem em sala de aula e na escola, além de apresentar como parte desta reclamação a desatenção dos alunos, a falta de interesse e de respeito dos estudantes.

    Por: Eliete Lopes Matricardil Educação> Educação Infantill 27/03/2015 lAcessos: 25

    Este presente Artigo trata de uma reflexão sobre a temática da disortográfia e a importância do trabalho em conjunto dos profissionais educacionais, pacientes e familiares no diagnóstico,tratamento e superação desta distúrbio. Descrevendo a importância do apoio psicopedagogico para se superar tal dificuldade expressa e identificada geralmente nas séries iniciais do Ensino Fundamental.

    Por: Eliete Lopes Matricardil Educação> Educação Infantill 27/03/2015 lAcessos: 17

    Acredito que o gosto pela leitura se apreende, é lendo que as pessoas aprendem a gostar de ler, e já de pequenos podemos, ou não, criar o hábito de leitura. Já dizia Carlos Drummond de Andrade que "a leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas por incrível que pareça, a quase totalidade não sente esta sede".

    Por: MARCIA AP.M.FARIASl Educação> Educação Infantill 25/03/2015 lAcessos: 24

    Os contos nasceram, em geral, dos mitos; representam simbolicamente os acontecimentos humanos e sociais e reproduzem, em personagens e situações, valores que atravessam os séculos, porque correspondem a características permanentes do ser humano. Nelly Novaes Coelho, em seu livro Literatura Infantil: teoria, análise, didática, divide esse tipo de narrativa em contos de encantamento, contos maravilhosos e contos de fadas.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 41
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast