O Behaviorismo e a Psicologia da Forma – Gestalt

Publicado em: 13/11/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 5,251 |

            O estudo do comportamento ou Behaviorismo é a designação das observações das reações visíveis do organismo, sem nenhuma consideração por fatores anímicos, ou seja, que pertence à alma ou psicológico. Esta orientação psicológica foi encabeçada nos Estados Unidos por Mc Dougall, John B. Watson e Kantor, entre outros, e convencionou o estudo como psicologia objetiva. Nesta teoria, os pesquisadores chegaram à conclusão que as únicas reações admissíveis como originais na criança recém nascida, seriam o medo, a cólera e o amor, sendo as demais, frutos de condicionamento.

 

          Segundo J. B. Watson, que lançou a corrente behaviorista entre 1910 e 1920, "é cientificamente observável a ação de um estímulo e a reação encontra seu protótipo no reflexo incondicionado e condicionado". Esta afirmação está direcionada ao que o estudioso acreditava que certos estímulos levam o organismo a dar determinadas respostas devido ao ajuste ao meio do indivíduo, assim como a hereditariedade e a formação de hábitos deste mesmo sujeito. Sendo assim, aqueles que sucederam Watson nessas análises, como B.F. Skinner, influenciaram muitos psicólogos americanos e de outros paises com o Behaviorismo radical. Essa corrente pretende ter como base a formulação do comportamento operante confrontado ao comportamento respondente, onde uma trabalha com a aprendizagem tendo uma relação entre ação e seu efeito e a outra, equivale a interações estímulo-resposta (ambiente-sujeito) incondicionadas, nas quais certos eventos ambientais eliciam certas respostas do organismo que independem de aprendizagem.

 

        A corrente Behaviorista, foi muito utilizada na educação nas décadas de 60 e 70 no Brasil (ápices do controle militar sobre a sociedade), e até hoje, prevalece em muitas instituições de ensino como forma de padronizar os elementos envolvidos no processo educativo. Encontra-se também na postura do professor em trabalhar a favor de certos estímulos considerados saudáveis para o aluno, e a anulação de outros (reforçamento), prejudiciais à aquisição dos conhecimentos reproduzidos dentro do ambiente escolar. Devido ao desvio comportamental e os reflexos deste tipo de irregularidades para os demais, inclui-se no processo, a extinção, procedimento no qual uma resposta deixa de ser de ser reforçada de forma abrupta e a punição, onde é reduzida a freqüência de certas respostas, o que é bastante debatido por Behavioristas a validade deste recurso.

 

        A Gestalt ou a psicologia da forma é um termo alemão da escola que enfatiza o conjunto, a organização, a estrutura e as propriedades do campo psicológico. Para Von Ehrenfels (1859-1932), seu criador, as qualidades formais não resultariam da soma ou reações dos elementos, mas sim da atividade do espírito que combinaria esses elementos. A partir de Ehrenfels seguiram Wertheimer, Koffka, Kohler e Lewin, os quais não adotaram a linha idealista do criador, embora tenham continuado admitindo o método dedutivo, a predominância do conjunto sobre as partes e uma forma de introspecção conhecida como fenomenologia.

 

       O grande objetivo dos estudos pelos gestaltistas, era a compreensão quais os processos psicológicos envolvidos na ilusão de ótica, quando o estimulo físico é percebido pelo sujeito como uma forma deferente da que ele tem na realidade. Destacou-se como tema central desta teoria, a percepção, onde os experimentos realizados levaram os teóricos a questionar o princípio implícito na teoria Behaviorista, onde se afirma que há relação de causa e efeito entre o estímulo que o meio fornece e a resposta do indivíduo, onde se encontra o processo de percepção. Concluiu-se que, o que o individuo percebe e a forma com que ele percebe, são dados importantes para a compreensão do comportamento humano.

 

                                                                                                               

          Na visão dos gestaltistas, o comportamento deve ser estudado nos seus aspectos mais globais, nas quais seriam levadas em consideração as condições que alterariam a percepção do estimulo. É por isso que a critica da Gestalt está principalmente, na abordagem do Behaviorismo em considerar o comportamento de forma isolada, pois deste modo, perderia o significado e o seu entendimento para o psicólogo. Justificavam esta postura baseando-se no isomorfismo, onde se conjeturava uma unidade no universo, onde a parte está sempre relacionada ao todo. Para exemplificar esta teoria, cita-se que, ao visualizar a parte de um objeto, a tendência que ocorre é de restauração do equilíbrio da forma (um fechamento dos espaços vazios). Isso garante a visualização do objeto inteiro e o entendimento do que se está percebendo, fenômeno esse que é guiado pela busca de fechamento, simetria e regularidade dos pontos que compõe o objeto em questão.

 

          A partir destas percepções a Gestalt encontra condições para o estudo do comportamento humano, pois a maneira a qual o individuo percebe determinado estimulo. Desencadeia, a partir da teoria da boa-forma, o comportamento humano. Deste modo, o campo psicológico é entendido como um campo de força que nos instiga a procurar a boa-forma, garantindo a busca da melhor forma possível de resolução de situações, que não estão muito bem estruturadas. Na aprendizagem a Gestalt vê este mecanismo como reação entre o todo e a parte, onde o primeiro tem papel fundamental na compreensão do objeto percebido. A designação da compreensão imediata, enquanto entendimento interno é insight. Mais tarde, a teoria de campo de Kurt Lewin, trouxe a compreensão teórica que definiu a totalidade dos fatos que determinam o comportamento do individuo num certo momento, o que chamou de espaço vital. Campo psicológico ficou sendo conhecido como espaço de vida considerado dinamicamente, onde se leva em conta indivíduo, meio e totalidade dos fatos coexistentes e mutuamente interdependentes.

 

          Utilizadas por profissionais de vários campos, as correntes do Behaviorismo e a Gestalt, são utilizadas amplamente com o intuito de entender o comportamento do indivíduo, assim como restaurar seu ponto de equilíbrio, facilitando o entendimento das mudanças de comportamento e as transformações que envolvem a aprendizagem, segundo o estimulo oportunizado. A Gestalt, entretanto, é convencionalmente utilizada por profissionais da área da Psicologia como um instrumento de análise do indivíduo e de suas percepções. O Behaviorismo é considerada uma corrente polêmica, contrastando com a teoria construtivista sócio-interacionista, de Piaget e outros teóricos da área da Pedagogia. Ocorre conflito uma vez que, utilizada como instrumento de condicionamento, esta corrente atrapalha o desenvolvimento social e cognitivo do indivíduo na sua totalidade humana. Em momentos históricos mais fechados como em tempos de ditadura militar, foi indistintamente utilizado para controle social, onde comportamentos destoantes dos permitidos, já se julgavam subversivos e, portanto, limitavam-se o alcance de pensamento e interatividade do sujeito com o seu meio vivido.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/o-behaviorismo-e-a-psicologia-da-forma-gestalt-3659574.html

    Palavras-chave do artigo:

    psicologia

    ,

    educacao

    ,

    aprendizagem

    Comentar sobre o artigo

    Este artigo fala sobre os fatores que influenciam as dificuldades de aprendizagem, buscando compreender a interferência do sistema escolar, familiar e socioeconômico nos problemas de aprendizagem. A importância de pesquisar tal assunto estar em aprofundar o conhecimento sobre as dificuldades de aprendizagem, assim como ampliar a visão a partir da literatura sobre o tema, proporcionando entendimento das representações e compreensão sobre os problemas de aprendizagem.

    Por: Daniel Soaresl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 26/08/2014 lAcessos: 209
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O interesse em pesquisar a forma como a intervenção psicopedagógica pode contribuir para a prevenção do fracasso escolar na alfabetização é devido à desatenção que tem sofrido o ensino da leitura e da escrita, e o baixo rendimento escolar, nas primeiras séries do Ensino Fundamental; e também, devido à importância do trabalho psicopedagógico preventivo que se baseia principalmente na observação e análise profunda de uma situação concreta, no sentido de detectar possíveis perturbações no processo.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 28/12/2012 lAcessos: 335

    O presente trabalho tem como objetivo analisar a importância da memória e objetiva desenvolver e aprofundar os conceitos inerentes à mesma, bem como as suas implicações nos processos mentais, cognitivos e percetivos no processo de acesso à informação. Neste sentido, foi realizada uma revisão da literatura, que forneceu contributos fundamentais sobre as temáticas da memória, concretamente a memória sensorial, memória a curto prazo e memória de longo prazo.

    Por: Paula Costal Psicologia&Auto-Ajudal 27/01/2012 lAcessos: 1,661

    O presente artigo traz informações acerca do reforço escolar, e, sua contribuição para o processo ensino aprendizagem como ferramenta de auxilio na formação do individuo, a fim de sanar as dificuldades decorrentes de vários fatores - externos e internos - que comprometem o letramento e a alfabetização desta criança. Este estudo tem como objetivo geral: investigar de que maneira o reforço escolar tem contribuído para o processo ensino aprendizagem e como objetivos específicos: estimular o aprende

    Por: LUCINETE ARAGÃO MASCARENHASl Educação> Educação Infantill 09/02/2015 lAcessos: 32

    O presente trabalho vai abordar a questão histórica da exclusão e o processo da educação inclusiva que vem se constituindo no decorrer dos anos. Também será discutida a questão de mudança de paradigmas que se faz necessária para que um novo modelo educacional se concretize. Nesse contexto, a atuação do psicólogo aparece como possibilidade de suporte para a construção de um novo modelo de sociedade.

    Por: Daiana Michele Della Floral Psicologia&Auto-Ajudal 15/03/2011 lAcessos: 741
    Antonio Rosemir do Carmo

    Este artigo tem como objetivo, analisar o processo de construção da aprendizagem através da mediação. Para tanto, o método utilizado foi à leitura de autores que abordam a temática, possibilitando uma reflexão do ponto de vista do autor sobre o desencadeamento da construção de aprendizagem mediada. O educador deve atuar como mediador do conhecimento, de forma que os alunos aprendam os saberes escolares em interação com o outro, e não apenas recebam-no passivamente.

    Por: Antonio Rosemir do Carmol Educaçãol 06/11/2014 lAcessos: 39

    O objetivo deste artigo é relatar a experiência na mediação do projeto de psicologia escolar, denominado Escola de Colaboradores, em interface com a psicologia do trabalho, que ocorreu em 2013 e 2014. A proposta de intervenção em Psicologia Escolar/Educacional envolveu atividades de análise e mudança institucional, além de apoio em práticas de qualidade de vida, treinamento, desenvolvimento e integração dos funcionários de uma escola filantrópica de Teresina-Pi.

    Por: Daniel Soaresl Psicologia&Auto-Ajuda> Redução de Stressl 26/08/2014 lAcessos: 24

    Este artigo aborda uma reflexão sobre os desafios enfretados pelos professores no processo de ensino-aprendizagem.

    Por: Elza Maria Magalhães Limal Educaçãol 22/10/2009 lAcessos: 5,093

    Este artigo traz algumas discussões reflexivas sobre as linguagens da arte na infância, com ênfase nos aspectos conceituais e metodológicos. A arte na Educação infantil tem papel fundamental na construção de um indivíduo crítico, fornecendo-lhe experiências que o ajude a refletir, desenvolver valores, sentimentos, emoções e uma visão questionadora do mundo que o cerca.

    Por: Darci Martinsl Educação> Educação Infantill 04/10/2012 lAcessos: 324

    Este artigo apresenta um breve histórico de como iniciou o atendimento as pessoas com deficiência até aos dias de hoje. Fala da Constituição Federal de 1988 que deu o primeiro passo a implementação da Educação Inclusiva no nosso país.

    Por: MARCIA AP.M.FARIASl Educação> Educação Infantill 30/03/2015 lAcessos: 12

    Ao destacar o tema "dificuldade de aprendizagem" muitos confundem esta concepção com uma desatenção em sala de aula ou 'espírito bagunceiro' das crianças. Mas a dificuldade de aprendizagem é tratada por muitos teóricos e estudiosos como um distúrbio ,que pode ser gerado por uma série de problemas cognitivos ou emocionais , afetando o individuo em qualquer área do desempenho escolar.Este artigo visa apresentar uma breve reflexão sobre essas concepções

    Por: Eliete Lopes Matricardil Educação> Educação Infantill 27/03/2015

    Esta temática esta presente diariamente em reuniões que buscam analisar e discutir o problema, para então apontar formas para resolver os distúrbios disciplinares no cotidiano das escolas. A desmotivação e a indisciplina são os maiores obstáculos apresentados pelos professores, que se deparam no dia a dia com à desordem em sala de aula e na escola, além de apresentar como parte desta reclamação a desatenção dos alunos, a falta de interesse e de respeito dos estudantes.

    Por: Eliete Lopes Matricardil Educação> Educação Infantill 27/03/2015 lAcessos: 12

    Este presente Artigo trata de uma reflexão sobre a temática da disortográfia e a importância do trabalho em conjunto dos profissionais educacionais, pacientes e familiares no diagnóstico,tratamento e superação desta distúrbio. Descrevendo a importância do apoio psicopedagogico para se superar tal dificuldade expressa e identificada geralmente nas séries iniciais do Ensino Fundamental.

    Por: Eliete Lopes Matricardil Educação> Educação Infantill 27/03/2015 lAcessos: 11

    Acredito que o gosto pela leitura se apreende, é lendo que as pessoas aprendem a gostar de ler, e já de pequenos podemos, ou não, criar o hábito de leitura. Já dizia Carlos Drummond de Andrade que "a leitura é uma fonte inesgotável de prazer, mas por incrível que pareça, a quase totalidade não sente esta sede".

    Por: MARCIA AP.M.FARIASl Educação> Educação Infantill 25/03/2015

    Os contos nasceram, em geral, dos mitos; representam simbolicamente os acontecimentos humanos e sociais e reproduzem, em personagens e situações, valores que atravessam os séculos, porque correspondem a características permanentes do ser humano. Nelly Novaes Coelho, em seu livro Literatura Infantil: teoria, análise, didática, divide esse tipo de narrativa em contos de encantamento, contos maravilhosos e contos de fadas.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 18

    Uma das características mais marcantes da sociedade atual é seu alto grau de racionalização, isto é, cada vez mais de organiza em função do melhor aproveitamento do tempo. A busca incessante do lucro e de uma maior produtividade submete todos os setores da vida social às mais variadas formas de planejamento. A Educação na fica fora dessa tendência e nem escapa dessa racionalização.

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 11

    A escola tem sido responsabilizada há algum tempo pelos desvios de comportamento que se observa na vida social. Mas será sempre ela que tem essa responsabilidade? Ou será que ela responsabilidade foi imposta sem maiores questionamentos e agora de quem deve ser cobrada a recuperação dos indivíduos que não tem o comportamento esperado pela sociedade?

    Por: Alexandrina M. P. de Fariasl Educação> Educação Infantill 08/03/2015 lAcessos: 24
    Jaqueline Claudete de Oliveira

    Hamlet é uma das mais famosas peças de teatro de William Shakespeare e foi escrita entre 1600 e 1602, sendo impressa pela primeira vez em 1603.

    Por: Jaqueline Claudete de Oliveiral Literatura> Ficçãol 13/11/2010 lAcessos: 1,414
    Jaqueline Claudete de Oliveira

    Reflexão sobre o que é Literatura através do conhecimento das controvérsias que envolvem este assunto no decorrer dos séculos.

    Por: Jaqueline Claudete de Oliveiral Literatural 13/11/2010 lAcessos: 990
    Jaqueline Claudete de Oliveira

    Os vícios comuns da sociedade são mostrados de forma direta pelo autor Gil Vicente, sem no entanto, amainar o tom irônico e humorístico do conjunto da obra.

    Por: Jaqueline Claudete de Oliveiral Literatura> Ficçãol 13/11/2010 lAcessos: 6,744 lComentário: 1
    Jaqueline Claudete de Oliveira

    Esta tragédia de William Shakespeare envolve mais do que simples personagens, dando-lhes a todos, sensações humanas levadas ao extremo.

    Por: Jaqueline Claudete de Oliveiral Literatura> Ficçãol 13/11/2010 lAcessos: 210
    Jaqueline Claudete de Oliveira

    Considerações sobre o trabalho do professor frente às dificuldades de entendimento sobre o agir humano, que geralmente se deve ao relativismo e a especificidade da ética quanto a não formulação clara dos julgamentos das ações humanas.

    Por: Jaqueline Claudete de Oliveiral Educação> Ensino Superiorl 13/11/2010 lAcessos: 497 lComentário: 1
    Jaqueline Claudete de Oliveira

    O livro didático é apenas uma ferramenta que o professor tem para tentar direcionar o ensino para uma heterogeneidade com o quadro atual das escolas públicas brasileiras.

    Por: Jaqueline Claudete de Oliveiral Educação> Línguasl 13/11/2010 lAcessos: 974
    Jaqueline Claudete de Oliveira

    A cultura surda, os métodos e todas as concepções que envolvem os indivíduos no processo de construção de uma identidade e que possibilitam a verdadeira integração do surdo na sociedade.

    Por: Jaqueline Claudete de Oliveiral Educação> Línguasl 13/11/2010 lAcessos: 1,954
    Jaqueline Claudete de Oliveira

    A língua em sua totalidade concreta viva, em seu uso real dentro das relações dialógicas

    Por: Jaqueline Claudete de Oliveiral Educação> Línguasl 13/11/2010 lAcessos: 2,492
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast