O Conceito De Adolescência

10/07/2009 • Por • 12,477 Acessos

O conceito de adolescência é um verbete que foi construído durante vários anos para designar a passagem de uma fase da vida que é a infância para uma outra que ainda não é considerada adulta, mas também não é mais criança, pois é um período da vida do ser humano onde se vai descobrindo a si mesmo e aos outros, construindo sua personalidade e o seus projetos de vida pessoal.

No entanto essa fase da vida humana nunca foi bem clara durante a história, pois no período da Idade Média, diferente do tempo atual, não se sabia concretamente a sua idade, era como algo impreciso e ao mesmo tempo místico como pode-se perceber na citação de ARIÈS (1981 P.30):

"Na idade média, o primeiro nome já fora considerado uma designação muito imprecisa, e foi necessário completa-lo por um sobrenome da família, muitas vezes um nome de um lugar. Agora, tornou-se conveniente acrescentar uma nova precisão, de caráter numérico a idade. O nome pertence ao mundo da fantasia, enquanto o sobrenome pertence ao mundo da tradição. A idade, quantidade legalmente mensurado com uma precisão quase de horas, é um produto de um outro número, o da exatidão do número."

Como se pode perceber no período medieval não se tinha certeza da precisão do próprio nome, isso dificulta cada vez mais saber como essa categoria de adolescente fora construído durante o tempo. Primeiro no período medieval não se sabia com exatidão o dia do nascimento, isso dificultava saber qual a idade que cada pessoa tinha diferente do que ocorre atualmente. Hoje as crianças e os adolescentes sabem qual a data do seu nascimento, qual a sua idade, algo que não acontecia no período medieval, por não ter certo controle exato da natalidade, e isso dificultava um pouco saber a data de nascimento.

Por causa da inexatidão do tempo algumas pessoas tentaram escrever no período da idade média livros onde se determinava a quantidade de idade que cada pessoa deveria ter para poder assumir os papéis sociais de sua sociedade.

"Depois da terceira idade, que é chamada de adolescência, que termina segundo Constantino em seu viático, no vigésimo primeiro ano, mais segundo Isidoro dura até vinte e oito anos... e pode se estender até trinta ou

trinta e cinco anos. Essa idade é chamada de adolescência porque a pessoa é bastante grande para pró-criar, disse Isidoro. Nessa idade os membros são moles e aptos a crescer e a receber força e vigor do calor natural. E por isso a pessoa cresce nessa idade toda a grandeza que lhe é devida pela natureza." (ARIÈS 1981 p. 36

)

Devido não ter exatidão da data de nascimento, alguns autores do período medieval tentaram fazer uma aproximação mais exata com a idade, na qual esse adolescente poderia assumir um papel de responsabilidade na sociedade em que vive. Tentando fazer essa aproximação mais exata da idade os educadores buscavam ter uma melhor prática pedagógica para melhorar o ensino.

A realidade no período medieval é muito diferente da atual, pois na realidade é descrita por ARIÈS (1991):

"O ponto de partida será no final da idade média. Aí encontramos um indivíduo enquadrado em solidariedades coletivas, feudais e comunitárias; no interior de um sistema funciona mais ou menos assim: As solidariedades da comunidade senhorial, as solidariedades entre as linhagens e os vínculos de vassalagens encenam o individuo ou a família que não é nem privado e nem público no sentido que conferimos a esses termos, ou no sentido que sob outras formas lhe foi dado na época moderna". (ARIÈS 1991 p.07)

Vê-se, através desse trecho, como era o relacionamento entre as pessoas no período medieval, onde existia uma solidariedade orgânica em que todos se ajudavam mutuamente, e isso influenciava fortemente na troca dos papéis sociais no local onde existe algum acordo para melhorar um pouco a vida.

Com o passar do tempo percebe-se que foi se trocando pouco a pouco essa idéia, pois com o surgimento da idade moderna vai acabando o sentido da solidariedade e com ele o conceito de adolescência, pois a pessoas eram consideradas crianças ou adultas em assumir as próprias responsabilidades.

"Observamos que como a juventude significa a terçada idade média não havia lugar para adolescência. Até o século XVIII a adolescência foi confundida com a infância. No latim dos colégios, empregava-se indiferentemente a palavra puer e a palavra adolescens." (ARIÈS 1981 p. 41)

Como se pode perceber com o passar do tempo a palavra adolescência foi perdendo significado e foi se tornando sinônimo de criança, um fato comum encontrado na escola jesuítica.

O interessante é observar um pouco como durante esse período eram vistos os adolescentes através dos relatos da iconografia dos séculos XVI e XVII.

"É o que ocorre com a família Pordenone da galeria Borghese – o pai, a mãe e sete crianças – ou ainda da família Pernbroke de Van Dyck o Conde e a Condessa estão sentados e outros personagens de pé; a direita um casal certamente com um filho e filha casados e a esquerda, dois adolescentes muito elegantes (a elegância é um símbolo da adolescência masculina, e se atenua com a seriedade da maturidade) um escolar com seus livros de baixo dos braços e dois outros meninos mais moços." (IDEM p. 36)

Nessa descrição podemos perceber qual a imagem de adolescentes que se tem nesse período, pois através de papéis sociais, o adolescente era visto como quase um adulto e com o passar do tempo ganhava responsabilidade, ou seja, cuidar dos irmãos menores, como uma forma de treinamento para enfrentar os papéis que a sociedade ia dando gradativamente, determinando a sua realidade.

Como se pode perceber essa determinada realidade do adolescente percorreu um longo período que vai desde o medieval até os dias atuais. Hoje existe uma grande discussão sobre o tema da adolescência como é apresentado por BECKER.

"Apesar do conceito de adolescência (do latim ad, que significa para mais olescere, que significa crescer em suma, crescer para) como ele é hoje conhecido ter surgido em torno do inicio do século, a questão do jovem como problema existe há muito tempo e acompanha a evolução da civilização ocidental (... ) na visão do adulto o adolescente é um ser em desenvolvimento e em conflito. Atravessa uma crise que se origina basicamente em mudança corporais, outros fatores pessoais e conflitos familiares. E finalmente é considerado "adulto quando mais adaptado a estrutura da sociedade." (BECKER 1997 p. 8 e 9)

Pode-se perceber que a construção de conceito de adolescência está ligado ao tempo e espaço que teve seus primeiros pilares no período da idade média e que hoje tem um outro significado. Pode-se considerar que a adolescência é uma categoria absoluta, pois nem todos os adolescentes têm uma mesma experiência de vida, diferente

da experiência do adolescente burguês, como experiência do adolescente proletariado, como a diferencia da adolescência indígena, cada um no seu tempo e espaço tem um certo desafio que é diferente do outro.

Uma outra discussão apresentada em uma leitura da adolescência do período contemporâneo que é trabalhado por FERREIRA (1994), em que diz que as pessoas estão alongando seu tempo na adolescência como pode-se perceber na citação a seguir:

"O aumento do período de escolaridade é responsável pela adolescência prolongada. Segundo Zinnecker (1987:65) os jovens de hoje permanecem mais tempo na escola, o que acentua o conceito de moratória psicossocial, pois o tempo disponível lhes permite experimentá-la de forma exaustiva nos longos anos de estudo". (FERREIRA 1994 p.

285)

Ela borda uma visão que se tem da adolescência hoje, que devido ao mercado de trabalho desqualifica a mão-de-obra deste adolescente e retarda um pouco mais a sua saída de casa e a sua entrada no mercado de trabalho, tornando-se mais dependente de seus pais e não assumindo sua responsabilidade no âmbito da sociedade.

Assim, percebe como foi construída a imagem do adolescente durante vários séculos e agora em pleno século XXI ele tem uma tendência de experimentar antes de escolher algo, por isso a importância de se ter boas propostas de  proposta de políticas públicas para esses adolescentes tenham opção de lazer que forme para a sua cidadania que muitas vezes não encontram essa opção de escolha e ficam a margem da sociedade.

Referências Bibliográficas.

 

ARIÈS, Philippe. História da Vida Privada 3 – Da Renascença ao Século das luzes. São Paulo. Ed. Companhia de Letras. 1991.

ARIÈS, Philippe et Duby, Georges.História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro, Editora Guanabara 2° ed.,1981.

BECKER, Daniel.O que é adolescência. 13°ed. São Paulo Editora Brasiliense Coleção Primeiro Passos 1997.

FERREIRA, Barna Well.Adolescência Hoje Uma abordagem Sociológica. IN Revista Veritas nº 154. Junho 1994, p. 283-288.

Perfil do Autor

Vicente Vagner Cruz

Sou Licenciado e Bacharel do Curso de Ciências Socias pela Universidade Federal do Pará. (UFPA)