O papel do educador na educação lúdica

Publicado em: 13/02/2013 |Comentário: 0 | Acessos: 302 |

1 INTRODUÇÃO

O ser humano nasceu para aprender, para descobrir e apropriar-se dos conhecimentos, desde os mais simples até os mais complexos, e é isso que lhe garante a sobrevivência e a integração na sociedade como ser participativo, crítico e criativo. Independente de cultura, raça, credo ou classe social, toda criança brinca. Todos os seus atos estão ligados à brincadeira.

Acredita-se que, por meio delas, a criança satisfaça seus interesses e necessidades particulares. Apresentamos o lúdico como uma das maneiras mais eficazes para envolver os alunos nas atividades, pois a brincadeira está intimamente ligada à criança. É muito importante aprender com alegria. Enquanto se divertem, as crianças se conhecem, aprendem e descobrem o mundo. De acordo com o Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil (BRASIL, 1998, p. 27), "os jogos e as brincadeiras propiciam a ampliação dos conhecimentos infantis por meio da atividade lúdica".

A decisão de se permitir envolver no mundo mágico infantil seria o primeiro passo que o professor deveria dar. Explorar o universo infantil exige do educador conhecimento teórico, prático, capacidade de observação, amor e vontade de ser parceiro da criança neste processo. Nós professores podemos através das experiências lúdicas infantis obtermos informações importantes no brincar espontâneo ou no brincar orientado.

A aplicação de jogos, brincadeiras e brinquedos em diferentes situações educacionais podem ser um meio para estimular, analisar e avaliar aprendizagens específicas, competências e potencialidades das crianças envolvidas, principalmente no ambiente da Educação Infantil.

2 O PAPEL DO EDUCADOR NA EDUCAÇÃO LÚDICA

Para se ter dentro de instituições infantis o desenvolvimento de atividades lúdicas educativas, é de fundamental importância garantir a formação do professor e condições de atuação. Somente assim será possível o resgate do espaço de brincar da criança no dia-a-dia da escola ou creche.

"A esperança de uma criança, ao caminhar para a escola é encontrar um amigo, um guia, um animador, um líder - alguém muito consciente e que se preocupe com ela e que a faça pensar, tomar consciência de si de do mundo e que seja capaz de dar-lhe as mãos para construir com ela uma nova história e uma sociedade melhor". (ALMEIDA, 2004, p. 195)

No brincar espontâneo podemos registrar as ações lúdicas a partir da: observação, registro, análise e tratamento. Com isso, podemos criar para cada ação lúdica um banco de dados sobre o mesmo, subsidiando de forma mais eficiente e científica os resultados das ações. É possível também fazer o mapeamento da criança em sua trajetória lúdica durante sua vivência dentro de um jogo ou de uma brincadeira, buscando dessa forma entender e compreender melhor suas ações e fazer intervenções e diagnósticos mais seguros ajudando o indivíduo ou o coletivo. Com isso defini-se, a partir de uma escolha criteriosa, as ações lúdicas mais adequadas para cada criança envolvida, respeitando assim o princípio básico de individualidade de cada ser humano.

Já no brincar dirigido pode-se propor desafios a partir da escolha de jogos, brinquedos ou brincadeiras determinadas por um adulto ou responsável. Estes jogos orientados podem ser feitos com propósitos claros de promover o acesso a aprendizagens de conhecimentos específicos como: matemáticos, lingüísticos, científicos, históricos, físicos, estéticos, culturais, naturais, morais etc. E um outro propósito é ajudar no desenvolvimento cognitivo, afetivo, social, motriz, lingüístico e na construção da moralidade (nos valores). O educador tem como papel ser um facilitador das brincadeiras, sendo necessário mesclar momentos onde orienta e dirige o processo, com outros momentos onde as crianças são responsáveis pelas suas próprias brincadeiras.

É papel do educador observar e coletar informações sobre as brincadeiras das crianças para enriquecê-las em futuras oportunidades. Sempre que possível o educador deve participar das brincadeiras e aproveitar para questionar com as crianças sobre as mesmas. É importante organizar e estruturar o espaço de forma a estimular na criança a necessidade de brincar, também visando facilitar a escolha das brincadeiras. Nos jogos de regras o professor não precisa estimular os valores competitivos, e sim tentar desenvolver atitudes cooperativas entre as crianças. Que o mais importante no brincar é participar das brincadeiras e dos jogos.

A brincadeira permite à criança criar, imaginar e representar a realidade e as experiências por ela adquiridas. O bom brinquedo deve ser aquele com a qual a criança interage e que desperta sua imaginação. Uma boneca de pano, construída, quem sabe, por ela mesma, pode ser mais interessante do que uma boneca eletrônica, diante da qual ela se torna um mero espectador.

As atividades lúdicas fazem com que a criança aprenda com prazer, alegria, sendo relevante ressaltar que a educação lúdica está distante da concepção única de passatempo e de diversão. É de suma importância a utilização das brincadeiras e dos jogos no processo pedagógico, pois os conteúdos podem ser trabalhados por intermédio de atividades lúdicas contribuindo, dessa forma, para o crescimento global da criança.

Sabemos que a criança brinca porque gosta de brincar e, quando isso não acontece, alguma coisa pode não estar bem com ela. De modo geral, a criança traz consigo a inquietude da descoberta, da curiosidade e do querer aprender as coisas. Jogos e brincadeiras contribuem para o desenvolvimento motor, emocional e cognitivo da criança. É brincando com o mundo que ela aprende sobre ele e desenvolve a imaginação, a criatividade e a atenção. O brincar se torna cada vez mais importante na construção do conhecimento, oportunizando o prazer enquanto incorpora as informações e transforma as situações da vida real.

3 CONCLUSÃO

Para estimular a imaginação infantil, o professor deve oferecer materiais dos mais simples aos mais complexos, podendo estes brinquedos ou jogos serem estruturados (fabricados) ou serem brinquedos e jogos confeccionados com material reciclado (material descartado como lixo), por exemplo: pedaço de madeira; papel; folha seca; tampa de garrafa; latas secas e limpas; garrafa plástica; pedaço de pano etc. Todo e qualquer material cria para a criança uma possibilidade de fantasiar e brincar.

O brinquedo é um tipo de treinamento divertido para a criança, através dele é que ela começa a aprender, conhecer e compreender o mundo que a rodeia. Existem brinquedos para todas as faixas etárias. Não adianta forçar a natureza. Quanto mais adequado à idade da criança, mais útil ele é. Se o brinquedo puder ser utilizado em várias idades acompanhando o desenvolvimento, melhor ainda, por isso recomenda-se seu uso na Educação Infantil, como facilitador e agente da aprendizagem.

Bons brinquedos estimulam a imaginação e desenvolve a criatividade. Brinquedos que ensinam apenas a repetir mecanicamente o que os outros fazem são prejudiciais, irritantes e monótonos. O professor deve buscar trabalhar com brinquedos que possibilitem ação e movimento, com isso, os alunos aprendem a coordenar olhos, mãos e o corpo, garantindo com naturalidade e prazer uma maior saúde física e mental no futuro. Brincadeiras devem educar a criança para uma vida saudável, livre, solidária, onde o companheirismo e a amizade sejam os pilares básicos.

O lúdico em sala de aula pode ser trabalhado em todas as atividades, pois é uma maneira de aprender/ensinar que desperta prazer e, dessa forma, a aprendizagem se realiza. No entanto, o verdadeiro sentido da educação lúdica só estará garantido se o professor estiver preparado para realizá-lo, tendo conhecimento sobre os fundamentos da mesma. A criança se prepara para a vida, assimilando a cultura do meio em que vive, a ela se integrando e com ela convivendo como ser social por intermédio da atividade lúdica.

A brincadeira, além de proporcionar prazer e diversão, pode representar um desafio e provocar o pensamento reflexivo da criança. Conhecer e compreender o jeito particular de as crianças serem e estarem no mundo deve ser o grande desafio da educação infantil. Pode-se realmente afirmar que brincar é viver, pois a criança aprende a brincar brincando e brinca aprendendo. Brincando, a criança desenvolve sua inteligência e sua sensibilidade.

4 REFERÊNCIAS

ALMEIDA, M.T.P. Jogos divertidos e brinquedos criativos. Petrópolis: Vozes, 2004, p. 195.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília, 1998. v. 2.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/o-papel-do-educador-na-educacao-ludica-6454247.html

    Palavras-chave do artigo:

    educador educacao brincar

    Comentar sobre o artigo

    O brincar é uma atividade imprescindível no desenvolvimento da criança, e a Educação infantil segue um novo rumo embasado na importância do brinca e no oferecimento de brinquedos e brincadeiras contextualizados ás propostas pedagógicas, que possibilitem aprendizagem e desenvolvimento em múltiplos aspectos.Seguindo essa temática,o artigo em andamento tem como objetivo analisar, dentro de um contexto lúdico, os aspectos cognitivo,social e afetivo de um grupo de crianças na escola.

    Por: Maria Carolina Gomes Camposl Educação> Educação Infantill 28/05/2012 lAcessos: 1,412

    O objetivo deste artigo é discutir a importância de brincar nas escolas de educação infantil. Estas atividades ajudam a construir o conhecimento, podem ser entendidas como situações em que as crianças possam expressar diferentes sentimentos, podendo, gradativamente, aceitar a existência do outro. São atividades lúdicas que visam melhorar a socialização entre as crianças, fazendo com que vivenciem situações de colaboração, trabalho em equipe e respeito.

    Por: ELIZABETH P. DE O. SILVAl Educaçãol 14/11/2012 lAcessos: 137
    LÍVIA FERREIRA

    Educar não se limita a repassar informações ou mostrar apenas um caminho, aquele caminho que o professor considera o mais correto, mas é ajudar a pessoa a tomar consciencia de si mesma, dos outros e da sociedade. É aceitar-se como pessoa e saber aceita os outros. É oferecer várias ferramentas para que seus valores, sua visão de mundo e com as circunstâncias adversas que cada um irá encontrar. Educar é preparar para a vida. (Kami, 1991)

    Por: LÍVIA FERREIRAl Educação> Educação Infantill 14/09/2009 lAcessos: 46,546 lComentário: 10

    Este artigo trata da importância do lúdico desenvolvido nas escolas de educação infantil voltado para uma perspectiva das crianças, relatando a relevância no ambiente educacional.

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 31/10/2012 lAcessos: 1,309
    Alinne do Rosário Brito

    A função educativa por ter-se mostrado capaz, em diversos experimentos empíricos realizados, desenvolveM níveis diferentes de experiências pessoais e coletivas e a propiciar novas descobertas, além de contribuir na socialização. Neste trabalho, buscou-se aproximar as representações históricas do jogo, ás teorias que o balizam como atividade rica, prazerosa e motivadora da aprendizagem .

    Por: Alinne do Rosário Britol Educaçãol 18/07/2012 lAcessos: 1,337
    Inez Kwiecinski

    O tema escolhido para realizar este trabalho de graduação é sobre "O desenvolvimento da criança através do brincar". A escolha deste tema surgiu da necessidade de estudarmos como se dá o desenvolvimento da criança através do brincar e através dos tempos. Analisar jogos, brincadeiras e brinquedos infantis não apenas como simples entretenimento para as crianças, mas também, como atividades lúdicas que possibilitam a aprendizagem e o desenvolvimento destas crianças em suas várias habilidades.

    Por: Inez Kwiecinskil Educação> Educação Infantill 25/01/2011 lAcessos: 15,342 lComentário: 1
    Nathália Alves de Oliveira

    O presente artigo busca demonstrar a importância do processo educativo lúdico na educação infantil, visto que jogos e brincadeiras são, conforme estudiosos, experiências afetivas mútuas para o ambiente e devem ser consagradas nas crianças em fase escolar. Embasada por significativos referenciais teóricos, a proposta apresentada permite afirmar a existência de jogos e brincadeiras infantis no processo que aumentam rendimento no processo escolar.

    Por: Nathália Alves de Oliveiral Educação> Educação Infantill 08/02/2012 lAcessos: 13,539

    Resumo: O artigo refere-se ao ato de brincar inserido na prática do professor de Educação Infantil, esclarecendo e analisando a partir dos teóricos o valor atribuído ao ato de brincar e o espaço reservado para o mesmo no processo de ensino-aprendizagem. Para tanto, foi embasado em pesquisas bibliográficas com uma linha qualitativa e de caráter exploratório em que foi possível ter como resultado a descrição do valor ao ato de brincar como também a prática pedagógica devida dos professores de Educação Infantil, uma vez que a brincadeira faz parte da infância da criança e que muitas vezes esse ato é ignorado pelo professor. Brincando, a criança está continuamente redescobrindo a si mesma, pois o brincar é uma atividade de aprendizagem.

    Por: Macilene silva macêdol Educação> Educação Infantill 30/11/2009 lAcessos: 7,446 lComentário: 1
    Fábia Utsch

    A infância é a idade das brincadeiras. Pretendemos demonstrar que através delas a criança satisfaz, em grande parte, seus interesses necessidades e desejos. As brincadeiras dão a oportunidade de as crianças refletirem sobre o mundo. É através do lúdico que ela ordena, desorganiza, destrói e reconstrói o mundo. Nosso objetivo é dar ao educador a oportunidade de compreender a importância das atividades lúdicas na educação infantil. Muitos professores encontram dificuldades em compartilhar certos.

    Por: Fábia Utschl Educação> Educação Infantill 28/11/2012 lAcessos: 279

    O transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) é uma doença cercada de controvérsia. Por atingir principalmente crianças, muito pais enxergam problemas onde eles não existem — sintomas isolados são comuns nesta fase da vida. Também há quem não preste atenção ao conjunto de sintomas que a caracterizam: quadros de desatenção, hiperatividade e impulsividade de maneira exacerbada.

    Por: Jania Gasques bordonil Educação> Educação Infantill 14/09/2014

    Receber os estudantes com deficiência é um avanço. Mas faltam fazer da inclusão uma realidade e assegurar o direito à Educação

    Por: Jania Gasques bordonil Educação> Educação Infantill 14/09/2014
    Isabel Cristina

    Atualmente, a proposta de educação inclusiva tem gerado polêmicas discussões entre os que adotam uma posição integracionista, os que defendem a escola inclusiva ou ainda aqueles que sentem a importância de uma educação especializada para o aluno com necessidades educacionais especiais . No longo caminho a ser percorrido muitas são as dificuldades a serem enfrentadas, principalmente as que dizem respeito às barreiras físicas e atitudinais,constituídas dos estigmas, preconceitos e estereótipos.

    Por: Isabel Cristinal Educação> Educação Infantill 29/08/2014 lAcessos: 11

    O objetivo deste estudo foi conhecer como se insere e desenvolve a educação ambiental na educação infantil em escolas públicas de dois municípios no Estado do Espirito Santo, Brasil. Trata de um estudo descritivo quantitativo. O universo da pesquisa foi 58 professores de Educação Infantil. O instrumento de coleta de dados foi um questionário de autopreenchimento com 13 perguntas objetivas sobre educação ambiental na comunidade escolar. Solicitou-se a assinatura do termo de consentimento livre e

    Por: DANIELE DE ALMEIDA NUNESl Educação> Educação Infantill 28/08/2014

    O que acontece pode ser considerado como bastante simples, sendo que o alfabeto ilustrado acaba por se tratar de um papel ou até mesmo uma fita decorativa que poderá ser utilizada na parede, ou até mesmo em um móvel.

    Por: anamarial Educação> Educação Infantill 27/08/2014
    Ariane David

    Para que o professor possa ser mediador no contato com a leitura, precisa dominar alguns conceitos, saber o que é leitura, como ela acontece e quando, que sensação ela deve acarretar em nós, a abrangência que o ato de ler possui; ler não é decodificar, lemos tudo a nossa volta e com todos os nossos sentidos, na verdade lemos sem saber ler. A criação de um ambiente alfabetizador é um dos caminhos para esse contato com o mundo letrado dentro da sala de aula.

    Por: Ariane Davidl Educação> Educação Infantill 25/08/2014 lAcessos: 12

    O presente artigo visa analisara importância do brincar no desenvolvimento e aprendizagem na educação infantil. Tem como objetivo conhecer o significado do brincar, conceituar os principais termos utilizados para designar o ato de brincar, tornando-se também fundamental compreender o universo lúdico

    Por: Sandra Maria dos Reis Bernardol Educação> Educação Infantill 22/08/2014 lAcessos: 21
    Carla Cardoso Gomes

    O presente artigo tem como objetivo apresentar os principais fatores que influenciam nas dificuldades dos discentes nos processos de aprendizagem. Uma pessoa que não conseguiu desenvolver todas as habilidades de leitura e noção matemática encontrará muitas dificuldades e desafios para relacionar-se com a sociedade de um modo geral. Quando a Escola não ajuda com um atendimento personalizado e especifico, a criança deixa de vivenciar situações de construção da identidade.

    Por: Carla Cardoso Gomesl Educação> Educação Infantill 05/08/2014 lAcessos: 32

    A Importância do Jogo na Educação Infantil, como sugere o título, aborda o valor do brincar na educação infantil e no processo de desenvolvimento do sujeito. Tem-se como função analisar e respeitar a infância como única e de extrema importância para o crescimento futuro dos indivíduos numa sociedade. Coloca-se também sobre a importância da construção dos saberes e do desenvolvimento cognitivo, afetivo, emocional, físico e intelectual, através do jogo, negando a idéia de que só se aprende com láp

    Por: Carine Fonseca da Silveiral Educação> Educação Infantill 13/02/2013 lAcessos: 298
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast