Violência na Escola? A paz é melhor!

Publicado em: 28/03/2011 |Comentário: 1 | Acessos: 4,410 |

PROJETO: VIOLÊNCIA NA ESCOLA? A PAZ É MELHOR!

1. PROBLEMATIZAÇÃO

O projeto de intervenção na prática pedagógica que ora se configura tem uma inquietude em saber como minimizar a violência que é um problema que tem tomado conta da sociedade, independente de qual seja região o estudo esteja focalizando. Uma vez estando presente na sociedade, também acontece no interior das escolas, mesmo que de forma implícita, atitudes de violência são deflagradas nestes ambientes. Portanto, fazer um estudo acerca da violência nas escolas para saber o índice de incidências que estão ocorrendo se faz mais que necessário para o momento.

A escola precisa despertar para a situação, pois, esta se agrava a cada dia e há que se proporem momentos de reflexões sobre o assunto e tomar as iniciativas cabíveis para não permitir que o ambiente escolar se torne palco de violência física, psíquica, moral, enfim, a violência precisa ser pensada, debatida e combatida nas escolas.

2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

A violência tem tomado o espaço da paz e da fraternidade no interior das escolas em todas as regiões, em todos os países, se ouve falar de casos de violência. Esta se apresenta tanto de forma verbal ou mesmo fisicamente, e, afeta o sujeito que sofre o dano de tal forma que este passa a ser influenciado negativamente deixando de tirar boas notas, não se interessando por estar na escola e alguns acabam evadindo, desta forma aumentando o número de desistentes e/ou reprovados nos relatórios finais do ano letivo.

Em geral, a violência é conceituada como um ato de brutalidade, física e/ou psíquica contra alguém e caracteriza relações interpessoais descritas como opressão, intimidação, medo e terror. Ela não pode, de acordo com SILVA E SALLES, ser reduzida ao plano físico, pois, pode se manifestar também por signos, preconceitos, metáforas, desenhos, isto é, por qualquer coisa que possa ser interpretada como ameaça, ficando conhecida como violência simbólica aquele que não se torna um ato em si. Para Gilberto Velho (2000), o ato de violência não se limita ao uso da força física, mas à simples possibilidade ou ameaça de sujeito usar de violência, e esta por sua vez, se associa a uma idéia de que aquele que intimida tem o poder quando este mesmo sujeito impõe sua vontade, seu desejo ou projeto de poder agir sobre o outro.

A violência é considerada nos dias atuais como um fenômeno globalizado, portanto, não atinge apenas os alunos das turmas primárias, mas atinge a crianças, adolescentes, adultos e idosos estudantes ou não, e isto, como já foi dito, acontece em qualquer lugar.

A questão da violência escolar, hoje, é comumente chamada de bullyng, que é o mesmo que humilhar, intimidar, ofender, agredir. Atitudes que para muitos pais ou responsáveis é normal, é coisa de criança e que vai passar. Na verdade é bullyng, palavra em inglês que é usada com o sentido de zoar, gozar, tiranizar, ameaçar, intimidar, humilhar, isolar, perseguir, ignorar, ofender, bater, ferir, discriminar e colocar apelidos maldosos.

A situação é grave por ser um padrão de comportamento que está longe de ser inocente, esse tipo de ação é segundo FERREIRA (2009), "um distúrbio que se caracteriza por agressões físicas e morais repetitivas, levando a vítima ao isolamento, à queda do rendimento escolar, a alterações emocionais e à depressão". Esse é um apenas dos motivos pelos quais a questão precisa ser trabalhada no ambiente escolar, pois neste ambiente pode abrigar, ou estar abrigando crianças e adolescentes com os problemas descritos acima e se não for diagnosticado a tempo pode-se ter em pouco tempo adultos frustrados, desiludidos, inconformados por não poderem e também por não ter alguém que possa lhes ajudar um problema como este que é impossível resolver sozinho.

Sendo a escola um ambiente de formação urge que se desenvolva uma pesquisa com o objetivo de saber se há incidência de casos de violência no interior do ambiente escolar. Nada melhor para isto do que desenvolver um projeto com a intenção de diagnosticar e fazer com que a comunidade escolar reflita sobre a situação pela qual passa a escola nos últimos tempos.

 

3. JUSTIFICATIVA

Este trabalho se justifica pela urgente necessidade de se fazer uma reflexão no ambiente escolar acerca da violência que cada vez mais se faz presente no interior das escolas. Estas atitudes se dão tanto de forma física, psíquica e moral, deixando a pessoa que passa por tal constrangimento acuada porque muitas vezes é difícil revidar porque o intimidador é mais forte e nunca está sozinho, então a única alternativa é ir remoendo, suportando os palavrões, chutes, xingamentos, e todo o tipo de constrangimentos que acabam ocorrendo no meio das crianças e jovens.

Para evitar ou pelo menos apaziguar a situação este projeto se propõe a fazer com que os atores do ambiente escolar reflitam sobre o que acontece no mundo, em seu país, em seu estado e, por fim em seu município, mais propriamente na Escola em que for executado o Projeto.

4. OBJETIVOS

4.1 OBJETIVO GERAL

Refletir sobre a função da escola no combate à violência que está cada vez mais presente no ambiente escolar.

 

4.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

  • Refletir sobre a importância da paz no interior do ambiente escolar;
  • Analisar a violência na escola;
  • Pesquisar entre os alunos professores e demais funcionários se tem sofrido com atitudes de violência no ambiente escolar ou fora dele;
  • Promover palestras sobre o ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente;
  • Verificar as causas da violência na escola;
  • Compreender o papel de cada um na superação da violência;
  • Elencar meios a serem utilizados pelos professores e gestão da escola para evitar atos de violência na unidade escolar;
  • Pesquisar em quais regiões do Estado do Pará e também do Brasil ocorrem mais casos de violência na escola;
  • Articular com os alunos, seus pais e a comunidade escolar em geral meios para prevenir e combater a violência;

 

5. CONTEÚDOS

  • A violência na escola;
  • Estatuto da Criança e do Adolescente;
  • A importância da paz nos ambientes;
  • Números da violência no Brasil;
  • Números da violência no Pará e em Conceição do Araguaia;
  • Causas da violência escolar e como evitá-la;
  • Elaboração de um Relatório

 

 

6. PÚBLICO ALVO

Alunos das turmas de 5º ao 9º, professores e demais componentes da comunidade escolar.

 

7. METODOLOGIA

Como a escola é o espaço multicultural com pessoas pertencentes aos mais variados grupos da sociedade será feita uma palestra com um Pastor e um Padre falando e fazendo com que os participantes reflitam sobre a importância da paz não apenas na escola, mas também em todos os ambientes em que se relacionem com pessoas dos mais variados grupos que formam a sociedade. Esta atividade ficará a cargo dos professores de História e Língua Portuguesa. As turmas que serão envolvidas nesta atividade serão as turmas de 5º ao 9º ano.

O professor de Matemática ficará sobre a orientação da análise acerca da violência fazendo assim um balanço para que no momento da culminância do projeto estes possam ser apresentados à escola e demais participantes. Os alunos envolvidos nesta atividade serão os alunos das turmas de 7º ao 9º ano.

Já os professores de Geografia e Ciências Naturais ficarão a cargo de fazer a pesquisa para saber se alunos, professores, orientadores, coordenadores, e demais funcionários da unidade escolar sofrem, já sofreram ou já viram alguém passar por situações que envolviam violência, seja ela de forma verbal, física ou psicológica. Os alunos envolvidos nesta atividade serão os alunos das turmas de 8º e 9º ano.

O (s) professor (es) de Língua Portuguesa organizarão uma palestra sobre os direitos da criança e do adolescente que constam no ECA -  Estatuto da Criança e do Adolescente – para que os alunos conheçam seus direitos e a partir destes relacionem, especialmente, seus deveres enquanto cidadãos. Os professores responsáveis pela disciplina acima citada também serão responsáveis pela elaboração do relatório final do projeto que deverá ser feito pelos alunos de todas as turmas envolvidas na execução do projeto, sendo que será avaliado obedecendo ao nível de aprendizado.

Os professores de Geografia e História ficarão a cargo de coordenar as pesquisas para verificar situações que envolvam atitudes violentas na escola e fora dela, e também conhecer regiões do Brasil e do Estado do Pará em que mais ocorrem históricos de violência no ambiente escolar envolvendo alunos e também professores e demais funcionários da escola. Todas as turmas serão envolvidas nesta atividade.

A direção e a coordenação da escola se responsabilizarão pelas reuniões com alunos, pais e a comunidade escolar para elencar meios para se evitar a violência e fazer esta articulação junto aos atores da organização escolar.

Para a culminância do projeto será feita uma apresentação das propostas elencadas durante a reunião para evitar que aconteça na escola atos de violência entre educandos, entre eles e os professores, entre eles e os funcionários, e, posteriormente, entre estes e as pessoas com as quais se relacionam, nos mais variados ambientes em que se encontrarem.

8. CRONOGRAMA

Considerando a relevância do projeto para a vida de toda a comunidade escolar propõe-se que seja executado a partir do mês de abril de 2011, uma vez que já terá iniciado as aulas e é possível se fazer um diagnóstico do comportamento dos alunos da unidade escolar. Outra sugestão é que os resultados alcançados quanto às diretrizes estabelecidas a partir deste trabalho se façam atividades constantes na tentativa de não deixar que atitudes de violência ocorram na escola.

 

AÇÃO

PERÍODO

CARGA HORÁRIA

TURMAS

RESPONSÁVEL

Apresentação do Projeto à comunidade escolar

04/04/2011

01h00min

5º ao 9º ano, pais e comunidade escolar

Professores de História e Língua Portuguesa

Palestra: A importância da Paz nos ambientes

04/04/2011

01h00min

5º ao 9º ano, pais e comunidade escolar

Professores de História e Língua Portuguesa

Análise  da violência no Brasil

05 a 08/04/2011

5h/a

6º ao 9º ano

Professor de Matemática

ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente

07 a 08/04/2011

3h/a

5º ao 9º ano

Professores de Língua Portuguesa

A violência na escola

06/04/2011

2h/a

8º e 9º ano

Professores de Geografia e Ciências

Números da violência no Brasil

12 a 14/04/2011

4h/a

5º ao 9º ano

Professores de Geografia e História

Números da violência no Estado do Pará e em Conceição do Araguaia

15 e 18/04/2011

4h/a

5º ao 9º ano

Professores de Geografia e História

Causas da violência escolar e como evitá-la

19/04/2011

1h/a

8º e 9º ano

Professores de Ensino Religioso e Artes

Reunião para elencar propostas para diminuir a violência

20/04/2011

2h/a

Toda a comunidade escolar

Diretor e Coordenadores

Elaboração de Relatório a respeito das atividades desenvolvidas durante o projeto

25 a 26/04/2011

3h/a

Todas as turmas envolvidas

Professores de Língua Portuguesa

Culminância

29/04/2011

2h/a

Todos os envolvidos no Projeto

Diretor, Coordenadores e Professores envolvidos no Projeto

 

9. RECURSOS MATERIAIS

  • 03 (banners);
  • Papel sulfite;
  • Caneta;
  • Data show;
  • Caixa de som;
  • Xerox;
  • Bloco para anotações;
  • Impressão de fotos ilustrativas.

 

 

10.                       RECURSOS HUMANOS

  • Acadêmicas que apresentarão o mini-curso;
  • Inscritos no mini-curso.

11. AVALIAÇÃO

  • Avaliar-se-á os alunos quanto ao desempenho e interesse na execução das pesquisas e análise dos dados colhidos sobre os números da violência;
  • No momento da palestra o aluno será avaliado quanto à participação e a atenção ao assunto abordado;
  • Na execução do relatório avaliar-se-á o desempenho e a participação individual do aluno e se realmente ele (a) entendeu o tema trabalhado.

Também será feita a avaliação de forma contínua considerando a aceitação, o desprendimento, o desempenho dos atores da comunidade escolar, bem como a mudança no comportamento de cada pessoa envolvida.

12. BIBLIOGRAFIA

www.uft.br/projetotecendoapaz/niedih, 16/11/2010, 22h0001

www.webartigos.com/ Bullyng na Escola: A Intervenção do Psicólogo Escolar. FERREIRA, Tatiana Lima. (publicado em 24/06/2009)

SILVA E SALLES, Joyce Mary Adam de Paula. Leila Maria Ferreira. A violência na escola: abordagens teóricas e propostas de prevenção. UNESP, Rio Claro/SP.

 

 

 

 

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/violencia-na-escola-a-paz-e-melhor-4489634.html

    Palavras-chave do artigo:

    violencia na escola bullyng eca

    Comentar sobre o artigo

    Como obter as informações de que necessitamos para acompanhar os percursos dos estudantes? Como apreender os modos como eles representam os conceitos? Como saber o que pensam sobre o que ensinamos para pensarmos nas possibilidades pedagógicas que assegurariam a qualidade do ensino-aprendizagem? Como proceder para que os estudantes evidenciem seus avanços e suas dificuldades?

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014 lAcessos: 12

    Aprender com prazer, aprender brincando, brincar aprendendo, aprender a aprender, aprender a crescer: a escola é, sim, espaço de aprendizagem. Assim, é fundamental que cada professor se sinta desafiado a repensar o tempo pedagógico, analisando se ensina o que é de direito para os estudantes e se a seleção de conteúdos, capacidades e habilidades é de fato importante naquele momento.

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014 lAcessos: 21

    A prática educativa está fortemente relacionada a processos de comunicação e interação entre os seres, que a utilizam para assimilar seus saberes, habilidades, técnicas, valores, atitudes, e, através disso, construir novos saberes. Sendo assim, não se pode reduzir a educação ao simples ato de ensinar e a pedagogia como um conjunto de métodos que possibilita o ensino. Sendo assim, surge um questionamento essencial a todo aquele que quer compreender, viver e fazer pedagogia: quem é o pedagogo?

    Por: Maria Cristinal Educação> Educação Infantill 18/11/2014

    A questão da inclusão de pessoas portadoras de necessidades especiais em todos os recursos da sociedade ainda é muito incipiente no Brasil. Movimentos nacionais e internacionais têm buscado um consenso para formatar uma política de inclusão de pessoas portadoras de deficiência na escola regular.

    Por: Jania Gasques bordonil Educação> Educação Infantill 17/11/2014
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Nos anos iniciais, a disciplina que trabalha as noções históricas, de espaço e tempo é chamada de Estudos Sociais. Neste período o professor deve transmitir aos alunos noções fundamentais de organização da vida em sociedade, de como se organiza o próprio município, da atuação das autoridades, organizações e hierarquias, noções de respeito e educação cidadã, além dos deveres e direitos humanos.

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 15
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Como todos já sabem e ouviu-se muito falar, a educação autônoma é a mais viável e satisfatória nos dias de hoje. Com tantas transformações ocorrendo em tempo real, e em nível econômico, político e social, além de cultural também. Com base nisto, quero colocar alguns dos meus pensamentos sobre a educação.

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 11
    Liamara Lucia de Almeida Cacho

    Há tempos busca-se formar integralmente o homem, provavelmente, nenhuma palavra expressa mais essa ideia de formação humana que a palavra, oriunda da Cultura Grega, Paídeia, que exprimia o ideal de desenvolver no ser homem aquilo que era considerado próprio da sua natureza, essa ideia perpassou o humanismo renascentista chegando até aos nossos dias atuais. Diante disso, cabe perguntar: O que significa essa totalização da formação humana? Pode ser definido em um único conceito?

    Por: Liamara Lucia de Almeida Cachol Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 13

    A educação inclusiva é voltada de todos para todos, os ditos "normais" e as pessoas com algum tipo de deficiência poderão aprender em conjunto. Uma pessoa dependerá da outra para que realmente exista uma educação de qualidade. A função de separar e classificar os alunos, rotulando-os como menos ou mais capazes, dá lugar a de escolher cada um, valorizando suas potencialidades, sua linguagem, suas diferenças, bem como os instrumentos que ampliam suas possibilidades de aprender, de comunicar e de i

    Por: Darci Martinsl Educação> Educação Infantill 14/11/2014 lAcessos: 17
    Ireneide Linhares da Silva

    Esse trabalho é um projeto que propõe aos professores do município de Conceição do Araguaia-PA, trabalhar com a arte produzida na região, uma vez que a cidade cont com artistas que tem obras muito bem feitas e que estão no mercado, porém a população ainda não conhece

    Por: Ireneide Linhares da Silval Notícias & Sociedade> Cotidianol 29/03/2011 lAcessos: 236
    Ireneide Linhares da Silva

    Este trabalho tem o objetivo de fazer uma breve discussão sobre a história do povo africano, afro-brasileiros e sua vida na sociedade brasileira, história esta de luta, de maus tratos, de escravidão na sociedade brasileira, para tanto faz se a seguir uma breve explanação da vinda do negro para o Brasil, a influência deste povo na formação da nação brasileira. Também far-se-á um breve comentário sobre o processo de educação dos africanos e dos afro-brasileiros.

    Por: Ireneide Linhares da Silval Notícias & Sociedade> Desigualdades Sociaisl 29/03/2011 lAcessos: 2,234 lComentário: 1

    Comments on this article

    1
    Bruno Gomes 29/03/2011
    O texto está perfeito!!! Adoro essa minha amiga querida...
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast