As Novas Tecnologias da Informação e Comunicação na Educação Básica

Publicado em: 04/02/2009 |Comentário: 10 | Acessos: 39,613 |

Introdução

 

No decorrer dos tempos, as tecnologias utilizadas pelos educadores como: quadro-negro, giz e livros didáticos já não são mais vistas como tecnologias educativas, pois limitam o acesso às informações não suprindo as necessidades dos estudantes e professores. Essas tecnologias ainda são usadas e serão por muito tempo mas nem por isso podemos fechar os olhos para as novas Tecnologias da Informação e Comunicação que estão presentes em nosso meio social.

 

“A escola, como um espaço privilegiado para a apropriação e construção de conhecimento, tem como papel fundamental instrumentalizar seus estudantes e professores...” (NEVADO,1999).

 

A escola muda lentamente em relação aos avanços tecnológicos da sociedade, mas o importante é ela não parar, estar em constante busca, inovando para que seus estudantes encontrem nela recursos tecnológicos que enriquecem o ambiente de aprendizagem onde todos interagem com um fim comum, a busca do conhecimento.

 

Com a chegada das Novas Tecnologias da Informação e Comunicação nas escolas, a Internet entra como mais uma fonte de pesquisas, trocas de informações, comunicação e interação no processo de aprendizagem.

 

A Internet

 

A rede mundial de computadores atualmente tem tido um papel muito importante dentre as novas Tecnologias de Informações e Comunicações em todos os sentidos, pois ela facilita em grande escala a vida de muitas pessoas.

 

Na educação, seu uso teve início para facilitar a comunicação entre estudantes de universidades; hoje seu uso já está sendo difundido até mesmo nas escolas públicas para uso dos estudantes da educação básica, onde crianças podem trocar correspondências, fazerem pesquisas e até criarem páginas para divulgarem seus projetos.

 

O uso do correio eletrônico contribui para o desenvolvimento dos projetos dos estudantes permitindo e facilitando a troca de informações entre eles, que podem estar no mesmo ambiente físico, na mesma cidade ou em outra localidade, cabendo ao professor ou orientador mostrar a esses estudantes como utilizar e se beneficiar de mais este recurso tecnológico disponível na rede. Ele não serve apenas para beneficiar os estudantes, mas também os docentes. Através dele pode-se fazer trocas com professores de outras áreas do conhecimento, visto que nem sempre todos estão no mesmo lugar ao mesmo tempo. Com a utilização de mais esse recurso disponível na rede os envolvidos nos projetos a utilizam para proporcionar a aprendizagem cooperativa. SANTOS (1998), afirma que “... a aprendizagem cooperativa distribuída consiste no desenvolvimento de atividades centradas na aprendizagem cooperativa com o suporte das tecnologias da Internet.... Os editores de texto cooperativos podem ser assíncronos ou síncronos, dependendo da forma em que for utilizado”.

 

Como podemos ver a aprendizagem cooperativa pode acontecer em tempo real ou não, isso vai depender da necessidade dos envolvidos no processo. Contudo, ambas as formas proporcionam a cooperação entre os participantes dos projetos.

 

Segundo LIBEDINSKY, IN LITWIN (1997), os computadores haverão de produzir profundas mudanças nos processos de ensino e aprendizagem, não como um cenário de modernos e sofisticados aparelhos, mas como uma ponte de ligação entre as escolas. Não que as novas tecnologias de informação e comunicação sejam o único caminho, pois mesmo sem elas é possível fazer essas trocas através do correio postal tradicional, mas o caminho que se apresenta mais viável devido a sua grande comodidade e rapidez em realizar as trocas e a interação entre estudantes e professores.

 

Mas não é só a Internet, temos as mídias, a televisão, o rádio, o livro e tantos outros meios disponíveis na sociedade.Cabe ao professor saber utilizar os recursos dos novos tempos.

Abrindo perspectivas para a utilização das novas tecnologias de informação e comunicação na educação básica

Com os avanços tecnológicos no meio social, a escola também sente a necessidade de oferecer aos seus estudantes meios que possam ser utilizados para desenvolver a aprendizagem e tomarem conhecimento dos recursos que já fazem parte da realidade em que vivem.

 

Visando aproximar mais as questões teóricas, cabe agora, de forma simples e modesta, apresentar uma alternativa de experimentação das mesmas. Assim segue o delineamento de uma proposta de trabalho por projetos a ser executada durante as práticas pedagógicas.

Uma proposta de trabalho por projetos

 

Atualmente a escola não satisfaz mais os estudantes, eles não têm interesse nos conteúdos apresentados, pois muitos estão fora de suas necessidades e conforme estudos desenvolvidos, o trabalho por projetos surge do interesse dos estudante, onde o mesmo buscará o conhecimento suprindo as suas necessidades e com isso sua aprendizagem se tornará efetiva e significativa.

 

O uso da rede mundial de computadores, como ferramenta de grande utilidade para o processo de educação a distância, não deve apenas resolver as questões referentes a distâncias.

 

“Deve também, e principalmente, buscar suprir as necessidades de interatividade do aluno com o tema de estudo bem como valer-se do ferramental tecnológico disponível como forma de aperfeiçoar os aspectos pedagógicos do ensino, permitindo cumprir os principais fatores de uma educação centrada no aprendizado interativo, dinâmico e contextualizado. (Spennemann 97, in PRATES).

Utilizar esta ferramenta em favor da educação é o que propomos. Nossos estudantes do ensino fundamental já nos têm mostrado como gostam de usar esta maquininha poderosa. Não queremos que os estudantes se tornem seres isolados, mas sim serem integrados numa sociedade cooperativa, “aquilo que necessitamos é de um espírito de cooperação tal que cada um compreenda todos os outros” (PIAGET, 1998), seres que poderão, com o uso de um computador ligado à Internet ou não, se comunicar e interagir com outros estudantes contribuindo para a transformação de ambos e formando conceitos.

 

O trabalho cooperativo já acontece há muito tempo, pois nessa proposta de trabalho os envolvidos trocam informações havendo um respeito das opiniões pessoais, tornando-o um ambiente de livre expressão onde todos participam sem medo de colocar suas opiniões.

 

Um trabalho cooperativo, onde haja trocas de conhecimentos tanto dentro quanto fora da sala de aula e que neste caso o computador é uma ferramenta de grande valor, é a proposta de trabalho integrado ou interdisciplinar conhecida como “trabalho por projetos”.

 

Trabalhar de forma interdisciplinar é integrar as áreas do conhecimento, não fragmentar, partir da realidade do estudante para a busca de novos conceitos. Mas para isso ocorrer é necessário que os professores busquem a qualificação para estarem preparados para as mudanças, pois mudanças geram conflitos, angústias, dúvidas, etc. e para que o trabalho possa ser interdisciplinar ele deve compartilhar com outros professores os acontecimentos para que todos os envolvidos no processo (professores e estudantes) possam interagir, trocar e aprender a aprender.

 

A proposta “trabalho por projetos” não é nova, KILPATRIC já a defendia em 1918 dizendo que “é uma forma de integração curricular que se preocupa pela característica de “interessante” que deve acompanhar a realização do trabalho nas salas de aula, pela proposta de trabalhos interessantes que os alunos devem resolver em equipes”.(apud SANTOMÉ, 1998, p. 203)

 

“Interessante” como diz KILPATRIC, por partir da curiosidade dos alunos, e, dentro deste contexto, cabe ao professor planejar, criar objetivos e trabalhar as áreas do conhecimento de acordo com o planejamento dos estudantes.

 

Trabalhar com projetos tem por objetivo buscar as soluções para as dúvidas dos estudantes no seu cotidiano, proporcionando uma aprendizagem cooperativa: “A aprendizagem cooperativa independe do uso das novas tecnologias, exigindo basicamente uma postura pedagógica inovadora e sem preconceitos.”(SANTOS,1998).

 

Independente das novas tecnologias é necessário inovar o fazer pedagógico na educação. As redes de comunicações possibilitam espaços para que a aprendizagem cooperativa ocorra dentro e fora das salas de aula, a Internet vem facilitar essa cooperação.

 

Cabe a nós professores, aproveitar essas tecnologias em benefício da educação, fazendo com que os estudantes saiam da escola preparados para a vida, para enfrentarem a competitividade do mercado de trabalho, conscientes da realidade que os espera, que estes estudantes saibam por exemplo:

 

- Como construir uma horta?

 

- Como organizar uma festa?

 

- Como proteger um animal doente?

 

- Existe vida em outros planetas?

 

E outros tantos que forem levantados, queremos que estes estudantes saibam analisar, questionar, selecionar, refletir, organizar, enfim, sabendo buscar soluções para suas dúvidas.

 

Para que se possa desenvolver aprendizagem por projetos é necessário observar alguns passos básicos:

 

O Estudante deve:

 

- Levantar dúvidas e hipóteses;

 

- Planejar;

 

- Criar objetivos;

 

- Desenvolver atividades;

 

- Executar o plano projetado;

 

- Avaliar o trabalho realizado;

 

Ao professor cabe:

 

- Planejar a partir do planejamento do estudante;

 

- Criar objetivos;

 

- Sugerir atividades

 

- Saber que áreas do conhecimento serão desenvolvidas;

 

- Avaliar (portfolio)

 

É muito importante que no decorrer do trabalho sejam feitas observações e anotações por parte do professor para que o mesmo possa interagir com os estudantes e no momento que for necessário, dar sugestões .

 

SANTOMÉ (1998), afirma que:

 

o processo educacional precisa apoiar-se nos interesses dos estudantes, mas também deve gerar novos interesses. “Um bom projeto curricular tem que ser prazeroso e educacional ao mesmo tempo; tem de propiciar uma certa continuidade nos aprendizados”(p. 206).

Assim ao trabalharmos com projetos temos que ter o cuidado para mantê-lo no contexto pedagógico, proporcionar aos estudantes uma aprendizagem útil e agradável, mantendo-os assim motivados à novas aprendizagens.

 

Mas, como vimos anteriormente esta proposta é antiga, data de 1918, o que poderemos fazer para inová-la? Parece simples, acredita-se no poder das novas tecnologias. Para que o estudante possa realizar o seu projeto, interagindo com colegas, integrando-se com a sociedade é preciso trocar conhecimentos, pesquisar, tornar-se um grande e constante pesquisador. Mas, Não há ensino sem pesquisa e pesquisa sem ensino.” (FREIRE,1998),“

 

Não só o estudante precisa pesquisar, mas o professor também precisa buscar, estar aberto aos novos conhecimentos. Pesquisar é uma forma de estar adquirindo conhecimentos constantemente. É neste momento que viabilizamos o uso da Internet e as facilidades de comunicação com o mundo que ela nos proporciona, não que este trabalho não possa ser desenvolvido sem o computador, mas que esta ferramenta facilita o trabalho, ganhamos tempo e de certa forma aproxima as pessoas. Além dos recursos tradicionais conhecidos como bibliotecas, jornais, revistas ou mesmo o livro didático, pode-se usar o correio eletrônico para fazer a troca de informações, pode-se usar as bibliotecas virtuais para as pesquisas, que são mais prazerosas por possibilitar o fácil encontro dos temas a serem pesquisados, pode-se criar salas de conversas virtuais que possibilitam a troca imediata entre escolas equipadas com laboratórios de informática ou mesmo com outros estudantes que possuam computadores em suas casas, o que já é uma realidade em todas as comunidades.

 

Com esse processo desenvolve-se a comunicação escrita e a troca de conhecimentos culturais entre as comunidades mais distantes, pois através desses processos podemos fazer com que o estudante comunique-se com pessoas além do espaço físico de uma sala de aula.

Referencia bibliográfica

 

Pátio ano 1, nº 1 Mai/julho, 1997 – A inteligência coletiva – A inteligência distribuída. Léa da Cruz Fagundes. Pag. 14-17.

 

LUCK, Heloisa. Pedagogia Interdisciplinar: Fundamentos Teórico-Metodológicos. Petrópolis, RJ: 2.ed Vozes, 1995.

 

SANTOMÉ, Jurjo Torres. Globalização e Interdisciplinaridade: Currículo Integrado. Porto Alegre, RS. Artes Médicas, 1998, 275 p.

 

LITWIN, Edith. Tecnologia Educacional: política, histórias e propostas. Porto Alegre, RS. Artes Médicas, 1997, 191 p.

 

MEC. Série de Estudos/Educação a Distância/ Salto para o Futuro/ TV e Informática. Brasília, 1998, 112 p.

 

BELLONI, Maria Luiza. Educação a Distância. Campinas, SP. Autores Associados, 1999. 115 p.

 

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo, SP. Paz e Terra, 1998. 169 p.

 

SOUZA, Valdemarina Bidone de Azevedo e, et al. Utilização do computador em sala de aula. Porto Alegre, RS. EDIPUC, 1992, 48 p.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 10 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/educacao-online-artigos/as-novas-tecnologias-da-informacao-e-comunicacao-na-educacao-basica-755875.html

    Palavras-chave do artigo:

    internet projetos de aprendizagem novas tecnologias educacao ambiente de aprendizagem

    Comentar sobre o artigo

    shirleidy de sousa freire

    Este artigo enfoca informações referentes às práticas pedagógicas no âmbito da sociedade atual, a chamada sociedade da informação e do conhecimento, uma sociedade pautada no uso das novas tecnologias da informação. Faz referência ao papel do professor nesse contexto, como este profissional pode agir no sentido de aliar as novas tecnologias às metodologias utilizadas em sala de aula, como forma de melhorar os processos de ensino e de aprendizagem. Enfoca ainda o papel da família nesse contexto.

    Por: shirleidy de sousa freirel Educaçãol 16/06/2011 lAcessos: 2,637
    Valdec Romero Castelo Branco

    Este artigo tem por objetivo analisar a incumbência do ensino corporativo, a aprendizagem organizacional, a gestão do conhecimento como um grande desafio empresarial contemporâneo. O princípio que pauta essa modalidade de ensino e aprendizagem, leva em consideração as recentes transformações causadas pelo processo de internacionalização das economias em curso, determinam novos valores, alta competitividade e desempenho entre as nações, empresas e profissionais.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Negócios> Gestãol 20/07/2010 lAcessos: 4,627

    Este artigo constituiu-se a partir da necessidade de conhecer um pouco mais acerca do uso das novas tecnologias da informação e comunicação no ensino-aprendizagem em Nível Superior. A partir das percepções acerca dos modos como a criatividade se faz necessária a inserção de recursos computacionais que, atrelados às tecnologias tradicionais, possam potencializar os mecanismos de ensino-aprendizagem em diversos níveis de uso no ensino Superior.

    Por: moises lucasl Educação> Ensino Superiorl 14/07/2011 lAcessos: 659
    Daniel Motta

    A revista Nova Escola é uma publicação de periodicidade mensal, criada em 1986 pela Fundação Victor Cívita. A revista é voltada à comunidade de professores do ensino fundamental. Entre suas editorias, ela aborda diversos assuntos da área educacional, sob as mais variadas formas de textos jornalísticos: entrevistas com especialistas, artigos, relatos de experiências, idéias para sala de aula e seções destinadas a divulgação de trabalhos desenvolvidos em diferentes comunidades do país.

    Por: Daniel Mottal Educação> Ensino Superiorl 05/11/2010 lAcessos: 4,515 lComentário: 1

    O presente artigo tem por objetivo abordar algumas questões sobre a EAD, sua criação, autorização, credenciamento e suas contribuições para a formação docente e profissional, através das novas tecnologias de ensino.

    Por: marcelo donizete da silval Educação> Educação Onlinel 14/09/2009 lAcessos: 14,845 lComentário: 4

    Os recursos naturais anteriormente eram tidos como renováveis e que nunca poderiam se esgotar, atualmente o homem já percebe que sua existência sobre o planeta tem causado impactos negativos de grandes proporções, assim mudar hábitos se faz necessário a educação precisa está voltada para a sustentabilidade. Para tanto se faz necessário educar o cidadão para o consumo responsável. O presente artigo tem o objetivo de verificar a relevância de se ter uma educação voltada para a sustentabilidade. A metodologia utilizada teve como base a pesquisa bibliográfica e análise dos dados e informações relevantes sobre educação ambiental e a construção da cidadania. O presente trabalho mostra que existe a necessidade eminente de se formar cidadãos críticos e atuantes, conscientes de seu papel no planeta e a possibilidade da educação transformar de modo individual para o coletivo a postura humana perante o planeta e os recursos a serem utilizados.

    Por: Ana Débora Mascarenhasl Educação> Ciêncial 05/11/2008 lAcessos: 76,758 lComentário: 4
    Antonio Carlos Machado

    Neste artigo discutiremos a presença das Tecnologias Educacionais de Informação e Comunicação para o eficaz processo de ensino-aprendizagem para a Educação de Jovens e Adultos (EJA) no caráter de inclusão digital, cujo objetivo investigar as ações desenvolvidas no cotidiano escolar, que visem à inserção dos alunos da EJA dentro desse novo contexto de mudanças sociais e do avanço da tecnologia, de forma a garanti-lo sua inclusão no mundo digital e no mercado de trabalho.

    Por: Antonio Carlos Machadol Educação> Educação Onlinel 03/12/2011 lAcessos: 1,026

    1. INTRODUÇÃO Com o passar dos anos, vemos a tecnologia ganhar cada vez mais espaço no mundo. Hoje grande parte das coisas que possuímos, adquirimos através dela. O uso dos computadores está cada vez mais presente nos: supermercados, nas lojas indústrias, agricultura... No entanto, não tão presente nas escolas. A educação não pode ficar de lado, já que sabemos que um indivíduo precisa dela para sua formação, sendo essa formação de real importância, devendo ser integral e preparatória

    Por: WALERIA CAMINHAl Educaçãol 24/11/2008 lAcessos: 43,134 lComentário: 1

    O presente trabalho tem como propósito apresentar um estudo através de uma análise bibliográfica sobre a incorporação das tecnologias da informação e da comunicação na educação básica. Apontando algumas reflexões e discussões acerca do uso das tecnologias no cotidiano e nas práticas pedagógicas dos professores de educação básica.

    Por: Patricia Coelhol Educação> Educação Onlinel 24/08/2010 lAcessos: 4,575 lComentário: 1

    Este artigo fala sobre os fatores que influenciam as dificuldades de aprendizagem, buscando compreender a interferência do sistema escolar, familiar e socioeconômico nos problemas de aprendizagem. A importância de pesquisar tal assunto estar em aprofundar o conhecimento sobre as dificuldades de aprendizagem, assim como ampliar a visão a partir da literatura sobre o tema, proporcionando entendimento das representações e compreensão sobre os problemas de aprendizagem.

    Por: Daniel Soaresl Psicologia&Auto-Ajuda> Auto-Ajudal 26/08/2014 lAcessos: 42

    Quantas pessoas não procuram por uma oportunidade de emprego no Brasil ? Seja ela porque acabou de ficar desempregada ou mesmo porque procura um emprego melhor de onde está atualmente. Saiba como conseguir encontrar cursos gratuitos pelo SENAI, SENAC e PRONATEC

    Por: sitesjoaoepaulol Educação> Educação Onlinel 09/10/2014

    Diversos cursos gratuitos já estão disponíveis para inscrição no SENAC em 2015, relacionamos as melhores opções e onde você pode se inscrever próximo a sua cidade. Confira o artigo abaixo.

    Por: sitesjoaoepaulol Educação> Educação Onlinel 09/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Com efeito, é necessária a reconstrução da razão, a Ciência não será emancipada, do mesmo modo o cidadão como a velha razão, produto da Filosofia Iluminista ligada aos interesses do Estado liberal moderno, como a renascença foi apenas uma razão intermediria entre os dois momentos: antigo e novo Regimes.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Educação Onlinel 04/10/2014

    A educação inclusiva é um movimento social que desafia a escola a ser mais representativa da diversidade que existe na sociedade, tornando-se assim mais democrática e justa, sabendo lidar com as diferenças.

    Por: Delimar da S. F. Magalhãesl Educação> Educação Onlinel 02/10/2014

    A Educação a distância ou simplesmente EAD é o gênero. Ou seja, é o conjunto das diversas modalidades de se ensinar, estudar e aprender a distância, podendo ser via rádio, jornal, TV, etc. Já o elearning é o termo, na língua inglesa, que equivale a uma dessas modalidades de educação a distância. No caso do e-learning, o primeiro "e" faz alusão à palavra "electronic", que refere-se à modalidade de ead que fornece cursos online por meio eletrônico, ou pelo computador.

    Por: Juracy Soaresl Educação> Educação Onlinel 05/09/2014
    Lucileno Matos

    Este artigo tem como objetivo geral "Analisar as condições socioeconômicas do município de Imbituba". O trabalho fez uso da pesquisa bibliográfica e se enquadra como pesquisa básica com abordagem qualitativa do tipo estudo de caso. Como resultado, a pesquisa apontou a importância do desenvolvimento econômico para Imbituba, e que, para a análise da economia de um País, Estado ou Município, há a necessidade da adoção de indicadores: populacionais; sociais; econômicos; e infraestrutura.

    Por: Lucileno Matosl Educação> Educação Onlinel 14/08/2014 lAcessos: 39

    Admite-se que nossa inteligência compreende dois tipos de lógica, duas formas de processar a realidade

    Por: Central Pressl Educação> Educação Onlinel 28/07/2014 lAcessos: 12

    A importância do autodidatismo é ignorada por muitos. E desprezada por outro tanto. Muitos pensam que quem não quer estudar se transforma muitas vezes em autodidata. O que ocorre é exatamente o contrário, somente os que gostam de estudar têm condições de se tornarem um autodidata. Somente aqueles que sabem da importância dos estudos, da indispensabilidade dos estudos, somente estes - repetimos - têm a necessária força e disposição para se tornarem um autodidata.

    Por: Ebenézer Anselmol Educação> Educação Onlinel 26/06/2014 lAcessos: 27

    Este artigo apresenta um estudo sobre a nova linguagem de comunicação entre os grupos de jovens e até mesmo adultos, ao escreverem utilizando os bate-papos, blogs e e-mails na Internet ou nas mensagens enviadas através de telefones celulares. Esta nova linguagem conhecida como “internetês”, esta sendo usada nas mais diversas situações, chegando até no ambiente de sala de aula em nossas escolas.

    Por: Jussara Mehleckel Educação> Línguasl 04/02/2009 lAcessos: 36,473 lComentário: 11

    Comments on this article

    3
    lidyane 19/06/2010
    achei esclarecedor para minha pesquisa
    1
    Diego Renan 13/06/2010
    Texto "muito do mesmo".
    Os estudantes não se interessam mais pelas técnicas de ensino tradicional não porque já não são mais suficientes para eles, mas porque nem todos os professores sabem como repassar o demasiado conhecimento que possuem, existem poucos professores realmente bons, aqueles que têm carisma e conquistam a atenção da turma na aula.
    Mas a culpa é também parte do aluno. Com tantas tecnologias e facilidades ficamos acomodados e não sabemos porque é importante estudar e aprender, não temos vivência.
    0
    juliana moreira 02/06/2010
    gostei muito desse texto
    aprendi muito com essas novas tecnologias
    1
    JULIANA MOREIRA FELIPE 31/05/2010
    GOSTEI MUITO DESSE DOCUMENTARIO POR QUE NÓS ENSINA QUE TEMOS QUE CORRER CONTRA O TEMPO,PARA SABERMOS CADA VEZ MAIS
    -1
    CLEITON 31/05/2010
    ACHEI ÓTIMO;FOI MUITO IMFORMATIVO.....................................
    0
    Raquel 31/05/2010
    muito bom,bastante longo mas nem um pouco contraditorio
    0
    juninho 31/05/2010
    achei otimo......
    1
    fernanda 28/05/2010
    bom...
    0
    Murilo Alvarenga 30/10/2009
    Gostaríamos de aqui deixar nossa contribuição, trabalhamos hoje com a minimização do ANALFABETISMO FUNCIONAL no mercado,nosso site: http://sites.google.com/site/analfabetismofuncional/
    Temos também um blog onde fazemos alguns comentários e buscamos opinião sobre o assunto para podermos visualizar e melhorar nosso trabalho no mercado. Grato pela oportunidade de aqui manifestarmos e aguardamos sugestões, criticas e opiniões.
    0
    keila 02/06/2009
    achei ótimo
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast