A Dialética na Educação: o que é? Como se faz

Publicado em: 22/04/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 4,072 |

A Dialética na Educação: o que é? Como se faz.

Jorge Rocha Gonçalves

j.rocha60@yahoo.com.br

 

Resumo: como a utilização da dialética pode ajudar o relacionamento na sala de aula e a qualidade do ensino e aprendizagem pela participação.

Palavras chaves: analise síntese, dialética

Na Grécia antiga e nos principais discursos contra a abolição da escravatura no teatro Santa Izabel e no auditório da Faculdade de Direito do Recife, oradores abolicionista e a favor da República, como Castro Alves, Frei Canecas, Joaquin Nabuco e outros, faziam verdadeiros concursos de oratória em defesa dos direitos das minorias pretas, que era a maioria da população no Brasil.

A principal especificidade dessas retóricas foi à utilização da dialética como expressão majoritária nas falas marcantes desses sábios oradores.

A dialética é uma expressão de origem Grega, composta de dois eixos temáticos determinantes; a análise e a síntese.

O discurso pode encobrir varias vertentes do pensamento e sensibilizar todos que ouve, quando se é um grande orador, mais as contradições entre o fazer e o ser, estes, não esconde, pois são testemunhos, entra aqui a análise, descobrindo as contradições.

O aparecimento da síntese ocorre, quando se quer encobrir as contradições da análise no discurso, então se torna falsa principalmente a voz, escondendo o discurso verdadeiro, ou o sentimento real de quem estar falando. Neste momento, o mais hábil dos oradores, fala uma frase verdadeira para encobrir as contradições e inibir a análise.

A escola socrática formou grandes oradores dialéticos que surgem nas ciências sociais e nas ciências humanas, desde quando se utilizou a duvida para entendimento dos fatos e inibir a análise dos discursos.

Os Socráticos, para se destacar dos oradores que provocaram a duvida para fugir da análise e da síntese, utilizaram um artifício ate hoje praticado principalmente pelos pesquisadores e políticos, então a provocação tornou-se o maior meio para descobrir a verdade e desqualificar o outro em seu discurso na política partidária.

Antes de CRISTO, portanto, bem antes de Sócrates, o livro do TAO, escrito por Lao Tsé, já fazia demonstração claras da dialética em seus escritos, quando se utilizou da contradição na obtenção de uma resposta.

A identificação da dialética como ciência do conhecimento veio por Zenão de Eléia, (495 a 430, a.c), quando se utilizou de parodoxicos para formular suas teorias.

O paradoxo compreende-se por uma expressão verdadeira em sua aparência, levando sempre a uma contradição, muito comum nos inquéritos policiais, ou nas pesquisas para buscar uma verdade ou resposta.

O paradoxo caracteriza-se, por alguém pensar que o visto ou ouvido, possa ser a verdade, nos progresso da situação apresentada, ou mesmo na utilização das ciências, o paradoxo será identificação em suas contradições.

Nos debates sobre a ética, deslumbramos o papel do paradoxo, tanto na paradoxia, como na heterodoxia.

Uma das celebres frases, ditas por Heráclito de efésio, Socrático, tornou-se jargão popular, quem já não falou que "não se toma banho no mesmo rio duas vezes, pois na segunda vez, o rio não é o mesmo".

Encontramos nesta afirmativa filosófica de Heráclito tanto a paradoxia, como a heterodoxia, pois demonstra a ação e o efeito dessa ação, o resultado dos contrários, entre o sujeito praticante da ação e o objeto, recebedor da ação, que se torna novo a cada acão recebida.

Encontramos nesta expressão de Heráclito, grandes temas para discussão sobre a dialética, no ensino e na vida.

A expressão da origem ao fazer uso da dialética, quando se explica o movimento, as transformações e as interações entre as coisas, nada é isolado, todas as coisas se interligam.

A oposição da dialética quanto a sua prática, é a metafísica, "onde o mundo é um aglomerado de coisas, a ser desembaraçada", para o entendimento.

Platão definia a dialética, como um método de educação racional das idéias, onde as idéias passam a ter uma multiplicidade para a unidade, no qual duas ou mais pessoas atuam na busca do saber, para obtenção de perguntas e respostas.

"Max chama Aristóteles do ‘maior pensador da antotguidade", quando colocou a dialética como auxiliar da filosofia, reduzindo-a a uma atividade critica desconfigurando-a como um método para se chegar à realidade.

Para Aristóteles, a "dialética era a lógica do provável", aonde não conduzia ao conhecimento, mais a uma possibilidade de um objeto.

No terceiro século depois de CRISTO, o Platonismo reaparece em torno dos pensamentos sobre a dialética. Neste contexto, Plotino, autor das Eneadas, (205 – 270), volta a defender a dialética como parte da filosofia e não como um método.

Na idade média, os oradores fortalecem a dialética como um método através da retórica e da gramática, no qual discerniam o verdadeiro do falso, principalmente, nas interpretações no teatro e do pensamento liberal iniciando seu surgimento.

A influência da igreja neste período, colocando a filosofia como dependente da teologia, não aceitaram a dialética, pois afirmavam os religiosos, esta se contraponha a ordem divina.

A metafísica prevalece, pois atende aos interesses dos dominantes do período que buscavam inibir a evolução social através do radicalismo moral e pelas instituições subordinadas em nome de DEUS.

Na idade moderna, julga-se a dialética inútil, devido à lógica estabelecida por Aristóteles, onde seus julgadores, considerava a dialética como "aparência da lógica".

Descartes e Kant defendiam esse silogismo dialético, que Descartes no "Discurso do Método", redireciona a dialética propondo regras para analise do discurso e a utilização da síntese, na comparação no exposto pela linguagem.

Max, também, expõe a dialética como método ao propor um modelo para pesquisa e como expor os resultados da pesquisa.

Rousseau retorna a dialética para o condicionamento social dos indivíduos, existente desde Platão.

Hegel retorna a dialética ao âmbito da filosofia através da aplicação cientifica no conhecimento, introduzindo o uso da razão na analise dos fatos, afirmando que a razão é a "própria realidade" a ser entendida, de onde sai do abstrato e chega a ordem do todo.

Feuerbach, a dialética, toma nova direção ao afirmar que o homem projeta um "sonho no céu de justiça que não pode fazer na terra".

Portanto, a análise do mundo e sua contextualização encontram na dialética seu forte aliado para fundamentação dos conteúdos a serem aplicados na sala de aula.

 

 

Referenciais

GADOTTI, Moacir. Concepção Dialética da Educação. 15 ed. São Paulo. Cortez. 2006.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. Rio de janeiro. Paz e terra. 1975

FREIRE. Paulo. Ação Cultural para a Liberdade: outros escritos. Rio de janeiro. Paz e terra. 1976.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/a-dialetica-na-educacao-o-que-e-como-se-faz-2208058.html

    Palavras-chave do artigo:

    analise sintese

    ,

    dialetica

    Comentar sobre o artigo

    Edjar Dias de Vasconcelos

    A mente humana funciona por essa mecanicidade. A maioria dos códigos de memória são resultados de equívocos e de ideologias não correspondentes ao mundo da representação, entre sujeito e objeto, como produções culturais.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/12/2014 lAcessos: 16
    Gerson Nei Lemos Schulz

    O artigo discute o que é dialética e suas aplicações à educação, à filosofia e à forma de construir o raciocícnio em geral.

    Por: Gerson Nei Lemos Schulzl Educaçãol 04/03/2011 lAcessos: 483
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Depois de Hegel surge o seu principal reformulador da dialética, Karl Marx que procurou inverter a lógica da aplicação ao entendimento da realidade, na inversão da lógica idealista de Hegel.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 05/05/2013 lAcessos: 27
    Elizeu Vieira Moreira

    Os estudiosos sabem que existem duas concepções de fazer ou produzir ciência, duas visões de mundo, duas visões de homem e duas visões de sociedade e, por conseguinte, duas concepções epistemológicas: a METAFÍSICA e a DIALÉTICA. A metafísica é uma concepção acrítica ou crítica produtivista porque está comprometida com a conservação e a manutenção do status quo.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 27/12/2011 lAcessos: 185
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A palavra dialética vem do grego, cujo significado etimológico, dialektike, que significa o fundamento da argumentação, coerência de discurso, na análise de qualquer fato, seja qual for a sua natureza. Platão foi o primeiro filósofo a desenvolver o conceito da palavra dialética, para ele a dialética significa conceito através do qual a alma se eleva por etapas a um processo superior na superação do mundo das aparências sensíveis, isso é ao mundo prático da empiricidade.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 26/02/2014 lAcessos: 79
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Todos nós em algum momento perguntamos o que é a verdade, resposta difícil, porque a verdade precisa necessariamente ser objetiva, para ter fundamento é necessário ser universal, o que não pode ser é uma hipóstase metafísica, mesmo que todos não acreditem na universalidade de um fato como verdadeiro.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 04/12/2012 lAcessos: 11
    Marcelo Gomes González

    O Referencial Curricular Nacional para Educação Infantil é um documento que equivale aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs), já que foi criado pelo MEC em 1998. No entanto, há um debate ferrenho entre as grandes esferas da administração é o fato desse nível de ensino compor a Educação Básica, mas ser posta de forma facultada, fazendo com que, muita das vezes, não seja cursada pela criança, que fica com um ensino deficitário na base do conhecimento.

    Por: Marcelo Gomes Gonzálezl Educação> Educação Infantill 17/10/2012 lAcessos: 682
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Para ele a teoria do conhecimento, ou seja, aplicação do racionalismo cartesiano tinha a seguinte finalidade, dar forma ao conhecimento por intermédio da experiência, desenvolvendo o uso prático observacional de um objeto em forma de estudo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 28/10/2012 lAcessos: 49
    Elizeu Vieira Moreira

    Reflete sobre o fazer pedagógico, o método e a metodologia circunscritos no conjunto das demais questões sociais que fazem parte do contexto sócio-cultural-econômico propugnado pelo capitalismo globalitarizado e neoliberalizado. Analisa os efeitos que o modelo racionalista de qualidade (e eficiência) da educação propugnado pelo Banco Mundial (apoiado pela UNICEF, UNESCO, PNUD) teve sobre o fazer pedagógico, o método e a metodologia...

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 02/07/2011 lAcessos: 723

    O número expressivo de candidatos que não recebeu nota na Redação da prova do Enem 2014, mais de quinhentos mil, quase dez por cento do total de inscritos, surpreendeu e assustou todos os brasileiros interessados em educação e no futuro do país.

    Por: Julia Nascimentol Educação> Ensino Superiorl 20/01/2015 lAcessos: 15
    Dirce Porto

    Este artigo foi elaborado para atividades de trabalhos acadêmicos pela Universidade Americana de Asunción/Paraguai.Tendo como Orientadora Dra. Rosângela Lemos da Silva e Autores Dirce Porto da Silva Francisco Humberto de Araújo e Nelilda Ormond Braga É primordial a demonstração por parte de docentes e acadêmicos, quanto a trilhar os caminhos que conduzirão a um modelo de educação mais humanizado e voltado à descoberta de novos meios de aquisição do conhecimento, Boa Sorte. A Autora

    Por: Dirce Portol Educação> Ensino Superiorl 19/01/2015
    Maria Elena Guimarães Regiani

    Atualmente a palavra inclusão tem realmente tomado conta dos espaços principalmente das mídias, já virou um modismo muito discutido no momento, pelos governantes. As escolas, professores e funcionários estão preparados para acolher e aceitar pessoas "deficientes" ou "diferentes", portadoras de necessidades especiais? Esses questionamentos levaram à escolha deste tema "A inclusão de portadores de necessidade especiais nas séries iniciais". Certamente que muito já evoluímos na busca da defesa e ga

    Por: Maria Elena Guimarães Regianil Educação> Ensino Superiorl 19/01/2015 lAcessos: 41
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Separação dos poderes, fundamental em relação à vida ao Estado político. A liberdade consiste basicamente em fazer tudo em que a ler permitir.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Não sou anticapitalista. Muito menos a princípio do favor do socialismo. Até porque a questão não está em nenhum dos sistemas. Analiticamente. Qual é hoje a primeira economia do mundo. A China cujo regime de produção é socialista. Qual é segunda economia do mundo. Praticamente empatada tecnicamente. Com a primeira economia do mundo. Os Estados Unidos da America. Cuja economia é neoliberal. Em uma análise fria. Ambas as economias vivem à custa de um amontoado de pobres.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 18/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A origem de tudo. Remonta-se ao nada. A ausência substancial é a lei. De todos os fundamentos. Das coisas existentes e não existentes. Com efeito, qual o é princípio. A inexistência. A explicação é cientificamente irracional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 16/01/2015

    Estão abertas as inscrições para as novas turmas do curso de pós-graduação em Gestão com ênfase em Franquias da ESPM-RJ em parceria com a Associação Brasileira de Franchising Rio de Janeiro (ABF Rio).

    Por: Flávia Gaviolil Educação> Ensino Superiorl 16/01/2015
    Flávia de Almeida

    A Filosofia consiste na busca do conhecimento proveniente da autonomia do indivíduo, na qual é relacionada e movida por indagações, conduzindo o ser a novas descobertas, nesse sentido, a mesma meramente não se limita a um determinado conceito (para que não seja um dogma), mas sim, está aberta a novas interpretações de fatos sociais apresentados no geral.

    Por: Flávia de Almeidal Educação> Ensino Superiorl 13/01/2015 lAcessos: 15

    o presente trabalho possui como condição básica a obtenção de novos olhares na analise avaliativa e melhoria do desempenho. Será demonstrado como os recursos que são emitidos para o CEJA Valdemar de Oliveira são aplicados na garantia da qualidade do ensino e facilitando os trabalhos dos professores, alunos e gestão.

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 14/05/2014 lAcessos: 26

    presente trabalho possui como fonte de informações a pesquisa-ação, os resultados obtidos em 2013 na escola CEJA Valdemar de Oliveira, assim como, as possibilidades de mudanças aplicadas em 2014. A base de dados fundamenta-se na analise de aprovação e reprovação de 2013, bem como, as respostas dos professores e estudantes as perguntas realizadas. A coleta de dados se apresenta nas ideias de Souwey

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 18/04/2014 lAcessos: 20

    resenha escrita com a obtenção de demonstrar as atividades executa na escola em tempo de agora. Método usado, a observação em Suvey, de onde mostra-nos a importância da observação e analise do comportamento humano diante dos procedimentos executados por cada um deles

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 13/10/2013 lAcessos: 13

    resenha apresentado reflexões sobre as atuais reclamações sociais em um Brasil, voltados para grupos de interesses pessoais

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 26/06/2013 lAcessos: 35

    artigo sobre os procedimentos disponíveis pelos administradores públicos de educação, na efetivação de ações (dês) vinculadas a qualidade da escola através dos financiamentos escolares

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 26/06/2013 lAcessos: 14

    resenha derivada das observações realizadas nas unidades de ensino e seus ambientes em Recife, onde encontramos procedimentos concernentes ao (dês) andamento na escola nos aspectos administrativos e pedagógicos. Método de validação em Seauvy

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educaçãol 22/03/2013 lAcessos: 111

    resenha destinada a demonstração dos procedimentos utilizados para elevar o homem à categoria de humanizador

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 16/01/2013 lAcessos: 57

    apresentar os avanços da ciência e tecnologia em beneficio da aprendizagem e bem da escola de qualidade com a humanização do homem

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 05/10/2012 lAcessos: 139
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast