A Importância da Filosofia

Publicado em: 11/04/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 4,799 |

Introdução

Muito se questiona na sociedade popular, qual a importância da filosofia para a vida real. No imaginário das gentes, filosofia é "perca de tempo". Julgam que o filósofo é alguém "fora da realidade", que se põe a falar difícil e ninguém o entende, nem ele mesmo. Não sabem que ao fazerem esta crítica, nas palavras de Heidegger, também estão filosofando:

"... já estamos na filosofia porque a filosofia está em nós e nos pertence; e, em verdade, no sentido de que já sempre filosofamos. Filosofamos mesmo quando não sabemos nada sobre isso, mesmo que não "façamos filosofia". Não filosofamos apenas uma vez ou outra, mas de modo constante e necessário porque existimos como homens. Existir como homem significa filosofar. O animal não pode filosofar. Deus não precisa filosofar. Um Deus que filosofasse não seria Deus porque a essência da filosofia é ser uma possibilidade finita de um ente finito"

 

De fato, em todas as sociedades humanas sempre se observou o fenômeno filosófico. Lemos na Introdução aos Livros Sapienciais as palavras do padre Joaquim Salvador afirmando que "em toda a vasta região que incluímos sob a expressão Oriente Antigo, o estudo da sabedoria de tal modo que se enraizou, que se tornou proverbial dizer que o Oriente era a pátria da sabedoria[1]". Defender que o Oriente detenha a paternidade da sabedoria é fazer eco aos chamados orientalistas, os quais, antes de Sócrates, Platão e Aristóteles, citam Buda, Lao-Tsé e Zoroastro. Em linhas gerais, a filosofia nasce no espírito humano a partir do contraste entre o que chamamos senso comum e pensamento crítico. No instante em que o ser humano questiona se "esta é a verdade absoluta sobre isto e aquilo", o senso crítico o coloca do universo filosófico.

Razões para filosofar

Luiz Sayão[2]elenca três razões que dão importância ao ato de filosofar:

  1. detectarmos o nosso próprio sistema de valores;
  2. adquirimos capacidade crítica para filtrar o que nos é apresentado;
  3. entendermos nossa época, as tendências da sociedade e interpretar o mundo.

Se a escala de razões de Sayão estiver correta, a filosofia nossa de cada dia deve ser categorizada não como tarefa acessória, algo um tanto trivial e acidental. Deve ser categorizada como necessária para a vida humana. Lendo As Sementes da Dúvida, compreendemos no capítulo intitulado "O problema da Contingência" que o necessário se impõe ao contingente, ou seja, o necessitarismo entende que "tudo o que ocorre [no universo] não poderia deixar de ocorrer ou ocorrer de forma diversa". O que é necessário aqui e agora, não pode deixará de ser em tempo ou lugar algum. O contingente é acessório, pode ou não ocorrer. Se ocorrer hoje, pode desaparecer amanhã e pouca diferença fará para além de seu próprio círculo existencial.

A filosofia no Brasil tem sido tratada como acessória. Está nos currículos universitários de quase todos os cursos, nas salas de aulas do ensino médio, nos sites de cursos à distância, nos programas de televisão, nas reportagens de domingo, nas revistarias e bancas de jornal, contudo, desde os dias de Gonçalves de Magalhães (1811-1882), os filósofos ecoam este pedido: "Convém que o Governo ao menos uma vez lance os olhos sobre a mocidade, que faça ensinar nas escolas uma Moral pura, uma filosofia sã, e nutra o sentimento do amor divino".

Os filósofos brasileiros querem que a filosofia seja categorizada como necessária para a formação de seu povo. Um povo que seja educado para "detectar seu próprio sistema de valores", crivando-o com os rigores da razão sobre o certo e o errado, o autêntico e o imitado, o permissível e o reprovável, o nosso e o importado. Querem ver seu povo "adquirindo capacidade crítica para filtrar o que lhe é apresentado", duvidando com Descartes, investigando com Kant, satirizando com Voltaire, provocando com Nietzche, existencializando com Heidegger, enfim, querem ver o brasileiro socratizando com seus interlocutores, questionando a certeza de todas as coisas. Querem ver seu povo "entendendo a própria época, as tendências de sua sociedade e interpretando seu mundo", afinal, o Brasil está em ebulição, e dentro dele existem muitos brasis. Não dá para simplesmente guardar saudosismo por um país sonhado e desconhecido. É preciso identificá-lo, contextualizá-lo, projetar sobre ele e propor utopias.

Conclusão

A importância da filosofia reside em sua própria origem, postando-se como ciência humana a serviço da razão, ganhando o status de saber perfeito - em alguns círculos – e de saber conhecer – em outros. Mastal importância é bem mais restrita aos amigos da sabedoria do que eles gostariam, pois quando ganha as ruas, a filosofia deixa de ser ciência par ser piada. Mario Quintana dizia que "a filosofia é uma coisa com a qual e sem a qual o mundo continua igual", outros dizem que "o trabalho de um filósofo é semelhante ao esforço de um cego trancado em um quarto escuro procurando um gato preto que nunca foi posto lá", e assim seguem as chacotas. Por nossa vez, reafirmamos com Heidegger que "... já estamos na filosofia porque a filosofia está em nós e nos pertence; e, em verdade, no sentido de que já sempre filosofamos. Filosofamos mesmo quando não sabemos nada sobre isso, mesmo que não "façamos filosofia". Não filosofamos apenas uma vez ou outra, mas de modo constante e necessário porque existimos como homens. Existir como homem significa filosofar. O animal não pode filosofar. Deus não precisa filosofar. Um Deus que filosofasse não seria Deus porque a essência da filosofia é ser uma possibilidade finita de um ente finito

 

 

 

Bibliografia

 

ABRÃO, Bernadette Siqueira. História da Filosofia. Ed. Nova Cultural. 1999

HEIDEGGER, Martin. Introdução à Filosofia. São Paulo, Ed. Martins Fontes, 2008

LUFT, Eduardo. As Sementes da Dúvida. Mandarim. São Paulo. 2001

SALVADOR, pe. Joaquim in, Livros Sapienciais. São Paulo, Abril Cultural, 1985

SAYÃO, Luiz Alberto Teixeira. Cabeças Feitas. Filosofia Prática para Cristãos. São Paulo. 2004 

[1]SALVADOR, pe. Joaquim in, Livros Sapienciais. São Paulo, Abril Cultural, 1985

[2]SAYÃO, Luiz Alberto Teixeira. Cabeças Feitas. Filosofia Prática para Cristãos. São Paulo. 2004  

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/a-importancia-da-filosofia-5818644.html

    Palavras-chave do artigo:

    a filosofia no brasil tem sido tratada como acessoria esta nos curriculos universitarios de quase todos os cursos

    ,

    nas salas de aulas do ensino medio

    ,

    nos sites de cursos a distancia

    Comentar sobre o artigo

    Edjar Dias de Vasconcelos

    Rousseau nasceu na cidade de Genebra, de origem pobre, seu pai um consertador de relógio, sua mãe morreu no parto, o pai teve pouco interesse pelo filho, o pobre menino foi deixado em Gênova, quando o pai teve que fugir da cidade para não ser condenado criminalmente.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 04/04/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Autor de uma vasta obra filosófica preocupava-se com o conhecimento das verdades essenciais que determinam à realidade em vários aspectos, a partir do seu trabalho, estabelece princípios éticos que norteiam o mundo social da Grécia antiga.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 01/04/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Até aquele momento o povo grego tinha sua organização político-administrativa voltada para o palácio em torno da figura do rei, o que foi modificado completamente. Com os dórios a organização política segue outra dinâmica obedecendo à estrutura de família denominada de genos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 31/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Conhecer é uma ação complexa e parcial, sinteticamente e não absolutamente projetiva, queiramos ou não quem conhece em última instância é a estrutura epistemológica do cérebro, sem negar a relação dialética dos procedimentos empíricos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 29/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A grande contribuição aconteceu em razão por construir as bases disciplinares de uma ciência do direito, na elaboração de uma teoria de Estado, dando continuidade os elementos de formação contínua do próprio mecanismo e estrutura como instituição política.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    De onde vêm os engodos ideológicos possibilitando sucesso em seus procedimentos transmissivos, na essencialidade contraditoriamente do ponto de vista prático, sustentam se em existências imateriais motivos pelos quais são ideologias.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/03/2014

    Este trabalho tem como objetivo narrar, em linhas gerais, a história do curso de Letras no Brasil, observando em especial sua relação com o contexto histórico-social e com o modelo de universidade vigente. Buscamos também apresentar breve comentário sobre os primeiros cursos de Letras no Brasil. Inclusive queremos contextualizar se seus objetivos estão engendrados com as necessidades existentes na sociedade. Ainda por cima, será contextualizado o curso de Letras no qual estudamos, analisando s

    Por: PEREIRA, Ozeas Autol Educação> Ensino Superiorl 26/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Dado por outro lado, a objetividade da ciência e da história da construção do pensamento estruturado na perspectiva do positivismo lógico, fecundamente ao aspecto prático, técnico, substanciado empiricamente.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 25/03/2014
    Rogério de Sousa

    O presente trabalho constitui-se de uma breve pesquisa bibliográfica sobre a concepção da ética em Schopenhauer e Nietzsche. Ambos considerados sob o prisma do irracionalismo, negando a primazia da razão para a compreensão do fenômeno humano e propondo o eixo vontade/potência como novo extrato ético. Sendo impossível aprofundar a questão do ético em Schopenhauer e Nietzche em um trabalho como este, optei por abordar o tema de forma sucinta. Extraí algumas citações de ambos os filósofos e as

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 30/04/2012 lAcessos: 198
    Rogério de Sousa

    O artigo em análise tem por título "Deus na Filosofia Existencial de Karl Jaspers". O autor – Natanael Gabriel da Silva – realizou sua pesquisa no livro Filosofia da Existência, publicado em português pela editora Imago em 1973 – Rio de Janeiro. A proposta de Natanael é "trazer à discussão a tentativa de Jaspers no dizer sobre Deus". Segundo o autor, Jaspers procura elaborar uma filosofia existencial em contraste direto com Heidegger, uma vez que este propunha uma filosofia existencial em torno

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 11/04/2012 lAcessos: 174
    Rogério de Sousa

    Agostinho se propôs como modelo de moral para os homens, não por sua perfeição, mas por sua busca filosófica. Desde a infância até a senilidade mostrou-se uma pessoas aberta ao diálogo, e por isso, sempre polêmico. Conseguiu como poucos tocar as várias pontas dos extremos, ambicionando resolver racionalmente as demandas do cérebro e da alma, sem, no entanto, conseguir tamanho empreendimento.

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 11/04/2012 lAcessos: 1,994
    Rogério de Sousa

    A pessoa humana e as conceituações no tocante ao seu significado. Síntese da proposta humanista. Considerações sobre o ser humano visto pelo viés de um sujeito Plurifacetado em vista de ser uma unidade e uma pluralidade simultaneamente. Quais atitudes tornam a pessoa mais humana, levando-a a viver as dimensões da consciência, do amor e da liberdade com ética e de forma cidadã.

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 11/04/2012 lAcessos: 986
    Rogério de Sousa

    Ao longo de nossos debates me posicionei firmemente pelo Idealismo do Sócrates de Platão. Estes dois homens se tornaram divisores de águas no que diz respeito à Piadéia. Antes deles imperava a busca pela sabedoria. Após, reina o amor à sabedoria. Antes deles existia a Poesia e a Retórica. Após, nasce a Filosofia.

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 25/04/2011 lAcessos: 1,121
    Rogério de Sousa

    A bendita esperança dos crentes está na consumação dos séculos, no momento em que Jesus Cristo retornar acompanhado de seus anjos. Por ocasião da parusia, a orquestra celeste executará o cântico do Cordeiro enquanto o arcanjo Miguel solta sua voz pelo universo. Cristo glorificado surge a olhos nus em pleno cenário mundial e a cegueira dos olhos de todos os seres será retida. À voz de seu comando, vivos e mortos formarão uma só multidão de ressuscitados. Não há lugar para as coisas passadas, nem

    Por: Rogério de Sousal Religião & Esoterismo> Evangelhol 06/01/2011 lAcessos: 63
    Rogério de Sousa

    O céu é Jesus! Ele está em silêncio enquanto os santos oram. Ele está atento às palavras que sobem aos céus, e também seus anjos guardam silêncio ante as preces dos homens. Tudo o que se diz em segredo de oração será recompensado publicamente. (Estou feliz em saber disto). As orações são valiosas diante de Deus, pois são postas em incensários de ouro. Existe toda uma solenidade e cuidado sacerdotal ao ouvir confissões e súplicas.

    Por: Rogério de Sousal Religião & Esoterismo> Evangelhol 06/01/2011 lAcessos: 146
    Rogério de Sousa

    Os sete selos descrevem movimentos que caracterizarão a era ou dispensação inteira, desde a ascensão até o regresso glorioso de Cristo. São visões de paz e de guerra, de fome e de morte, de perseguição à igreja e do juízo de Deus sobre os seus inimigos. À medida que os selos são abertos no céu, efeitos tremendos acontecem na terra. O céu comanda a terra. Jesus abre os selos. Está encarregado de todo o programa. A história está em suas mãos. Nos primeiros quatro selos vemos a ira de Deus misturad

    Por: Rogério de Sousal Religião & Esoterismo> Evangelhol 06/01/2011 lAcessos: 137
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast