A Importância Do Letramento Para A Educação De Jovens E Adultos

Publicado em: 21/01/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 6,512 |

         Este artigo trata de uma questão atual: a importância do letramento para a Educação de Jovens e Adultos, assim como a função social do letramento. O artigo tem por objetivo colaborar na construção de idéias acerca do termo letramento e na reflexão sobre as questões sociais que envolvem o cidadão diante de uma sociedade grafocêntrica.

         O processo de  ensino aprendizagem de jovens e adultos visa atender ao princípio da adequação de metotodologia e recursos didáticos à realidade cultural e subjetiva deste grupo. Segundo Vygotsky(1988), "a prendizagem resulta da interação entre as estruturas do pensamento e o contexto social, num processo de contrução pela ação do sujeito sobre o objeto a ser conhecido". Para ocorrer a aprendizagem seria necessário o enfrentamento de situações desafiadoras que propiciem ao aluno chegar a patamares mais elaborados de conhecimento, necessitando da intervenção de outros sujeitos.

            A partir disso, sabe-se que o conhecimento é adquirido através da interação social, assim como é constituido a partir da relação do individuo com o meio social, considerando as experiencias de vida, os valores, as crenças, ou seja , a cultura do alfabetizando. Freire(1987) "entende que uma aprendizagem significativa dar-se-à a partir de um processo que proporcione uma análise critica da prática social dos homens, contribuindo para que estes repensem a forma de atuar no mundo". Se o aspecto social da aprendizagem diz respeito aos valores e aspirações coletivas é um ato político, um ato de criação e recriação, sendo, portanto, impossível falar em educação neutra. De igual maneira, o diálogo aparece como fundamento da construção do sujeito, como mecanismo de compreensão da estrutura social, de conscientização e de transformação.

           Em uma sociedade permeada por práticas de leitura e escrita, os convívios sociais, não somente em um ambiente institucional, nota-se que o papel do professor transcede cada vez mais, as  quatro paredes que determinam as salas de aulas e, suas práticas pedagogicas interferem diretamente no desenvolvimento do educando na construção de uma sociedade mais justa.

           As práticas pedagogicas tradicionais desvinculadas da realidade não atendem à real necessidade do individuo que precisa interferir na sua realidade social. Em nosso dia a dia é facil perceber pessoas não alfabetizadas que fazem uso da leitura e da escrita. Mesmo não dominando essas tecnologias, elas reconhecem a importância e a necessidade de seus usos, pois não querem sofrer prejuízos da exclusão e que, neste sentido, conquistam a dignidade social que lhes é usurpada por não serem individuos alfabetizados nos padrões convencionais.

          O aluno da EJA do Segundo Segmento, uma vez dominando a tecnologia da leitura e escrita, procura essa modalidade de ensino, principalmente, para sua inserção no mundo do trabalho e na sociedade letrada. Essa modalidade é direito do cidadão e necessária para sua plena participação como cidadão na sociedade que exige o domínio das práticas sociais da leitura e da escrita. A escola tem como dever proporcionar o desenvolvimento do grau de letramento a cada individuo, promovendo, efetivamente, o uso da leitura e da escrita envolvidas nas praticas sociais, ou seja, promovendo o letramento dentro do ambiente escolar, pois o educando depara-se constantemente com o uso delas na vida fora da escola. A escola é quem prepara o individuo para vida em sociedade eo instrumenta para a alegria de conviver e cooperar.

            Por entender que a leitura e a escrita são instrumentos básicos para o ingresso e a participação plena na sociedade letrada em que vivemos, que nem sempre é oportunizada para todos. Busca-se ressaltar a importancia do letramento como meio de inserção do sujeito como agente transformador da realidade social em que se encontra e a possibilidade de mudá-la de acordo com a sua necessidade, pois, instrumentado com a prática social da leitural e da escrita estará habilitado para reconhecer essa possibilidade. Pois, somente a partir de práticas pedagógicas conscientes o docente pode demonstrar que tais práticas pedagógicas, tradicionais ou não, desvinculadas da realidade não atendem a real necessidade do individuo que precisa interferir na sua realidade social.

           Portanto, observa-se que falta uma visão clara sobre os impactos da redução dos limites etários legais. De qualquer modo, a falta de relativa atratividade da EJA reiteraa preocupação com a sua qualidade e capacidade de democratização. De acordo com a perspectiva sociológica do conflito pode tratar-se de escolarização pobre para alunos pobres, reforçando as disparidades sociais, nos termos da análise sociológica, que também pode ser um caso de estigmatização de uma modalidade educacional, em virtude do status socioeconômico dos alunos que a frequentam.

           Conforme, isso não é um determinismo que impeça as politicas públicas de reduzir a exclusão, mas, ao contrário, a indicação do dever de tornar as oportunidades educacionais redutoras, antes que amplificadoras, das diferenças sociais.

           Sendo que, uma das características do pensamento pedagógico referido à Educação de Jovens e Adultos nos últimos 40 anos tem sido a explicitação do caráter politico dos processos educativos e, consequentemente, o enunciado nos projetos pedagógicos destinados a esses grupos etários de objetivo de formação para a cidadania política. Que portanto, se constituíram como núcleos de resistência a regimes ditatoriais, que vigoram durante os anos 70 do século passado em muitos países da A mérica Latina, conferiram-lhe sbstãncia e densidade, mas acabou por confiná-la ao campo ideologico das esquerdas, o que gerou resistências e questinamentos em relação a sua vigência na conjuntura de redemocratização dos regimes políticos do continente.

            Assim, a Educação de Jovens e Adultos é convidada a reavaliar sua identidade e tradição, reelaborando os objetivos e conteúdos de formação política para a cidadania democratica que seus curriculos sempre souberam explicitar, pois, os debates atuais sobre os objetivos da educação para cidadania privilegiam a formação de sujeitos livres, autonomos, criticos, abertos à mudança, capazes de intervir em processos de produção cultural que tenham alcance politico. É nesta sugestiva direção de formação politica para cidadania democratica que parece fecundo caminhar na reelaboração de curriculos de educação de pessoas. 

          Contudo, o letramento, portanto, abrange mais que simplesmente ler e escrever. o individuo letrado inserido em praticas sociais de leitura e escrita deve se capaz de usar esse conhecimento em benefício da sociedade e de si próprio. Tomando uma atitude crítica em relação a tudo o que o cerca, buscando uma forma de transforma a sociedade em que está inserido. As práticas sociais de leitura e escrita devem gerar questionamentos, reforçar valores, tradições e formas de distribuição do poder.

            Mediante as reflexões anteriores, é possivel concluir que o sujeito ao ser alfebetizado precisa adentrar no mundo da leitura e da escrita num processo de aprendizagem que cinsidere a função que a língua escrita exerce no círculo social. Assim é importante que a mesma cumpra o seu objetivo - de ojeto sociocultural real - pois, a escola deve atuar diretamente, trazendo para dentro do ambiente escolar, situações de uso da leitura e escrita.

          Vivemos em uma sociedade em que a escrita é reguladora das relações sociais. Portanto, não existe sujeito iletrado, pois, segundo Soares(2003,p.95), "todos, em alguma medida, interagem com a cultural escrita e têm estas formas culturalmente construidas como referencial identitário e epistemológico".

Dessa forma a alfabetização precisa ser discutida e pensada como uma edificação social, tendo em vista que não se resume apenas à habilidade de ler  e escrever, mas em possibilidades de relacionar-se com outros conhecimentos. A mundaça que se opera nesse sentido busca garantir uma alfabetização significativa, valorizando os saberes do educando adquiridos fora do âmbito escolar.

          De posse dessas realidades, compreendemos que através do processo de letramento, podemos conduzir nossos alfabetizando à realidade do mundo grafocêntrico apoiado na escrita, onde aqueles que não fazem uso social dela estão de alguma maneira, excluidos, apesar da importante função social desempenhada por esta modalidade educativa, uma vez que se encarrega de reparar as desigualdades causadas aqueles alunos evadidos do ensino regular.

           Segundo Soares(2003), sendo o uso das "habilidades de leitura e escrita" para o funcionamento e a participação adequados na sociedade, e para o sucesso pessoal, o letramento é considerado como responsável por produzir resultados importantes: desenvolvimento cognitivo e economico, mobilidade social, profissional, cidadania.

          Entende-se, então, que o letramento é um meio pelo qual os individuos, fazendo uso social dele, podem alcança maior mobilidade no mundo em que vivem, ou seja, o letramento contribuir com a prática social e a inserção no mundo em que vive nossos jovens e adultos.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 8 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/a-importancia-do-letramento-para-a-educacao-de-jovens-e-adultos-1762440.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao letramento educacao de jovens e adultos pratica social

    Comentar sobre o artigo

    Elias Ribeiro Tork Filho

    O presente artigo apresenta como objetivo investigar a práxis pedagógica da Educação Física na 1ª Etapa da Educação de Jovens e Adultos (EJA), especificamente as dificuldades do professor em ministrar aulas à clientela da EJA. Pois, sabe-se que a Educação Física Escolar a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9.394/96, apresenta-se como componente curricular obrigatório da educação básica. Com isso, analisa-se que a EJA ao fazer parte da educação básica precisa que o prof

    Por: Elias Ribeiro Tork Filhol Educação> Ensino Superiorl 17/12/2013 lAcessos: 106
    Daniel Motta

    A revista Nova Escola é uma publicação de periodicidade mensal, criada em 1986 pela Fundação Victor Cívita. A revista é voltada à comunidade de professores do ensino fundamental. Entre suas editorias, ela aborda diversos assuntos da área educacional, sob as mais variadas formas de textos jornalísticos: entrevistas com especialistas, artigos, relatos de experiências, idéias para sala de aula e seções destinadas a divulgação de trabalhos desenvolvidos em diferentes comunidades do país.

    Por: Daniel Mottal Educação> Ensino Superiorl 05/11/2010 lAcessos: 4,529 lComentário: 1

    Este artigo discute e analisa a importância da afetividade para a aquisição da leitura e da escrita e o papel fundamental da paternidade como sendo mais um dos elementos motivadores da procura pelos cursos de EJA.

    Por: Joilson Aleixo da Silval Educaçãol 14/01/2009 lAcessos: 6,635 lComentário: 1

    Este texto tem por objetivo ajudar o professos uma forma mais recreativa para ensinar a Disciplina de Educação Fisica.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 13/04/2008 lAcessos: 241,482 lComentário: 61
    Antonio Reinaldo Santos Alves

    Este ensaio discute as relações entre a alfabetização e letramento em visa da aprendizagem de alunos jovens e adultos, tratando deste tema como um dos eixos para a formação de professores alfabetizadores. Queremos, portanto discutir a partir da prática dos professores alfabetizadores as possibilidades de se trabalhar estes conceitos ao mesmo tempo tão distintos, mas que se converge para o bom aproveitamento escolar, e perceber com são efetivadas as práticas e os eventos de letramento em EJA.

    Por: Antonio Reinaldo Santos Alvesl Educação> Ensino Superiorl 05/11/2011 lAcessos: 359
    JAIRO CARDOSO

    O objetivo deste artigo é somar esforços na construção e implementação de políticas públicas baseadas no diálogo e na troca permanente de saberes entre as comunidades de baixa renda, escolas, e universidades, voltadas, principalmente, para a democratização do acesso e da permanência, com sucesso, nos diferentes níveis do sistema de ensino público.

    Por: JAIRO CARDOSOl Educaçãol 15/05/2011 lAcessos: 623
    Tania Maria da Silva Nogueira

    O projeto tem como intuito primordial incentivar e dar condições concretas do aluno de realizar novas construções no que diz respeito à alimentação saudável

    Por: Tania Maria da Silva Nogueiral Educaçãol 01/09/2013 lAcessos: 39
    Milena Queiróz Gonçalves

    Como o professor pode influenciar na formação de caráter de um indivíduo, e como fazer isso através do ensino de Português e Inglês.

    Por: Milena Queiróz Gonçalvesl Educação> Línguasl 03/01/2009 lAcessos: 5,215

    A alfabetização e o letramento são processos distintos da escolarização. A alfabetização preocupa-se com a aquisição da escrita pelo indivíduo ou grupo de pessoas. O letramento preocupa-se com a aquisição de um sistema escrito por uma sociedade. A Universidade Estadual da Paraiba está contribuindo para a mudança do histórico do analfabetismo na Paraíba, implantando nos seus cursos de licenciatura componente curricular que exigirá do aluno a efetiva realização de letramento de jovens e adultos.

    Por: Ailton Elisiario de Sousal Educação> Ensino Superiorl 02/08/2011 lAcessos: 203
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A sétima Constituição brasileira. Constituição de 1988. Retorno da democracia. Promulgada por uma Assembleia Nacional Constituinte. Foi denominada de Constituição Cidadã. Possibilitou o retorno dos direitos civis e políticos. Como também a defesa dos direitos sociais.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 31/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Existirá um tempo. Que será o tempo. Negado na sua acepção. Posterior a ele. Um imenso vazio. Escuro. Sem nenhuma definição. Como se nada existisse.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Que pode estar na mão de uma pessoa ou de várias, mas a função do Estado político aristotélico dever-se ia ser a defesa do interesse coletivo e não de uma classe social.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Isso significa que o Estado é objetivamente um fato social, de natureza histórica, contrariamente, o desejo fundamental da manifestação formal apenas de um dado momento, na construção da sua institucionalidade.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 29/10/2014

    A escola para a maioria das crianças brasileiras é o único espaço de acesso aos conhecimentos universais e sistematizados, e as crianças que durante sua vida escolar esporádica ou mais frequentemente os assim chamados, crianças com "distúrbios de aprendizagem" ou "problemas de aprendizagem" ou dificuldade de aprendizagem", quando não adequadamente tratados esses distúrbios, com certeza podem aumentar e se ampliar de tal forma que chegam a provocar acentuado insucesso escolar.

    Por: Cátia Martins Bernardes Lenzil Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Resultado direto da Revolução Comercial, do mesmo modo, produto da ideologia política renascentista e posteriormente, da Filosofia iluminista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Exemplo da Inglaterra. O Parlamento resultou. De uma conciliação dos poderes. Entre a nobreza e a burguesia. Sendo que Coroa reina. Mas apenas a burguesia governa.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 23/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O seguinte motivo: não era nacionalista, Jesus defendia o domínio romano sobre os judeus, justificando que o povo pagasse imposto a Roma. Barrabás fora colocado em liberdade, pois defendia a luta armada para Israel libertar-se do domínio romano.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/10/2014
    LÍVIA FERREIRA

    Diante da importancia de seu pesamento, do compromisso politico-pedagogico e de sua trajetória de vida, Paulo Freire nos alenta nos inspira e nos alegra. Com suas ideias, alimenta nossos sonhos de mudança; com suas reflexões, nos instiga à critica; com seu exemplo, reforça nosso engajamento; com sua ternura, nos leva à solidariedade e com sua tolerância, nos mobiliza para o efetivo exercício da democracia.

    Por: LÍVIA FERREIRAl Educaçãol 21/01/2010 lAcessos: 13,056 lComentário: 1
    LÍVIA FERREIRA

    Educar não se limita a repassar informações ou mostrar apenas um caminho, aquele caminho que o professor considera o mais correto, mas é ajudar a pessoa a tomar consciencia de si mesma, dos outros e da sociedade. É aceitar-se como pessoa e saber aceita os outros. É oferecer várias ferramentas para que seus valores, sua visão de mundo e com as circunstâncias adversas que cada um irá encontrar. Educar é preparar para a vida. (Kami, 1991)

    Por: LÍVIA FERREIRAl Educação> Educação Infantill 14/09/2009 lAcessos: 46,780 lComentário: 10
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast