A importância do Planejamento Estratégico Participativo na Educação

12/04/2011 • Por • 4,603 Acessos

A importância do Planejamento Estratégico Participativo na Educação

 

Sabemos que não existem fórmulas prontas ou receitas únicas para a melhoria da qualidade da educação, é um processo que requer constantes mudanças dentro de um sistema dinâmico, onde, que para essa conquista requer de todos os atores do processo educacional, participação e socialização, reconstrução de conceitos e definição de políticas educacionais públicas, através da implementação de projetos e planos.

Para todo e qualquer processo educacional, exige-se primordialmente comprometimento, onde idéias devem ser compartilhadas, havendo autonomia e iniciativa para emitir opiniões e críticas, desde que sejam informações, reflexões e ações construtivas.

Sabemos que inúmeras lacunas ainda faltam ser preenchidas até chegarmos à educação que queremos. Visando canalizar o trabalho em busca desta educação de qualidade devemos definir e identificar os principais fatores que influenciam o desenvolvimento e inviabiliza a execução de ações na educação, através de discussões procurando envolver os membros, objetivando também todos juntos pensantes encontrar soluções plausíveis para minimizar os problemas educacionais.

Acreditamos que a superação reside justamente na possibilidade de criar mecanismos de reflexão conjunta no qual respostas possam ser dadas de forma mais consistente através de uma ação eficiente, onde haja a participação do maior número possível de membros de todas as categorias que constituem o âmbito educacional, utilizando como estratégia: o diálogo e a contribuição de todos os envolvidos para um consenso unânime.

Em meio às progressivas mudanças oriundas da globalização da modernidade, da transição para a sociedade da informação, temos o homem como fomentador primordial nessa confluência, na busca de um momento de reflexão e uma consciente revisão do comportamento assumindo o compromisso em prol de uma educação de qualidade através de um planejamento estratégico participativo.

O Planejamento Estratégico Participativo torna-se relevante, pois é um importante instrumento para a fomentação do desenvolvimento de uma sociedade e norteador de ações a serem desenvolvidas para minimizar os problemas em torno da educação. Temos conhecimento de que atualmente a estratégia permeia nosso cotidiano e que cada vez mais está sendo utilizado por um número crescente de pessoas tanto nas micro como macro empresas bem como na vida profissional e pessoal.

Sabemos que o Planejamento Estratégico Participativo é fundamental e tem-se constituído como de grande eficácia para a gestão educacional, seja de ordem privada seja pública, somos conscientes que não se constitui em uma fórmula milagrosa, mas que aponta caminhos a serem seguidos e onde a instituição pretende chegar, assim como maneiras de condução mais viáveis para atingir êxito através de um diagnóstico em busca dos resultados quantificados do que foi ou não alcançado, contando com o compromisso, envolvimento e participação de todos que fazem a educação.

Nesse processo, o Planejamento Estratégico Participativo, é de grande relevância para educação no sentido de prover o conhecimento, com a finalidade de inovar, gerir e criar, para enfrentar os desafios e superar as dificuldades, fazendo o diferencial com auxilio primordial desta ferramenta e o trabalho coletivo.

Mas... O que é planejamento estratégico? Em que é diferente de planejamento estratégico participativo? Segundo Almeida (2001), antes de iniciar a realização do Plano Estratégico é importante que se conceitue o que é Planejamento Estratégico. Sob a óptica desse autor Planejamento estratégico "é uma técnica administrativa que procura ordenar as idéias das pessoas, de forma que se possa criar uma visão do caminho que se deve seguir (estratégia) ordenando as idéias, onde são identificadas as ações, que são parte integrante da implementação do Plano Estratégico, para que, sem desperdício de esforços, caminhe na direção pretendida".

De acordo com Matus,(1996), o planejamento estratégico corresponde ao processo pelo qual uma coletividade estabelece uma opção e um compromisso por transformar uma realidade, tornando-a mais significativa socialmente, pela adoção de novas formas de agir e o de largo alcance, sua efetivação não pode deixar de se assentar na metodologia participativa delineada na literatura sobre planejamento participativo.

Mediante as afirmações de ANSOFF e McDONNELL, 1993; BETHLEM, 1998; DRUCKER, 1993; STONER e FREEMAN, 1999 As organizações estão procurando cada vez mais se adaptar às constantes mudanças ambientais e das incertezas, onde representa uma ferramenta indispensável na gestão das organizações a fim de precaverem-se das incertezas com técnicas e processos administrativos que permitam o planejamento de seu futuro, a elaboração de objetivos, estratégias, métodos e ações.

Segundo Baptista (1995), o planejamento participativo é uma nova forma de pensamento que envolve alguns componentes uma no modo de apreender a realidade e a compreensão das partes em relação ao todo. Livros e artigos abordam o planejamento estratégico e o planejamento participativo, os dois grupos ressaltando aspectos críticos vistos de forma diferenciada.

O enfoque do planejamento estratégico enfatiza, em especial, o conteúdo, a orientação e os resultados da organização proposto no plano resultante. Já o planejamento participativo enfatiza o processo envolvido na elaboração do plano, considerado como legitimador do mesmo. É de suma importância a aplicação do planejamento estratégico participativo no sentido de minimizar os riscos e fracassos, em face de notórias e constantes transformações da nossa sociedade, se fazendo necessário, para especificamente, a gestão educacional seja de ordem pública ou privada, não permanecendo, estagnada ao longo do caminho, na obtenção de resultados com fortes visões para o futuro.

O Planejamento Estratégico Participativo nos remete a olhar o dia a dia, para as relações, para as oportunidades e ameaças, para as fortalezas e fragilidades e mais do que organizar, repensar sobre o cuidar, o educar e o gerenciar. É imprescindível que os atores da educação desenvolvam ações que fomentem a integração entre o planejamento e sua implantação, entre o planejamento e o pensamento estratégico participativo e entre pensamento e ação estratégica.

Somos conscientes dos problemas que se interpõem na nossa sociedade, ao explicitar os objetivos para solucionar esses problemas, podemos nos guiar com firmeza na escolha do caminho a ser percorrido, através de um planejamento estratégico participativo nos direcionando na busca da melhoria da qualidade da educação tão almejada por todos nós.

 

 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

ALMEIDA, Martinho Isnard Ribeiro de, Manual de Planejamento Estratégico.São Paulo: Atlas, 2001. ANSOFF, H. I.; McDONNELL,E. Implantando a administração estratégica.São Paulo: Atlas, 1983.

BAPTISTA, Myrian Veras. O planejamento estratégico na prática profissional cotidiana. IN Serviço Social e Sociedade. nº. 47, p-110-119, abr., 1995

BETHLEM, A. de S. Estratégia empresarial: conceitos, processos e administração estratégica. São Paulo: Atlas, 1998.

DRUCKER, P. F. Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira, 1993. STONER, J. A. F; FREEMAN, R. E. Administração. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1999.

Perfil do Autor

Claudete Franklin

Graduada em Pedagogia. Especialista em Psicopedagogia. Especialista em Gestão Educacional e Criatividade. Consultora Técnica do PAR/MEC