A importância do Planejamento Estratégico Participativo na Educação

Publicado em: 12/04/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 1,560 |

A importância do Planejamento Estratégico Participativo na Educação

 

Sabemos que não existem fórmulas prontas ou receitas únicas para a melhoria da qualidade da educação, é um processo que requer constantes mudanças dentro de um sistema dinâmico, onde, que para essa conquista requer de todos os atores do processo educacional, participação e socialização, reconstrução de conceitos e definição de políticas educacionais públicas, através da implementação de projetos e planos.

Para todo e qualquer processo educacional, exige-se primordialmente comprometimento, onde idéias devem ser compartilhadas, havendo autonomia e iniciativa para emitir opiniões e críticas, desde que sejam informações, reflexões e ações construtivas.

Sabemos que inúmeras lacunas ainda faltam ser preenchidas até chegarmos à educação que queremos. Visando canalizar o trabalho em busca desta educação de qualidade devemos definir e identificar os principais fatores que influenciam o desenvolvimento e inviabiliza a execução de ações na educação, através de discussões procurando envolver os membros, objetivando também todos juntos pensantes encontrar soluções plausíveis para minimizar os problemas educacionais.

Acreditamos que a superação reside justamente na possibilidade de criar mecanismos de reflexão conjunta no qual respostas possam ser dadas de forma mais consistente através de uma ação eficiente, onde haja a participação do maior número possível de membros de todas as categorias que constituem o âmbito educacional, utilizando como estratégia: o diálogo e a contribuição de todos os envolvidos para um consenso unânime.

Em meio às progressivas mudanças oriundas da globalização da modernidade, da transição para a sociedade da informação, temos o homem como fomentador primordial nessa confluência, na busca de um momento de reflexão e uma consciente revisão do comportamento assumindo o compromisso em prol de uma educação de qualidade através de um planejamento estratégico participativo.

O Planejamento Estratégico Participativo torna-se relevante, pois é um importante instrumento para a fomentação do desenvolvimento de uma sociedade e norteador de ações a serem desenvolvidas para minimizar os problemas em torno da educação. Temos conhecimento de que atualmente a estratégia permeia nosso cotidiano e que cada vez mais está sendo utilizado por um número crescente de pessoas tanto nas micro como macro empresas bem como na vida profissional e pessoal.

Sabemos que o Planejamento Estratégico Participativo é fundamental e tem-se constituído como de grande eficácia para a gestão educacional, seja de ordem privada seja pública, somos conscientes que não se constitui em uma fórmula milagrosa, mas que aponta caminhos a serem seguidos e onde a instituição pretende chegar, assim como maneiras de condução mais viáveis para atingir êxito através de um diagnóstico em busca dos resultados quantificados do que foi ou não alcançado, contando com o compromisso, envolvimento e participação de todos que fazem a educação.

Nesse processo, o Planejamento Estratégico Participativo, é de grande relevância para educação no sentido de prover o conhecimento, com a finalidade de inovar, gerir e criar, para enfrentar os desafios e superar as dificuldades, fazendo o diferencial com auxilio primordial desta ferramenta e o trabalho coletivo.

Mas... O que é planejamento estratégico? Em que é diferente de planejamento estratégico participativo? Segundo Almeida (2001), antes de iniciar a realização do Plano Estratégico é importante que se conceitue o que é Planejamento Estratégico. Sob a óptica desse autor Planejamento estratégico "é uma técnica administrativa que procura ordenar as idéias das pessoas, de forma que se possa criar uma visão do caminho que se deve seguir (estratégia) ordenando as idéias, onde são identificadas as ações, que são parte integrante da implementação do Plano Estratégico, para que, sem desperdício de esforços, caminhe na direção pretendida".

De acordo com Matus,(1996), o planejamento estratégico corresponde ao processo pelo qual uma coletividade estabelece uma opção e um compromisso por transformar uma realidade, tornando-a mais significativa socialmente, pela adoção de novas formas de agir e o de largo alcance, sua efetivação não pode deixar de se assentar na metodologia participativa delineada na literatura sobre planejamento participativo.

Mediante as afirmações de ANSOFF e McDONNELL, 1993; BETHLEM, 1998; DRUCKER, 1993; STONER e FREEMAN, 1999 As organizações estão procurando cada vez mais se adaptar às constantes mudanças ambientais e das incertezas, onde representa uma ferramenta indispensável na gestão das organizações a fim de precaverem-se das incertezas com técnicas e processos administrativos que permitam o planejamento de seu futuro, a elaboração de objetivos, estratégias, métodos e ações.

Segundo Baptista (1995), o planejamento participativo é uma nova forma de pensamento que envolve alguns componentes uma no modo de apreender a realidade e a compreensão das partes em relação ao todo. Livros e artigos abordam o planejamento estratégico e o planejamento participativo, os dois grupos ressaltando aspectos críticos vistos de forma diferenciada.

O enfoque do planejamento estratégico enfatiza, em especial, o conteúdo, a orientação e os resultados da organização proposto no plano resultante. Já o planejamento participativo enfatiza o processo envolvido na elaboração do plano, considerado como legitimador do mesmo. É de suma importância a aplicação do planejamento estratégico participativo no sentido de minimizar os riscos e fracassos, em face de notórias e constantes transformações da nossa sociedade, se fazendo necessário, para especificamente, a gestão educacional seja de ordem pública ou privada, não permanecendo, estagnada ao longo do caminho, na obtenção de resultados com fortes visões para o futuro.

O Planejamento Estratégico Participativo nos remete a olhar o dia a dia, para as relações, para as oportunidades e ameaças, para as fortalezas e fragilidades e mais do que organizar, repensar sobre o cuidar, o educar e o gerenciar. É imprescindível que os atores da educação desenvolvam ações que fomentem a integração entre o planejamento e sua implantação, entre o planejamento e o pensamento estratégico participativo e entre pensamento e ação estratégica.

Somos conscientes dos problemas que se interpõem na nossa sociedade, ao explicitar os objetivos para solucionar esses problemas, podemos nos guiar com firmeza na escolha do caminho a ser percorrido, através de um planejamento estratégico participativo nos direcionando na busca da melhoria da qualidade da educação tão almejada por todos nós.

 

 

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

ALMEIDA, Martinho Isnard Ribeiro de, Manual de Planejamento Estratégico.São Paulo: Atlas, 2001. ANSOFF, H. I.; McDONNELL,E. Implantando a administração estratégica.São Paulo: Atlas, 1983.

BAPTISTA, Myrian Veras. O planejamento estratégico na prática profissional cotidiana. IN Serviço Social e Sociedade. nº. 47, p-110-119, abr., 1995

BETHLEM, A. de S. Estratégia empresarial: conceitos, processos e administração estratégica. São Paulo: Atlas, 1998.

DRUCKER, P. F. Sociedade pós-capitalista. São Paulo: Pioneira, 1993. STONER, J. A. F; FREEMAN, R. E. Administração. Rio de Janeiro: Prentice-Hall do Brasil, 1999.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/a-importancia-do-planejamento-estrategico-participativo-na-educacao-4587859.html

    Palavras-chave do artigo:

    planejamento estrategico participativo

    ,

    educacao

    ,

    estrategia

    Comentar sobre o artigo

    Flavio Andrade

    O contexto sócio-político do Brasil ao longo do tempo mostra-se apoiado num Estado capitalista, isto é, avaliando o contexto econômico nota-se significativa contribuição deste na vida política e social brasileira, muito embora no presente trabalho pretende-se demonstrar que prevalecia, não só o Brasil, mas em outros países latino-americanos, segundo o pesquisador Guillermo O'Donnell, o Estado burocrático autoritário, apoiado no corporativismo bifronte que representa a combinação de uma face esta

    Por: Flavio Andradel Negócios> Gestãol 12/09/2010 lAcessos: 4,192

    O presente artigo esboça a educação e sua significativa importância dentro das empresas em parcerias de gestão no atual mercado de trabalho, competitivo decorrente as atuais transformações econômicas na sociedade. Contudo, as mudanças estão ocorrendo e são significativas. Nos últimos anos, essa prática tem transformado a educação numa perspectiva propícia de benefícios no processo educativo, com objetivos de proporcionar aos profissionais um ensino de qualidade e crescimento na sociedade.

    Por: Alex Soaresl Educação> Ensino Superiorl 18/03/2011 lAcessos: 575
    Valdec Romero Castelo Branco

    O objetivo deste artigo é caracterizar as inter-relações entre gestão ambiental, o papel e a importância da administração estratégica de Recursos Humanos como agente fomentador da educação ambiental. O tema abordado é significativamente amplo, complexo e polêmico, visto que envolvem uma série de variáveis sócio-econômico, cultural, ambiental, entre outras. As empresas estão conscientes da realidade ambiental, do papel e da importância do departamento de Recursos Humanos.

    Por: Valdec Romero Castelo Brancol Educação> Ensino Superiorl 22/12/2010 lAcessos: 1,693
    ana cristina da cruz santos

    ESTE TRABALHO TRATA-SE DE UM PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO SUAS ETAPAS E ORDEM O autor destaca pontos importantes sobre o Planejamento Educacional, a sua contribuição busca converter - se métodos antigos em novas fontes de conhecimentos.

    Por: ana cristina da cruz santosl Educaçãol 16/04/2012 lAcessos: 431
    marlucia pontes gomes de jesus

    Este artigo foi o artigo inaugural do blog Damarlu Educação (www.damarlueducar.blogspot.com) publicado no dia 6 de janeiro de 2010. Trata da importância dos conselhos municipais de educação, do seu funcionamento e de orientações para a sua implantação.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 27/04/2011 lAcessos: 1,304
    Professor Marcos Paulo

    Esta modalidade de ensino não pode ser encarada como uma panacéia para todos os males da educação brasileira. Há um esforço muito grande dos educadores e pesquisadores da educação em mostrar que os problemas da educação brasileira não se concentram somente no interior do sistema educacional, mas, antes de tudo, refletem uma situação de desigualdade e polaridade social, produto de um sistema econômico e político perverso e desequilibrado...

    Por: Professor Marcos Paulol Educação> Educação Onlinel 15/09/2011 lAcessos: 233
    Kívia Bueno

    Este projeto se propõe a tratar das ações do Endomarketing que têm como objetivo valorizar e conquistar o público interno e consequentemente fidelizá-lo, tornando-o meio fundamental e participativo necessário para conquista de novos mercados e resultados positivos no que se refere a uma instituição, além de proporcionar um maior envolvimento e alinhamento entre a empresa e seus diversos públicos, através de estratégias de comunicação interna, criatividade e motivação.

    Por: Kívia Buenol Marketing e Publicidade> Marketing Pessoall 14/06/2011 lAcessos: 1,287

    O presente artigo consiste na apresentação do resultado de estudos e intervenção pedagógica que analisa o uso de expressões e piadas relacionadas às populações negras como expressão naturalizada do preconceito racial no interior da escola e na sociedade. A finalidade deste texto é estabelecer a relação entre as teorias norteadoras do estudo, com o modo do povo brasileiro se perceber racista e preconceituoso, identificando causas, efeitos e seqüelas, buscando o entendimento por meio de reflexões.

    Por: DAVI SAMUELl Educação> Ensino Superiorl 12/07/2011 lAcessos: 2,336
    Elizeu Vieira Moreira

    Reflete sobre a trajetória da qualidade como parâmetro do processo de produção capitalista até sua transformação em Qualidade Total e sua ressignificação como simulacro e instrumento de controle nas políticas educacionais e das relações pedagógicas. Analisa a incorporação das novas tecnologias ao processo de formação dos gestores escolares a partir do Progestão/SEDUC iniciado em 2005.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 29/06/2011 lAcessos: 788

    A descoberta dos números surgiu através de estudos sobre a humanidade e como se processa a aprendizagem da matemática em nosso cérebro.

    Por: ANA MARIA LIBARDIl Educação> Ensino Superiorl 16/11/2014

    O uso do computador e internet para realização de trabalhos escolares e acadêmicos tornou-se prática cotidiana. A internet é, atualmente, uma fonte quase que inesgotável de informações e referências. Isso gerou algumas situações características...

    Por: Valter Ribeirol Educação> Ensino Superiorl 16/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Da cosmologia grega. As não substancialidades. Das essências. Tudo flui. Nada persiste o mesmo. Nem mesmo a mudança. O ser não é mais. O que virá a ser. Apesar de ser o futuro. A negação do eterno presente. Do mesmo modo o mundo. E todas as formas de movimento. A vida é uma eterna transformação. Nada se sustenta em si mesmo. Acepção do entendimento.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 16/11/2014

    O termo reciclagem em geral, quer dizer, o retorno da matéria-prima, sendo usado pela população para indicar o conjunto de operações envolvidas no aproveitamento dos dejetos/detritos e seu futuro reaproveitamento. A intenção principal este projeto foi conscientizar e sensibilizar os alunos de que a participação efetiva é indispensável para a obtenção de um meio ambiente saudável, que promova o desenvolvimento sem destruir os recursos naturais.

    Por: Patrícia Maria Barros Piovezanl Educação> Ensino Superiorl 14/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A indiferença do povo brasileiro, em relação à Segunda Guerra Mundial, o governo de getulista desenvolve a compaixão popular, como forma de sustentação no poder, com o objetivo de ter em mãos o Estado.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 14/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Certa vez disse Einstein. A respeito da epistemologia. É necessário desenvolver centenas. De análises. Para que algum pensamento. Possa ter fundamento. Mas de certo modo, o conhecimento profundo. É apenas intuitivo. Desse modo pude chegar à natureza. Da essência do fundamento do mundo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 13/11/2014

    A Federação Nacional das Escolas Particulares (FENEP), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), publica documento de análise e construção de um marco quantitativo destinado ao setor educacional privado, de extrema utilidade para estudiosos e pesquisadores educacionais, tanto dos setores privado quanto público.

    Por: Central Pressl Educação> Ensino Superiorl 13/11/2014
    Zilda Ap. S. Guerrero

    Nessse artigo nossa abordagem será em torno da alfabetização das crianças de escolas públicas e a adoção do construtivismo enquanto metodologia e não como concepção de Piaget, face a exposição das crianças no campo da observação e experimentação.

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Educação> Ensino Superiorl 11/11/2014 lAcessos: 11
    Claudete Franklin

    Suscito as novas tecnologias como reconhecimento no processo de construção do conhecimento, onde o mundo comunicado é sempre fruto da ação cognitiva e não de identificação de realidades estáticas discretas e aprendidas diretamente, mas também um processo contínuo de sensações. Com isso, através de imagens, leituras, documentários, músicas, vozes tipos variados de sons, formarão relações cognitivas que irão ligando-se ao nosso cérebro, formando uma cadeia diversificada de conhecimentos e saberes.

    Por: Claudete Franklinl Educação> Ensino Superiorl 11/04/2011 lAcessos: 587
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast