A INTERTEXTUALIDADE NA PROPAGANDA

Publicado em: 27/05/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 3,883 |

INTRODUÇÃO

            Com o surgimento dos meios de comunicação como correio, rádio, TV, e nos dias de hoje a internet e outros; as grandes empresas Multinacionais, também as pequenas empresas, junto com os grandes e pequenos profissionais, começam agora a ver abrir um grande leque de oportunidades para melhorar seus rendimentos utilizando de técnicas para melhor e atrair o consumidor, leitor e mais. Usando a intertextualidade na propaganda para melhorar e dar uma cara diferente e criativa, de uma forma também muitas vezes levando para a comédia, porém, nunca deixando de fazer observações criativas a respeito de seus produtos ou serviços.

Os autores koch e Vanda M. Elias tem a intertextualidade implícita, onde o profissional sem querer está muitas vezes desenvolvendo o tema. Seu campo é muito rico em recursos visuais auditivos, figurativo e mais, melhorando essa relação de "diálogo". Essa comunicação se faz necessário no sentido de dar outra cara à insatisfação, onde a violência se faz presente diariamente na mídia. A sociedade estava esperando algo novo que iria mudar o formato "padrão".

 

A intertextualidade vem trazer uma roupagem nova a seus produtos e serviços, dentro de uma política social, que muitas vezes deixa transparecer através da intertextualidade os vários contextos que indivíduos diferentes podem ter em relação a tal trabalho. A Intertextualidade não pode ser considerada plagio, pois, deixa claro sua intenção. Dependendo da situação, a intertextualidade tem funções diferentes que dependem dos textos ou contextos, em que ela é inserida, fazendo comparações necessárias dentro do contexto áudio visuais.

 

1 INTERTEXTUALIDADE IMPREGNADA NA VIDA

 

De acordo com muitos estudiosos e muitos profissionais de publicidades esse fenômeno está grandemente sendo empregado nos dias de hoje pela necessidade de mudar a cara da propaganda frente à sociedade, onde a intertextualidade "pega", ficando mais fácil o consumidor ou leitor armazenar essas informações; o lado engraçado da propaganda leva a comentários, daí a maior divulgação. Intertextualidade é alem de tudo a reprodução "distorcida" de um texto com a intenção de ironizar ou criticar dentro de todo um contexto. "Vivemos em um mundo intertextual" onde tudo se constrói através de outro; somente na criação do universo se fez algo primitivo que foi quando Deus disse: "E aja luz", e do nada a luz apareceu, então isso verdadeiramente foi original, sendo não existia nada igual a luz em que Deus iria se basear; porque quando dissemos que o ferro é "primitivo", veio primeiro que seus derivados; nos resta uma dúvida, como de onde veio o ferro? Qual a matéria prima do ferro? E a intertextualidade depende de algo para lhe caracterizar, e de preferência que seja de expressão, para melhor impactar.     

Não podemos ficar por muito tempo longe da intertextualidade, ela está em tudo impregnada, até mesmo em nossa vida; vendo ela de um lado cômico, podemos analisar a intertextualidade de forma doentia na vida humana.

 

Têm várias formas de trabalhar a intertextualidade na vida humana, alguns que não conseguem estar bem por ser mais um, quer sempre ser o primeiro, com isso faz de sua vida uma intertextualidade, do ponto de vista negativo, machucando e se martirizando.

          A intertextualidade é um recurso tão recorrente que podemos afirmar que nenhum texto se produz no vazio ou se origina do nada, ao contrário alimenta-se de modo claro ou subentendido, de outros textos ou desenhos. O mundo está constantemente desenvolvendo algum tipo de intertextualidade, num momento de tristeza, a sociedade diz que precisamos deixar a tristeza em casa, isso significa que iremos precisar trabalhar a intertextualidade para não demonstrar o que no momento estamos sentindo, e de acordo com Koch e Vanda M. Elias (2009: 101).

Todos nós já conhecemos o princípio segundo o qual todo o texto remete sempre a outro ou a outros, constituindo-se como uma "resposta" ao que foi dito ou, em termos de potencialidade, ao que ainda será dito, considerando que a intertextualidade encontra-se na base de constituição de todo e qualquer dizer. 

Quando trabalhamos com objetivo de fazer uma análise de anúncios, e interpretá-los, utilizando uma visão ampla, através de profundos trabalhos de pesquisa da lingüística, juntando com as experiências já vivenciadas, podemos com isso ter um amplo campo a ser observado, e bem mais privilegiado.

 

1.1  Mídia

Nesse artigo iremos efetuar a análise intertextual implícita, utilizando as técnicas ensinadas vivenciada na escola e através de pesquisas desenvolvidas dentro dessa complexidade intertextual, mostrando nossa visão, e ampliando-a com as de alguns estudiosos da área para melhorara a compreensão, passando a idéia implícita e explícita da propaganda publicada. A intertextualidade implícita em uma propaganda tem como intenção influenciar o telespectador ou leitor, a aderir a tal idéia, e assim, consumir tais produtos e serviços.

O profissional de publicidade utiliza seu intelecto e sua muita leitura e pesquisa para trabalhar o português e seus significados; e mais ainda utilizando-se do visual, que querendo ou não, muitas vezes se "compra um livro pela capa", daí, os muitos problemas de devoluções de mercadoria, onde o consumidor imagina algo e seu produto não atende suas perspectivas; temos nesse caso anterior um problema muito sério, podendo até mesmo radicalizar, classificando-as como "propaganda enganosa", já olhando para o outro lado vimos aí uma genialidade, onde do pouco se constrói um universo intertextual, com isso a relevância de muitos profissionais da área, principalmente os que têm o objetivo de mostras suas criatividades e sempre engrandecer coisas mínimas. Ainda olhando com bons olhos muitos trabalhos objetivados, a intertextualidade nos leva a crer em grandes possibilidades, sendo suas fronteiras ainda desconhecidas.

Propaganda é o status que um produto ou serviço "precisa" para ser aceito, reconhecido, e principalmente divulgado. As grandes multinacionais são bastante focadas para um bom Mark ti, a intertextualidade é um meio para diferenciar seus produtos e serviços.   

Fazendo comparações podemos observar na propaganda do metaphora 2:

 

 

 

 

Nesta intertextualidade publicitária refere-se a uma marca de leite, e por meio da visualização da metamorfose da sua pela caracterizando uma vaca através das malhas, sinédoque, tendo como objetivo de aumentar as "aparências", porque a mulher também produz leite, a criatividade muitas vezes nos leva a comparações um pouco fora do comum, segundo Pinto (1997: 136):

Este cruzamento de estruturas discursivas responde muito bem a constante necessidade de inovação que afeta a comunicação publicitária, revelando-se uma estratégia extremamente produtiva e bem adaptada a uma sociedade de consumo como a nossa, em que nos alimentamos mais das formas estéticas dos produtos. (...) é um meio importantíssimo de combate ao efeito de banalidade que a comunicação publicitária facilmente produz em virtude dos processos repetitivos a que está sujeita.  

            Pouco se cria e muito se copia, não da para viver sem uma segunda idéia, pois, para fazer algo precisamos pesquisar fazer um estudo detalhado do assunto que estamos desenvolvendo, daí, às várias influências em um só trabalho. A intertextualidade depende de uma segunda base, e de preferência bem "reconhecida" e bem "famosa", para que atinja um efeito significativo, e Segundo Inagaki (2007). "É até natural, pois, que a linguagem cinematográfica influencia a publicidade e vice-versa".

            O que dizer da propaganda muito bem criativa onde o consumidor interage com a propaganda através de comentários como aconteceu com a propaganda da Bombril, muito bem planeja e como foi dito utilizando-se de uma obra de arte grandiosa para alem de tudo engrandecer seu produto, comparando a Monalisa de Leonardo David com a Bombril, comparando uma obra de arte com um produto, assim, mesmo muito outros produtos de nome usarão a obra da Monalisa, entre eles a Coca-Cola:

                  Original

 

                          

 

 

O paraíso da intertextualidade vai mais além do se ver, às vezes, dependendo de quem observa pode-se muito imaginar ou até mesmo superar o mestre, através do ponto de vista de quem está analisando

 

CONCIDERAÇÕES FINAIS

O presente artigo veio mostrar a grande importância que a intertextualidade na propaganda exerce sobre o consumidor ou leitor, daí, sua importância frente à sociedade. Não dá para ver o "mundo" sem a presença da intertextualidade, ela está impregnada nos nossos dias, hoje, podemos dizer que o humor contido nas propagandas formais ou não são as que mudam a cara das propagandas tradicionais, sem se preocupar com as várias interpretações contidas em um trabalho se utilizando da intertextualidade para fazer comparações ou críticas.

O profissionalismo publicitário não é diferente quando estamos falando da intertextualidade na propaganda; homens conscientes que estão sempre à busca de novos caminhos para fazer o diferente reavivar e dar a seus produtos e serviços uma roupagem diferente, assim expandindo e ganhando novos mercados ou leitores.  

 

REFERÊNCIAS:

 

AUTOR DESCONHECIDA.  Disponível em: http://www.multiculturas.com/retorica/imagens/metaphora1. Acesso em: 20 maio 2010.

 

KOCH, I. V.; ELIAS, V. M. Ler e Escrever: estratégias de produção textual. São Paulo: Contexto, 2009. 220 p.

 

INAGAKI, A. Cineastas e publicitários, tudo a ver. Disponível em <http://www.overmundo.com.br/overblog> Acesso em 05 abr. 2010.

 

PINTO, A. G. Publicidade: Um discurso de sedução. Porto, Portugal: Porto.1997.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/a-intertextualidade-na-propaganda-2474831.html

    Palavras-chave do artigo:

    intertextualidade

    ,

    midia

    ,

    criatividade

    Comentar sobre o artigo

    Edjar Dias de Vasconcelos

    Trata-se de uma prática política cruel resultada de regimes políticos de exceção. O cidadão por motivos ideológicos era preso, as vezes transformado em mão de obra escrava, ou simplesmente exterminado.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 03/03/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Maior filósofo Iluminista. Despertou se do seu nono dogmático. Influenciado profundamente por Hume. Formulou a sua base epistemológica. Da Construção do seu pensamento crítico. Sustentado em teses fundamentais. O que se pode compreender. O que deve ser feito. O que é permitido na compreensão das coisas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 28/02/2015

    Veja como obter log juro composto um método diferente de encontrá-lo,e citações de artigos...

    Por: Edvaldo morais dos santosl Educação> Ensino Superiorl 25/02/2015

    Um das maiores frustrações dos jovens que procuram o primeiro emprego é a condição imposta por muitas empresas de que já tenham exercido a função a que se candidatam, ou alguma semelhante. Isso depõe contra as próprias empresas, como se pretendessem que seus contratados já tivessem sido "treinados" pelo concorrente, já tivessem cometido os erros naturais do aprendizado em outro lugar, e chegassem preparados para desempenhar como autênticos campeões.

    Por: Julia Nascimentol Educação> Ensino Superiorl 25/02/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Apenas cinco milhões de anos. Inexaurivelmente. O suficiente. O universo ficará escuro. O infinito transformará. Em um grande deserto. Frio e árido. Latíbulo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 24/02/2015

    As tecnologias digitais da informação revolucionaram (e continuam revolucionando) as profissões da comunicação. Ainda que exista uma base teórico-reflexiva que permaneça estável e indispensável, há nova prática e novo saber profissional que, assim como as transformações tecnológicas, mudam continuamente e trazem desafios complexos para a universidade e para o ensino.

    Por: Central Pressl Educação> Ensino Superiorl 23/02/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Somente a Filosofia dá direito ao cidadão ser realmente crítico. Qualquer disciplina, sobretudo, na área do espírito, não poderá ser crítica sem a Filosofia, como instrumento de análise epistemológica. No entanto, a Filosofia é uma disciplina extremamente difícil, complexa e diversa, aplicada em campos variados com fundamentos diferenciados.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/02/2015
    Genilda Vieira Rodrigues

    Este artigo trata-se de um estudo bibliográfico, cujo objetivo foi desvelar a ação supervisora frente a situação indisciplinar discente; considerando aspectos condizentes a função do psicopedagogo na história brasileira, tendo em vista o seu papel de controlar e fiscalizador, como também de cunho participativo; comprometido com o processo de ensinar e aprender, com observância da coerência/incoerência entre as funções atribuídas a este profissional, e a que ele deve realmente desempenhar e sua i

    Por: Genilda Vieira Rodriguesl Educação> Ensino Superiorl 21/02/2015 lAcessos: 12
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast