A mulher e a história da matemática através dos tempos

Publicado em: 02/06/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 4,140 |

Se por um lado hoje, a maior parte dos profissionais que atuam na área educacional é do sexo feminino, ao pesquisarmos um pouco, perceberemos que a mulher, ao longo do tempo, teve que desatar as amarras de uma sociedade machista e preconceituosa e trilhar um longo caminho em busca da igualdade de direitos frente aos homens.

A partir do momento em que se começa a procurar material disponível para redigir algum trabalho que se trate da mulher, inicia-se o primeiro dilema a ser superado, ou seja, encontrar fontes. Seguindo-se o estudo sobre a mulher e a Matemática percebe-se que ao passo em que se afunila o enfoque do estudo, em se tratando ainda de uma área predominantemente masculina, as buscas por bibliografia se complicam ainda mais.

Refletindo sobre isso, ascendeu-se ainda mais a vontade de dissertar sobre o tema e descobrir, investigar, relatar os percalços, dilemas e o caminho percorrido por profissionais da educação a quem, durante muito tempo, foram renegadas oportunidades de assumirem papéis importantes na sociedade como um todo, especificamente das mulheres professoras de Matemática, que segundo o preconceito da sociedade, não seriam capazes de compreender assuntos tão abstratos e complicados.

Auguste Comte, em 1839 (apud LOBOS, 2004, p.68) dizia que a mulher era despreparada para enfrentar a "(...) intensidade exigida pelo labor mental quer seja pela sua fraqueza intrínseca de raciocínio, ou por questões de moral de vida e de sensibilidade física, ambas hostis à abstração e concentração científica".

Através do Censo dos profissionais do Magistério da Educação Básica realizado em 1997 pelo Inep, onde 1.617.611 professores das redes pública e particular da Educação Básica responderam ao questionário que alcançou mais de 90% da categoria, percebe-se que a atuação das mulheres no ramo da educação, em todo Brasil, é imensamente maior do que a dos homens.

Isso se deve, talvez, pelo fato do papel da mulher na sociedade ter sempre sido ligado às questões maternas, familiares e domésticas, onde esta deveria ser preparada para resignar-se ao ambiente de clausura do lar. Assim, seria como se a carreira do magistério fosse um prolongamento das suas funções no lar, cabendo ao sexo feminino cuidar, ensinar, guiar os alunos pelos caminhos da aprendizagem com paciência, carinho e docilidade. 

Estudos relativos à história da Matemática consolidam o paradigma de que historicamente as mulheres foram impedidas de participarem da vida acadêmica e colaborarem para a produção do conhecimento. A elas foi reservado o papel de mulher do lar, incumbida das funções domésticas. Apenas as mulheres que iam para o convento aprendiam latim e música.

Assim sendo, poucas mulheres conseguiram difundir suas pesquisas, estudos ou simplesmente se fazerem ouvir na época em que viveram. Com relação à essas poucas mulheres que se destacaram no cenário da Matemática, pode-se dizer que representaram uma exceção.

Na antiguidade, na Grécia, destacou-se os estudos de Hipátia, filha de Teon, que dedicou-se, além da Matemática, à Medicina e à Filosofia sendo a primeira mulher a constar na história da Matemática por seus estudos na área da aritmética  e secções cônicas.

Na universidade de Alexandria, passou a lecionar Matemática e Filosofia atraindo muitos alunos. Defendia o paganismo contra o cristianismo, dedicando-se ao estudo de várias religiões, sendo considerada herege. Assim, um dia, quando voltava para casa, foi arrancada de sua carruagem, onde arrancaram-lhe os cabelos, descarnando-a e colocando fogo sobre o seu corpo. "Com a morte de Hipatia, a histórica da matemática passa por um vazio de 12 séculos sem que uma mulher seja registrada, contudo, devemos levar em consideração que, segundo Morais Filho (200-), muitas mulheres trabalharam auxiliando alguns homens em trabalhos matemáticos, dos quais podemos citar Viète, Descartes e Leibniz."

No século XVIII, destacaram-se Maria Gaetana Agnesi, nascida em Milão. Com apenas nove anos de idade teve seu discurso em latim, que defendia a educação superior para mulheres, publicado. Seu pai era professor de Matemática na universidade de Bolonha e a incentivava. Tanto que aos vinte anos publicou Propositiones Philosophicae, uma coletânea de 190 ensaios de matemática, lógica, mecânica, hidromecânica elasticidade, gravitação, etc.

 Após a morte de seu pai, em 1752, abandonou a vida acadêmica e se dedicou a religião. Fundou uma casa de caridade e ali trabalhou até sua morte, em 1799, com 81 anos de idade.Agnesi ficou conhecida por uma curva de 3º grau chamada "Curva de Agnesi". Muitos nunca souberam que Agnesi se tratava de uma mulher.

 Sophie Germain nasceu em Paris em 1776. Vivia confinada na biblioteca da família a estudar. Decidiu estudar matemática após ler a história da morte de Arquimedes, o qual foi morto por soldados quando absorto desenhava figuras geométricas na areia. Autodidata do latim e do grego estudou trabalhos de Newton e Euller.

Por ser mulher, não pode estudar a Escola Politécnica de Paris, contudo conseguiu algumas notas de aula de Análise que Lagrange ministrara lá, e sob pseudônimo de M. Le Blanc, enviou notas de Análise que havia escrito para ele, o qual ficou impressionado com o escrito e, a partir daí, tornou-se mentor matemático de Blanc.

Sophie se comunicou com muitos cientistas, entre os quais podemos citar Legendre e Gauss. Na invasão de Napoleão Hannover, próximo de onde Gauss estava, Sophie conseguiu contato com um General do Exército amigo da família e conseguiu que Gauss fosse protegido. Gauss não entendeu nada, já que não conhecia nenhuma Mademoiselle Germain. Após ser esclarecido dos fatos, Gauss escreveu uma carta de agradecimento a Sophie e tentou persuadir a Universidade de Göttingen para conceder-lhe um doutorado honoris causa, contudo ela morreu antes que isso pudesse acontecer.Sophie também resolveu alguns casos particulares do "Ultimo Teorema de Fermat".

Nascida na Escócia, em 1780, Mary Fairfax Greig Somerville teve seu primeiro contato com uma escola aos 10 anos, onde aprendeu o necessário para uma mulher da época. Contudo, Somerville, curiosa para saber o que eram aqueles símbolos que apareciam nas revistas de moda feminina, apenas descobriu que se tratava de uma aritmética que usava letras ao invés de números.  Por intermédio de seu irmão mais novo, conseguiu um exemplar dos Elementos de Euclides e um exemplar da Álgebra de Bonnycastle.

Mesmo com a indignação do pai em estudar matemática, Somerville estudou Newton e Laplace, entre outros. Foi a primeira mulher a ser admitida na Sociedade Real Inglesa de Astronomia.  Morreu em 1872, com 92 anos de idade quando estava analisando um problema de Álgebra Abstrata.

Sofia Vasilyevna Kovalevskaja foi a primeira mulher a ser nomeada para a Academia de Ciências da Russia. Nasceu em 1850 em Moscovo, na Russia. Atuou como professora em Estocolmo, sendo que, quando aluna, assitia aulas informalmente na Universidade de Moscovo, a qual não aceitava matricular mulheres na época.

Em Berlim, estudou com Karl Weierstrass e ao retornar a Russia, passou por dificuldades financeiras, quando seu marido se suicídou. Após cinco anos de afastamento, e dois anos alocada na Academia de Ciências da cidade, foi convidada para lecionar na Universidade de Estocolmo.

Suas principais contribuições foram nas áreas de derivadas parciais e funções abelianas.

Nascida em Erlangen, na Alemanha, em 1882, Emmy Noether era filha de um professor de matemática, foi umas das maiores matemáticas da época se destancando principalmente na área de algebra moderna.

Emmy obteve permissão para frequentar as aulas, primeiro em Erlangen e depois em Göttingen. Foi a segunda mulher a obter um doutorado, após Sofia apenas. Sua tese abordou a teoria dos invariantes aplicada ao teorema de Hilbert. Foi admitia no corpo docente dos quadros de Göttingen em 1919, após muita insistência por parte de Hilbert e dos outros matemáticos da universidade.

No Brasil, na década de 40, foi instituído na USP o grau de doutor, no caso da Matemática, o grau de doutor em Ciências por meio de concurso. Neste período, foram poucos os que ali se doutoraram, mas dentre estes poucos, pode-se destacar a primeira mulher brasileira a obter o grau de doutora em Matemática: a professora Elza Furtado Gomide em 27 de novembro de 1950. Sua tese intitulada "Sobre o teorema de Artin-Weil, na área de Análise Matemática foi orientada pelo professor Omar Catunda, discípulo de Luigi Fantappié.

 Atualmente muito se fala sobre a participação ativa das mulheres em todos os setores da economia e do trabalho, sendo que muitas delas tem se dedicado a profissões historicamente marcadas pela presença essencialmente masculina.

As mulheres enfrentaram e ainda enfrentam  muitos preconceitos, mas hoje já provam que, ao contrário do que dizia a sociedade, são sim capazes de desempenharem funções importantes, com dedicação, empenho e principalmente competência 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/a-mulher-e-a-historia-da-matematica-atraves-dos-tempos-2528967.html

    Palavras-chave do artigo:

    mulher educacao historia matematica

    Comentar sobre o artigo

    História, Sociedade e Pensamento Educacional – Pedagogia Hospitalar: um breve histórico. Muito se tem falado sobre qualidade de vida. A Pedagogia Hospitalar vem se expandindo no atendimento à criança hospitalizada em uma visão humanística. O nosso trabalho deve estar voltado ao ser global. A Classe Escolar Hospitalar foi implantada no auxílio do tratamento de crianças e adolescentes.

    Por: JEANE PEREIRA MACEDOl Educação> Educação Infantill 13/10/2012 lAcessos: 184

    Este é um Trabalho de Conclusão de Curso de Pedagogia da Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário de Rondonópolis do Instituto de Ciências Humanas e Sociais – UFMT/CUR/ICHS.O interesse pela temática foi despertado por meio da minha participação ativa no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência – PIBID, nas atividades da prática na sala de aula na escola pública conveniada e, ao mesmo tempo, nas disciplinas estudadas no curso de Pedagogia durante os anos de forma

    Por: Roselene Batista Gill Educaçãol 26/11/2014 lAcessos: 15
    Fabiana Saturnino da Silva

    O presente trabalho é uma pesquisa que tem como objeto de estudo o brincar no desenvolvimento infantil. A pesquisa aborda o papel do brincar na Educação Infantil, uma vez que os jogos e as brincadeiras são excelentes oportunidades de mediação entre o prazer e o conhecimento historicamente construído.

    Por: Fabiana Saturnino da Silval Educação> Educação Infantill 16/02/2015 lAcessos: 25
    DANIELY MARIA OLIVEIRA BARBOZA

    Esta pesquisa tem como pressuposto principal propor uma reflexão em torno da dinâmica e da realidade da Educação de Jovens e Adultos, uma vez que este campo de ensino fez e faz parte da história da educação brasileira. Diante disso, ao analisar todo o contexto desse campo de ensino, verificamos a dinâmica existente em cada momento que se consegue organizar uma sala de jovens e adultos na escola.

    Por: DANIELY MARIA OLIVEIRA BARBOZAl Educação> Ensino Superiorl 30/11/2013 lAcessos: 128
    Educa

    Atividades e sugestões para educação infantil, planejamento semanal para berçário, maternal I, maternal II, jardim I e jardim II. Material de Apoio para professores da educação infantil e mais 6 e-books grátis. Kit planejamento infantil mais pesquisa para educação infantil. Kit pesquisa para educação infantil. Plano para gestores - área administrativa pedagógica e comunitária. Planejamento a partir de projetos. Modelos de enfeites de natal

    Por: Educal Educação> Educação Infantill 05/12/2011 lAcessos: 1,144

    Este trabalho científico contempla de maneira sucinta a Educação Inclusiva e a importância do psicopedagogo na área social e educacional, em especial a inclusão das crianças e adolescentes no âmbito da educação do Ensino Infantil ao Ensino Superior como também as questões de fazer valer à integração das leis na educação e da concepção da Psicopedagogia na formação das pessoas com necessidades especiais no âmbito escolar e social, utilizando a Prática pedagógica, da afetividade, da dedicação e do

    Por: Maria Ivanilda Campos Pinheirol Educação> Educação Infantill 02/12/2011 lAcessos: 2,765

    Este trabalho teve como objetivo pesquisar a prática pedagógica de professores da Educação Infantil acerca do uso da linguagem oral. Para a coleta de dados foram utilizados a observação e a entrevista. Quatro professoras que atuam na Educação Infantil participaram deste estudo. Os principais autores estudados foram: PCN' s (1997), Barbosa (1994), Cagliari (1990), RCNEI (1998), Ferreiro (1985).

    Por: Luciane do Pradol Educação> Línguasl 09/11/2014 lAcessos: 37
    Elias Ribeiro Tork Filho

    O presente artigo apresenta como objetivo investigar a práxis pedagógica da Educação Física na 1ª Etapa da Educação de Jovens e Adultos (EJA), especificamente as dificuldades do professor em ministrar aulas à clientela da EJA. Pois, sabe-se que a Educação Física Escolar a partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei 9.394/96, apresenta-se como componente curricular obrigatório da educação básica. Com isso, analisa-se que a EJA ao fazer parte da educação básica precisa que o prof

    Por: Elias Ribeiro Tork Filhol Educação> Ensino Superiorl 17/12/2013 lAcessos: 214
    Ireneide Linhares da Silva

    Este trabalho tem o objetivo de fazer uma breve discussão sobre a história do povo africano, afro-brasileiros e sua vida na sociedade brasileira, história esta de luta, de maus tratos, de escravidão na sociedade brasileira, para tanto faz se a seguir uma breve explanação da vinda do negro para o Brasil, a influência deste povo na formação da nação brasileira. Também far-se-á um breve comentário sobre o processo de educação dos africanos e dos afro-brasileiros.

    Por: Ireneide Linhares da Silval Notícias & Sociedade> Desigualdades Sociaisl 29/03/2011 lAcessos: 2,297 lComentário: 1
    Joseléia Graciano da Silva

    o objetivo desta resenha é analisar o capítulo "O objeto da fonética e da fonologia" do livro Iniciação à fonética e à fonologia de Dinah Callou e Yonne Leite, nona edição, e verificar a função e o objeto de estudo da fonética e da fonologia. No entanto, nos atentaremos apenas às questões da fonética, pois este é nosso objetivo em tal artigo.

    Por: Joseléia Graciano da Silval Educação> Ensino Superiorl 12/04/2015
    Joseléia Graciano da Silva

    Considerando os estudos absorvidos neste curso no viés da Análise de Discurso (doravante AD) e fazendo referência as abordagens em Eni Orlandi (2010) a serem mobilizados numa análise, observamos como o texto jornalístico recortado do Jornal Diário de Cuiabá com data em 11 de outubro de 2011 da redação se significa, ou seja, produz sentidos a partir do espaço urbano em evidência.

    Por: Joseléia Graciano da Silval Educação> Ensino Superiorl 11/04/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Max Horkheimer. A Filosofia como fundamento. Das Ciências naturais. Através do pensamento crítico. A separação entre História e Natureza. Por meio da dialética analítica. Contrariamente à Filosofia de Bérgson. Seu magnifico valor epistemológico a demonstração acadêmica. A objetividade encontra se no objeto.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 09/04/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Os hominoides: primatas que viveram entre 22 a 14 milhões de anos atrás, do tamanho de um pequeno gorila habitavam em florestas, entretanto, direcionavam até o solo, andavam sobre quatro patas, já tinha uma pequena semelhança com os futuros humanos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/04/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A respeito da teoria do Big Bang. Tem-se ou não sustentação científica. Mais mística que comprovação empírica. Embora a ideia não seja inteiramente ilógica. O que devo explicar epistemologicamente. Refere-se ao princípio em parte aceitável. O que vemos hoje já existiu no passado. Muito compacto reunido em uma determinada. Região do universo. Extremamente denso e quente. Talvez ocupando todo infinito, o próprio espaço.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/04/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A teoria clássica defende a tese que o ser humano atingiu o continente americano passando por uma ponte de gelo ou terras emersas que ficavam exatamente na região do Estreito de Bering. Hoje geograficamente, localiza-se entre os atuais Estados Unidos e a Rússia. A hipótese formulada, por cientistas, defende a chegada dos primeiros grupos de humanos, por volta de 20 mil anos atrás.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 07/04/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Fico pasmo. Estarrecido. Não quero acreditar. Que essa terra seja o Brasil. A impressão que tenho. Que a elite branca. É de fato toda corrupta.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 07/04/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Existe uma prova em definitivo. Da não existência de deus. Um princípio como fundamento. Sartreano. Da Física pós contemporânea. O que se entende por incausabilidade. Edjariano. A inalienabilidade metafísica. A única teoria que explica a origem dos universos. Já que sabemos que são múltiplos. Contínuos presos ao infinito.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 06/04/2015

    Artigo apresentado como avaliação no módulo "Pressupostos conceituais de educação, escola e sociedade" no curso de pós graduação Latu Sensu em "Matemática no contexto educativo, comercial e financeiro". Consiste no estudo e contextualização do Livro: Conversas com quem gosta de ensinar" de Rubem Alves e retata o desafio de ensinar, sermos educadores nos dias de hoje e nos faz também refletir sobre a complexidade que envolve todo esse processo baseado na confiança e empenho diário.

    Por: Elisandra Cristina Gonzalesl Educaçãol 24/06/2010 lAcessos: 3,763
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast