A Revolução Francesa

Publicado em: 21/06/2009 |Comentário: 3 | Acessos: 13,856 |

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Centro Sócio Econômico – CSE

Departamento Ciências Econômicas

Relações Internacionais

História das Relações Internacionais

Acadêmicos: Júlio Silva, Mateus Batista, Sérgio Costa.

 

 

1 – Introdução

 

Decorridos mais de dois séculos do estopim da Revolução Francesa, suas heranças permanecem vivas na estrutura da sociedade hodierna. Podem não se apresentar de imediato aos nossos sentidos, mas ao perscrutar as mais variadas esferas de atividade humana, nossa condição de legatários diretos ou indiretos é evidente.

O estudo desenvolvido a seguir surge com o fito de fundamentar essa assertiva. A análise da Revolução Francesa permite transcender as implicações territoriais do conflito, visto que foi o epicentro de algo muito maior; foi a manifestação incontível de um longo processo de condensação de conjunturas sociais críticas. Na França, contudo, essa convergência de fatores foi potencializada e precipitada por um complexo conjunto de situações que culminaram na eclosão de um esquisito movimento revolucionário.

Além dessa reflexão de ordem casuística do pioneirismo francês na concretização revolucionária, procurar-se-á explorar as questões motivacionais e que instilaram essa transformação política e social. Nesse sentido, o estudo naturalmente expandir-se-á para além das peculiaridades francesas, situando a motricidade dos ideais da Revolução como imanentes ao corpo intelectual da época.

Complementando esse raciocínio, uma breve explanação sobre conceitos como liberdade e democracia sob a perspectiva da Revolução será pertinente para mais abrangente assimilação do contexto.

 

2 – Razões locais

 

A análise endógena da sede principal da Revolução (França) servirá como ponto de partida para posterior compreensão do que realmente se exprimiu com a efetivação do movimento.

“O conflito entre a estrutura oficial e os interesses estabelecidos do velho regime e as novas forças sociais ascendentes era mais agudo na França do que em outras partes” (HOBSBAWM, 2008, p. 86). Essa passagem resume a condição francesa à época pré-revolucionária. A tensão social que ali se estabelecia estava próxima de seu limiar, equilibrada tão-somente pela tênue incerteza do que se veria a seguir.

Esse estado de conflito potencial se transformaria, segundo Hobsbawm, em conflito efetivo após o que chamou de “reação feudal”. Este haveria consistido na tentativa da nobreza em reaver sua condição privilegiada como classe dominante. Desde o declínio do sistema feudal, a burguesia havia conquistado diversos nichos na direção e administração dos assuntos estatais, já que adquirira crescente importância com o desenvolvimento das relações comerciais. Os nobres, portanto, pareciam não pertencer à nova sociedade que se vislumbrava, e nesse período de desesperada transição lançaram mão do único artifício de que dispunham: “Era portanto natural que os nobres usassem seu bem principal, os privilégios reconhecidos” (HOBSBAWM, 2008, p. 88). A invasão dos setores administrativos foi realizada com sucesso, o que promoveu a exaltação dos atritos com a classe média.

Mas a polarização ainda não estava completa. A década que antecedeu a Revolução foi também de profunda crise econômica. Dessa forma, o ônus recaía sobre a parcela mais pobre da população; e o contraste exacerbado entre a extremada penúria de um lado, e a crescente ostentação de outro foi apenas um dos motivos que exasperaram os ânimos do Terceiro Estado (do campesinato, particularmente) contra esse feudalismo fora de época.

O golpe final, entretanto, que conduziu a esse estado de coisas, foi o envolvimento da França na guerra de independência estadunidense: “A vitória contra a Inglaterra foi obtida ao custo da bancarrota final, e assim a revolução americana pôde proclamar-se a causa direta da Revolução Francesa” (HOBSBAWM, 2008, p. 89).

Hobsbawm, então, expõe sucintamente que:

 

 “a Revolução começou como uma tentativa aristocrática de recapturar o Estado. Esta tentativa foi mal calculada por duas razões: ela subestimou as intenções independentes do Terceiro Estado – a entidade fictícia destinada a representar todos os que não eram nobres nem membros do clero, mas de fato dominada pela classe média – e desprezou a profunda crise socioeconômica no meio da qual lançava suas exigências políticas.” (HOBSBAWM, 2008, p. 90).

 

3 – Internacionalismo consensual

 

Contextualizada a situação específica da França, a apreensão das motivações filosóficas, dos instrumentos intelectuais e do cosmopolitismo de seus ideais será facilitada. A concreção deste movimento e sua repercussão internacional é inclusive alvo de reflexão para Hobsbawm, o qual afirma que “a política européia (ou mesmo mundial) entre 1789 e 1917 foi em grande parte a luta a favor e contra os princípios de 1789, ou os ainda mais incendiários de 1793” (HOBSBAWM, 2008, p. 83). Alude, também, ao fato de a Revolução ter representado a mais contundente “revolução democrática” entre as demais de sua época. Nota-se, assim, que a Revolução Francesa, embora tenha sido o maior expoente desse momento histórico, não consistiu em seu único exemplo. É-se pertinente, portanto, ponderar acerca dessa onipresença ideológica em uma época tão restrita em termos de relações interestatais.

Para Tocqueville, o grande ineditismo da Revolução Francesa foi justamente sua não limitação a um território específico, à maneira de todas as outras revoluções civis e políticas até então. Dessa forma, compara-a às revoluções religiosas, ou seja, na França o movimento foi capaz de desvincular-se dos particularismos, promovendo uma ubiqüidade ideológica semelhante àquela só encontrada em religiões.

 

 “A Revolução Francesa agiu em relação a este mundo exatamente como as revoluções religiosas operam em relação ao outro. Tem considerado o cidadão de uma maneira abstrata, fora de qualquer sociedade particular, da mesma maneira como as religiosas consideram o homem em geral, independentemente do país e da época. Não pesquisou tão-somente qual era o direito particular do cidadão francês mas também quais os deveres e direitos e direitos gerais do homem em matéria pública (...) Como parecia aspirar mais ainda à regeneração do gênero humano que à reforma da França, acendeu uma paixão que as revoluções políticas as mais violentas jamais conseguiram produzir até então”. (TOCQUEVILLE, 1989, p. 60)

 

 Ou como coloca Hobsbawm:

 

“Para os franceses, bem como para seus numerosos simpatizantes no exterior, a libertação da França era simplesmente o primeiro passo para o triunfo universal da liberdade. (...) uma inabilidade genuína para separar a causa da nação francesa daquela de toda a humanidade escravizada.” (HOBSBAWM, 2008, p. 99)

 

Aqui se faz uma ressalva a respeito do âmbito propício à absorção destes conceitos, que permitiu torná-los exeqüíveis.

Em meio a este cenário claramente universalizante, distinguem-se algumas características próprias do movimento francês. Tocqueville aponta o esmero dispensado ao ataque à Igreja, apesar de não ser este o objetivo fundamental da Revolução. Conforme esse autor, a essência revolucionária consiste na inauguração de princípios sociais, e a aversão religiosa seria apenas mais uma de suas faces:

 

“foi muito menos como doutrina religiosa que como instituição política que o cristianismo acendeu estes ódios furiosos; não porque os padres pretendiam fixar as coisas do outro mundo, mas porque eram proprietários, senhores, dizimadores, administradores neste mundo; não porque a Igreja não podia tomar um lugar na nova sociedade que se ia fundar, mas porque ocupava então o lugar mais privilegiado e mais forte nesta velha sociedade que era preciso reduzir às cinzas”. (TOCQUEVILLE, 1989,  p. 55/56)

 

4 – Liberdade e igualdade

 

Algumas considerações atinentes aos conceitos revolucionários de liberdade devem ser feitos. Apesar de esta ser uma temática largamente abordada desde os filósofos gregos (na constituição inclusive daquilo que conhecemos por política), a Revolução legou alguns preceitos nos quais a sociedade atual está profundamente arraigada.

A começar pela conotação fundamentalmente burguesa da Revolução. Alicerçados sobre a filosofia liberal clássica, seus interesses foram expressos na Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão. Conforme elucida Hobsbawm:

 

 “Este documento é um manifesto contra a sociedade hierárquica de privilégios nobres, mas não um manifesto a favor de uma sociedade democrática e igualitária. (...) no geral, o burguês liberal clássico de 1789 (e o liberal de 1789-1848) não era um democrata mas sim um devoto do constitucionalismo.” (HOBSBAWM, 2008,  p.  91).

 

Essas garantias são típicas dos ideais individualistas da época que, segundo Tocqueville, foram convenientemente apropriados pela esfera política com o intuito de estabelecer uma fachada superficialmente igualitária para facilitar o exercício do poder. Não à toa, o radicalismo e a democracia foram contidos na fase da Assembléia Constituinte, sucedidos pela extrema vertente revolucionária jacobina – “Foi a primeira Constituição genuinamente democrática proclamada por um Estado moderno” (HOBSBAWM, 2008, p.  104) –, e novamente reprimidos em menor e maior grau.

É válido atentar para o fato de que a Revolução Francesa foi um verdadeiro palco experimental para as diversas formas de governo, corroborando com os desdobramentos apontados pelo pensado romano Cícero, em Da República.

 

5 – Conclusão

 

A partir dessas ponderações, é difícil caracterizar a Revolução Francesa como um movimento necessariamente extemporâneo. Seu desenrolar foi profundamente marcado e alimentado por ideais cosmopolitas, com poucas limitações de cunho territorial (excetuando-se as causas diretas que instigaram o conflito naquele país).

Destarte, suas conseqüências reverberaram indubitavelmente no tempo e no espaço. Noções como as de nacionalismo e patriotismo; experiência de comunhão maciça na luta por objetivos comuns; princípios sobre os quais todo um modelo social foi erigido; até mesmo a constituição de um novo formato de disputas são exemplos de alguns de seus legados.

Foi um momento da história que se estabeleceu como um verdadeiro axioma. Não se restringiu a esferas específicas da interferência humana e serviu de base e referência para muitas outras agitações civis e políticas. Inclusive no Brasil.

 

Referências Bibliográficas

 

CÍCERO, Marco Túlio. Da República. São Paulo: Editora Escala.

 

HOBSBAWM, Eric J.. A Era das Revoluções: A Revolução Francesa. São Paulo: Paz e Terra, 2008. Cap. 3, p. 83-113.

 

TOCQUEVILLE, Alexis de. O Antigo Regime e a Revolução. 3. ed. São Paulo: Hucitec, 1989. p. 43-68.

 

 

 

 

 

 

 

 

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/a-revolucao-francesa-985177.html

    Palavras-chave do artigo:

    franca

    ,

    revolucao

    ,

    nobreza

    Comentar sobre o artigo

    Edjar Dias de Vasconcelos

    Por tudo isso a importância de estudar esse grande fato político. Foi um movimento liderado pela burguesia orientada pela filosofia iluminista, com a participação de outras forças como agentes sociais da revolução.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 18/11/2012 lAcessos: 46
    Miriam de Sales

    UM BREVE ESTUDO SOBRE AS CAUSAS E AS ORIGENS DA REVOLUÇÃO FRANCESA QUE DERRUBOU O FEUDALISMO E DEU ORIGEM Á ERA MODERNA E A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL.

    Por: Miriam de Salesl Literatural 14/07/2009 lAcessos: 10,272 lComentário: 5
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Nasceu posteriormente a União Soviética, que foi uma das maiores potências do século XX. Até o ano de 1917 o império Russo foi governados por Monarquias absolutistas comandados por czares, título que era atribuído ao imperador da Rússia.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 07/12/2012 lAcessos: 35
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Existia nesse movimento uma grande contradição, para os portugueses, sobretudo em referência a burguesia, avançada a respeito da ideologia liberal interna, mas conservadora em relação ao Brasil, a exigência da imediata volta ao colonialismo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/05/2013 lAcessos: 34

    Este artigo trata da evolução do espaço mundial, ao quais inclui os estados nacionais e suas políticas de mercado e suas histórias as quais evoluíram a partir dos tempos formando uma nova ordem que existe no mundo atual.

    Por: Francisco Augusto Tavaresl Ciênciasl 01/10/2009 lAcessos: 6,435 lComentário: 4
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Nas novas colonizações ocorreram movimentos de emancipação política, sendo que alguns deram certos, particularmente ao que se referem os Estados Unidos, sendo que sua independência foi muito bem sucedida, mas a América do Norte teve outro tipo de colonização.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 29/11/2012 lAcessos: 523

    Nas atuais discussões sobre filosofia, história, geografia, análise de conjuntura sociológica, dois termos são recorrentes: Modernidade e Pós-Modernidade. Discute-se a conceituação, datação, significação, e com isso, muitas vezes, foge-se à discussão do que realmente importa. E o que realmente importa não são os conceitos ou a denominação de um período histórico, mas o que esse período significou e/ou está significando.

    Por: NERI P. CARNEIROl Educação> Ciêncial 02/06/2008 lAcessos: 4,137
    Challis

    A Literatura é o espelho social de uma época, pois nos mostra a face do artista e também o cenário no qual produziu sua obra, ou seja, a sociedade em que viveu. O estudo da Literatura auxilia-nos a compreender melhor a natureza de nossas ações e sentimentos. As obras de escritores e poetas nos ajudam a entender como nós, seres humanos, temos nos comportado ao longo dos séculos e, a partir do exemplo e da experiência alheios, refletir sobre nosso próprio comportamento.

    Por: Challisl Educaçãol 14/03/2013 lAcessos: 169
    Francisco Eudes Rocha

    Nos anos anteriores a 1792, pouca atenção se dera à obra das missões estrangeiras. Mas próximo ao final do século dezoito, ocorreu grande mudança. Os homens se tornaram descontentes com o racionalismo e se compenetraram da necessidade da revelação divina e da religião experimental. Desde esse tempo a obra das missões estrangeiras tem atingido crescimento sem precedentes.

    Por: Francisco Eudes Rochal Religião & Esoterismo> Evangelhol 01/09/2012 lAcessos: 61
    Carla Ravaneda

    A importância da boa formação da docência brasileira, aspectos determinantes na graduação, a importância do estágio supervisionado nos cursos de licenciatura.

    Por: Carla Ravanedal Educação> Ensino Superiorl 11/09/2014
    Zilda Ap. S. Guerrero

    O modelo de aluno que temos hoje em sala de aula, nem de longe lembra- nos os moldes dos alunos dos tempos da escola tradicional, não e somente nas escolas públicas, mas também em diversas escolas particulares e de grande renome no mercado educacional. No entanto, há uma forte contradição entre as aulas ministradas em sala de aula; as quais na grande maioria recheadas de conteúdo e parca praticidade, e quase ausência de contextualização das aulas. Urge então mudanças didáticas na escola atual.

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Educação> Ensino Superiorl 10/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O artigo tem como objetivo explicar a funcionalidade do mundo dos vírus. Para tal é necessário uma análise de suas principais características, a definição fundamental da mecanicidade funcional evolutiva dos parasitas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/09/2014
    Ana Paula Assaife

    Este artigo analisa as dificuldades encontradas pelos docentes em sala de aula para o uso das tecnologias voltadas para educação. Estudos sobre a modernidade mostra que esta dificuldade é muito comum nas universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro. Temos por objetivo analisar os impactos da modernidade sobre a universidade e seus desafios. .Conceituar Modernidade e estudar novas prácticas para o l uso da tecnologia no processo ensino/aprendizagem.

    Por: Ana Paula Assaifel Educação> Ensino Superiorl 04/09/2014 lAcessos: 12

    O presente artigo apresenta a resiliência em um ambiente educacional e o papel dos profissionais que ali trabalham para a formação deste aluno. A escola tem papel fundamental na educação de seres resilientes, capazes de transformar e reinventar novas formas para lidar com as adversidades do cotidiano. Sendo o professor uma espécie de facilitador da aprendizagem, exercendo um papel fundamental no incentivo, construção, articulação de informações e saberes na formação dos educandos.

    Por: Zípora Raquel de Paulal Educação> Ensino Superiorl 01/09/2014

    Este trabalho verso a partir de Kant a problemática sobre o Esclarecimento, que irá mostrar a possibilidade do homem sair de sua menoridade, sendo assim, o mesmo terá capacidade suficiente para estruturar um pensamento autônomo, isto é de pensar por conta própria usando a liberdade de entendimento sem que dependa de outras pessoas para obter a maioridade, entretanto, com essa atitude atingir a própria independência intelectual.

    Por: Derivanial Educação> Ensino Superiorl 01/09/2014

    É inegável que nos últimos anos o tema "Diversidade" tem sido bastante discutido , principalmente no setor educacional. Estamos hoje vivenciando um novo momento em que já se admite, ainda que minimante, a existência de preconceitos diversos e racismo no território brasileiro. Quando o tema diversidade entra em cena, abrimos as portas para que o nosso ponto de vista sobre o outro, e de outros sobre nós sejam apercebidos sob uma nova ótica. Esta que torna "o diferente" tão belo quanto "o eu".

    Por: Ivanilda da Silva Cunhal Educação> Ensino Superiorl 27/08/2014
    Tony Monteiro

    Nos últimos anos, houve uma profunda mudança na maneira de construir, pois antigamente as alvenarias eram utilizadas como elemento resistente e de vedação e a sua estabilidade e resistência eram definidos em função de sua geometria.

    Por: Tony Monteirol Educação> Ensino Superiorl 26/08/2014

    A eleição norte-americana, complexa e divergente perante outros países, é de uma total complexidade, que outros povos e nem mesmo os próprios americanos sabem exatamente como funciona sua democracia. A eleição é feita de forma indireta, onde delegam o poder de escolha a um Colégio Eleitoral formado por representantes dos dois principais partidos; predominância do bipartidarismo; os dois únicos partidos que conseguem participar e alcançar a presidência.

    Por: Sérgio Costal Educação> Ensino Superiorl 26/06/2009 lAcessos: 343

    Comments on this article

    -2
    Nina 20/06/2010
    aqui eu ñ achei o que gostaria de encontra, mas se vcs souberem me informar qual é o estopim da revolução Francesa eu iria ficar muito grata .
    obrigada ..*-*
    -1
    Sérgio Costa 03/09/2009
    muito obrigado pela sua avaliação!!!
    0
    Thainara 02/09/2009
    gostei muito, mais precisa mudar muito essa conclusao , ta meio sem sentidu
    do q fala da historia... nao fiquem bravos, so estou qrendo ajudar,
    assinado: Thainara - professora de historia d
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast