Antropologia Teológica

Publicado em: 11/04/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 988 |

Índice   

Resumo

Conceito de pessoa humana

A proposta humanista

O ser humano fragmentado

Por que o ser humano é uma unidade e uma totalidade

Referências bibliográficas

Resumo

A pessoa humana e as conceituações no tocante ao seu significado. Síntese da proposta humanista. Considerações sobre o ser humano visto pelo viés de um sujeito Plurifacetado em vista de ser uma unidade e uma pluralidade simultaneamente. Quais atitudes tornam a pessoa mais humana, levando-a a viver as dimensões da consciência, do amor e da liberdade com ética e de forma cidadã. 

Conceito de pessoa humana

 

Que é o homem mortal para que te lembres dele?

e o filho do homem, para que o visites?

                     Salmo 8.4

 O Homem é o lobo do homem

Thomas Hobbes

E há de homens ruins,

mais que mil vezes que não bons,

Gil Vicente

Pensar o homem no contexto da pós-modernidade, quinhentos anos após a Renascença e o Humanismo pré-iluminista é uma tarefa de reengenharia, mesmo por que o homem que chegou ao zênite do século XX e inaugurou o novo milênio, não mais pode ser conceituado pela tricotomia Corpo-Alma-Espírito, nem mesmo pela dicotomia material-espiritual. Desde o advento do cientificismo[1], o Fenômeno Humano[2], como diz Chardin, vem enfrentado uma crise antropológica de gigantesca proporção, ao ponto de se afirmar que "não há essência humana alguma no homem, por que ninguém nasce homem, faz-se homem". Segundo Bernadette Abraão, Sartre afirmava que "o homem nada é enquanto não fizer de si alguma coisa[3]", e o existencialismo sartriano tornou-se metodologia antropológica de muitos humanistas em nosso tempo.

Seguindo o fio de prata da antropologia, encontramos uma bifurcação significativa para a compreensão do Fenômeno Humano. Um braço conduz à antropologia científica, conceituada como "ciência natural que se ocupa do homem, o qual estuda quanto a seus caracteres físicos e mentais, seus idiomas, sua altura presente e passada e sua organização social[4]", o outro nos conduz à antropologia teológica, "ou seja, [àquela] disciplina, ou melhor ainda,  [àquela] parte ou setor da teologia dogmática que nos ensina o que somos à luz de Jesus Cristo, revelador de Deus[5]". Querer pensar antropologia à margem da teologia é desnivelar o assunto em sentido abissal, ou seja, é naufragar o navio e afogar-se com ele. Pascal nos faz saber que "a natureza nos colocou tão bem no meio que, se mudarmos um lado da balança, mudamos também o outro. Isso [...] faz crer que há molas em nossa [existência], de tal maneira dispostas que quem toca uma toca também a contrária[6]." Quem pensa o humano à parte Deus tomba um dos braços da balança e sobrecarrega uma só mola com todo o peso da existência. Invariavelmente, esta mola emperra e condiciona todo o peso que está sobre si a tombar para o abismo.

A proposta humanista

Pensar o humano é realizar um humanismo. Segundo a Enciclopédia Barsa o humanismo foi:

"[um] movimento cultural surgido na Europa, durante a Renascença, baseado nos estudos dos autores gregos e romanos, que atribuía importância fundamental ao homem; posteriormente o termo foi adaptado, surgindo um humanismo científico (F.C.S. Schiller), um humanismo cristão (Maritain) e um humanismo marxista (Marx e Engels)[7]".

Segundo Bernadette Abrão, "é em nome do humanismo que o homem, mesmo temeroso, começa a separar-se da grande ordem do universo, para ser o seu espectador privilegiado. Mais do que isto, ele é o organizador desta ordem[8]" Para Pedro Netto, "já por seu próprio conceito, constitui o homem elemento fundamental da sociedade. [...] Forçoso [se faz] reconhecer que a sociedade existe para o homem e constitui-se de homens vinculados, unidos, relacionados em busca de um fim comum[9]".

John Friedmann, comentado por Benedicto Silva, diz que o "homem [deve ser colocado] invencível e indestrutível, no centro de um sistema de valores, [o que seria] outra maneira de repetir o velho aforismo de Protágoras:

O ser humano fragmentado

O homem do humanismo e da renascença não apresentava problema algum para nossa raça, até que amalgamou o prefixo (homem) com o sufixo (centro), dando origem ao monstro do antropocentrismo. Esta centralização de todas as coisas no sujeito homem é de uma ambigüidade e uma ambivalência muito perigosa. O antropocentrismo é conseqüência direta do humanismo, mesmo do humanismo representado por Erasmo. "Ele sustentava a convicção liberal humanista de que os argumentos a respeito da doutrina [religiosa] eram de pouco valor, enquanto a exaltação das capacidades humanas naturais dignificava a natureza humana[12]". E o antropocentrismo não é o único vilão da história. No Livro "História I, de Ricardo de Mora Faria, Editora Lê, página 35" há uma elencação dos companheiros do Humanismo.

a) O Classicismo, que foi um retorno à antiguidade pagã dos gregos e romanos;
b) O Individualismo, que abandona o corporativismo da existência para fragmentá-la no ocaso da solidão egotista;
c) O Hedonismo, que é a busca do prazer como meta existencial acima de tudo e todos;
d) O Naturalismo, que é o abandono da busca pelo espiritual e o acomodamento ao status biológico da existência;
e) O Espírito Crítico, que é a postura do questionamento a todos os dogmas em todos os campos do conhecimento, provocando a ruptura entre verdade e relatividade;
g) O Racionalismo, que é limitação da existência ao âmbito da razão.

            Fragmentado, o homem chega a este século alienado de si mesmo, de suas fontes e origens. Perdeu sua identidade, e subsiste como coisa-no-mundo, ou, ser-para-a-morte. Há redenção?

Por que o ser humano é uma unidade e uma totalidade

Pela ótica da antropologia teológica, há redenção. Ela oferece de forma dogmática o que Carlos Wagner expressou em poesia:

Um homem aquele que acredita na vida, no útil caminhar dos dias, no trabalho fecundo, na dor que liberta; é aquele que confia na vontade que está no âmago das coisas.
Um homem é aquele que tem um coração fraternal, que não concebe a sua felicidade separadamente da felicidade de seu próximo, que permanece uno com o conjunto dos seres, que ama a humanidade como ama a sua família, a sua pátria, com todo o amor de seu coração e toda a força de seu sacrifício.
Um homem é aquele que procura governar-se, não de acordo com as suas paixões, seus interesses ou seus caprichos, senão, consoante as leis de justiça.
Um homem é aquele que sabe lutar por tudo o que é bom, que sabe sofrer por tudo o que se adora. É aquele que sabe odiar o mal e contra o mal mover guerra sem quartel, por que sabe que ele é nosso inimigo supremo.
Um homem, em suma, é aquele que sabe morrer, aquele que compreende que dar a sua própria vida não significa perdê-la, senão salvá-la; é passar do efêmero para o eterno. 

       Para o religioso, o ser humano ocupa não o lugar central do universo, mas o lugar gerenciador da ordem cósmica. Desde as origens, existe uma proposta hierárquica para o homem. Este deve ser o dominador de todas as criações de Deus. Segundo Isaltino Gomes, doutor em hebraico bíblico:

"O homem é "imagem" (tselem) e "semelhança" (demt) de Deus. O que significam estes dois termos? Não se referem a imagem física, pois Deus é Espírito e não tem corpo. Os termos parecem sinônimos ou uma repetição para reforço (não aparece no texto hebraico o vav, partícula que corresponde à nossa conjunção "e", como função de conetivo) e indicam a diferenciação entre o homem e o restante da criação. Quatro aspectos podem ser pensados aqui: Primeiro: somente o homem recebeu o sopro de Deus (2.7) e tem um espírito imortal. Segundo: somente o homem é um ser moral, diferente do resto da criação. Não precisa obedecer a seus instintos. Terceiro: o homem é um ser racional, com capacidade de pensamento abstrato e de produzir idéias. Quarto: o homem, à semelhança de Deus, passa a ter domínio sobre a natureza e seres vivos. Ele é representante de Deus no mundo, investido de autoridade e domínio. Ele é divinamente comissionado para sujeitar a terra. O hebraico é kibesheda, literalmente "pisar sobre". Ele é o administrador de Deus na terra. Isso nos ajuda a entender os dois termos[13]. 

Entender o homem como um sujeito imbuído de unidade e totalidade, é vê-lo como alguém ao qual não se pode interpretá-lo por um único prisma. Assim, torna-se possível dilatar as formas de compreensão da personalidade singular de cada indivíduo.

Cada pessoa é uma complexidade, e é imprescindível considerar cada aspecto no entorno dessa complexidade do ser, desse modo a pessoa compreenda o seu devido lugar no universo.

Quando o sujeito toma consciência dessa unidade bem como da totalidade, consegue abrir espaço para a auto-realizarão, compreendida  como seu estar-no-mundo, simultaneamente adquire a compreensão do que seja ser-no-mundo.

O ser-no-mundo propicia ao homem o profundo significado do ser em si mesmo, é assim que o homem se estrutura e se realiza no mundo com os outros.

Referências bibliográficas

ABRÃO, Bernadete Siqueira. História da Filosofia. Ed. Nova Cultural. São Paulo. 1999

Ação Educacional Claretiana, 2010 Batatais – São Paulo

BARSA, Enciclopédia

FILHO, Isaltino Gomes Coelho. Gênesis I: capítulos 1-11 – JUERP, Rio de Janeiro, 1992

FRIEDMANN, John R. P. Introdução ao Planejamento Democrático. Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1959,

LADARIA, Luis F. Introdução à Antropologia Teológica, Ed. Loyola, São Paulo, 1998

MACKAY, João A. O homem verdadeiro in Antologia da Sabedoria V. 1 Os Grandes Pensadores, Ed. Logos, São Paulo,

MODIN, Batista. Antropologia Teológica. Ed. Paulinas, São Paulo, 1979

MORES, Ed Ridendo Castigat in Penssamentos de Blaise Pascal (www.ngarcia.org)

NETTO, Pedro Salvetti. Curso de Teoria do Estado. Ed. Saraiva, São Paulo. 1984, p.24

WRIGHT, R. K. Mc Gregor. A Soberania Banida, Redenção para a cultura pós-moderna. São Paulo, Ed. Cultura Cristã, 1998

[1] Esforço de certos cientistas e sábios no sentido de reduzir as teorias da ciência a fórmulas matemáticas. 2 Filos Doutrina que se funda nos conhecimentos científicos, relegando a um segundo plano as especulações transcendentais. Disponível em http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=cientificismo

[2]Este livro está foi editado no Brasil pela editora Pensamento-Cultrix

[3]ABRÃO, Bernadete Siqueira. História da Filosofia. Ed. Nova Cultural. São Paulo. 1999

[4]BARSA, Enciclopédia, v.15, verbete antropologia, p.30

[5]LADARIA, Luis F. Introdução à Antropologia Teológica, Ed. Loyola, São Paulo, 1998

[6]MORES, Ed Ridendo Castigat in Penssamentos de Blaise Pascal (www.ngarcia.org)

[7]ENCICLOPEDIA Barsa, V. 15, Rio de Janeiro, São Paulo, 1969, p.154 (verbete humanismo)

[8]ABRÃO, Bernadete Siqueira. História da Filosofia. Ed. Nova Cultural. São Paulo. 1999, p.130

[9]NETTO, Pedro Salvetti. Curso de Teoria do Estado. Ed. Saraiva, São Paulo. 1984, p.24

[10]FRIEDMANN, John R. P. Introdução ao Planejamento Democrático. Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1959, p.XVII

[11]MACKAY, João A. O homem verdadeiro in Antologia da Sabedoria V. 1 Os Grandes Pensadores, Ed. Logos, São Paulo, p.56

[12]WRIGHT, R. K. Mc Gregor. A Soberania Banida, Redenção para a cultura pós-moderna. São Paulo, Ed. Cultura Cristã, 1998, p.27

[13]FILHO, Isaltino Gomes Coelho. Gênesis I: capítulos 1-11 – JUERP, Rio de Janeiro, 1992

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/antropologia-teologica-5818605.html

    Palavras-chave do artigo:

    pessoa humana conceituacoes significado proposta humanista ser humano visto pelo vies de um sujeito plurifacetado em vista de

    Comentar sobre o artigo

    presente trabalho possui como fonte de informações a pesquisa-ação, os resultados obtidos em 2013 na escola CEJA Valdemar de Oliveira, assim como, as possibilidades de mudanças aplicadas em 2014. A base de dados fundamenta-se na analise de aprovação e reprovação de 2013, bem como, as respostas dos professores e estudantes as perguntas realizadas. A coleta de dados se apresenta nas ideias de Souwey

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 18/04/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Rousseau nasceu na cidade de Genebra, de origem pobre, seu pai um consertador de relógio, sua mãe morreu no parto, o pai teve pouco interesse pelo filho, o pobre menino foi deixado em Gênova, quando o pai teve que fugir da cidade para não ser condenado criminalmente.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 04/04/2014 lAcessos: 11
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Autor de uma vasta obra filosófica preocupava-se com o conhecimento das verdades essenciais que determinam à realidade em vários aspectos, a partir do seu trabalho, estabelece princípios éticos que norteiam o mundo social da Grécia antiga.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 01/04/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Até aquele momento o povo grego tinha sua organização político-administrativa voltada para o palácio em torno da figura do rei, o que foi modificado completamente. Com os dórios a organização política segue outra dinâmica obedecendo à estrutura de família denominada de genos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 31/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Conhecer é uma ação complexa e parcial, sinteticamente e não absolutamente projetiva, queiramos ou não quem conhece em última instância é a estrutura epistemológica do cérebro, sem negar a relação dialética dos procedimentos empíricos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 29/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A grande contribuição aconteceu em razão por construir as bases disciplinares de uma ciência do direito, na elaboração de uma teoria de Estado, dando continuidade os elementos de formação contínua do próprio mecanismo e estrutura como instituição política.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/03/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    De onde vêm os engodos ideológicos possibilitando sucesso em seus procedimentos transmissivos, na essencialidade contraditoriamente do ponto de vista prático, sustentam se em existências imateriais motivos pelos quais são ideologias.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/03/2014

    Este trabalho tem como objetivo narrar, em linhas gerais, a história do curso de Letras no Brasil, observando em especial sua relação com o contexto histórico-social e com o modelo de universidade vigente. Buscamos também apresentar breve comentário sobre os primeiros cursos de Letras no Brasil. Inclusive queremos contextualizar se seus objetivos estão engendrados com as necessidades existentes na sociedade. Ainda por cima, será contextualizado o curso de Letras no qual estudamos, analisando s

    Por: PEREIRA, Ozeas Autol Educação> Ensino Superiorl 26/03/2014
    Rogério de Sousa

    O presente trabalho constitui-se de uma breve pesquisa bibliográfica sobre a concepção da ética em Schopenhauer e Nietzsche. Ambos considerados sob o prisma do irracionalismo, negando a primazia da razão para a compreensão do fenômeno humano e propondo o eixo vontade/potência como novo extrato ético. Sendo impossível aprofundar a questão do ético em Schopenhauer e Nietzche em um trabalho como este, optei por abordar o tema de forma sucinta. Extraí algumas citações de ambos os filósofos e as

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 30/04/2012 lAcessos: 201
    Rogério de Sousa

    A filosofia no Brasil tem sido tratada como acessória. Está nos currículos universitários de quase todos os cursos, nas salas de aulas do ensino médio, nos sites de cursos à distância, nos programas de televisão, nas reportagens de domingo, nas revistarias e bancas de jornal, contudo, desde os dias de Gonçalves de Magalhães (1811-1882), os filósofos ecoam este pedido: "Convém que o Governo ao menos uma vez lance os olhos sobre a mocidade, que faça ensinar nas escolas uma Moral pura, uma filosofi

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 11/04/2012 lAcessos: 4,823
    Rogério de Sousa

    O artigo em análise tem por título "Deus na Filosofia Existencial de Karl Jaspers". O autor – Natanael Gabriel da Silva – realizou sua pesquisa no livro Filosofia da Existência, publicado em português pela editora Imago em 1973 – Rio de Janeiro. A proposta de Natanael é "trazer à discussão a tentativa de Jaspers no dizer sobre Deus". Segundo o autor, Jaspers procura elaborar uma filosofia existencial em contraste direto com Heidegger, uma vez que este propunha uma filosofia existencial em torno

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 11/04/2012 lAcessos: 176
    Rogério de Sousa

    Agostinho se propôs como modelo de moral para os homens, não por sua perfeição, mas por sua busca filosófica. Desde a infância até a senilidade mostrou-se uma pessoas aberta ao diálogo, e por isso, sempre polêmico. Conseguiu como poucos tocar as várias pontas dos extremos, ambicionando resolver racionalmente as demandas do cérebro e da alma, sem, no entanto, conseguir tamanho empreendimento.

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 11/04/2012 lAcessos: 2,004
    Rogério de Sousa

    Ao longo de nossos debates me posicionei firmemente pelo Idealismo do Sócrates de Platão. Estes dois homens se tornaram divisores de águas no que diz respeito à Piadéia. Antes deles imperava a busca pela sabedoria. Após, reina o amor à sabedoria. Antes deles existia a Poesia e a Retórica. Após, nasce a Filosofia.

    Por: Rogério de Sousal Educação> Ensino Superiorl 25/04/2011 lAcessos: 1,123
    Rogério de Sousa

    A bendita esperança dos crentes está na consumação dos séculos, no momento em que Jesus Cristo retornar acompanhado de seus anjos. Por ocasião da parusia, a orquestra celeste executará o cântico do Cordeiro enquanto o arcanjo Miguel solta sua voz pelo universo. Cristo glorificado surge a olhos nus em pleno cenário mundial e a cegueira dos olhos de todos os seres será retida. À voz de seu comando, vivos e mortos formarão uma só multidão de ressuscitados. Não há lugar para as coisas passadas, nem

    Por: Rogério de Sousal Religião & Esoterismo> Evangelhol 06/01/2011 lAcessos: 63
    Rogério de Sousa

    O céu é Jesus! Ele está em silêncio enquanto os santos oram. Ele está atento às palavras que sobem aos céus, e também seus anjos guardam silêncio ante as preces dos homens. Tudo o que se diz em segredo de oração será recompensado publicamente. (Estou feliz em saber disto). As orações são valiosas diante de Deus, pois são postas em incensários de ouro. Existe toda uma solenidade e cuidado sacerdotal ao ouvir confissões e súplicas.

    Por: Rogério de Sousal Religião & Esoterismo> Evangelhol 06/01/2011 lAcessos: 146
    Rogério de Sousa

    Os sete selos descrevem movimentos que caracterizarão a era ou dispensação inteira, desde a ascensão até o regresso glorioso de Cristo. São visões de paz e de guerra, de fome e de morte, de perseguição à igreja e do juízo de Deus sobre os seus inimigos. À medida que os selos são abertos no céu, efeitos tremendos acontecem na terra. O céu comanda a terra. Jesus abre os selos. Está encarregado de todo o programa. A história está em suas mãos. Nos primeiros quatro selos vemos a ira de Deus misturad

    Por: Rogério de Sousal Religião & Esoterismo> Evangelhol 06/01/2011 lAcessos: 137
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast