As Concepções Curriculares: a escola em um ambiente de aprendizagem

Publicado em: 02/07/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 6,756 |

 

As Concepções Curriculares: a escola em um ambiente de aprendizagem.

Jorge Rocha Gonçalves

j.rocha60@yahoo.com.br

 

Resumo: apresentar que através da organização curricular oficial, pode-se obter meios para melhorar a qualidade do ensino na escola.Pesquisa bibliografica validada pelas idéias de Libanêo sobre a organização da escola.

Palavras Chaves: interações pedagógicas, concepções curriculares,

As interações pedagógicas na confecção de idéias emergem das varias atuações sociais, necessárias a organização curricular, atuando como uma direção à seguir, mais  não determinando o procedimento  de  como  aplicá-lo, pois  sua  participação, depende  do  que ocorre no momento, para ser avaliado.Diante destas características que são típicos da sala de aula, as concepções curriculares que são derivadas das diversas atuações recebidas m aula, possui a seguinte descrição:

4.1 - currículo tradicional

4.2 - currículo racional tecnicista

4.3 - currículo escolanovista

4.4 - currículo construtivista

4.5 - currículo sociocritico

4.6 - currículo integrado

4.7 - currículo como produção cultural

 

As concepções curriculares demonstram suas características, de acordo com o padrão social, administrativo e político, que de tem a sociedade.

Em resumo, a constituição e elaboração da proposta curricular implica  compreender   que   o   currículo  é  mais  que  os  conteúdos  escolares   inscritos  nas disciplinas. O currículo  é  o  conjunto  dos   vários  tipos  de   aprendizagens,  aquelas   exigidas   pelo processos  de escolarização, mas     também     aqueles  valores    comportamento, atitudes que  se   adquirem   nas   vivencias  cotidianas  na   comunidade, na  interação   entre    professores,    alunos,  funcionários,   nos              jogos e  no  recreio  e  outras   atividades  concretas   que   acontecem    na  escola   que  denominamos   ora  currículo  real, ora  currículo  oculto.  ( Libanêo 2004, pp. 173 – 174)

O up grade da qualidade educativa vem através de uma política genuinamente brasileira,

uma analise realizada pelos aplicadores dos  conteúdos  curriculares  em  sala  de  aula, seria uma atitude de maturidade profissional, mais  ainda grande parte dos  profissionais  do  ensino básico, se sente impotente para realizar qualquer tipo de renovação na pratica de ensino.

Quando indagada sobre a possibilidade de utilizar  musicas  regionais  e  de  idioma  inglesa para  melhorara a participação dos aprendizes na aula  de  português  e  inglês, a  professora respondeu, " que talvez fosse bom  e  iria  pensar, mais  não  tem  tempo  para  pesquisar  as musicas e outros escritos.

Na  mesma  escola  da  periferia  de  Recife, em  conversa   com   a   Educadora   de   Apoio ( coordenação), que não permitiu gravação ou  filmagem, perguntamos  os  recursos  usados para incentivar os professores em um novo ato de ensino.

A resposta da mesma foi que, "por fazer parte da rede municipal de ensino, utilizava o que recebia de lá".

Em outras palavras, não buscava qualquer tipo  de  novidade  para  motivação  do  ambiente Escolar.

Solicitamos  copia  e  analisarmos  juntos  os  conteúdos  trazidos  da   escola   municipal,  a mesma, na qual trouxe uns textos do Centro Paulo Freire de estudos  e  pesquisa, instituição responsável pela formação continuada dos educadores, disse não  ter  como  tirara  copias e não autorizou levá-las para entregar depois.

Ao falar com os alguns professores no corredor de acesso as salas de aulas, percebemos que se os textos Freriano foram passados, não são na prática utilizados, pois os alunos e professores não se entendiam na sala de aula e os círculos de estudo, não foi organizado.

O pensamento Freriano de educação de jovens e adultos, aplicados  nas  escolas  Estaduais de Pernambuco, no período de 2002 a 2005, não ajudou a reverter  a  situação  precária.  Os índices negativos da educação, por não ter sido entendido pelos educadores e recebedores da formação continuada a verdadeira face do processo de ensino de acordo com (Freire, 1983, p,7), no  que  se refere  a  participação ativa de mudanças, descreve que:

Afirmamos anteriormente que a primeira condição para que um ser pudesse exercer um  ato   comprometido  era   a   sua   capacidade   de   atuar   e   refletir. È   exatamente  esta  capacidade  de  atuar  e  refletir. È   exatamente   esta   capacidade de   atuar, operar,  de    transformar a realidade de acordo com  finalidade  propostas  pelo  homem, á  qual  está      associada sua capacidade de refletir, que o faz um ser de práxis.

A verdadeira face do currículo, em todas as suas  concepções, é  a  de  servir  aos  interesses dos proprietários do poder,  pois no Brasil com a indicação da ditadura, ate os tempos atuais da democracia, temos na esfera pública em todos os níveis, políticos ativos  que  conservam suas atividades á décadas, não havendo assim, nenhuma renovação social.LIBÂNEO citando CARVALHO  E  DIOGO , p,171,  revela a  intenção do currículo. Em síntese, o currículo reflete (objetivos) e ações (conhecimento, procedimentos, valores, formas de gestão, de avaliação etc.), tornadas  realidade  pelo trabalho dos  professores e  sob determinadas condições providas pela organização escolar, tendo em  vista a melhor qualidade do processo de ensino e aprendizagem.Diante da influencia ideológica na  cultura  social,  o  currículo  passa  a  ter  um  caráter  de predomínio entre as classes sociais a partir da estrutura escolar. (Apple p. 88).

a  relação entre ideologia  e conhecimento  escolar, entre significados  e controle, tendem a ser todas nuto vagas, a não ser que as  vejamos como  forças  presentes  nas  atividades  de  quem  trabalha  na  escola  e  dos  alunos, no  que diz respeito ao modo  levam suas vidas nas salas de aula.

È o mais utilizado por esta ligado ao currículo oficial,  suas características visíveis são:

organização   do    conhecimento    por    disciplinas    em    divisão   compactas, distintas, identificado como tronco comum e tronco diversificado.

O tronco comum, composta das disciplinas determinadas pelo  sistema  de  ensino, aplicado no Pais, enquanto que, o tronco diversificado, é composto pelas disciplinas de peculiaridade local, assim o currículo tradicional possui as seguintes característica:

> possui o caráter livresco, verbalista, transmissivo, centrado no professor e no conteúdo.

> a escola é responsável pelo ajuste social dos alunos, sem a visão critica da sociedade.

> o compromisso é com a permanência dos status quo.

O papel do aluno na visão tradicional é o de armazenarão de informações, é o deposito bancaria, descrito por Freire.  Neste ambiente  de  aprendizagem, o  produto  avaliativo  é  fruto d a  falta  de  vontade  de aprender do aluno, em lugar dos processo, e o resultado somativo é de grande valor. Os professores datem o contraste da autoridade moral e intelectual, onde o  aluno  torna-se  um recepto do conhecimento.

A identidade do aprendiz é ignorada, tratando-o  como  incapez, imaturo. O  currículo  é reduzido a  um  conjunto  de  disciplinas  e  de  conteúdos a  serem   passados   aos  alunos, organizado em uma "grade curricular".  De acordo com (Libanêo, 2004, P. 174).

Tratando como um aluno (a), " menino (a) sem luz", o aprendiz é desqualificado  perante  o se  quer  passar  para  ele  (a), desconsiderando  totalmente  as  experiências  trazida  da  sua relação fora da escola, como seu linguagem, sua roupa, seu cabelo, sua falta de higiene, sua agressividade.

Identificado também como tecnicista, é típico dos processos de ensino, com transmissão do Conhecimento, onde as habilidades desenvolvidas, estar  a  serviços  das  necessidades  dos modos de produção."È o de currículo proposto para a   transmissão de conteúdos e do desenvolvimento de habilidades a serviços do sistema de produção'. ( Libanêo, 2004. p. 175).

Construídos através dos critérios técnicos e científicos, no qual, os objetivos, conteúdos, padrões de desempenhos das habilidades, soa considerados úteis a sociedade.

A metodologia tem o caráter técnico, com o refino da transmissão do conhecimento através das novas e antigas tecnologias.

Firmado na racionalidade técnico-instrumental, visa o desenvolvimento  de  destaques  para formação técnicas.

Os professores, atores do ensino, não podem discutir a elaboração direta do currículo, nesta concepção, pois segundo a instrução normativa nº. 01 de 2005 da  Secretaria  de Tecnologia e meio ambiente do Estado de Pernambuco  , determinam  que os especialistas  no  referido curso técnico é quem pode elaborá-lo e analisá-lo diante  de  sua aplicação na escola.

A escola não discute o que ensinar, cuida apenas de como fazer, isto é, busca a eficiência na função dos produtos na aprendizagem, com o custo menor.

Essa aplicação curricular, é também  denominada de Tecnicismo Educacional, devido a sua identificação com o ensino, método e o modelo tecnológico educativo, visando a  formação para o trabalho, onde a escola passou a ser um difusor de esperança as classes populares  na busca de qualificação para o esperançoso trabalho remunerado.

O currículo por competência é a ótica nessa concepção, onde a organização curricular tem as exigências assentadas nas disciplinas técnicas.

A principal critica a esse currículo, é estreitar as competências, restringindo ao saber  fazer, desconsiderando  os saberes das experiências dos alunos, as atitudes independentes da observação do instrutor e a cognição.

Plano de ação na autonomia se pensa  a  escola  como  uma  agencia  de  relações  humanas, onde o espaço escolar  composto  por contradições devido a diversidade  social   de informações formadora do cotidiano humano. A escola possui o ambiente  em  que  sua  variedade foi construída ao longo da historia pelo capitalismo, na qual, sua especificidade cria continuamente nova fonte de inter-relações  e contrastes que necessitam ser refletida em sala de aula. (Hora,p, 34).

Logo, a escola não é apenas a agencia que reproduz as relações sociais, mais um espaço em  que a sociedade produz os  elementos da sua própria  contradição.  É um lócus em que as focas contraditórias, próprias do capitalismo se defrontam.

Dentro do gerenciamento de conquista, o planejamento estratégico direciona na obtenção de resultados decorrente  dos  objetivos  traçados, no  caso  do  ensino  em  Pernambuco, os indicadores de desempenhos.

Organizando a escola em determinado conhecimento especifico para suprir deficiência onde o processo de produção requer determinado modo de desenvolvimento de habilidades.

A escola passou a contribuir com as diferenças  sociais, aumentando  sua  ação  de  como  o conhecimento chegaria a seus postulantes, através da sua organização.

as escolas  parecem  contribuir  para  a  desigualdade por  serem  organizada a fim de  distribuir deferentes ente determinado tipos de conhecimentos. Isso se relaciona em grande parte tanto no papel da escola na maximinização da produção de mercadorias.  (APPLE, p, 31)

Identificado também como progressista, atua enfocando o aluno como centro das atenções, buscando experiências de aprendizagem como forma de envolvimento da escola na vida do aluno e adaptada-la ao meio.

A ênfase realizada encontra-se na necessidade de estimulo ao aluno no interesse e busca do conhecimento, de acordo com o ritimo de cada um.

O grande problema desta base curricular e dar atenção a uma turma de alunos em sala, e o que limita-se ou é limitado por varias razões, a quantidade pessoal de si doar na  busca  da sua formação.

Nesta atuação, os conteúdos levam em consideração os processos mentais, envolvendo seus partipantes  na reflexão, pela não como também, a compreensão dos elementos da transposição didática, como alcançados o estabelecido, em que a aula estimula o dialogo.

O homem em busca do bem estar destro e fora da escola, na qual  a  pesquisa, é  o  meio  de relacionamento entre o aluno e o conteúdo.

Os conteúdos curriculares emergindo das relações sociais que determinam uma  nova  visão da  paisagem, em   constante   renovação,  integra  o  currículo  oculto   que   fundamentado cientificamente, existente na realidade do livro didático, instrumento único  da  maioria  dos professores (as), necessitam ser  utilizados em beneficio  da  própria comunidade e direcionando uma nova abordagem em sala de aula.

(Freire 2005,p ,43), orientamos que, " na medida em que integrando-se nas condições de seu contexto de vida, reflete sobre elas e leva respostas aos desafios que lhe apresentam. JONH DEWEY", segundo (Libanêo, p,  176), idealiza  a  pratica  de  ensino  com  suas idéias na escolanovismo.

No Brasil, a influência de Jean Piaget e seus  seguidores, produziram  e  escolas, onde a vontade   de  modificações  nos  procedimentos  da  emissão  de  conteúdos, possui  grandes obstáculos pois dependem das então políticas públicas.

No mundo construtivista, os sujeitos possuem um papel ativo, diante do que se quer aprender.

Descreve (Freire, p, 32), que  a   ação   é  libertaria,  ou   seja, " O   oprimido   tem que libertar  o  opressor",  assim, a   nova   abordagem   da  organização   curricular,  possui elementos direcionado  ao  que se quer ensinar e como ensinar.

Por isso mesmo pensar certo coloca o professor ou, mais amplamente, à escola, o dever de não só respeitar os saberes com que os educando, os  das  classes  populares, chegam  a  ela - saberes  socialmente  construídos na  prática comunitária –  mas também, como  há mais de  trinta anos venho  sugerindo, discutir  em  relação com o  ensino  dos conteúdos. Por que não aproveitar a experiência  que  tem os alunos  de viver em  áreas da cidade  descuida da  pelo  o  poder  público  para  discutir, por exemplo,  a  poluição  dos riachos e  dos  córregos  e  os  baixos  níveis  de  bem –  estar  das   populações, os                   lixões  e  os  riscos que  oferecem  à  saúde  das gentes.

A atividade de quem aprende. Encontra em quem ensina o perfil útil a sua contribuição na comunidade, não podemos ensinar e agir diferente do que se instrui.

Assim sendo, o papel dos sujeitos no construtivismo, traz o aprendido para o cotidiano, com criticidade, tornando o aluno (a) um cidadão ou  cidadã  reflexo  da  sua  realidade  em confronto com o discurso apresentado e transformador do ambiente, em VIGOSTSKY desenvolve o interacionismo histórico – social, base dessa concepção. Construção  pessoal do  conhecimento, prever atividades  correspondentes ao desenvolvimento intelectual do aluno, da aluna e do professor.Uma das idéias chaves do construtivismo é a crença no papel do ativo do sujeito no processo da aprendizagem ativa, derivando-se daí conseqüências para a organização curricular.   (Libanêo. 2004, p, 176).

A organização de situações estimula a organização  pessoal  do  que  estar  participando, no qual o professor. De função facilitadora da aprendizagem, tem seu papel, de assegurar uma interação entre o conteúdo e o aluno e consigo mesmo. O cognitivo, recebe mais atenção para sua ação captadora  das  coisas  a  sua  volta, do  que através da influência do professor e sua cultura.  A relação direta do construtivismo com a cultura, pois resplandece das informações pessoais do aprendiz, com o conhecimento adquirido do professor. Os fundamentos dessa relação entre sujeito– objeto descrevem ( LIBÂNEO, p 177) que  se  fundamenta em teorias de VIGOSTSKY revela.

Nesse sentindo, desenvolve-se entre nós um interacionismo de orientação  histórico -social, cujas bases teóricas se apóiam no  psicólogo  russo  Vigostsky. Nessa  orientação, a      aprendizagem resulta da interação sujeito-objeto, mas  a cão  do  sujeito  sobre  o  meio  é  socialmente medida, atribuindo – se peso significativo a cultura e às relações sociais.

Essa  abordagem  Vigotskyana, vem  a  trazer  a  realidade  os  diversos  mecanismos  que a relação entre os homens na sua cidadania, vem desenvolvendo ao longo do tempo.

Sozinho, não se faz cidadania e não se consegui as transformações necessárias ao desenvolvimento da humanidade, assim, a divisão que sempre se  praticou na  coletividade, precisa ser expulsa das ações na comunidade, saber fazer em comunhão essa é o desafio  na vida e na escola, diante do pensamento diferente correspondente ao currículo  histórico  social, possui  varias  abordagens, com  ênfase  nas questões   de   ordem   pública, determinantes   na   formação  profissional,  pedagógica,  na formação e transmissão  da  cultural  expressa  de  forma  espontânea  pela  coletividade  ou como participante curricular na preparação  critica, participativa, cativante  a  (re)  pensar  a cidadania.

A conscientização, é o fundamento nesta aplicação cultural curricular, pois  esboça  as mazelas sociais, em reflexão na sala de aula.

As considerações básicas na relação conteúdos/pratica, nesta concepção, são os fatos e atos ocorridos  diariamente, que  não  são  levados  em  considerações, a  não  ser, para   fins  de punições.

Essa face e estímulos, ocorridos no cotidiano  que não estão nos programas e textos escritos no  livro didático, por conseqüência, não lidos e observados, passando a ser considerados  e ocultados na pratica educativa.

Os contextos da ação educativa nos processos do ensino sofrem grande ingerência da ideologia implantada e não  discutida, portanto   sem   percepção   e   consideração   dos participantes da escola, onde o que é certo ou errado, esta na razão de ambas as partes. Para (Libâneo, p. 179). Descreve a influencia do currículo oculto nos processos de ensino e aprendizagem na seguinte forma.

Em razão disso, considera especialmente os efeitos do Currículo Oculto e do contexto da ação educativa nos Processos de ensino e aprendizagem, inclusive  para  submeter os  conteúdos a uma Analise ideológica e política".

Conhecido também como globalizado destaca a interdisciplinaridade, na aplicação dos

conteúdos e aprendizagem pelos fatos ocorridos diariamente.

O termo globalizado associa-se a concepção objetivas dos alunos diante dos significados próprios que se atribuem acontecimentos.

A interdisciplinaridade vem do fato a comunicação entre os atores das disciplinas na execução da emissão do conhecimento.

As idéias relacionadas a essa integração entre conteúdo e os acontecimentos do dia-a-dia necessita integrar as experiências facilitadoras de uma reflexão e critica da realidade.

Demonstram também, o emergir da cultura, simultaneamente com compreensão de como se produzem, elaboram e transformam os conhecimentos percebidos em científicos, no processo do aprender a aprender.

A principal função do currículo integrado, é a de fazer com que os elementos participantes do   processo   de   ensino  e   aprendizagem, percebam  a  realidade  como  integrante  dos conteúdos a serem vivenciados em sala de aula.(Libâneo, 2004, p, 179).

Para se chegar a esses objetivos, o currículo globalizado articula varias  Pratica educativas que  possam  contribuir  para  os  processos  de  ensino e  Aprendizagem  superando  os  reducionismos   psicológicos,  epistemológicos ou  sociológicos.  Na prática curricular, adota-se o currículo experiencial.

No estado de Pernambuco no período de 2004 a 2005, após concessão legal amparado pela lei da educação nacional, bem como, os  baixos  índices  de  qualificação  da  mão  de  obra exigido nos atuais investimentos no Estado através da   refinaria  Abreu  e  Lima, estaleiros,e a industria de derivados do sangue, hemobras.

Estes e outros investimentos financeiros foram determinantes para se repensar a utilização do currículo integrado nas escolas publica do Estado e municípios em duas modalidades.

a) currículo integrado parcial

b) currículo integrado integral

O currículo  integrado  parcial, a  escola  funciona  com  a  educação  básica  em  turnos  da manhã, tarde ou noite e a educação profissional duas vezes por semana em horário separado do  turno  no qual o aluno (a)  encontra-se  integrado  a  escola.

O currículo integrado integral, o aluno passara o dia todo na escola e no turno da manhã terá o ensino regular, enquanto à tarde, terá a educação profissionalizante e a profissionalização será realizada por cursos de acordo com a vocação econômica de

cada  região do  Estado  de Pernambuco, que divida geograficamente  em  macro  região  do sertão, agreste, zona da mata, região metropolitana do Recife, litoral.

A articulação com varias praticas educativas na contribuição dos processos de ensino e aprendizagem torna a escola como um espaço de reconstrução, através de projetos.

A globalização das praticas de ensino, apresenta uma contribuição nos ensino e Aprendizagem mediante a sua utilização sócio educativa nas diversas fases do envolvimento escolar, onde as experiências variadas atuam da forma mais eficaz no currículo, por este, o responsável pela forma de agir diretamente entre o aluno e o professor. (Libâneo, 2004, p 179), descreve com clareza o objetivo do currículo diante

da atual globalização.

Para se chegar a esses objetivos, o currículo globalizado articula varias  práticas educativas que  possam contribuir para os processos de  Ensino e aprendizagem, superando os reducionismo psicológicos, epistemológicos ou  sociológicos".

A construção do conhecimento possui nas ciências sociais e as expressões culturais como um suporte na educação criticam na relação entre o saber e o como saber fazer.Da educação também aceita os fatores sociais e culturais na construção do

conhecimento, lidando com termos como cultura, ideologia, currículo                                  oculto linguagem, poder, multicultural idade. (Libâneo, 2004, p, 180).

A principal característica nessas concepções curriculares, esta na construção específicos dos Saberes em determinados grupos, analisando a peculiaridade de cada um deles.

A cultura domo terreno conflitante onde se enfrentam diferentes formas da vida social, na produção da  historia  e  tradições  sociais, em  sua  diversidade  e  singularidade, na  sua trajetória política, na organização social, na historia e geografia.

Os conteúdos de produção social trazem significados para a formação da escolarização e compreensão da estrutura social.

O currículo demonstra em sua aplicação e concepção, o poder de quem comanda a sociedade, bem como, o perfil da cidadania que quer formar.

Diretamente ligado a cultura, não podemos pensar em uma montagem de conhecimento extraída dos livros diabéticos e levados a sala de aulas, pois o ser humano é constantemente renovado no tempo e no espaço.

Diante da construção do conhecimento a busca individual ou coletiva deve ser incentivada na sua procura independente do local.

A  escola  não  pode  ser  reverenciada  como  o  ambiente  único e  privilegiado   para  essa tarefa,  resultante da diversidade humana na sua participação em diversas instituições, deste  modo afetaria diretamente as condições de igualdade para todos estabelecido por lei.

A visão de um grupo, determina a exatidão e  legitimidade, o  conhecimento  adquirido  e  a sua formação, pois uma matriz curricular tem a pretensão do controle social.

As  diretrizes  que fundamenta os conteúdos curriculares estão estabelecidos na  lei nº  9394 de 1996, no artigo 27, nos itens I, II,III, IV., da seguinte forma:

Conteúdos Curriculares

Considerações das condições de escolaridade dos alunos em cada estabelecimento

Difusão de valores fundamentais ao interesse social, aos direitos e deveres dos cidadões, de respeito ao bem comum e á ordem democrática.

Orientação para  o trabalho

Promoção dos dispostos educacional e apoio ás praticas desportivas não-formais.

Essa mesma lei compõe como educação escolar a seguintes especificidades no artigo 21:

I – educação básica, formada pela educação infantil, ensino fundamental e médio.

II – educação superior

 

Referências

Alves, N. 2002.Formação de Professores: pensar e faze / Org.. 7ª ed. São Pulo Cortez

ALVES, Rubens. 2005. O Que è Religião?. São Paulo. Loyla

APPLE, M. W. 2006. Ideologia e Currículo. 3ª ed.. Porto Alegre. Artmed..

ARROYO, M. 1997. Da escola carente a escola possível. 4ª ed. São Paulo. Loyola.

BIBLIA SAGRADA

BRASILIA. 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Nª 9394 de 20 de dezembro .

BRASILIA. 2001. Conselho Nacional de Secretários de educação. Progestão. Cadernos I e III.  São Paulo. Câmara Brasileira do Livro.

BRASILIA. 2006. Ministério  da   Educação. Secretaria Especial de Direitos Humanos.  Plano Nacional de Direitos Humanos. Versão preliminar.

BRANDÃO, Z. 2002 A Crise dos Paradigmas E A Educação/ Org, 8° Ed.. São Paulo. Cortez.

BORDIGNOM, Genuíno & GRACINDO,Regina Vinhas. 2000. Gestão da Educação / Org. Naura Carrapeto Ferreira e Márcia Ângela da S. Aguiar. São Paulo. Cortez..

CUNHA.Maria  Izabel  da. 2001.O  Bom  Professor  e  Sua  Pratica. 13 ed. São Paulo. Papirus.

CARRAHER, Terezinha e outros. 2004. Na Vida  Dez, na  Escola  Zero.  13ª ed..São Paulo. Cortez.

CIAVATTA, Maria. 2003. Democracia e Construção do Publico no Pensamento educacional  Brasileiro / Giovanni Sameraro. 2ª ed.. Petrópolis. Vozes..

CORTESÃO, L. 2002.Ser Professor: um ofício em extinção? São Paulo. Cortez.

CRUZ,C. H. C. 2001. Competências e Habilidades: da proposta à prática. São Paulo. Loyla.

FREIRE, P. 1983.Educação Como Prática da Liberdade.14 ed. Rio de Janeiro. Paz e Terra

__________.2002. Ação Cultural para a Liberdade. 10 ed. São Paulo. Paz e Terra.

­­­__________. 2001Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo. Paz e Terra. .

____________. 1986.Educação E Mudança. 11ª ed. São Paulo. Paz e Terra.

____________.2003.Professora Sim, Tia Não: cartas a quem ousa ensinar. 14ª ed. Olho

dágua. São Paulo. 

____________.2005. Conscientização : teoria e pratica da libertação. Centauro. São Paulo.

____________. Pedagogia do Oprimido. 14 ed. São Paul. Paz e Terra. 1985

FURTADO, C. 2004. Formação Econômica do Brasil. 33 ª ed. São Paulo. Campanha

Editora Nacional.

GADOTTI, M. 2004. Escola Cidadã. 10º ed. São Paulo. Cortez.

GUTIERREES, Gustavo; CATANI, Afranio 1998. Mendes. Gestão Democrática da Educação: atuais tendências ,  novos desafios / Org. Naura Carapeto Ferreira. 3ª ed. .  São Paulo. Cortez.

HORA, D.L. 2006. da. Gestão Democrática na Escola. São Paulo. Papirus.

LIVERA, I. O. 2005.Currículos Praticados: entre a regulação e a emancipação. 2ª ed.  Rio de Janeiro. DP&A .

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e Gestão da escola: teoria e prática. 5ª ed. Goiânia. Alternativa. 2004

___________________. 2001.Democratização da Escola Publica : pedagogia critico social dos  conteúdos. São Paulo. Loyala.

____________. Uma Escola Para O povo. 24ª ed. São Paulo. Brasiliense. 1982.

LIBÂNEO, J. C. 2002. Adeus     Professor, Adeus Professora?    Novas     exigências

educacionais e profissão docente. 6ª ed. São Paulo.Cortez.

LUCKESI, C. C. 1983. A Didática em Questão / Org. Vera Maria Candau. Petrópolis

PONCE, A. 2003.Educação e Luta de Classes. 20ª ed. São Paulo .Cortez.

ROMANELLI, O. de O. 2002. Historia da educação no Brasil. 27ª ed. Petrópolis, Rio de Janeiro.

SANTOS, M. 1997. Metamorfose do Espaço Habitado. 5ªed. São Paulo. Hucitec..

MARCHAND, M. A. 1985.Afetividade do Educador.São Paulo. Sumus..

MOREIRA E SILVA, A. F. B.e T. T. e. 2006.Currículo, Cultura e Sociedade.

Sociedade. 9ª ed. . São Paulo .Cortez.

MORIN, E. 2001. A Cabeça-Bem Feita: repensar a reforma, reforma o pensamento. Rio de  Janeiro. Bertrand Brasil

NIDELCOFF, M. T.. 1979. A escola e a compreensão da realidade. 24ª ed. São Paulo.

Brasiliense. 1.

SCHIMITZ, E. F. 1984. Didática Moderna. Rio de Janeiro. Livros Técnicos.

SAVIANI, D. 2001  Escola e Democracia. 34ª ed. Campinas, São Paulo. Autores

Associados

ZARPELON,M. I. 2006. Gestão e Responsabilidade Social. Rio de janeiro

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 4 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/as-concepcoes-curriculares-a-escola-em-um-ambiente-de-aprendizagem-2763031.html

    Palavras-chave do artigo:

    nteracoes pedagogicas

    ,

    concepcoes curriculares

    Comentar sobre o artigo

    Edjar Dias de Vasconcelos

    A sétima Constituição brasileira. Constituição de 1988. Retorno da democracia. Promulgada por uma Assembleia Nacional Constituinte. Foi denominada de Constituição Cidadã. Possibilitou o retorno dos direitos civis e políticos. Como também a defesa dos direitos sociais.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 31/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Existirá um tempo. Que será o tempo. Negado na sua acepção. Posterior a ele. Um imenso vazio. Escuro. Sem nenhuma definição. Como se nada existisse.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Que pode estar na mão de uma pessoa ou de várias, mas a função do Estado político aristotélico dever-se ia ser a defesa do interesse coletivo e não de uma classe social.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Isso significa que o Estado é objetivamente um fato social, de natureza histórica, contrariamente, o desejo fundamental da manifestação formal apenas de um dado momento, na construção da sua institucionalidade.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 29/10/2014

    A escola para a maioria das crianças brasileiras é o único espaço de acesso aos conhecimentos universais e sistematizados, e as crianças que durante sua vida escolar esporádica ou mais frequentemente os assim chamados, crianças com "distúrbios de aprendizagem" ou "problemas de aprendizagem" ou dificuldade de aprendizagem", quando não adequadamente tratados esses distúrbios, com certeza podem aumentar e se ampliar de tal forma que chegam a provocar acentuado insucesso escolar.

    Por: Cátia Martins Bernardes Lenzil Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Resultado direto da Revolução Comercial, do mesmo modo, produto da ideologia política renascentista e posteriormente, da Filosofia iluminista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Exemplo da Inglaterra. O Parlamento resultou. De uma conciliação dos poderes. Entre a nobreza e a burguesia. Sendo que Coroa reina. Mas apenas a burguesia governa.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 23/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O seguinte motivo: não era nacionalista, Jesus defendia o domínio romano sobre os judeus, justificando que o povo pagasse imposto a Roma. Barrabás fora colocado em liberdade, pois defendia a luta armada para Israel libertar-se do domínio romano.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/10/2014

    o presente trabalho possui como condição básica a obtenção de novos olhares na analise avaliativa e melhoria do desempenho. Será demonstrado como os recursos que são emitidos para o CEJA Valdemar de Oliveira são aplicados na garantia da qualidade do ensino e facilitando os trabalhos dos professores, alunos e gestão.

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 14/05/2014 lAcessos: 18

    presente trabalho possui como fonte de informações a pesquisa-ação, os resultados obtidos em 2013 na escola CEJA Valdemar de Oliveira, assim como, as possibilidades de mudanças aplicadas em 2014. A base de dados fundamenta-se na analise de aprovação e reprovação de 2013, bem como, as respostas dos professores e estudantes as perguntas realizadas. A coleta de dados se apresenta nas ideias de Souwey

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 18/04/2014 lAcessos: 11

    resenha escrita com a obtenção de demonstrar as atividades executa na escola em tempo de agora. Método usado, a observação em Suvey, de onde mostra-nos a importância da observação e analise do comportamento humano diante dos procedimentos executados por cada um deles

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 13/10/2013 lAcessos: 13

    resenha apresentado reflexões sobre as atuais reclamações sociais em um Brasil, voltados para grupos de interesses pessoais

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 26/06/2013 lAcessos: 32

    artigo sobre os procedimentos disponíveis pelos administradores públicos de educação, na efetivação de ações (dês) vinculadas a qualidade da escola através dos financiamentos escolares

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 26/06/2013 lAcessos: 12

    resenha derivada das observações realizadas nas unidades de ensino e seus ambientes em Recife, onde encontramos procedimentos concernentes ao (dês) andamento na escola nos aspectos administrativos e pedagógicos. Método de validação em Seauvy

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educaçãol 22/03/2013 lAcessos: 103

    resenha destinada a demonstração dos procedimentos utilizados para elevar o homem à categoria de humanizador

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 16/01/2013 lAcessos: 50

    apresentar os avanços da ciência e tecnologia em beneficio da aprendizagem e bem da escola de qualidade com a humanização do homem

    Por: Jorge Rocha Gonçalvesl Educação> Ensino Superiorl 05/10/2012 lAcessos: 130
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast