As Ideias de Adam Smith

Publicado em: 14/12/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 40 |

Adam Smith.

1723- 1790.

Era escocês, filósofo e economista, após estudar bastante a respeito da  natureza do Estado a relação do mesmo com o modo de produção e qual o caminho  político, que levava a produção das riquezas.

Formulou a respeito da sua teoria da produção a principal tese em  defesa do liberalismo econômico. A não intervenção do Estado na economia.

Ele escreveu um livro de fundamental importância, ao que se refere a essa  questão, cujo título: Ensaio sobre as riquezas das nações. Como são produzidas  as riquezas de uma nação.

Qual é realmente a verdadeira fonte da produção das riquezas, a sua tese  principal qualquer forma de riqueza, resulta sempre pela produção desenvolvida  por meio do trabalho, a força operaria é à base da constituição das  riquezas.

Sem o trabalho não é possível o desenvolvido de uma nação, as riquezas não  são apenas naturais aos aspectos da natureza, elas são essencialmente produzidas  por um modelo de produção.

Isso em razão que as mesmas têm que necessariamente passar por um  processo de construção, a riqueza é, portanto, realizada, não existe a priori,  como algo apenas ligado a natureza.

Outro aspecto importante, desenvolvido no seu livro: Ensaio sobre a riqueza  das nações, ele formulou uma crítica veementemente a respeito da política  mercantilista.

Fundamentada principalmente na intervenção do Estado na economia, o que  ele critica como fator do não desenvolvimento de uma sociedade econômica.

A política formulada por um Estado, não deve orientar politicamente os  caminhos os quais o mercado deve seguir.

A função do Estado, não é determinar o desenvolvimento empresarial, o Estado  tem que existir exatamente com a finalidade de deixar o mundo da produção das  riquezas caminharem pela própria iniciativa privada.

O que se deve regular pelo livre jogo das leis de mercado. O Estado deve ser  minimamente, existir para cuidar de outros setores e não da produção de  riquezas.

Quando o Estado cumpre a sua função de ser pequeno e cuidar daquilo que  é da sua natureza, a sociedade produtiva-se desenvolve.

O mercado por si só regula a livre iniciativa e com o desenvolvimento  econômico produz na própria natureza da livre iniciativa a justiça social.

Como se fosse da objetividade do capitalismo promover desenvolvimento  econômico com justiça social. O capitalismo nunca teve essa preocupação e jamais  terá, porque o humanismo não é da natureza do capital.

Para Smith o trabalho em si, representa a verdadeira fonte da riqueza, mas  esse trabalho como a grande fonte do desenvolvimento de uma nação tem que ser  orientado pela iniciativa privada.

Esse é o único caminho capaz de levar ao pleno desenvolvimento de uma nação.  Só que o capitalismo, nunca esteve preocupado com a miséria do homem. 

A grande crítica que se deve fazer a Smith, primeiro que o desenvolvimento  econômico capitalista, nunca esteve comprometido com nenhuma ideologia humanista  e, sobretudo, com o bem social.

A tendência do livre mercado é maximizar o lucro e diminuir o consumo  uma vez que não preocupa com o pleno emprego.

Historicamente toda mudança para o bem estar social esteve ligado a um  Estado que intervém em defesa de uma política mais justa, o que aconteceu na  prática nos países de raízes Europeias.

Refiro-me a um modelo de social democracia. A sociedade produtiva  capitalista, nunca referiu a esse fato como condição para o mundo contemporâneo,  desenvolvimento com justiça social.  Muito menos Smith elaborou tal  conceito em defesa do bem estar social.

Edjar Dias de Vasconcelos.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/as-ideias-de-adam-smith-6356459.html

    Palavras-chave do artigo:

    as ideias de smith

    ,

    adam smith

    Comentar sobre o artigo

    MARCUS EDUARDO DE OLIVEIRA

    Ninguém pode ignorar a economia por dois únicos e singelos motivos: o primeiro é que não há recursos suficientes para todos, visto que os desejos são ilimitados. A escassez, entendida como falha de mercado, é uma verdade inconteste. O segundo motivo é que todos nós fazemos parte da economia. E os mais diversos assuntos que envolve a economia também nos envolvem a cada momento.

    Por: MARCUS EDUARDO DE OLIVEIRAl Notícias & Sociedade> Polítical 13/08/2009 lAcessos: 892 lComentário: 1
    MARCUS EDUARDO DE OLIVEIRA

    A história dos tempos modernos é escrita em cima de fatos, personagens e acontecimentos. Isso envolve dois sentimentos: um é sonhar, o outro é viver. A contribuição de alguns nobres espíritos à história é recheada de descobertas, desilusões, grandezas, lutas revolucionárias, mas também de sangue, ódio, tristeza. Este texto trata de alguns desses sentimentos destacando suas personagens. Filosofia, História e Religião se mesclam num texto que faz reverência ao tempo moderno e a existência.

    Por: MARCUS EDUARDO DE OLIVEIRAl Notícias & Sociedade> Polítical 16/07/2009 lAcessos: 2,248 lComentário: 4
    Erika Schulman

    Este artigo é para você que está determinado a trabalhar com internet e para você que deseja aprimorar ou trocar conhecimentos. Como em um capítulo de livro vamos a princípio refletir sobre a importância do consumidor na internet.

    Por: Erika Schulmanl Negócios> Negócios Onlinel 09/03/2013 lAcessos: 30

    As relações entre o capital e o trabalho sempre fizeram parte de opiniões conflitivas entre os economistas. O presente trabalho pretende mostrar de modo simplificado como essas relações foram analisadas por economistas clássicos e marxistas partindo de seus autores originais.

    Por: Poti Chimetta Havrennel Educação> Ensino Superiorl 30/05/2012 lAcessos: 536

    A Autora trata dos gastos públicos sob um prisma filosófico, faz também uma retrospectiva histórica, com a finalidade de explicitar toda a evolução da exigência de qualidade e eficiência referente às finanças públicas, tanto quanto, sua importância no atendimento das necessidades sociais.

    Por: Suzana J. de Oliveira Carmol Direito> Doutrinal 05/12/2008 lAcessos: 916
    Gustavo Rocha

    Jim Collins no seu livro Good to Great conta uma parábola muito interessante sobre foco, visão e mercado. Para acabar com a sua dúvida, Hedgehog é uma palavra em inglês cuja tradução em português é porco-espinho. O conceito é verdadeiro tanto como conceito em si, como encontramos esta realidade em várias empresas, independente da área de atuação. Leia com atenção. Você é um porco-espinho ou uma raposa? Em seu famoso ensaio, O porco-espinho e a raposa, Isaiah Berlin dividiu a humanida

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 30/08/2011 lAcessos: 79

    Encontrar a medida de valor de mercado para o meio ambiente, suas coisas e seres é o objeto próprio da economia. Mais recentemente vem se convertendo em área de interesse do direito, assim como de diversas disciplinas implicadas com os estudos sobre o desenvolvimento sustentável. Eis porque o dilema de encontrar as medidas de valoração de bens e serviços ambientais, seja no planejamento, na execução de medidas positivas, seja nas medidas de mitigação, compensação, reparação ou indenização dos impactos sociais e ambientais deixa de ser problema de mera solução econômica.

    Por: Villi Seilertl Direitol 03/06/2009 lAcessos: 1,511

    Na intenção de concatenar idéias a ponto de vislumbrar John Maynard keynes como divisor d’água para o desenvolvimento da economia mundial, essa resenha foi divida em parágrafos com as teses dos destacados pensadores antecessores de Keynes juntamente a antítese de keynes a cada uma delas.

    Por: Ágatha Sthefanini Silva Ferreiral Finançasl 26/02/2008 lAcessos: 3,685 lComentário: 1

    Um dos principais objetos do Direito Econômico é disciplinar a intervenção do Estado no domínio econômico. É nosso objetivo no presente artigo mostrar de que forma o Direito Econômico norteia a atuação do Estado no domínio econômico, elucidar as razões que o levam a intervir, suas modalidades de atuação e os instrumentos que utiliza para tal.

    Por: marco antonio coelho de carvalhol Direitol 31/10/2011 lAcessos: 1,283

    Esta pesquisa apresenta uma análise sobre atuação do assistente social na Base Aérea de Boa Vista-BABV , tem como objetivo geral compreender a prática, as perspectiva e desafios do profissional Assistente Social na BABV, por meio deste foi definido três objetivos específicos, sendo desvelar os aspectos da história do Serviço Social no Brasil; Relatar a respeito da Força Aérea Brasileira: Espaço Sócio Ocupacional de atuação do assistente social e conhecer sua prática do profissional na BABV.

    Por: tamires almeidal Educação> Ensino Superiorl 21/08/2014
    Fábio Fabris

    A pesquisa teve como objetivo analisar a intensidade do ruído de uma sala de máquinas de refrigeração de um frigorífico do norte do Mato Grosso e, avaliar o conhecimento dos trabalhadores tem do seu ambiente laboral acerca dos malefícios causados pelo ruído.

    Por: Fábio Fabrisl Educação> Ensino Superiorl 17/08/2014

    O presente artigo busca mostrar que a avaliação se faz presente não só na identificação da perspectiva político-social, como também na seleção de meios alternativos e na execução do pretende-se realizar. Além disso destaca que todo o processo pedagógico escolar está permeado pela avaliação que se faz opção: o ato de planejar até a prática pedagógica.

    Por: monica rolim de moural Educação> Ensino Superiorl 16/08/2014

    Vou te mostrar nesse post como se proteger de plágio e de que forma você pode se beneficiar de um trabalho bem citado e sem problemas de cópia.

    Por: William Leitel Educação> Ensino Superiorl 16/08/2014
    Jonathas Rafael dos Santos

    Este artigo tem como enfoque defender que não é necessário um modelo regido por ideais hierárquicos e inflexíveis para se alcançar resultados satisfatórios no processo de aprendizagem. Para isso, fundamenta-se nos pressupostos teóricos de Jean Piaget, ressaltando as principais concepções da sua teoria e as suas devidas contribuições para a ciência. A saber, a compreensão do desenvolvimento intelectual e moral do sujeito.

    Por: Jonathas Rafael dos Santosl Educação> Ensino Superiorl 15/08/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O mundo poderia não ser o mundo. Tal ideia não é descabida. O universo poderia ser apenas aberto. Escuro e infinito. Interminavelmente. Em todos os aspectos. Em universos contínuos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 11/08/2014 lAcessos: 18

    A avaliação do GMAT é o resultado da conjugação de 4 notas distintas: redação em língua inglesa sobre um tópico que varia de 0 a 6, seção de raciocínio integrado, com 12 questões para serem feitas em 30 minutos, que oscila entre 0 e 8 e as notas individuais das seções quantitativa e verbal, que oscilam entre 0 e 60. Devido a limitações da forma de correção da prova, oscilam entre 6 e 51. O score mais comum do GMAT é uma conjugação desses dois últimos, resultando em uma nota entre 200 e 800.

    Por: Rita Iabrudil Educação> Ensino Superiorl 07/08/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A natureza do agnosticismo, como fonte da racionalidade defende como princÍpio intelectual a razão como único meio do conhecimento necessariamente suficiente, instrumento cognitivo elaborado na memória.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 04/08/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    No mundo. Existem apenas três realidades. Descritivas. É o que posso lhes dizer. A explicitação imponderável. De suas exegeses.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 21/08/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O mundo poderia não ser o mundo. Tal ideia não é descabida. O universo poderia ser apenas aberto. Escuro e infinito. Interminavelmente. Em todos os aspectos. Em universos contínuos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 11/08/2014 lAcessos: 18
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A natureza do agnosticismo, como fonte da racionalidade defende como princÍpio intelectual a razão como único meio do conhecimento necessariamente suficiente, instrumento cognitivo elaborado na memória.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 04/08/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Isso significa o entendimento da complexidade dos diversos universos, mas ainda não nasceram aqueles que farão a grande sistematização da nova era histórica, que superara as idades, moderna e contemporânea.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/07/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Muito menos Pessoa. O Fernando de Portugal. Quem deveria admirar. Uma ou outra poesia. Acontece que não sou. Eu mesmo. Sequer o Edjar. Edjar é o meu nome. Mas não o fundamento. Da minha hermética.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 08/07/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Platão fingira que ouvira Nietzsche e continuou sou pensador de respeito, tentei desmascarar o fundamento do mito daqueles que oprimiam e usavam o poder político para atingir interesses econômicos. Nunca acreditei nas reminiscências.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Línguasl 04/07/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O segundo axioma sustentado no princípio que a sensibilidade racional, recebe as impressões sensíveis. Sendo possível devido ao fato que a razão trabalha com formulações a priori, objetivadas em noções do tempo e do espaço, as denominadas sínteses anteriores.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 03/07/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A sabedoria por ilustração. Cegueira procedente. Os olhos turvos as extremidades. Relações complexas projetivas. Estruturas ôntica. O medo de ver os olhos. Acendendo a luz das estrelas. Um canto distante e sóbrio. O ordinário linguístico metafórico. Opiniático. Subjetividade recorrente.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 02/07/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast