As Ideias de Adam Smith

Publicado em: 14/12/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 53 |

Adam Smith.

1723- 1790.

Era escocês, filósofo e economista, após estudar bastante a respeito da  natureza do Estado a relação do mesmo com o modo de produção e qual o caminho  político, que levava a produção das riquezas.

Formulou a respeito da sua teoria da produção a principal tese em  defesa do liberalismo econômico. A não intervenção do Estado na economia.

Ele escreveu um livro de fundamental importância, ao que se refere a essa  questão, cujo título: Ensaio sobre as riquezas das nações. Como são produzidas  as riquezas de uma nação.

Qual é realmente a verdadeira fonte da produção das riquezas, a sua tese  principal qualquer forma de riqueza, resulta sempre pela produção desenvolvida  por meio do trabalho, a força operaria é à base da constituição das  riquezas.

Sem o trabalho não é possível o desenvolvido de uma nação, as riquezas não  são apenas naturais aos aspectos da natureza, elas são essencialmente produzidas  por um modelo de produção.

Isso em razão que as mesmas têm que necessariamente passar por um  processo de construção, a riqueza é, portanto, realizada, não existe a priori,  como algo apenas ligado a natureza.

Outro aspecto importante, desenvolvido no seu livro: Ensaio sobre a riqueza  das nações, ele formulou uma crítica veementemente a respeito da política  mercantilista.

Fundamentada principalmente na intervenção do Estado na economia, o que  ele critica como fator do não desenvolvimento de uma sociedade econômica.

A política formulada por um Estado, não deve orientar politicamente os  caminhos os quais o mercado deve seguir.

A função do Estado, não é determinar o desenvolvimento empresarial, o Estado  tem que existir exatamente com a finalidade de deixar o mundo da produção das  riquezas caminharem pela própria iniciativa privada.

O que se deve regular pelo livre jogo das leis de mercado. O Estado deve ser  minimamente, existir para cuidar de outros setores e não da produção de  riquezas.

Quando o Estado cumpre a sua função de ser pequeno e cuidar daquilo que  é da sua natureza, a sociedade produtiva-se desenvolve.

O mercado por si só regula a livre iniciativa e com o desenvolvimento  econômico produz na própria natureza da livre iniciativa a justiça social.

Como se fosse da objetividade do capitalismo promover desenvolvimento  econômico com justiça social. O capitalismo nunca teve essa preocupação e jamais  terá, porque o humanismo não é da natureza do capital.

Para Smith o trabalho em si, representa a verdadeira fonte da riqueza, mas  esse trabalho como a grande fonte do desenvolvimento de uma nação tem que ser  orientado pela iniciativa privada.

Esse é o único caminho capaz de levar ao pleno desenvolvimento de uma nação.  Só que o capitalismo, nunca esteve preocupado com a miséria do homem. 

A grande crítica que se deve fazer a Smith, primeiro que o desenvolvimento  econômico capitalista, nunca esteve comprometido com nenhuma ideologia humanista  e, sobretudo, com o bem social.

A tendência do livre mercado é maximizar o lucro e diminuir o consumo  uma vez que não preocupa com o pleno emprego.

Historicamente toda mudança para o bem estar social esteve ligado a um  Estado que intervém em defesa de uma política mais justa, o que aconteceu na  prática nos países de raízes Europeias.

Refiro-me a um modelo de social democracia. A sociedade produtiva  capitalista, nunca referiu a esse fato como condição para o mundo contemporâneo,  desenvolvimento com justiça social.  Muito menos Smith elaborou tal  conceito em defesa do bem estar social.

Edjar Dias de Vasconcelos.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/as-ideias-de-adam-smith-6356459.html

    Palavras-chave do artigo:

    as ideias de smith

    ,

    adam smith

    Comentar sobre o artigo

    MARCUS EDUARDO DE OLIVEIRA

    Ninguém pode ignorar a economia por dois únicos e singelos motivos: o primeiro é que não há recursos suficientes para todos, visto que os desejos são ilimitados. A escassez, entendida como falha de mercado, é uma verdade inconteste. O segundo motivo é que todos nós fazemos parte da economia. E os mais diversos assuntos que envolve a economia também nos envolvem a cada momento.

    Por: MARCUS EDUARDO DE OLIVEIRAl Notícias & Sociedade> Polítical 13/08/2009 lAcessos: 899 lComentário: 1
    MARCUS EDUARDO DE OLIVEIRA

    A história dos tempos modernos é escrita em cima de fatos, personagens e acontecimentos. Isso envolve dois sentimentos: um é sonhar, o outro é viver. A contribuição de alguns nobres espíritos à história é recheada de descobertas, desilusões, grandezas, lutas revolucionárias, mas também de sangue, ódio, tristeza. Este texto trata de alguns desses sentimentos destacando suas personagens. Filosofia, História e Religião se mesclam num texto que faz reverência ao tempo moderno e a existência.

    Por: MARCUS EDUARDO DE OLIVEIRAl Notícias & Sociedade> Polítical 16/07/2009 lAcessos: 2,292 lComentário: 4
    Erika Schulman

    Este artigo é para você que está determinado a trabalhar com internet e para você que deseja aprimorar ou trocar conhecimentos. Como em um capítulo de livro vamos a princípio refletir sobre a importância do consumidor na internet.

    Por: Erika Schulmanl Negócios> Negócios Onlinel 09/03/2013 lAcessos: 37

    As relações entre o capital e o trabalho sempre fizeram parte de opiniões conflitivas entre os economistas. O presente trabalho pretende mostrar de modo simplificado como essas relações foram analisadas por economistas clássicos e marxistas partindo de seus autores originais.

    Por: Poti Chimetta Havrennel Educação> Ensino Superiorl 30/05/2012 lAcessos: 771

    A Autora trata dos gastos públicos sob um prisma filosófico, faz também uma retrospectiva histórica, com a finalidade de explicitar toda a evolução da exigência de qualidade e eficiência referente às finanças públicas, tanto quanto, sua importância no atendimento das necessidades sociais.

    Por: Suzana J. de Oliveira Carmol Direito> Doutrinal 05/12/2008 lAcessos: 930
    Gustavo Rocha

    Jim Collins no seu livro Good to Great conta uma parábola muito interessante sobre foco, visão e mercado. Para acabar com a sua dúvida, Hedgehog é uma palavra em inglês cuja tradução em português é porco-espinho. O conceito é verdadeiro tanto como conceito em si, como encontramos esta realidade em várias empresas, independente da área de atuação. Leia com atenção. Você é um porco-espinho ou uma raposa? Em seu famoso ensaio, O porco-espinho e a raposa, Isaiah Berlin dividiu a humanida

    Por: Gustavo Rochal Negóciosl 30/08/2011 lAcessos: 88

    Encontrar a medida de valor de mercado para o meio ambiente, suas coisas e seres é o objeto próprio da economia. Mais recentemente vem se convertendo em área de interesse do direito, assim como de diversas disciplinas implicadas com os estudos sobre o desenvolvimento sustentável. Eis porque o dilema de encontrar as medidas de valoração de bens e serviços ambientais, seja no planejamento, na execução de medidas positivas, seja nas medidas de mitigação, compensação, reparação ou indenização dos impactos sociais e ambientais deixa de ser problema de mera solução econômica.

    Por: Villi Seilertl Direitol 03/06/2009 lAcessos: 1,526

    Na intenção de concatenar idéias a ponto de vislumbrar John Maynard keynes como divisor d’água para o desenvolvimento da economia mundial, essa resenha foi divida em parágrafos com as teses dos destacados pensadores antecessores de Keynes juntamente a antítese de keynes a cada uma delas.

    Por: Ágatha Sthefanini Silva Ferreiral Finançasl 26/02/2008 lAcessos: 3,698 lComentário: 1

    Um dos principais objetos do Direito Econômico é disciplinar a intervenção do Estado no domínio econômico. É nosso objetivo no presente artigo mostrar de que forma o Direito Econômico norteia a atuação do Estado no domínio econômico, elucidar as razões que o levam a intervir, suas modalidades de atuação e os instrumentos que utiliza para tal.

    Por: marco antonio coelho de carvalhol Direitol 31/10/2011 lAcessos: 1,411

    O número expressivo de candidatos que não recebeu nota na Redação da prova do Enem 2014, mais de quinhentos mil, quase dez por cento do total de inscritos, surpreendeu e assustou todos os brasileiros interessados em educação e no futuro do país.

    Por: Julia Nascimentol Educação> Ensino Superiorl 20/01/2015 lAcessos: 15
    Dirce Porto

    Este artigo foi elaborado para atividades de trabalhos acadêmicos pela Universidade Americana de Asunción/Paraguai.Tendo como Orientadora Dra. Rosângela Lemos da Silva e Autores Dirce Porto da Silva Francisco Humberto de Araújo e Nelilda Ormond Braga É primordial a demonstração por parte de docentes e acadêmicos, quanto a trilhar os caminhos que conduzirão a um modelo de educação mais humanizado e voltado à descoberta de novos meios de aquisição do conhecimento, Boa Sorte. A Autora

    Por: Dirce Portol Educação> Ensino Superiorl 19/01/2015
    Maria Elena Guimarães Regiani

    Atualmente a palavra inclusão tem realmente tomado conta dos espaços principalmente das mídias, já virou um modismo muito discutido no momento, pelos governantes. As escolas, professores e funcionários estão preparados para acolher e aceitar pessoas "deficientes" ou "diferentes", portadoras de necessidades especiais? Esses questionamentos levaram à escolha deste tema "A inclusão de portadores de necessidade especiais nas séries iniciais". Certamente que muito já evoluímos na busca da defesa e ga

    Por: Maria Elena Guimarães Regianil Educação> Ensino Superiorl 19/01/2015 lAcessos: 42
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Separação dos poderes, fundamental em relação à vida ao Estado político. A liberdade consiste basicamente em fazer tudo em que a ler permitir.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Não sou anticapitalista. Muito menos a princípio do favor do socialismo. Até porque a questão não está em nenhum dos sistemas. Analiticamente. Qual é hoje a primeira economia do mundo. A China cujo regime de produção é socialista. Qual é segunda economia do mundo. Praticamente empatada tecnicamente. Com a primeira economia do mundo. Os Estados Unidos da America. Cuja economia é neoliberal. Em uma análise fria. Ambas as economias vivem à custa de um amontoado de pobres.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 18/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A origem de tudo. Remonta-se ao nada. A ausência substancial é a lei. De todos os fundamentos. Das coisas existentes e não existentes. Com efeito, qual o é princípio. A inexistência. A explicação é cientificamente irracional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 16/01/2015

    Estão abertas as inscrições para as novas turmas do curso de pós-graduação em Gestão com ênfase em Franquias da ESPM-RJ em parceria com a Associação Brasileira de Franchising Rio de Janeiro (ABF Rio).

    Por: Flávia Gaviolil Educação> Ensino Superiorl 16/01/2015
    Flávia de Almeida

    A Filosofia consiste na busca do conhecimento proveniente da autonomia do indivíduo, na qual é relacionada e movida por indagações, conduzindo o ser a novas descobertas, nesse sentido, a mesma meramente não se limita a um determinado conceito (para que não seja um dogma), mas sim, está aberta a novas interpretações de fatos sociais apresentados no geral.

    Por: Flávia de Almeidal Educação> Ensino Superiorl 13/01/2015 lAcessos: 15
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Separação dos poderes, fundamental em relação à vida ao Estado político. A liberdade consiste basicamente em fazer tudo em que a ler permitir.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Não sou anticapitalista. Muito menos a princípio do favor do socialismo. Até porque a questão não está em nenhum dos sistemas. Analiticamente. Qual é hoje a primeira economia do mundo. A China cujo regime de produção é socialista. Qual é segunda economia do mundo. Praticamente empatada tecnicamente. Com a primeira economia do mundo. Os Estados Unidos da America. Cuja economia é neoliberal. Em uma análise fria. Ambas as economias vivem à custa de um amontoado de pobres.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 18/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A origem de tudo. Remonta-se ao nada. A ausência substancial é a lei. De todos os fundamentos. Das coisas existentes e não existentes. Com efeito, qual o é princípio. A inexistência. A explicação é cientificamente irracional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 16/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Un moment de joie. Par la suite. Provoque le plus de douleur. Pour celui qui était le produit de bonheur. Tristesse, désespoir et le découragement. Mais le moment éphémère semble sans fin. Shine particules de photons d'hydrogène. Les dieux ne comprennent pas le sens de l'idéologie. En ce qui concerne la nature spécifique du monde. Un cri de soulagement sourire sans fin dans ses yeux. Les cœurs tremblent d'émotion. Réalisation de charme de la contemplation indescriptible.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 14/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Em síntese o livro é muito ruim. O autor com pensamento direitista. Age como um pastor pentecostal pregando. Fazendo uso de uma exegese não científica. Fundamentalismo de direita. Denomina-se filósofo sem conhecimento profundo. Dos termos técnicos da Filosofia crítica moderna. Desconhece os fundamentos. Das Ciências da natureza e do espírito. Confunde como se fosse a mesma acepção. Típico de um neopositivista bitolado.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 13/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Recordo-me de tudo. Em Itapagipe Minas Gerais. Da fazenda Serra da Moeda. Dos rios e da floresta. Das tardes quentes de verão. Da chuva. Do cavalo. De um jipe azul de fabricação inglesa. Dos avôs, tios e tias. Irmão e irmãs. Recordo-me quando tinha tudo. Não precisa pensar em nada. Eles pensavam por mim. Cuidavam da minha pessoa. Só tinha que respirar o ar. E sentir o brilho do sol.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 12/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Origem poloco-germana. 1870-1919. Revolucionária. Doutora em economia política. Filósofa e escritora de renome. Defensora do marxismo intransigente. Formulou críticas fortes. Contra alguns teóricos do seu tempo. Entre eles destacamos. Eduard Bernstein 1850-1932. Karl Kautsky 1854-1938. Em relação ao filósofo Bernstein. Rosa de Luxemburgo. Criticou veementemente.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 10/01/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Três exuberantes filósofos alemães. Bernstein 1850-1932. Karl Kautsty 1854-1938. Gênios da Filosofia. Ambos socialistas. Portanto, marxistas. Entretanto, diferenciavam ente si. Como estratégia política. Para chegar ao socialismo. Karl Marx 1818-1883. Em um aspecto eram comuns. Todos desejavam o socialismo. Marx pela revolução armada. Implantação da ditadura do proletariado.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 10/01/2015
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast