Biblioterapia como apoio no tratamento de pessoas hospitalizadas

Publicado em: 30/06/2013 |Comentário: 0 | Acessos: 46 |

ALBUQUERQUE, Rejany; SOUZA, Wanessa; XAVIER, Vanuire.

Resumo: Este artigo trata de um assunto que se relaciona entre duas áreas bastante importantes: Saúde e educação. Partindo do conceito de biblioterapia, foram estudadas diversas formas de desenvolvimento desta convergência entre tratamento hospitalar e leitura como forma de abrandamento da situação de internação, sublimação da realidade e diminuição da ansiedade de quem está em necessidade de cuidados médicos.

Palavras chave: Biblioterapia; Educação; Sublimação; Leitura; Hospitais

Abstract: This article deals with a subject that relates between two very important areas: health and education. Based on the concept of bibliotherapy, various forms of development of this convergence between hospital treatment and reading were studied, as a way of easing the situation of hospitalization, sublimation of reality and decreasing anxiety of those who are in need of medical care.

Keywords: Bibliotherapy; Education; Sublimation; Reading; Hospitals

1 Introdução

Este trabalho visa demonstrar a importância da leitura em hospitais, tanto para a recuperação mais rápida e menos traumática quanto para a formação de novos leitores que levarão o interesse pela atividade por toda sua vida. Com base em estudos de especialistas das áreas da saúde e também de educação. Ler tem a capacidade de distrair a criança, permitir que ela solte sua imaginação e se transporte daquele ambiente tão frio para o lugar em que desejar, esta criatividade é típica da criança, porém em situação de internação medo e a ansiedade bloqueiam a imaginação dela.

Buscamos saber qual o impacto na vida dos pacientes tanto na questão fisiológica quanto no desenvolvimento educacional. Faremos os estudos através de pesquisas em livros, sites, entrevistas com especialistas: médicos; pedagogos; professores, conversas com as crianças em tratamento.

Os benefícios da leitura para pacientes internados em hospitais passou a ser muito discutida, nos últimos 20 anos, porém já é uma prática existente desde os tempos dos Faraós. Este tipo de apoio no tratamento é denominado Biblioterapia. Através do hábito de ler as pessoas compreendem um pouco de seus problemas, enfrentam suas crises existenciais.

Conforme explica Seitz (2006), a Biblioterapia é um programa de atividades selecionadas, envolvendo materiais de leitura para problemas emocionais e outros. Outrossim, sabe-se que a leitura proporciona prazer e conforto, contribuindo para o bem-estar físico e mental das pessoas. E, também, estudos mostram a aplicação da Biblioterapia, com sucesso, em hospitais psiquiátricos e em casas de repouso. Não obstante, é desconhecida sua aceitação por pacientes internados em clínicas médicas.

Tendo meios de entretenimento, parece que as situações, como uma espera em cabeleireiro, por uma ligação importante ou um dia especial sempre passam mais rápido, ou pelo menos fica mais simples suportar a ânsia daquele momento. Para uma pessoa hospitalizada isto também pode ajudar, até na sua recuperação. Pois, felicidade, vontade de viver, autoestima elevada ajudam que a imunidade mantenha bons níveis. O paciente passa a ver o hospital com outros olhos.

Além dos benefícios para a cura do paciente existe também a possibilidade de mantê-lo mais próximo à escola. A criança quando pode ler, escrever e até acompanhar a matéria dada pelos professores em sua escola regular, não se sente angustiada pela perda das lições.

2 Referencial teórico

Na concepção de Lipp (1991) a pressão causada pelo ambiente hospitalar e até mesmo as intervenções terapêuticas e a retirada do ambiente de convívio normal, são fatores a se considerar, visto que desencadeiam irritabilidade ou retraimento na criança, podendo levar a uma piora no quadro.

Estudos feitos pela Fundação Abrinq, uma Organização Não Governamental "amiga da criança", demonstraram a importância da leitura nos hospitais. Além de ser uma das melhores formas de enriquecimento cultural e de criar hábito de ler, também ajuda na recuperação dos pacientes enquanto estão internados. Nestes ambientes as pessoas saem de suas rotinas, devido ao tratamento, as crianças que não podem brincar, ficam ansiosas, carentes e também passam muito tempo sem ocupações, o que as faz concentrar mais atenção na doença.

Destacamos a leitura como uma estratégia de cuidar lúdico que pode ser aplicada pela enfermagem no cuidado à criança, no sentido de ajudá-la na adaptação à sua realidade, servindo como uma ‘linha de fuga'. Os resultados apontam que, em geral, as crianças não gostam do fato de estarem internadas no hospital. Observa-se que os únicos momentos em que elas aceitam melhor esse processo são aqueles em que: ouvem estórias, participam da recreação, e quando os ‘Doutores da alegria' estão presentes no hospital.

 Como muitas crianças não podem freqüentar a recreação, por conta de fatores como idade e tratamento, a leitura mediada no leito acaba sendo uma importante estratégia para contornar essa condição, trazendo momentos de alegria e distração para a criança.

O fato de a criança ter alguém para ler com ela torna a hospitalização mais aceitável. Cria um ambiente de atenção e carinho, mudando a posição dos pais que antes eram expectadores da internação e até mesmo da doença dos filhos, tornando-os aptos para escreverem esta história junto a eles, vencendo este capítulo de maneira mais fácil para eles e também para o paciente.

Contar histórias para crianças hospitalizadas: relato de uma estratégia de humanização afirma que: "Esta estratégia de humanização, para a saúde infanto-juvenil, aliviou tensões e ansiedades e propiciou momentos de entretenimento, favoráveis à evolução clínica satisfatória. Em alguns casos pareceu ter conseguido transformar a família em co-participante do processo de cura da criança enferma e não apenas em um mero espectador. Adicionalmente, favoreceu o hábito e/ou o desenvolvimento do processo de construção da leitura. (BROCA,  MENDES,, FERREIRA, 2009)

O Dicionário Aurélio define como paciente- "1. Resignado, conformado. 2. Que espera um resultado. 3. Que persevera na continuação de uma tarefa lenta e difícil. 4. Que é feito com paciência. 5. Pessoa que padece; doente."-. Esta imagem não condiz, na maioria das vezes com a de uma criança cheia de energia, mas que, por algum motivo necessita de cuidados médicos.  Com a expectativa de mudar esta realidade que geralmente é triste para as crianças, são desenvolvidos projetos que promovam a leitura, escrita e brincadeiras como formas de obter a cura mais rapidamente, assegurar à criança seu direito à educação e garantir a formação de novos leitores.

Porém, esta técnica não é recente, a Biblioterapia, como é conhecida a forma terapêutica que envolve os livros na recuperação. Conforme afirma Alves (1982), apud Seitz segundo a História ela começou com o faraó egípcio Ramsés II mandou gravar na parede de sua biblioteca a inscrição "Remédio para a alma", pois acreditava na cura através do ato de ler.

 Ao final do século XVIII, instituições humanitárias, notadamente, o Pinel na França, o Chiarugi na Itália e o Tuke na Inglaterra, ofereceram aos pacientes a leitura como forma de entretenimento, na tentativa de melhorar seu estado clínico. Apenas no século XIX é que a biblioterapia adquire sua maior intensidade, no ambiente hospitalar de forma mais especializada. Por volta da primeira metade do século XIX, médicos americanos já indicavam a leitura como uma das melhores receitas para pessoas hospitalizadas.

Os autores Fonseca e Ceccim (1999) abordam o assunto e esclarecem que, a partir da segunda metade do século XX, observou-se que, em países desenvolvidos, como Inglaterra e Estados Unidos, orfanatos, asilos e instituições que prestavam assistência a crianças violavam aspectos básicos do desenvolvimento emocional delas, por falta de atendimento integral.  Concluiu-se igualmente que tais lacunas apresentavam o risco de seqüelas as quais, na vida adulta, poderiam evoluir para condições psiquiátricas sérias.

 Desta conclusão surgiu a iniciativa de implementar experiências educativas para crianças e jovens internados.  Com a passagem do tempo, a providência foi também incorporada a hospitais brasileiros, com o mesmo objetivo dos países pioneiros. Apesar da importância deste trabalho ainda percebemos que o Brasil não dá muita atenção para este direito que é o acesso à educação, deixa prejudicada a justiça social.

Ratton, 1975, explica sobre a  biblioterapia,

 é indicada, sobretudo para crianças que necessitem permanecer afastadas de seu ambiente familiar – em creches e hospitais. É interessante ressaltar que a criança se sente fragilizada, principalmente quando seus familiares não podem permanecer ao seu lado. O desconforto presente nestes casos pode ser aliviado com as sessões de leitura e atividades auxiliares. A criança, estimulada pela novidade, acabará viajando num mundo de fantasias e aventuras, cuja ferramenta-chave é o livro. A ampliação do ambiente e a possibilidade de experimentar sentimentos e emoções em completa segurança são os maiores benefícios proporcionados às crianças pelo livro. (RATTON, 1975, p.208)

Esta prática contraria a afirmação de Roger Chatier, que não acredita na capacidade da leitura de transportar a criança para outros mundos, porém neste caso as pesquisas comprovam que elas sentem-se mais felizes, menos solitárias, pois os personagens dos livros estão com elas e também as estórias as levam a passear em um novo ambiente.

Pesquisas que utilizamos neste trabalho comprovam a eficácia da leitura em hospitais, ela teve resultados positivos em que as crianças se mantiveram atentas, felizes, entusiasmadas, receptivas, como foram classificados os comportamentos, apenas 3% estiveram dispersas durante as atividades. Foi demonstrado que o mundo lúdico serviu como espécie de "fuga" como a autora afirma para que as crianças fiquem mais satisfeitas durante a internação. Esta prática auxilia no tratamento de crianças, quebram a rotina e ajudam a amenizar o medo dos procedimentos.  (MORENO, R. L. M., DINIZ, R. L. P., MAGALHÃES, E. Q., SOUZA, S.M.P.O, SILVA, M. S. A, 2003)

         - O leitor/ouvinte se envolve com a trama e/ou com o personagem da história (envolvimento), promovendo a identificação. Ao identificar-se, pode reconhecer e vivenciar de forma vicária seus sentimentos característicos. Os problemas resolvidos com sucesso farão com que o indivíduo realize uma tensão emocional associada aos seus próprios problemas, atingindo a catarse. Desta forma, pode chegar ao insight, que leva o leitor/ouvinte a aplicar o que aconteceu na história à sua vida pessoal. 
A semelhança do problema da história leva à aproximação da vida pessoal, tornando-o acessível, atingindo uma etapa final, que seria a universalidade, onde se podem compreender outros problemas similares. (PAIVA, nd, np)

3 Desenvolvimento

Um exemplo positivo deste tipo de trabalho é o estado do Piauí. O Hospital Infantil Lucidio Portella, em que o lema é: "Um mundo de fantasia contribui para a recuperação". Esta iniciativa é citada em grande parte dos materiais encontrados sobre o assunto, a partir deste espaço, criado em 2005, que incentiva à leitura, escrita e brincadeira muitos outros ambientes para recreação e aprendizado foram instalados no estado. "Geramos um mundo de fantasia, que possa contribuir para a recuperação da criança internada", explica a pedagoga Crizantina Barros Monturil Costa, responsável pelo projeto.

Segundo dados do Ministério da Educação existem pelo país cerca de 70 "classes hospitalares". O projeto de educação em hospitais que começou um pouco hostilizado, sob a acusação de atrapalharem o tratamento das crianças que estavam muito doentes. Hoje vêm ganhando novos adeptos, educadores, profissionais da saúde, pois a criança em internação sente-se angustiada por não estar frequentando as aulas, tem medo de perder o ano e de chatear aos pais, ou ainda ficar atrás dos amigos.

A criação destes espaços em hospitais é resultado do reconhecimento de que as crianças em tratamento, mesmo que dentro dos hospitais, independentemente do período de permanência ou de outro fator qualquer, têm necessidades direitos de cidadania, onde se inclui a continuidade de sua educação escolar.

A Associação Viva e Deixe Viver faz um trabalho em hospitais que estimulam atividades criativas. Contribuem para a humanização do sistema de saúde, levam aos pacientes uma forma de comunicação mais sensível, tornam o cotidiano hospitalar mais parecido com o ambiente fora do hospital. Este projeto desenvolve a cultura com o objetivo de estimular à leitura e o brincar; através ação lúdica dos "contadores de história" Que são voluntários que lêem, divertem e convivem com as crianças.

História da Associação:

"Desde 1993 o fundador da Associação, Valdir Cimino, contribuía com as crianças do Hospital Emílio Ribas de diversas formas, mas com o passar do tempo, decidiu conhecer quem eram estas pessoas que ele auxiliava. Percebeu que as crianças sentiam muito medo devido à hospitalização e, desta forma, surgiu o desejo de transformar este ambiente: resolveu ler para elas. Em agosto de 1997, iniciou suas atividades no hospital e em 1998 outras pessoas interessadas em atuar como voluntários passavam por uma entrevista com uma psicóloga. A partir de então, tornou-se de grande relevância para a Associação uma capacitação e seleção de seus voluntários. Atualmente, nossos voluntários são capacitados e instrumentalizados com livros para promover e incentivar a leitura nos hospitais e familiarizar a criança com o livro. A ação dos voluntários promove, também, a humanização hospitalar em mais de 50 hospitais no Brasil, sendo a maioria instituições públicas. As crianças atendidas encontram-se fragilizadas, longe do convívio familiar e do ambiente escolar. Neste sentido, o contador de histórias, além de oferecer entretenimento, leva cultura e estimula o hábito da leitura. Nosso diferencial é o incentivo à leitura e à cultura e o resgate da tradição da arte de contar histórias. Assim, o voluntário, em sua essência, transmite alegria, participação, oferece o seu exemplo, possibilita a oportunidade de outras pessoas fazerem também as suas descobertas, utilizarem seus talentos e serem mais felizes contar histórias. Assim, o voluntário, em sua essência, transmite alegria, participação, oferece o seu exemplo, possibilita a oportunidade de outras pessoas fazerem também as suas descobertas, utilizarem seus talentos e serem mais felizes".

Os projetos não visam somente à melhora do quadro clínico do paciente, mas também a formação de novos leitores como é o trabalho denominado "Livro-Livre" foi desenvolvido na cidade de Garça, interior de São Paulo, a partir para atender a demanda de informação e lazer de usuários de entidades assistenciais e hospitalares. O trabalho é realizado devido à dificuldade das pessoas internadas apresentam em se envolver com atividades de informação e entretenimento, seja pela debilidade física, mental ou mesmo escassez de tempo, no caso dos funcionários.

"Baseado em estudos recentes comprovou-se também a importância da leitura no auxílio a tratamentos terapêuticos, oferecendo aos internos momentos agradáveis e menos traumáticos durante o tratamento ou permanência nas entidades. O diferencial do projeto "Livro-Livre" entre os demais de Caixa-Estante, é que este visa não somente a democratização da leitura e o estímulo ao hábito de ler, mas vai muito além, ao elevar a leitura à categoria de método alternativo de terapia, capaz de amenizar a solidão dos internos, devido à ausência familiar, ou o sofrimento causado por determinados tratamentos médicos", afirma Rosane Fagotti Voss, responsável pelo projeto. 

Como forma de conhecimento prático do assunto, visitamos o Hospital Regional de Assis, que possui uma biblioteca à disposição dos pacientes, funcionários e acompanhantes. Uma construção pequena, ainda com poucos livros, porém já considerada um sucesso pela coordenadora do projeto Margarete Nóbile Ribeiro. "Temos em torno de 500 visitas por mês em nossa biblioteca, isto é muito bom às pessoas podem preencher o tempo ocioso com leitura e isto é muito bom. Os pacientes gostam muito da opção de ler enquanto estão internados, vemos que este fato ajuda muito."

"A Instituição tem de oferecer produtividade e qualidade, isto é fundamental para nós. Cabe ao Hospital ter a responsabilidade de oferecer qualificação e também entretenimento para quem passa por aqui. A biblioteca é um centro de conhecimento que é muito bem aceita é uma forma de enriquecimento cultural para todos, inclusive nossos profissionais lêem e emprestam livros de ordem acadêmica para serem utilizados em pesquisas e os internos e acompanhantes também freqüentam a biblioteca e procuram leituras de contos e romances. Contamos com um acervo de aproximadamente 860 exemplares doados com importante participação dos funcionários, clientes e comunidade. Temos uma pessoa responsável que se incumbe da organização, catalogação e cessão dos livros para aqueles que os buscam, bem como, a disponibilizar à pacientes acamados, através de visitas aos leitos."

No mesmo hospital existe o programa "A hora do conto" que acontece todas às segundas-feiras às quatorze horas. O programa é executado da seguinte forma; crianças de escolas públicas, orientadas por acadêmicos da Universidade Estadual de São Paulo (UNESP) vêem para o hospital trazendo com elas textos verbais e não verbais para contar estórias de suas autorias ou de autores orientado pelos acadêmicos. As crianças entram nos quartos dos internos se apresentam e começam a contar a estória. Os internos já se sentem melhor apenas com a visita, pois muitos deles não recebem visitas nem de familiares, mas quando as crianças contam estórias esses pacientes são remetidos ao mundo maravilhoso da imaginação tornando seus momentos dentro do hospital mais amenos.

Os contadores de estórias têm permissão de entrarem até mesmo nos Centro de Terapia Intensiva (UTI) onde agem da mesma forma. Segundo Margarete existe relato de um paciente que após recobrar a consciência lembrou-se da estória contada pela criança e inclusive relatou parte do que ouviu enquanto inconsciente, o que gerou grande comoção naqueles que participam do projeto.  

5 Conclusão

Concluímos com a pesquisa, tanto a parte teórica, quanto a prática, que a biblioterapia é um meio eficaz no apoio àqueles em situação de internamento e em idade escolar. São percebidas melhoras em suas condições de saúde e nas escolares também. Outro bom resultado é na formação de novos leitores, visto que os pais e acompanhantes das crianças, às vezes serão os responsáveis por contar as histórias para as crianças.

            Segundo Caldin (2001, p. 5)  a biblioterapia é, definida como leitura dirigida e discussão em grupo que favorece a interação entre as pessoas, levando-as a expressarem seus sentimentos: os receios, as angústias e os anseios. Dessa forma, o ser humano poderá compartilhar de seus sentimentos uns com os outros, afim de que ambos tenham seus problemas solucionados.

Esta prática permite a sublimação daquele ambiente hostil, daquela situação difícil, para o que os livros tem a oferecer. Isto Orsini (1982) reforça que, a leitura neste contexto hospitalar, pode ajudar o próprio diagnostico do paciente. Na prevenção do aparecimento de novas doenças e na diminuição dos problemas pessoais. Isto, visto que ela facilita que a pessoa em internamento possa falar melhor sobre as suas dificuldades, baseadas nas histórias dos livros.  

6 Referências

BROCA, P.,  MENDES, L. R., FERREIRA, M. A.  A leitura mediada como estratégia de cuidado lúdico: contribuição ao campo da enfermagem fundamental.Esc. Anna Nery vol.13 no.3 Rio de Janeiro July/Sept. 2009

CALDIN, C. F. A leitura como função terapêutica: biblioterapia. Encontros de

 n. 12, dez. 2001. Disponível em:. Acesso em 16/06/2013

CHARTIER, Roger. Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade. 1996.

CIMINO, Valdir. Era uma vez...http://www.vivaedeixeviver.org.br/. Acesso em: 30/09/2012.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988, p. 214.

FONSECA, E. e CECCIM, R. Atendimento pedagógico-educacional hospitalar:

 promoção do desenvolvimento psíquico e cognitivo da criança hospitalizada. Revista Temas sobre Desenvolvimento, São Paulo, v.7, no 42, pp.24-36, jan./fev., 1999.

LIPP, M. N. Como enfrentar o stress infantil. São Paulo: Ícone, 1991.

MORENO, R. L. M., DINIZ, R. L. P., MAGALHÃES, E. Q., SOUZA, S.M.P.O, SILVA, M. S. A, 2003. Contar histórias para crianças hospitalizadas: relato de uma estratégia de humanização.  Disponivel em: http://www.pediatriasaopaulo.usp.br/upload/html/593/body/04.htm. Acesso em: 17/06/2012.

ORSINI, Maria Stella. O uso da literatura para fins terapêuticos: biblioterapia. Comunicações e Artes, n. 11. 1982.

PAIVA, L. E. Biblioterapia.A arte de falar da morte: a literatura infantil como recurso para ser abordado com crianças e educadores. Disponível em http://www.luceliapaiva.psc.br/biblioterapia.html. Acesso em 27/08/2012.

RATTON, A. M. L. Biblioterapia. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 4, n. 2, p. 198-214, set. 1975.

SEITZ, A. L. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v.11, n.1, p. 155-170, jan./jul., 2006.

www.fundabrinq.org.br/‎. Acesso em : 07/11/2012. 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/biblioterapia-como-apoio-no-tratamento-de-pessoas-hospitalizadas-6660965.html

    Palavras-chave do artigo:

    biblioterapia

    ,

    educacao

    ,

    sublimacao

    Comentar sobre o artigo

    RESUMO Este artigo trata da comunicação dentro das organizações de recreação, pretende demonstrar a importância que tem esta forma de comunicação, como também subsidiar clubes de lazer na projeção e implementação de uma política de comunicação interna, gerando melhorias e satisfação na realização dos trabalhos executados tanto por colaboradores como gestores. Para um melhor conhecimento foi realizada uma pesquisa exploratória, em forma de questionário com perguntas abertas e fechadas, de livre

    Por: Francisca Leidiana Freitasl Educação> Ensino Superiorl 15/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O que foi. Ato Institucional AI 5. Medida jurídica de exceção. Contra o Estado de Direito. Com a finalidade de preservar. O Regime Militar. Evitar a redemocratização da nação. Portanto, um ato de natureza fascista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 14/10/2014 lAcessos: 15

    O 7º Congresso Paranaense dos [e das] Jornalistas, realizado entre 07 e 09 de março, foi uma oportunidade para levantar inúmeras discussões sobre os principais desafios e perspectivas da categoria profissional na contemporaneidade. E o estágio em jornalismo certamente esteve entre os temas mais aflorados no encontro que reuniu uma gama de profissionais, professores e estudantes de jornalismo de todo o Paraná, além de convidados de outros estados.

    Por: Central Pressl Educação> Ensino Superiorl 13/10/2014
    Maria Elena Guimarães Regiani

    Relação Professor Aluno Tem-se detectado resultados de formandos universitários com um nível não suficiente para sua formação profissional – problema este, que justifica o tema escolhido, pois é sabido que as relações interpessoais em docentes e discentes podem fazer a diferença de um bom ou mau aprendizado. Desta feita se definiu como objetivo central deste estudo, identificar a relação professor/aluno no ensino superior, embora a maior dificuldade na elaboração tenha sido a escassa literatura

    Por: Maria Elena Guimarães Regianil Educação> Ensino Superiorl 12/10/2014 lAcessos: 49
    Edjar Dias de Vasconcelos

    As sombras despontam no ar. São nuvens pesadas. Um pesadelo, um pesadelo, um pesadelo. Acepção da conspiração. As luzes serão apagadas. O universo inteiro congelará. O brilho do hidrogênio. Transfará em brasa. Eles serão queimados.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 11/10/2014

    Vejamos casos de proporções em equações: (2,1) 2x+3y=7 3x+2y=8 Somasse as igualdades.7+8=15 Em seguida divide-se com a soma da equação . 15:5:2=6 será o cruzamento do 2. 15:5:3=9 será o cruzamento do 3.

    Por: Edvaldo moraisl Educação> Ensino Superiorl 09/10/2014 lAcessos: 12
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Gemidos perdidos. Amanha o sol vai descer. Entre as montanhas. As árvores ficarão coloridas. A energia provocará a primavera. Mas das flores não nascerão. O encantamento das pétalas. Apenas o desabrochar contínuo. De cada estação. O murmúrio perturbador. Da mais doce ilusão.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    No século XI havia nas Ilhas Britânicas, quatro reinos, denominados: Escócia, país de Gales e Irlanda. Composta por celtas, a Inglaterra, propriamente formada por povos anglo saxões.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 06/10/2014 lAcessos: 15

    Análise do livro didático é uma atividade a qual os docentes devem se dedicar, visto o tamanho da diversidade de materiais e possibilidades de abordagem. Neste caso foi analisado um livro didático de Ensino Médio, na disciplina de Literatura.

    Por: Vanuire de Almeida Xavierl Educação> Línguasl 16/07/2013 lAcessos: 388

    A análise do livro didático é uma atividade que deve ser promovida constantemente pelo professor, a fim de melhorar sempre sua prática docente. Escolher o melhor material a aplicar em sala de aula, mais do que isto, saber discernir os que abordam os conteúdos da melhor forma possível. Este estudo buscou analisar o livro didático Trajetórias da palavra de Celina Diaféria e Mayra Pinto, Língua Portuguesa, do 9º ano do ensino fundamental. Como este material didático se compromete com o ensino de

    Por: Vanuire de Almeida Xavierl Educação> Línguasl 07/07/2013 lAcessos: 57

    Resumo: Este trabalho teve como objetivo embasar teoria e prática no curso de Letras Vernáculas e clássicas. Gêneros textuais, formas de aplicação na sala de aula. De que forma esta etapa pode contribuir com a formação de novos professores de Língua Portuguesa.

    Por: Vanuire de Almeida Xavierl Educação> Línguasl 30/06/2013 lAcessos: 83
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast