Como avaliar nas séries iniciais do ensino fundamental

Publicado em: 13/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 5,735 |

A avaliação é um processo natural que nos permite ter consciência do que fazemos, da qualidade do que fazemos e das consequências que nossas ações acarretam. A qualificação e a mediação, ao contrário, são produtos artificiais que costumam prestar-se a finalidades que não são essencialmente formativas, prioritariamente educativas. A avaliação deve ser constante para fornecer dados que permitam ao professor e aos alunos rever, repensar e redefinir seus objetivosAssim o resultado da avaliação se constitui em dados não só dos avanços obtidos pelos alunos, de suas dificuldades e possibilidades de novas aprendizagens, mas também do acompanhamento do professor durante o processo de ensino. Nessa perspectiva o erro cometido pelo aluno não deve ser entendido como incapacidade de aprender. Ao contrário, o erro deve ser compreendido como o indicador para o professor,  de que se faz necessária a utilização de novas estratégias para intervir pedagogicamente e, para o aluno, de que novos caminhos poderão ser percorridos para o alcance de sua aprendizagem.Para muitos professores, antes valia o ensinar. Hoje a ênfase esta no aprender. Isso significa uma mudança em quase todos os níveis educacionais. O professor deixa de ser aquele que passa as informações para ver quem, numa parceria com os alunos prepara todos para que elaborem seu conheciA LDB aprovada em 1996, determina que a avaliação seja contínua e cumulativa e que os aspectos qualitativos prevaleçam sobre os quantitativos. Da mesma forma os resultados obtidos pelos estudantes ao longo do ano escolar devem ser mais valorizados que a nota da prova final.Essa forma de avaliar põe em queatão não apenas um projeto educacional, mas uma mudança social. Para que a avaliação sirva à aprendizagem é essencial conhecer cada aluno e suas necessidades. Assim o professor poderá pensar em caminhos para que todos alcancem os objetivos; o importante não é identificar problemas de aprendizagem, mas necessidades

Nesse sentido, para que o aluno aprenda adequadamente precisa de dinâmicas autopoiéticas, não reprodutivas. O professor pode, por exemplo, usar a avaliação para repensar sua prepotência, o "direito" de reprovar, ou para excluir alunos mais pobres, ou para estigmatizar alunos que aprendem mais devagar ou que tenham dificuldades maiores. Em segundo lugar é imprescindível observar que vivendo numa sociedade de classes como a nossa em contexto de desigualdades muito extremadas, não se pode fechar os olhos para a realidade concreta também em sala de aula, os alunos classificam-se, assim como os professores classificam-se e classificam os alunos.

A minha pesquisa procede de introdução sobre o tema "Como avaliar nas séries iniciais do ensino fundamental" que foi realizada através de pesquisa bibliográfica, leitura de revistas e livros. A avaliação é uma investigação que vem colaborar para o ato permanente de observação e análise que a avaliação diagnóstica favorece nas situações, desde as mais simples às mais complexas.

REFERÊNCIAS

 

ALVARENGA, Jener Procópio de; PEDERSOLI, José Luiz; FILHO, Moacir Assis. Ciências naturais no dia-a-dia. Ed.1º. Curitiba, 2004.

 

BRASIL. Ministério da Educação. Gestão em rede - CONSED - Conselho Nacional de Secretários de Educação. Agosto, nº 79, 2007.

 

BRASIL. Ministério da educação - Secretaria de Educação Básica. Indagações sobre currículo - currículo e avaliação. Brasília, 2008.

 

BRASIL. Ministério da Educação - Secretaria de Educação Básica. Orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade - Ensino fundamental de nove anos. Ed.2º. Brasília, 2007

 

PÁTIO. Revista Pedagógica. Editora: Artmed, Ano IX, nº 34. Maio/Julho, 2005.

 

NOVA ESCOLA. Revista. Fundação Victor Civita. Ed.191. Abril, 2006.

 

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO. Escola Ciclada de Mato Grosso – novos tempos e espaços para ensinar, aprender a sentir, ser e fazer. Ed.2ª. Cuiabá, 2001.    

 

TERRA. Ernani; CAVALLETE. Floriana. Português para todos. Ed. 2ª.

Editora: Scipione. São Paulo, 2007.

 

BRASIL. Ministério da Educação. PCN – Ensino Médio – Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros  Curriculares Nacionais. Brasília, 2002.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/como-avaliar-nas-series-iniciais-do-ensino-fundamental-4901279.html

    Palavras-chave do artigo:

    avaliacao

    ,

    ensino e series iniciais

    Comentar sobre o artigo

    Clecia Pacheco

    O presente trabalho busca fazer uma demonstração dos aspectos teóricos da avaliação no processo de ensino e aprendizagem, destacando sua evolução ao longo dos tempos, o fator nota na avaliação, os princípios básicos e finalidades da avaliação, bem como as suas funções no processo de ensino e aprendizagem.

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 12/10/2010 lAcessos: 6,429

    Este texto tem por objetivo ajudar o professos uma forma mais recreativa para ensinar a Disciplina de Educação Fisica.

    Por: João do Rozario Limal Educaçãol 13/04/2008 lAcessos: 241,479 lComentário: 61

    TELLES, L, P, S Lucimária Telles ( Estudante do 8º Semestre do curso de Pedagogia) lucimariasatelles@hotmail.com Rosilene Santos ( Estudante do 8º Semestre do curso de Pedagogia) SANTOS, R, P, S rpss8@hotmail.com Isaura Oliveira ( Professora Orientadora) OLIVEIRA, I. F. DE . O presente artigo analisa quais são os saberes necessários ao educador do ensino fundamental das series iniciais para o exercício da

    Por: ISAURA FRANCISCO DE OLIVIERAl Educaçãol 30/11/2008 lAcessos: 6,124
    Carla Cardoso Gomes

    O presente artigo é resultado de uma pesquisa para a obtenção do título de graduada do curso de Pedagogia pela Faculdade Evangélica Cristo Rei – FECR, realizada com alunos do Ensino Fundamental I, da Escola Municipal de Ensino Fundamental Monsenhor José Borges. O objetivo dessa pesquisa é explicitar a concepção de leitura realizada por alunos do 4º Ano do Ensino Fundamenta I e também do professor.

    Por: Carla Cardoso Gomesl Educação> Educação Infantill 05/08/2014 lAcessos: 60
    kelvia Fabiana Tavares Leite

    Este trabalho tem como objetivo relatar experiências feita com alunos da rede estadual, onde percebe-se a necessidade de ampliar e integrar as disciplinas de ética, cidadania educação sexual, saúde, meio ambiente e pluralidade cultural nas séries iniciais. A importância de desenvolver um trabalho voltado para a sexualidade infantil, é a de proporcionar momentos de reflexão com as crianças para que os mesmos possam entender o ser humano e suas relações, a valorização da essência do ser...

    Por: kelvia Fabiana Tavares Leitel Educação> Educação Infantill 10/11/2009 lAcessos: 6,722 lComentário: 1

    A leitura é uma atividade permanente da condição humana, uma habilidade a ser adquirida desde cedo e treinada em suas várias formas, portanto, é na escola que desperta-se a paixão de ler. É de fundamental importância que as escolas trabalhem a leitura nas séries iniciais, através de projetos, incentivando assim, o gosto e o prazer ao ler, de uma forma descompromissada e sem cobrança, acontecendo assim, a fruição.

    Por: nilda flores schutzl Educação> Línguasl 30/12/2013 lAcessos: 165

    O presente artigo tem por objetivo de promover reflexões sobre a prática educativa vivenciada diariamente neste contexto possibilitando ao educador desenvolver um olhar critico sobre sua atuação e os resultados de suas ações, referente a Inclusão Nas Séries Iniciais.

    Por: Edlene Maria da Silval Educação> Educação Infantill 08/11/2011 lAcessos: 837
    Silmara Marcela Dobjenski

    Segundo Pimenta, não basta produzir conhecimento, mas é preciso produzir as condições de produção de conhecimento. Ou seja, conhecer significa estar consciente do poder do conhecimento para a produção da vida material, social e existencial da humanidade. A partir de então, Pimenta salienta a necessidade da relação entre teoria e prática, no contexto do curso de Formação de Docentes, fato que auxilia na compreensão da realidade, servindo assim de referência em pesquisas futuras...

    Por: Silmara Marcela Dobjenskil Educação> Ciêncial 13/07/2012 lAcessos: 462
    ROBSON LIMA DE ARRUDA

    O presente artigo propõe uma reflexão sobre a formação didática dos professores. Discutimos sobre o professor, a formação inicial e continuada, os saberes empíricos e pedagógicos e a Didática, buscando suporte em autores como Pimenta, Libaneo, Luckesi, entre outros. Apresentamos dados de uma pesquisa realizada com professores formados e em formação com e sem exercício na docência para entender como os cursos de formação em nível médio e superior trabalham com a didática.

    Por: ROBSON LIMA DE ARRUDAl Educaçãol 02/11/2009 lAcessos: 16,479 lComentário: 2
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A sétima Constituição brasileira. Constituição de 1988. Retorno da democracia. Promulgada por uma Assembleia Nacional Constituinte. Foi denominada de Constituição Cidadã. Possibilitou o retorno dos direitos civis e políticos. Como também a defesa dos direitos sociais.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 31/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Existirá um tempo. Que será o tempo. Negado na sua acepção. Posterior a ele. Um imenso vazio. Escuro. Sem nenhuma definição. Como se nada existisse.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Que pode estar na mão de uma pessoa ou de várias, mas a função do Estado político aristotélico dever-se ia ser a defesa do interesse coletivo e não de uma classe social.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Isso significa que o Estado é objetivamente um fato social, de natureza histórica, contrariamente, o desejo fundamental da manifestação formal apenas de um dado momento, na construção da sua institucionalidade.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 29/10/2014

    A escola para a maioria das crianças brasileiras é o único espaço de acesso aos conhecimentos universais e sistematizados, e as crianças que durante sua vida escolar esporádica ou mais frequentemente os assim chamados, crianças com "distúrbios de aprendizagem" ou "problemas de aprendizagem" ou dificuldade de aprendizagem", quando não adequadamente tratados esses distúrbios, com certeza podem aumentar e se ampliar de tal forma que chegam a provocar acentuado insucesso escolar.

    Por: Cátia Martins Bernardes Lenzil Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Resultado direto da Revolução Comercial, do mesmo modo, produto da ideologia política renascentista e posteriormente, da Filosofia iluminista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Exemplo da Inglaterra. O Parlamento resultou. De uma conciliação dos poderes. Entre a nobreza e a burguesia. Sendo que Coroa reina. Mas apenas a burguesia governa.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 23/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O seguinte motivo: não era nacionalista, Jesus defendia o domínio romano sobre os judeus, justificando que o povo pagasse imposto a Roma. Barrabás fora colocado em liberdade, pois defendia a luta armada para Israel libertar-se do domínio romano.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/10/2014

    As novas tecnologias voltadas a atender as necessidades informacionais, contextualizadas de acordo com o perfil da instituição, meio social em que esta está inserida e necessidades do usuário. A Biblioteca inserida no contexto sócio-cultural, com sua missão voltada a atender as necessidades dos alunos em geral, configurando-se nas atividades voltadas à cultura, educação e lazer.

    Por: MARLENE GODOY GUERRAl Educação> Educação Infantill 13/06/2011 lAcessos: 2,303

    Essa pesquisa tem por objetivo abordar a importância da atividade lúdica, representada por jogos e brincadeiras, podem desenvolver o aprendizado da criança dentro da sala de aula: o lúdico se apresenta como uma ferramenta de ensino para o desenvolvimento do aluno nos anos iniciais. Sabemos que a ludicidade é uma necessidade do ser humano em todas as idades e não pode ser vista apenas como diversão ou momentos de prazer, mas momentos de desenvolver a criatividade, a socialização com o próximo, o

    Por: MARLENE GODOY GUERRAl Educação> Educação Infantill 06/06/2011 lAcessos: 4,504
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast