Como avaliar nas séries iniciais do ensino fundamental

13/06/2011 • Por • 7,006 Acessos

A avaliação é um processo natural que nos permite ter consciência do que fazemos, da qualidade do que fazemos e das consequências que nossas ações acarretam. A qualificação e a mediação, ao contrário, são produtos artificiais que costumam prestar-se a finalidades que não são essencialmente formativas, prioritariamente educativas. A avaliação deve ser constante para fornecer dados que permitam ao professor e aos alunos rever, repensar e redefinir seus objetivosAssim o resultado da avaliação se constitui em dados não só dos avanços obtidos pelos alunos, de suas dificuldades e possibilidades de novas aprendizagens, mas também do acompanhamento do professor durante o processo de ensino. Nessa perspectiva o erro cometido pelo aluno não deve ser entendido como incapacidade de aprender. Ao contrário, o erro deve ser compreendido como o indicador para o professor,  de que se faz necessária a utilização de novas estratégias para intervir pedagogicamente e, para o aluno, de que novos caminhos poderão ser percorridos para o alcance de sua aprendizagem.Para muitos professores, antes valia o ensinar. Hoje a ênfase esta no aprender. Isso significa uma mudança em quase todos os níveis educacionais. O professor deixa de ser aquele que passa as informações para ver quem, numa parceria com os alunos prepara todos para que elaborem seu conheciA LDB aprovada em 1996, determina que a avaliação seja contínua e cumulativa e que os aspectos qualitativos prevaleçam sobre os quantitativos. Da mesma forma os resultados obtidos pelos estudantes ao longo do ano escolar devem ser mais valorizados que a nota da prova final.Essa forma de avaliar põe em queatão não apenas um projeto educacional, mas uma mudança social. Para que a avaliação sirva à aprendizagem é essencial conhecer cada aluno e suas necessidades. Assim o professor poderá pensar em caminhos para que todos alcancem os objetivos; o importante não é identificar problemas de aprendizagem, mas necessidades

Nesse sentido, para que o aluno aprenda adequadamente precisa de dinâmicas autopoiéticas, não reprodutivas. O professor pode, por exemplo, usar a avaliação para repensar sua prepotência, o "direito" de reprovar, ou para excluir alunos mais pobres, ou para estigmatizar alunos que aprendem mais devagar ou que tenham dificuldades maiores. Em segundo lugar é imprescindível observar que vivendo numa sociedade de classes como a nossa em contexto de desigualdades muito extremadas, não se pode fechar os olhos para a realidade concreta também em sala de aula, os alunos classificam-se, assim como os professores classificam-se e classificam os alunos.

A minha pesquisa procede de introdução sobre o tema "Como avaliar nas séries iniciais do ensino fundamental" que foi realizada através de pesquisa bibliográfica, leitura de revistas e livros. A avaliação é uma investigação que vem colaborar para o ato permanente de observação e análise que a avaliação diagnóstica favorece nas situações, desde as mais simples às mais complexas.

REFERÊNCIAS

 

ALVARENGA, Jener Procópio de; PEDERSOLI, José Luiz; FILHO, Moacir Assis. Ciências naturais no dia-a-dia. Ed.1º. Curitiba, 2004.

 

BRASIL. Ministério da Educação. Gestão em rede - CONSED - Conselho Nacional de Secretários de Educação. Agosto, nº 79, 2007.

 

BRASIL. Ministério da educação - Secretaria de Educação Básica. Indagações sobre currículo - currículo e avaliação. Brasília, 2008.

 

BRASIL. Ministério da Educação - Secretaria de Educação Básica. Orientações para a inclusão da criança de seis anos de idade - Ensino fundamental de nove anos. Ed.2º. Brasília, 2007

 

PÁTIO. Revista Pedagógica. Editora: Artmed, Ano IX, nº 34. Maio/Julho, 2005.

 

NOVA ESCOLA. Revista. Fundação Victor Civita. Ed.191. Abril, 2006.

 

SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO. Escola Ciclada de Mato Grosso – novos tempos e espaços para ensinar, aprender a sentir, ser e fazer. Ed.2ª. Cuiabá, 2001.    

 

TERRA. Ernani; CAVALLETE. Floriana. Português para todos. Ed. 2ª.

Editora: Scipione. São Paulo, 2007.

 

BRASIL. Ministério da Educação. PCN – Ensino Médio – Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros  Curriculares Nacionais. Brasília, 2002.

Perfil do Autor

MARLENE GODOY GUERRA

SOU MARLENE GODOY,LECINO NUMA ESCOLA PUBLICA ESTADUAL A 9 ANOS