Didática na prática do futuro professor de ensino superior

07/04/2012 • Por • 404 Acessos

          Como sabemos, existe uma necessidade de estudo e desenvolvimento das qualificações intelectuais acadêmicas para uma melhor adequação a sistemática educacional que é exigida na sociedade atual. Isso nos leva a crer que o ensino e o processo de aprendizagem estão cada vez mais solícitos e necessários quando se fala da continuidade da formação de cada agente inserido no processo de ensino aprendizagem.

          A educação superior em especial, com o desenvolvimento e o aprimoramento das tecnologias de informação e do fenômeno globalização, se torna uma ferramenta primordial que, antigamente apresentava características humanísticas, pois só estudava nesse nível quem tinha dinheiro ou algum privilégio político, acaba, nos dias atuais, tornando-se uma obrigação de investimento com necessidade de mercado para formação profissional, ou seja, saem do caráter puramente pessoal para incorporar as práticas sociais junto ao determinado e competitivo mundo do trabalho contemporâneo.

          Desta forma, um personagem especial com perfil técnico e político entra em ação, pois no entendimento de que a profissão e formação docente são primordiais, e apresentam características peculiares que promove a formação da identidade básica e pessoal do cidadão aluno com fundamentos no processo de ensino aprendizagem, levam a crer, que haverá necessidade de exercer de forma primorosa um recurso pedagógico de grande importância para o professor feitor, ou seja, a prática da didática de ensino. Portanto, é extremamente necessário salientar que a principal problemática dentro das unidades de ensino, seja de nível médio ou superior, é a questão da formação continuada com certo preparo didático necessário para compor a prática pedagógica. Logo, tentar definir o verdadeiro papel da didática na ação de ensino docente, não importando o nível de intervenção, pode gerar certa indefinição devido ao seu grande caráter subjetivo.

          Se levarmos em conta que a didática; recurso internalizado pelo praticante docente; tem como fundamento mediar o conhecimento acadêmico com base nos diferentes currículos do núcleo comum ou superior, terá certamente a sua especificidade garantida pela preocupação peculiar de compreensão das ações dentro do processo de ensino aprendizagem.

           É claro, que durante anos, tem se discutido em diferentes textos, a priorização da didática na questão da prática do ensinamento formal ou não, e sua implicações reais no pedagógico com vistas no simultâneo teórico e prático, dentro de uma visão de continuidade com foco no desenvolvimento e aprimoramento formativo e informativo do aluno como um todo.

           Portanto, existe um grande desafio, relacionado às ações de ensinagem e aprendizagem dentro da sala de aula e, desta forma, a didática em todos os seus pormenores tem um papel marcante de características próprias dentro da prática pedagógica nas instituições de ensino de uma forma geral.

          Sendo assim, para um futuro professor de nível universitário ou educação superior, falar em didática é simplesmente promover uma autonomia legalizada de ensinamentos acadêmicos como forma descentralizadora, mediadora e intuitiva de reencaminhar a maior parte da responsabilidade do prazer de aprender para o aluno, ficando assim, o professor, no espaço de competência da mediação e orientação dos estudos, norteando sempre, os caminhos para o crescimento e a aprendizagem do aluno (SILVA, M. F., 2012). 

Perfil do Autor

Marte Ferreira da Silva

Professor e Educador