Empregabilidade e Empresabilidade em Gestão de Pessoas

Publicado em: 18/05/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 1,468 |

EMPREGABILIDADE E EMPRESABILIDADE em Gestão de Pessoas

 

Darci Kops*

 

O presente artigo aborda a questão da empregabilidade e da empresabilidade como inerentes a uma matriz cultural das organizações, na perspectiva da gestão de pessoas, e, por sua vez, remete a uma matriz cultural dos indivíduos, na perspectiva do profissionalismo.

 

Os conceitos paradigmáticos

A empregabilidade toma duas dimensões importantes:

a) Na perspectiva empresarial ou organizacional: A empregabilidade é a capacidade, instalada e cultural, de gerar postos de trabalho dentro de uma visão de responsabilidade social, externa, da empresa ou da organização.

b) Na perspectiva individual das pessoas: A empregabilidade é a capacidade, formativa, e cultural, do indivíduo assegurar a possibilidade permanente de conquistar vagas nos postos de trabalho das empresas, dentro de uma visão de responsabilidade social do próprio indivíduo, ou, ainda, de prontidão para desencadear uma carreira profissional.

A empresabilidade, também, adquire duas dimensões singulares:

a) Na perspectiva empresarial ou organizacional: A empresabilidade é a capacidade cultural da empresa ou da organização, dentro de uma visão de responsabilidade social, interna, de investir, permanentemente, em programas, e projetos, de capacitação de seus colaboradores, exercendo, através de treinamento, desenvolvimento e educação, o poder de manutenção e de capitalização profissional, e externamente, a capacidade da empresa de atrair potenciais apostadores considerados como stakeholders.

b) Na perspectiva individual das pessoas: A empresabilidade é a capacidade cultural de investimento permanente dos indivíduos no sentido de zelar e empresar na própria formação e capacitação assegurando a perspectiva de carreira profissional.

 

O paradigma da empregabilidade

Trata-se de uma via de mão dupla.

Na perspectiva empresarial, a empregabilidade passa a ser uma questão de responsabilidade social da empresa – RSE, pois, percorre na corrente estrutural, de todo o empreendimento, a necessidade e o desafio de gerar postos de trabalho, e, pelo seu poder de atração, atrair os melhores talentos humanos. Postos de trabalho significativos e desafiadores.

Na perspectiva individual, a empregabilidade passa a ser uma questão de responsabilidade social pessoal – RSP, pois, suscita no indivíduo a necessidade de evoluir para um denominado estado de prontidão, em razão de um grau elevado de formação, de capacitação profissional e de cidadania. O portfólio de competências  assegura empregabilidade, transformando potencial em talento, com brilho próprio, com luzes na ribalta do mercado de trabalho. Esse talento pode ser garimpado a qualquer momento tendo presente o referido estado de prontidão.

 

O paradigma da empresabilidade

Trata-se, também, de uma via de mão dupla.

Na perspectiva empresarial, Kugelmeier (2006), diretor da WK Prisma – Educação Corporativa Modular - sugere que se enxergue a empresabilidade sob um prisma ampliado, ou seja, a capacidade da empresa de atrair potenciais, clientes, fornecedores, parceiros, investidores e comunidade, os chamados stakeholders, os grupos que lidam com a empresa no dia a dia. Trata-se de um movimento de atração, por parte da empresa, para se tornar empresável perante os stakeholders em potencial.

Saviani (1998), diretor da Saviani & Associados Consultoria e Treinamento, considera a empresabilidade como a capacidade das empresas de oferecerem condições de manter empregados com alta taxa da empregabilidade.

Portanto, na perspectiva empresarial, enquanto paradigma, política e diretriz estratégica de gestão de pessoas, a empresabilidade remete para a necessidade de saber atrair e investir em seus stakeholders, adotando planos de ação, programas e projetos de atração, e de capacitação profissional e de cidadania. É o que se compreende, hoje, como uma questão de responsabilidade social interna, e externa, da empresa.

Na perspectiva do indivíduo, enquanto profissional e cidadão, a empresabilidade se constitui num verdadeiro imperativo categórico, pois, remete para uma espécie de obrigação para com o processo de autogestão que implica em empresar no seu próprio desenvolvimento, na sua própria formação e capacitação. Aquilo que se denominava de Você S.A., ou seja, você empresando no seu potencial, possibilitando vida longa no mercado de trabalho, e, permanentemente, se apropriando das oportunidades em razão de seu estado de prontidão, do seu portfólio de competências.

A empresabilidade, na perspectiva do indivíduo, sinaliza para a necessidade de autogestão de carreira profissional, você como um investidor que, dentro de um processo de autogestão, aposta, também, em seu potencial através de formação e capacitação permanentes. É o que se compreende, hoje, como uma questão de responsabilidade social pessoal.

 

Check-list mínimo da empregabilidade

a)      Na perspectiva da empresa:

( ) Na empresa, a empregabilidade é um paradigma inerente à cultura organizacional?

(  ) A empresa considera a empregabilidade como uma questão de responsabilidade social da empresa?

(   ) A empresa tem gerado, constantemente, postos de trabalho?

(  ) Os postos de trabalho oportunizados tem tido um caráter de trabalho significativo e desafiador?

( ) O compromisso com seu entorno tem sido praticado em termos de empregabilidade?

b)     Na perspectiva do indivíduo:

(  ) A empregabilidade consta como um paradigma inerente a sua cultura pessoal?

(   ) O seu grau de empregabilidade pode ser considerado alto?

(   ) O seu portfólio de competências lhe assegura constante empregabilidade?

(  ) O seu portfólio de competências tem algum diferencial agregador de empregabilidade?

 

Check-list mínimo da empresabilidade

a)      Na perspectiva da empresa:

() Na empresa, a empresabilidade é um paradigma inerente à cultura organizacional?

( ) A empresabilidade consta como uma questão de responsabilidade social, interna e externa, da empresa?

( ) A empresa adota, permanentemente, programas de formação e capacitação de recursos humanos?

( ) Plano de carreira(s), como ferramenta, compõe o jeito de fazer gestão de pessoas?

 

b)     Na perspectiva do indivíduo:

( ) A empresabilidade consta como um paradigma inerente a sua cultura pessoal?

( ) A empresabilidade consta como uma questão de responsabilidade pessoal?

( ) Por iniciativa própria, tem, constantemente, monitorado seu portfólio de competências?

( ) Por iniciativa própria, tem, constantemente, participado de congressos, feiras, cursos, workshops, visitas-técnicas, grupos de estudos, de oportunidades de capacitação profissional?

( ) Plano de carreira faz parte das práticas pessoais?

 

Conclui-se que, sob alguns aspectos a empregabilidade e a empresabilidade estão altamente imbricados. Todavia, faz-se necessário destacar aspectos distintivos. Tanto a empregabilidade como, também, a empresabilidade, toma conotações, e amplitudes, de responsabilidade social das empresas e dos indivíduos. O sistema de gestão de pessoas, nos seus subsistemas de recrutamento e seleção, e de TD&E (treinamento, desenvolvimento e educação) são responsáveis nos processos de aculturação adequada desses dois paradigmas. Os checks-list, mesmo em formato reduzido, ajudam a refletir a respeito da problemática, bem como, a analisar o estágio atual da cultura organizacional nos aspectos de gestão de pessoas, e o estágio atual da cultura pessoal nos aspectos de desenvolvimento de carreira profissional e de cidadania.

* Darci Kops, é professor universitário, consultor e assessor para assuntos de gestão de recursos humanos, gestão comportamental, gestão organizacional, e pedagogia empresarial. E-mail para contato: kopsdar@cpovo.net

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/empregabilidade-e-empresabilidade-em-gestao-de-pessoas-4786117.html

    Palavras-chave do artigo:

    empregabilidade em gestao de pessoas empresabilidade em gestao

    Comentar sobre o artigo

    Darci Kops

    O presente artigo sugere a capilaridade social progressiva como um paradigma capaz de flexibilizar, e oxigenizar, o sistema de recursos humanos das empresas na sua estrutura e funcionamento, especialmente, o subsistema de cargos e os planos de desenvolvimento de carreira, bem como, no subsistema promocional por desempenho, na medida em que admite fluxos, e ritos de passagem, entre os diferentes níveis do sistema de cargos. A capilaridade social progressiva tem como pressupostos, a mobilidade, a

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 04/06/2011 lAcessos: 225
    Darci Kops

    O presente artigo questiona a respeito de o diagnóstico do sistema de recursos humanos tratar-se de uma abordagem técnica ou abordagem humanística, e disponibilizando ferramentas de diagnóstico em forma de checks lists, tanto do sistema global como dos subsistemas de RH. O artigo sustenta a importância do mapeamento da realidade organizacional no que se refere à gestão dos recursos humanos

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 07/08/2011 lAcessos: 1,500
    Darci Kops

    O artigo examina a questão a respeito da necessidade do alinhamento de natureza vibracional e motivacional como uma força vital de sinergização nos processos de gestão. Trata-se de um alinhamento emocional e sinergético, de conteúdo intangível, predominantemente de natureza psicológica. Admite, também, a demanda de outros alinhamentos indispensáveis nos processos de gestão.

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 05/11/2012 lAcessos: 395
    Darci Kops

    O alinhamento organizacional, e a recorrente necessidade do alinhamento dos recursos humanos nos processos de gestão, como metodologias necessárias para assegurar um portfólio diferenciado de competências em congruência com a missão organizacional. Uma pluralidade de alinhamentos organizacionais concorre na busca constante da consistência interna e consistência externa nas organizações.

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 10/07/2011 lAcessos: 949

    A escola para a maioria das crianças brasileiras é o único espaço de acesso aos conhecimentos universais e sistematizados, e as crianças que durante sua vida escolar esporádica ou mais frequentemente os assim chamados, crianças com "distúrbios de aprendizagem" ou "problemas de aprendizagem" ou dificuldade de aprendizagem", quando não adequadamente tratados esses distúrbios, com certeza podem aumentar e se ampliar de tal forma que chegam a provocar acentuado insucesso escolar.

    Por: Cátia Martins Bernardes Lenzil Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Resultado direto da Revolução Comercial, do mesmo modo, produto da ideologia política renascentista e posteriormente, da Filosofia iluminista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Exemplo da Inglaterra. O Parlamento resultou. De uma conciliação dos poderes. Entre a nobreza e a burguesia. Sendo que Coroa reina. Mas apenas a burguesia governa.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 23/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O seguinte motivo: não era nacionalista, Jesus defendia o domínio romano sobre os judeus, justificando que o povo pagasse imposto a Roma. Barrabás fora colocado em liberdade, pois defendia a luta armada para Israel libertar-se do domínio romano.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/10/2014

    Este artigo trata da importância da postura do professor universitário no desenvolvimento do aluno e como uma Filosofia Confessional influencia neste propósito. Para isso verificamos o papel das Instituições confessionais protestantes no processo da Educação Universitária do país. Para melhor conhecimento foi realizada uma pesquisa exploratória em forma de entrevista com alunos de uma Instituição confessional Protestante com o objetivo de saber qual a relação que eles têm com seus professores.

    Por: JACKSON ROBERTO DE ANDRADEl Educação> Ensino Superiorl 22/10/2014

    RESUMO Uma só palavra ou teoria não seria capaz de abarcar todos os processos e experiências históricas que marcaram a formação do povo brasileiro. Marcados pelas contradições do conflito e da convivência, constituímos uma nação com traços singulares que ainda se mostram vivos no cotidiano dos vários tipos de "brasileiros" que reconhecemos nesse território de dimensões continentais. A primeira marcante mistura aconteceu no momento em que as populações indígenas da região entraram em

    Por: Joiciane de Sousa Santosl Educação> Ensino Superiorl 21/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Dado ao caráter emergencial da fome generalizada, povos africanos têm que se alimentar de animais portadores de tais vírus, que são mortais ao organismo humano, como cobras, ratos, morcegos e o chimpanzé.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/10/2014 lAcessos: 15
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Motivado pelo conflito contra os ingleses com objetivo de controlar o norte da França, o referido monarca, formou um grande exercito, sustentados por impostos cobrados no território nacional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/10/2014
    Darci Kops

    A hospitalidade como um paradigma capaz de marcar presença em todos os espaços sociais e espaços culturais. A hospitalidade qualifica a relação humana e a convivência social. O exercício e a prática da hospitalidade é desafiador. O test drive, como ferramenta, auxilia na análise, na avaliação a respeito da condução do processo da hospitalidade em espaços plurais.

    Por: Darci Kopsl Relacionamentosl 20/07/2014 lAcessos: 31
    Darci Kops

    O presente artigo tem o propósito de destacar a importância e o significado dos multirreferenciais nos processos de gestão. Uma organização necessita, hoje e cada vez mais, responder com sabedoria aos desafios decorrentes da complexidade da realidade social que, sob a forma de demandas e exigências, impactam o portfólio de oferta dos produtos e serviços. A trilogia – ser multirreferencial, multirreferendar-se e buscar mulrreferenciais – passa a ser um imperativo categórico, sem volta, capaz de e

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 22/05/2013 lAcessos: 147
    Darci Kops

    O artigo examina a questão a respeito da necessidade do alinhamento de natureza vibracional e motivacional como uma força vital de sinergização nos processos de gestão. Trata-se de um alinhamento emocional e sinergético, de conteúdo intangível, predominantemente de natureza psicológica. Admite, também, a demanda de outros alinhamentos indispensáveis nos processos de gestão.

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 05/11/2012 lAcessos: 395
    Darci Kops

    O presente artigo tem como foco e consideração o papel do professor universitário, colocando em questão o saber e o faze pedagógico do referido profissional, o correspondente perfil do professor universitário. Em decorrência, coloca em análise o conteúdo laboral do professor universitário, examinando suas principais funções e atribuições profissionais. Ressalta as três dimensões do fazer pedagógico do professor universitário abrangendo as questões de ensino, de pesquisa e de extensão.

    Por: Darci Kopsl Educação> Ensino Superiorl 09/10/2012 lAcessos: 86
    Darci Kops

    Gestão por referanciais uma metodologia capaz de responder com sabedoria aos desafios decorrentes da complexidade da realidade social. A trilogia – ser um referencial, referendar-se e buscar referenciais – passa a ser um imperativo categórico, sem volta, capaz de estabelecer o norte, nos processos de gestão, para as organizações circunstanciadas nas suas tipicidades. A cognição nas organizações tem o potencial de referendar o processo de aculturação das competências referenciais.

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 04/09/2011 lAcessos: 425
    Darci Kops

    O presente artigo questiona a respeito de o diagnóstico do sistema de recursos humanos tratar-se de uma abordagem técnica ou abordagem humanística, e disponibilizando ferramentas de diagnóstico em forma de checks lists, tanto do sistema global como dos subsistemas de RH. O artigo sustenta a importância do mapeamento da realidade organizacional no que se refere à gestão dos recursos humanos

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 07/08/2011 lAcessos: 1,500
    Darci Kops

    O presente artigo busca caracterizar gestão como um processo. Propõe-se apresentar o significado dessa ênfase e as implicações que isso traz para os processos de gestão, em especial, para os processos de gestão empresarial e/ou institucional. Busca salientar o gestor como o principal protagonista, e configura variantes que o processo de gestão pode tomar, apontando tendências, entre outros aspectos, de gestão como um processo compartilhado, e de gestão como um processo de co-gestão.

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 07/08/2011 lAcessos: 554
    Darci Kops

    questionar o significado que os sistemas têm nos processos de gestão, e a importância decorrente da gestão dos sistemas organizacionais. Paralelamente, faz uma crítica aos processos de construção, e de definição, dos sistemas de gestão organizacional, especialmente, aqueles sistemas que excluem a participação dos usuários, e dos protagonistas, do próprio sistema. Sustenta a tese e o desafio da construção de sistemas organizacionais, e de gestão, saudáveis.

    Por: Darci Kopsl Negócios> Gestãol 13/07/2011 lAcessos: 485
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast