Fonética versus Fonologia e seus Usos no Contexto Escolar

Publicado em: 02/06/2010 |Comentário: 5 | Acessos: 4,123 |

 

INTRODUÇÃO

Como se sabe, a língua é dinâmica, uma vez que tem o poder de se modificar em razão de vários motivos, sejam intra ou extralingüísticos. Partindo desse pressuposto, dá-se destaque às variações fonéticas sofridas por questões ligadas ao regionalismo. Isso exemplifica-se na pronúncia do vocábulo "porta", por exemplo, que não tem sua grafia alterada, porém, na fala, pode sofrer alterações fonéticas. Segundo Fiorin (2004) "o alfabeto ortográfico já é uma abstração, ninguém escreve como fala" (p. 26).

No artigo ora apresentado, o leitor poderá perceber de forma nítida e detalhada o contraponto e a divergência entre as duas ciências. Em uma analogia veemente, procurou-se destacar pontos relevantes, como o caso de variações no som conforme o exemplo supracitado, e outros fatores cruciais que acentual tal diferença, como classificações e a maneira com a qual esses sons são emitidos e articulados, bem como a perspectiva de estudo e análise desses mesmos sons.

Do ponto de vista fonológico, a abordagem introdutória sobre fonema faz-se necessária, uma vez que é o elemento chave de estudo da Fonologia. Esta informação é pertinente de propormos que a Fonologia tem como prioridade estudar o aspecto sonoro, fonemático, das palavras.

Enquanto isso, em um estágio predominantemente fonético, procura-se informar sobre os sons em um aspecto articulatório, acústico e auditivo, sem esquecer do local do aparelho fonador onde tais sons são produzidos e articulados, dando aos estudos um caráter que gira em torno da própria estrutura física sonora.

A posteriori de um levantamento conceitual extremamente conceitual, onde realça de forma predominante as noções preliminares entre Fonética e Fonologia, é pertinente salientar sobre seu uso e função na escola. Nesse caso, deve-se fazer referência ao aspecto "x" da fala que vai em contrapartida ao aspecto "x" da escrita. Desse modo, vê-se emergir a necessidade de se introduzir na comunidade escolar a importância de se estudar o alfabeto fonético.

Em suma, esse artigo esclarecerá ao leitor a grande diferença entre Fonética e Fonologia, que parte do ponto de vista simplificador a estruturas extremamente complexas. Somada a isso, a forma com a qual a comunidade escolar instrui seus alunos ao aprendizado destas ciências lingüísticas também serão pontos relevantes postos em discussão.

 

 

  1. 1.           A FONÉTICA

 

Do ponto de vista lingüístico, a Fonética mostra-se como uma ciência indissolúvel ao tempo, pois procura explicar sons estreitamente relacionados e fundidos à dinamicidade histórica da língua, conforme mostra com propriedade a citação saussuriana (1993): "A Fonética é uma ciência histórica; analisa acontecimentos, transformações e se move no tempo" (p. 43). Desse modo, eis então uma das célebres características que a diferencia da Fonologia.

A interdependência entre Fonética e língua também é enfatizada por Fiorin (2004), todavia o mesmo procura focar as diferentes pronúncias dos sons em decorrência primordialmente dos fatores geográficos. Este autor coloca o alfabeto ortográfico como uma abstração, uma vez que a grafia das palavras não muda dentro do mesmo idioma, mas a diferença irá explicitar-se claramente no som das mesmas, ao pronunciá-las: "O alfabeto ortográfico já é uma abstração. Ninguém escreve como fala. A palavra porta é grafada igualmente por cariocas, piracicabanos e gaúchos; no entanto, cada um pronuncia de forma esse ‘r' de maneira diferente" (p. 26).

 

Em uma visão científica, a Fonética aparece como uma ciência extremamente relacionada ao estudo dos sons em seu aspecto físico, ou seja, cabe analisar dentro desse conceito a forma com a qual os sons são produzidos, bem como o lugar do aparelho fonador em que os mesmos são articulados.

No caso da maneira como se pronuncia determinado som, salienta-se a importância da entonação. Por ser um aspecto totalmente relacionado ao modo como a palavra irá ser pronunciada, acaba por criar uma certa indefinição no que diz respeito ao conceito de sílaba "forte". Para Fiorin (2004)

"a entonação se estende por toda a sentença e não por apenas um segmento (...). as línguas procuram ser rítmicas, alterando sílabas fortes e fracas. Mas não há como se definir o que seja ‘forte' por oposição ao ‘fraco'" (p. 10).

A forma com a qual os sons são descritos são também fatores cruciais no estudo da Fonética. Dentro de uma amplitude, pode-se discernir essas descrições dentro de dimensões articulatórias, auditivas e acústicas, onde há a estreita relação entre aparelho fonador, ouvinte e propriedades físicas e sonoras, respectivamente. Tais aspectos descritivos dos sons podem ser observados em relações segmentais e supra-segmentais, em razão do intercalar entre as mesmas e a freqüência com a qual os sons são estendidos pelo tempo, em somatória com a amplitude dos ditos sons. Para Fiorin (2004) "é da relação desses três componentes que se discute os aspectos segmentais, supra-segmentais. Isto é, cada som tem sua própria freqüência fundamental e amplitude e, além do mais, se estende no tempo" (p. 12).

Para que os sons em suas propriedades físicas sejam devidamente entendidos, é necessária uma assimilação sobre os órgãos que estão envolvidos na sua produção. Dentre tais, despontam-se os pulmões, sendo a corrente pulmonar a principal responsável pelo ciclo respiratório e pela fonação. Todavia, o aparelho fonador é resultado da interdependência entre vários órgãos que trabalham de maneira conjunta na articulação e produção dos sons. Nesse caso, é pertinente citar a traquéia, a laringe, as cordas vocais (que podem vibrar ou não no momento da produção sonora), glote, faringe, véu palatino, epiglote, úvula, palato duro e muitos outros.

A posteriori, percebe-se que os mecanismos de produção do ar podem ser diferentes. Nota-se então uma relativa entrada de ar no corpo ou saída dos mesmos no momento da produção sonora. Tem-se então uma ingressiva e uma egressiva, respectivamente. No caso da Língua Portuguesa, seu uso oral contempla somente um mecanismo egressivo, sendo o ingressivo notado em outros idiomas. Fiorin (2004) trabalha de maneira bem conceitual essa diferença e propõe que "a direção egressiva é aquela em que o ar vai para fora do corpo, enquanto a direção ingressiva é aquela em que o ar vai para dentro do corpo" (p. 15).

Por fim, no campo fonético, de acordo com a distinção dos sons produzidos, percebemos a existência e a diferença entre vogal e consoante. A Fonética preocupa-se em estudar as consoantes do ponto de vista da obstrução do ar, pelo modo como esse ar é abstruído e em que lugar do aparelho fonador ocorre essa abstrução.

As vogais são detalhadas foneticamente pela livre passagem do ar, a altura do corpo do trato vocal e o arredondamento dos lábios. Desse modo, entende-se que as vogais são, acima de tudo, elementos sonoros.

 

 

 

  1. 2.           FONOLOGIA

 

Etimologicamente, Fonologia significa "Estudo dos sons", uma significação composta pelos elementos gregos "fono" (som) e "logia" (estudo). Em termos simplificadores, a Fonologia pode ser conceituada de uma forma direta. Pode-se afirmar que a Fonologia é uma vertente gramatical responsável por estudar os fonemas.

Já em termos mais complexos, Fonologia ganha características mais diferenciadas. Segundo Saussure (1993), a Fonologia se separa da Fonética por vários motivos. Dentre eles, o não envolvimento com o tempo em seu aspecto fonológico, colocando assim a Fonologia como uma ciência temporalmente sintática: "A Fonologia se coloca fora do tempo, já que o mecanismo de articulação permanece sempre igual a si mesmo" (p. 43).

Em outras palavras, a Fonologia preocupa-se em estudar os sons de maneira sistematizada de acordo com cada língua. O que vale analisar não é a propriedade física desses sons nem onde os mesmos sons foram articulados, mas sim as propriedades sistemáticas de sentido estabelecidas por pequenas unidades sonoras, rotuladas como fonemas.

Diante disso, Saussure (1993) compara tal estudo ao tecer de um tapete:

 

"Esta (referindo-se à Fonologia) constitui um sistema baseado na oposição psíquica dessas impressões acústicas, do mesmo modo que um tapete é uma obra de arte produzida pela oposição visual de fios de cores diferentes; ora, o que importa, para análise, é o jogo dessas oposições e não os processos pelos quais as cores foram obtidas" (p. 43).

 

Na Língua Portuguesa, e para a Fonologia, os fonemas são classificados em vogais, consoantes e semi-vogais, sendo essas últimas também conhecidas como Glides.

Em palavras parônimas, o simples uso diferenciado de uma consoante pode alterar o sentido da palavra. Entre os vocábulos "bar" e "par", por exemplo, pode-se perceber uma diferença semântica depois da troca de fonemas. Nesse caso, trocando a consoante oclusiva surda no início da palavra por um outro fonema sonoro, acabou por acarretar em uma diferença no significado. Essa alteração semântica entre pares de palavras também pode ser igualmente percebida quando o fonema é representado por uma vogal. Repare nas palavras "descrição" e "discrição".

Enquanto a primeira está relacionada ao ato de descrever, a segunda diz respeito a uma qualidade de quem é discreto. Essa alteração de sentido deu-se pela troca das vogais "e" e "i". Em muitos casos, há sons que não modificam a significação de um vocábulo, como em "tia".

Em diferentes contextos geográficos nacionais, a palavra citada é pronunciada de maneira diferente, permanecendo, porém, com a mesma grafia. Nesse caso não há alteração semântica, já que esse fenômeno é puramente fonético (diz respeito ao som produzido de maneira física), uma vez que não houve mudança fonemática na estrutura da palavra. Fiorin (2004) fala desse fenômeno de maneira objetiva:

 

"Em campa, uma língua falada no Peru, encontramos exemplos como os seguintes: a palavra ar apresenta formas [tampia] e [tambia], e a palavra feijão apresenta as formas [ma'taki] e [ma'tagil]. Em ambas as palavras a troca de uma oclusiva surda por uma sonora e vice-versa não provoca alteração de significado, ou seja, essa variação não é distintiva" (p. 35).

 

Em Fonologia, as consoantes podem ser discernidas pela vibração de cordas vocais e pelo sentido que esse fonema pode atribuir à palavra, por exemplo, em "pomba" e "bomba". Têm-se então consoantes homorgânicas. As vogais desempenham funções fonológicas de núcleos silábicos. Durante o processo de translineação, cabe a uma sílaba comportar somente uma vogal.

Enquanto os Glides, por não terem o mesmo teor sonoro das vogais, não exercem função nuclear das sílabas, servindo apenas como acompanhantes das vogais propriamente ditas. Para Fiorin (2004), os Glides desempenham papeis semelhantes às consoantes: "Fonologicamente, essas aproximidades se comportam como consoantes, não preenchem posições de núcleos das sílabas e não são acentuadas" (p. 24).

 

 

  1. 3.           FONÉTICA E FONOLOGIA: USOS E FUNÇÕES NA ESCOLA

 

Professores que constituem o corpo docente de séries iniciais percebem que a questão de ensinar Fonética e Fonologia nas escolas é desvalorizada. Sem ter um alicerce considerável no que diz respeito a este assunto, muitas vezes, o alunado chega em elevados graus escolares sem saber o caráter responsável por discernir as especificidades das duas ciências.

Vê-se emergir a necessidade de se estudar o alfabeto fonético na escola. Em "Leitura e Escrita na Escola", a educadora Fátima coloca a importância de se estudar o alfabeto fonético como grande motivador do anti-preconceito lingüístico no meio escolar, isso recai sobre o aprendizado sobre as variações fonéticas:

 

 "Isso ajuda a aprender as variações fonéticas entre as regiões ou cidades e compreender por que falamos de um jeito e escrevemos de outro. Ao fazer isso, contribuímos para quebrar o preconceito lingüístico, porque ficam claro que todos os grupos sociais e regiões do país têm seu ‘sotaque'" (www.contosdaescola.net/por-que-ensinar-o-alfabeto-fonético).

 

Conhecendo as variações fonéticas provocadas pela própria diferença geográfica, o aluno, além de criar uma postura respeitosa diante dos sotaques, sem resquícios de preconceitos lingüísticos, adquire também conhecimento sobre esse tipo de variação da língua, sendo que todos os tipos de variações são importantes, uma vez que promovem a comunicação entre sujeitos inseridos em dada comunidade lingüística.

 

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

Por fim, o estudo da Fonética e da Fonologia é crucial, desde que realce suas especificidades de maneira clara. Ambas são ciências lingüísticas que tem por base estudar os sons. Com isso, as duas nutrem uma relação estreita e indissociável. Daí a questão de estudá-las sempre fazendo analogias. Todavia, comparações não as fazem inteiramente semelhantes, partindo da premissa que apresentam singularidades.

Desse modo, fica claro que o ponto responsável por diferenciar Fonética e Fonologia está na própria perspectiva em que os sons são referidos. Então, afirma-se que, de maneira simplificadora, a Fonética se preocupa em estudar os sons em seus aspectos físicos, levando em consideração suas articulações, bem como o local do aparelho fonador em que este som é produzido.

Em contrapartida, a Fonologia retêm-se não aos aspectos físicos do som, mas sim com suas micro unidades sonoras que introduzem ao significado, os chamados fonemas.

Do ponto de vista extremamente lingüístico, proposto por Saussure, a analogia continua, todavia com caráter mais profundo e complexo. Nesse caso, oi autor coloca a Fonética como ciência mais dinâmica, uma vez que acopla-se ao tempo variando assim a pronúncia com relação à evolução histórica, e a Fonologia com caráter mais desvencilhado do tempo, sendo que esta não muda seu instrumento de estudo, no caso o fonema, pela evolução temporal, focando assim a significação fonemática nas sílabas.

Entretanto, é lamentável a forma com que muitas instituições de ensino básico no Brasil lidam com essa área gramatical. Por diversas vezes, a escola não proporciona ao aluno um estudo capaz de estabelecer divergências entre essas duas ciências, levando-o a supor erroneamente que ambas não estritamente iguais, longe de quaisquer diferenças. Somada a isso, variações lingüísticas que perpassam pela pluralidade fonética acarretam o chamado "preconceito lingüístico", partindo do princípio de que, muitas vezes, a instituição não atenta à particularização dialetal lingüística.

Em suma, recomenda-se que a escola seja um órgão que leve o aluno a estabelecer discernimentos sob uma perspectiva crítica. A discrepância entre Fonética e Fonologia deve ser devidamente apresentada ao corpo discente, ao passo que o alfabeto fonético ganhe valor considerável em sala de aula. Espera-se com isso que o aluno tenha conhecimento das várias especificidades geográficas da língua, as quais acarretam em uma variabilidade fonética, de maneira a criar uma postura não preconceituosa face às particularidades lingüísticas.

 

 

 

REFERÊNCIAS

 

FIORIN, José Luiz. Introdução à Lingüística II: Princípios de Análise. São Paulo: Contexto, 2004.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Lingüística Geral. Editora Cultrix. São Paulo, 1993.

 

REFERÊNCIA ELETRÔNICA

www.contosdaescola.net/por-que-ensinar-o-alfabeto-fonetico

 

 

 

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 24 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/fonetica-versus-fonologia-e-seus-usos-no-contexto-escolar-2524915.html

    Palavras-chave do artigo:

    fonetica fonologia escola som

    Comentar sobre o artigo

    FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTA

    Este artigo é fruto de um trabalho de mestrado que consistia em fazer um estudo de caso sobre os processos fonológicos que ocorrem na escrita de alunos do Ensino Fundamental de escola pública, analisando como esses processos podem contribuir para o ensino de língua materna, reconduzindo o trabalho de alfabetização sem cair no lugar-comum que considera estes fenômenos como "erros" de escrita. O estudo de caso transformou-se em um Relatório e agora parte dele é transformado em artigo.

    Por: FABRÍCIO DE CARVALHO PIMENTAl Educação> Línguasl 15/02/2014 lAcessos: 180
    Carla Ravaneda

    A importância da boa formação da docência brasileira, aspectos determinantes na graduação, a importância do estágio supervisionado nos cursos de licenciatura.

    Por: Carla Ravanedal Educação> Ensino Superiorl 11/09/2014
    Zilda Ap. S. Guerrero

    O modelo de aluno que temos hoje em sala de aula, nem de longe lembra- nos os moldes dos alunos dos tempos da escola tradicional, não e somente nas escolas públicas, mas também em diversas escolas particulares e de grande renome no mercado educacional. No entanto, há uma forte contradição entre as aulas ministradas em sala de aula; as quais na grande maioria recheadas de conteúdo e parca praticidade, e quase ausência de contextualização das aulas. Urge então mudanças didáticas na escola atual.

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Educação> Ensino Superiorl 10/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O artigo tem como objetivo explicar a funcionalidade do mundo dos vírus. Para tal é necessário uma análise de suas principais características, a definição fundamental da mecanicidade funcional evolutiva dos parasitas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/09/2014
    Ana Paula Assaife

    Este artigo analisa as dificuldades encontradas pelos docentes em sala de aula para o uso das tecnologias voltadas para educação. Estudos sobre a modernidade mostra que esta dificuldade é muito comum nas universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro. Temos por objetivo analisar os impactos da modernidade sobre a universidade e seus desafios. .Conceituar Modernidade e estudar novas prácticas para o l uso da tecnologia no processo ensino/aprendizagem.

    Por: Ana Paula Assaifel Educação> Ensino Superiorl 04/09/2014 lAcessos: 15

    O presente artigo apresenta a resiliência em um ambiente educacional e o papel dos profissionais que ali trabalham para a formação deste aluno. A escola tem papel fundamental na educação de seres resilientes, capazes de transformar e reinventar novas formas para lidar com as adversidades do cotidiano. Sendo o professor uma espécie de facilitador da aprendizagem, exercendo um papel fundamental no incentivo, construção, articulação de informações e saberes na formação dos educandos.

    Por: Zípora Raquel de Paulal Educação> Ensino Superiorl 01/09/2014 lAcessos: 11

    Este trabalho verso a partir de Kant a problemática sobre o Esclarecimento, que irá mostrar a possibilidade do homem sair de sua menoridade, sendo assim, o mesmo terá capacidade suficiente para estruturar um pensamento autônomo, isto é de pensar por conta própria usando a liberdade de entendimento sem que dependa de outras pessoas para obter a maioridade, entretanto, com essa atitude atingir a própria independência intelectual.

    Por: Derivanial Educação> Ensino Superiorl 01/09/2014

    É inegável que nos últimos anos o tema "Diversidade" tem sido bastante discutido , principalmente no setor educacional. Estamos hoje vivenciando um novo momento em que já se admite, ainda que minimante, a existência de preconceitos diversos e racismo no território brasileiro. Quando o tema diversidade entra em cena, abrimos as portas para que o nosso ponto de vista sobre o outro, e de outros sobre nós sejam apercebidos sob uma nova ótica. Esta que torna "o diferente" tão belo quanto "o eu".

    Por: Ivanilda da Silva Cunhal Educação> Ensino Superiorl 27/08/2014
    Tony Monteiro

    Nos últimos anos, houve uma profunda mudança na maneira de construir, pois antigamente as alvenarias eram utilizadas como elemento resistente e de vedação e a sua estabilidade e resistência eram definidos em função de sua geometria.

    Por: Tony Monteirol Educação> Ensino Superiorl 26/08/2014
    Bruno Gomes

    Considerou-se enquanto espinha dorsal da argumentação o percurso gerativo de sentido, oferecido pela análise semiológica, bem como as diretrizes de leitura subjetiva, propostas pelos estudos contemporâneos da linguagem. Como diagnóstico, há a exemplificação reconstrutiva do estereótipo da mulher brasileira em sua dimensão física.

    Por: Bruno Gomesl Educação> Ensino Superiorl 11/06/2012 lAcessos: 103
    Bruno Gomes

    Trata-se de uma resenha crítica do texto "Não põe corda no meu bloco", de Marcos Bagno.

    Por: Bruno Gomesl Educação> Ensino Superiorl 15/05/2011 lAcessos: 614
    Bruno Gomes

    Em um estudo mais detalhado e minucioso, percebe-se que os fonemas conjuntam-se de acordo com a emissão de voz. Nesse caso, fala-se de um som vocálico denominado sílaba, o qual desponta-se como uma das noções fundamentais da fonética.

    Por: Bruno Gomesl Educaçãol 15/02/2011 lAcessos: 718 lComentário: 2
    Bruno Gomes

    O estudo de frases soltas e sem compromisso com o sentido global do texto já não é posto a priori. As teorias da Linguística Textual porpõem o texto enquanto elemento de análise, visto que este é detentor de uma semanticidade que resulta de sua totalidade. Diante disso, a textualidade, propriedade preponderante em um texto e tratada aqui pela Coerência e Coesão Textuais, torna-se a viga mestra dos estudos linguísticos da escrita.

    Por: Bruno Gomesl Educação> Ensino Superiorl 05/02/2011 lAcessos: 1,784 lComentário: 2
    Bruno Gomes

    Não se pode supor a língua em uma perspectiva desvinculada da mente. Para tanto, o uso linguístico provem de uma sistematização cognitiva. Nesse raciocíonio, este texto visa conceituar a linguística cognitva, bem como discutir acerca de sua fundamentação.

    Por: Bruno Gomesl Educação> Ensino Superiorl 05/02/2011 lAcessos: 4,382 lComentário: 1
    Bruno Gomes

    Este texto fala sobre a crucialidade dos verbos na gramática da Língua Latina. Para isso, viu-se necessária uma correlação entre a preoponderância de tal elemento linguístico no sistema gramatical português, sob uma perpesctiva diacrônica da língua.

    Por: Bruno Gomesl Educação> Ensino Superiorl 05/02/2011 lAcessos: 766 lComentário: 4
    Bruno Gomes

    A televisão é, sem dúvida, uma máquina de fazer celebridades. Muitas delas ganham eternidade midiática, bem como influência permanente na vida das pessoas. Diante disso, a propagação alienante da TV é considerável, levando multidões a agirem segundo ideais pré-estipulados.

    Por: Bruno Gomesl Educação> Ensino Superiorl 27/05/2010 lAcessos: 2,879 lComentário: 21
    Bruno Gomes

    Entende-se que o Ultra-Romantismo foi o período romântico em que a célula amorosa predominava hiperbolicamente. Diante disso, surge o culto à morte, fenômeno entendido aqui como algo transcendental capaz de atuar na reparação dos conflitos, bem como na idealização do amor. A obra de Castelo Branco, "Amor de Perdição", é uma veemente exemplificação dessa vertente, uma vez que o triângulo formado por Teresa, Simão e Mariana encontra na morte a solução de seus conflitos amorosos.

    Por: Bruno Gomesl Educação> Ensino Superiorl 24/05/2010 lAcessos: 2,087 lComentário: 5

    Comments on this article

    1
    Amanda 26/10/2010
    Hje lá na escola onde estudo tivemos aula de Fonética e Fonologia e a professora passou uma atividade para casa pedindo pra elaborarmos um texto falando das diferenças entre as duas. Esse artigo me ajudou demaissssssssssssss!!! Obrigada.
    0
    SIDNEY 26/10/2010
    PARABÉNS...
    0
    Mariana 04/10/2010
    Parabéns! Seu artigo está ótimo!
    0
    Patrik 28/09/2010
    Nossa, como esse artigo me ajudou. Estou fazendo um trabalho sobre Fonética e Fonologia e eu sempre pensei que as duas fossem a mesma coisa. Depois da leitura desse artigo, pude rever meus conceitos. Muito bom. Gostei demais. Parabéns
    0
    Tereza 24/09/2010
    Gostei.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast