Formação Do Gestor Escolar: Da Inicial À Continuada

Publicado em: 24/04/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 12,026 |

Pensar a formação do gestor escolar, nos remete a pensar como ocorre a formação inicial do professor na academia, pois, entendemos que ele é antes professor, depois administrador, e é nesta direção que caminharemos ora, nos referindo a formação primeira, ora à permanente.
A formação do professor, tem se tornado, uma das preocupações dos sistemas educacionais e constitui-se segundo Nóvoa num “eixo estratégico fundamental” (1991, p. 68) de desenvolvimento de homens e organizações.
Enquanto definição, encontramos na palavra formar (formare) a equivalência a dar forma a criar, que esta se distingue lexicamente de educar, ensinar e instruir.
Educar recebe provavelmente a influência de educare, significa alimentar, criar, fazer sair, aproxima-se a idéia de subida de nível, “é a prática mais humana, considerandose a profundidade e a amplitude de sua influência na existência dos homens” Gadotti (2001, p. 11) diante dos demais seres vivos. Ensinar vem do latim insignare, associa-se a ministrar o ensino. Instruir, têm origem em instruere, que significa transmitir conhecimento.
A palavra formação, no sentido pedagógico surge relacionada à questões militares em 1908, porém é a partir dos anos 60 que passa a ser utilizada na educação com uma vasta gama de significados, abrangendo tanto o curso (habilitação acadêmica), o sistema (o plano de formação dos formadores) quanto o processo (a formação como resultado). O termo formação, entendido como ensino, surge provavelmente da necessidade, que as pessoas sentem de atualizar os próprios conhecimentos constantemente, em razão das transformações sociais observadas, as quais a escolarização formal já não consegue dar respostas somente com a estrutura institucional básica.
A formação em questão, fica permeada pela associação entre a teoria e a prática, em que, os envolvidos atendem aos objetivos dos diferentes níveis e modalidades de ensino e às características de cada fase do desenvolvimento daquele que está em formação é que precisa continuar aprendendo e compreendendo os fundamentos científicos e tecnológicos dos processos produtivos e educacionais.
Autores como Behrens (1996), Brito e Purificação (2006), Nóvoa (1991), Almeida (2002, 2005) entre outros, defendem que a formação do professor não deve ser concebida como algo acabado tendo em vista que há um conjunto de atividades que ocorre geralmente após a formação inicial e têm como objetivo o desenvolvimento do conhecimento, de competências. É um processo que não se desenvolve à margem dos projetos das escolas, ao contrário, se apóia a implementação desses.
Estar em formação é considerar ”...a valorização das formações informais, desde os processos de auto formações até ao investimento educativo das situações profissionais e a articulação com os projetos educativos da escola...” Nóvoa (1991, p. 70) implica, que não se ignore a forma como ocorre a aprendizagem, suas necessidades, motivações e pesquisas acerca métodos inovadores.
Outro aspecto relevante na formação do professor é que, não basta que ele queira implementar novas técnicas e métodos, é preciso que este alimente diuturnamente a sua vontade de construir algo novo, de compartilhar os momentos de dúvidas, questionamentos e incertezas, de encorajar o seu processo de reconstrução para novas práticas.
A contemporaneidade revela que a dificuldade do professor em formação é reconstruir a sua práxis, tendo em vista que nem sempre ele está atuando em sala de aula, portanto alheio à orientação e utilização das tecnologias com viés pedagógico que difere da concepção de ensino e aprendizagem embasada na racionalidade técnica presente na atual estrutura curricular vigente.

É um processo que se desenvolve ao longo da carreira profissional, pode se prolongar por toda uma vida, portanto, não se evidencia a dicotomia formação inicial e formação continuada, aplicada de diferentes formas, varia conforme a região e ou local do evento. Representa um desafio à pedagogia tradicional, porque significa introduzir mudanças no processo de ensino e aprendizagem, nos modos de estruturação e funcionamento da escola e nas relações com a comunidade.

Na formação inicial, os educadores adquirem competências para desempenhar a atividade profissional, e a dinâmica da formação destes, articula-se na dialética entre formação básica ou inicial e formação continuada ou permanente.
A noção de formação continuada está relacionada à idéia de como se concebe a que lhe está subjacente pois, vários são os fatores que diferenciam uma formação de outra, e podem estar relacionadas à insuficiência da formação inicial, à disponibilidade de verbas, aos planejamentos ou ao quadro de formadores, tendo em vista a heterogeneidade na formação inicial.
A formação continuada é mais que formação, é também compreendida como formação permanente, pessoal e profissional, pois cria espaços de discussões, e investigação das questões educacionais experimentadas, abre um canal de diálogo com as dificuldades de ser educador num contexto social em veloz transformação. Visa à formação de sujeitos, pensa na mediatização dos conteúdos e no caminho percorrido pelo aprendiz para se apropriar das informações e construir seu conhecimento. No plano nacional, as atividades de formação continuada para os profissionais das redes estadual e municipal de ensino é coordenada pelo Programa Nacional de Informática na Educação - (PROINFO) numa iniciativa do MEC/SEED - Portaria de nº 522 de 09/04/97, e suas diretrizes estabelecidas pelo MEC/CONSED.
Esta formação, na maioria das vezes, ocorre por meio de cursos de pós-graduação (lacto-sensu, strictu-sensu), cursos de sensibilização, de extensão e ou aperfeiçoamento.
Desenvolvem-se na própria instituição de ensino, universidades, centros ou núcleos de formação e apresentam carga horária diferenciada presencial ou a distância e podem ocorrer em duas fases distintas.
Na primeira, as universidades federais, estaduais ou particulares viabilizam cursos de especialização lato sensu a professores graduados da rede estadual e municipal que passam a atuar nos respectivos Estados como professores-multiplicadores nos núcleos.

Numa segunda fase, os professores das escolas estaduais e municipais recebem a formação continuada dos professores-multiplicadores em seus próprios Núcleos de Tecnologia Educacional denominados (NTE's) onde a carga horária é diferenciada de acordo com cada estado da unidade federativa.
No Estado do Paraná a formação para os profissionais que atuam na rede pública é ofertada pela Secretaria de Estado da Educação - (SEED) que gerencia por meio da Diretoria de Tecnologia Educacional – (DITEC), desde o ano de 1998, a demanda de recursos bem como as diretrizes que a norteiam.
Além de “propiciar a capacitação de recursos humanos da rede estadual na utilização da informática educativa” (Resolução 3.527/98) especificamente à professores de 1º e 2º graus e técnicos das escolas a DITEC tem entre seus objetivos, prestar assessoria pedagógica à quem atua na educação, e que se propõem a utilizar nos espaços educativos os recursos tecnológicos disponíveis com vistas à ampliar a aprendizagem de seus estudantes. Há que se convir, embora os cursos de formação continuada estejam sendo efetivados, e sejam extremamente importantes e necessários ao desenvolvimento de novas metodologias, nem sempre são suficientes em termos de propiciar mudanças reais no contexto da prática docente.
Embora, o Estado proporcione formação continuada para os profissionais da educação, é visível e necessário que, o gestor escolar seja contemplado com uma formação específica, para poder atuar com eficiência na gestão e uso dos recursos tecnológicos em seus espaços de trabalho.

...Evidencia-se a importância de se desenvolver programas de formação voltados para as especificidades do trabalho dos gestores, alicerçados na articulação entre as dimensões administrativas e pedagógicas, na integração entre tecnologias e metodologias de formação, tendo as tecnologias como artefatos que favorecem os encontros entre pessoas, valores, concepções, práticas e emoções (ALMEIDA, 2005).

É pois preciso, que o gestor seja formado para perceber as diversas redes que compõem o conhecimento, é um processo que envolve muito mais do que “controlar” o uso e o acesso às tecnologias disponíveis, já que na formação, ele também aprende a buscar os caminhos possíveis para desempenhar o seu papel. O desempenho do papel de gestor escolar, requer comprometimento, liderança, capacidade administrativa sobretudo, ações permeadas pela liberdade, autonomia, responsabilidade e atitudes democráticas.

ALMEIDA, M. E. B de. Gestão de tecnologias na escola: possibilidades de uma prática
democrática. In: Salto para o Futuro. Série Integração de tecnologias, linguagens e
representações. Rio de Janeiro: TV Escola, SEED-MEC, 2005.Disponível
em:<http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2005/itlr/tetxt2.htm>Acesso:22.mai.08.

GADOTTI, M. História das Idéias Pedagógicas. São Paulo: Ática, 2001. 319 p.

NÓVOA, Antonio. Formação contínua professores: realidades e perspectivas.
Aveiro/Portugal: Universidade de Aveiro, 1991.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/formacao-do-gestor-escolar-da-inicial-a-continuada-884718.html

    Palavras-chave do artigo:

    formacao continuada

    ,

    professor

    ,

    gestor escolar

    Comentar sobre o artigo

    Neste artigo trataremos da imperiosa necessidade de se implementar a formação tecnológica do gestor.

    Por: Marco Antonio Amarall Educaçãol 24/04/2009 lAcessos: 1,709

    Este texto trata dos pressupostos teóricos e metodológicos acerca da Formação do Gestor Escolar. Destina-se ao aprofundamento das questões relativas à Formação do Gestor Escolar e Gestão e Uso de Tecnologias na Educação. O conteúdo didático desta produção é destinado a quem pretende aperfeiçoar-se na formação do gestor escolar para que este atua na gestão das tecnologias na educação com desenvoltura.

    Por: Marco Antonio Amarall Educação> Ensino Superiorl 12/01/2012 lAcessos: 2,173

    RESUMO A educação brasileira encontra-se num momento de crise, pois, a função da escola vem mudando gradativamente, com essa mudança os professores estão sendo sobrecarregados durante o desenvolvimento de seu trabalho, já que além de ter que repassar seu conhecimento acadêmico, tem tido que repassar valores que até pouco tempo eram recebidos em casa, de seus responsáveis.

    Por: Eraldo Pereira Madeirol Educação> Educação Onlinel 27/09/2010 lAcessos: 17,252 lComentário: 2
    Elizeu Vieira Moreira

    A FORMAÇÃO CONTINUADA de profissionais da educação está prevista no artigo 63, inciso III da LDB (Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996). E o que significa a formação continuada? A professora Isabel Alarcão, no livro Formação continuada como instrumento de profissionalização docente, diz que formação continuada é "um processo dinâmico por meio do qual, ao longo do tempo, um profissional vai adequando sua formação às exigências de sua atividade profissional".

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 14/06/2011 lAcessos: 920
    RINALDO BARROS

    A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), de 1996, trouxe uma novidade: a necessidade de cada escola preparar o próprio projeto pedagógico - antes definido pela Secretaria da Educação, sem a participação dos professores. Isso ampliou a responsabilidade do diretor sobre as questões pedagógicas e a ge

    Por: RINALDO BARROSl Literatura> Crônicasl 17/02/2011 lAcessos: 636

    As adaptações curriculares são os ajustes e modificações que devem ser realizadas nas diferentes instâncias curriculares, favorecendo-lhes condições necessárias para que efetive as ações concretizando o máximo de resultado positivo no seu processo de ensino-aprendizagem.

    Por: Maria Zilda da Silva Barbosal Educaçãol 22/06/2014 lAcessos: 30
    Isabel Cristina Rosa Vieira

    O presente artigo pretende analisar o espaço de formação continuada docente como uma das formas de colocar o professor efetivamente no centro da mudança na Educação. As problematizações propostas buscam compreender o professor como o agente principal do processo ensino-aprendizagem a fim de que os processos educativos, em um mundo de intensas mudanças provocadas, principalmente pela globalização, tornem-se mais qualificados.

    Por: Isabel Cristina Rosa Vieiral Educaçãol 19/08/2009 lAcessos: 884

    RESUMO A ação dos gestores diante do problema da violência escolar é de fundamental importância para a vida dos alunos que a ele possam ter acesso. Não é necessário uma análise profunda de nossa sociedade para perceber o quanto a violência está latente. O índice crescente da violência na sociedade, nas mais diversas formas, já passa dos limites concebíveis. Alguns livros e revistas nos mostram essa dura realidade, entre eles concentramo-nos, principalmente nos cinco seguintes, que nos mostram i

    Por: Ana Lidia Silva Duartel Educação> Ciêncial 22/06/2010 lAcessos: 7,660 lComentário: 1
    Eliaquim Barbosa Pereira

    Este estudo tem como objetivo Analisar o papel do gestor no contexto escolar da Escola Municipal Profª Edneide Sales Campêlo e Escola Estadual Desembargador Sadoc Pereira identificando sua contribuição para o processo educacional. Essa temática despertou em mim, o interesse e reflexão, uma vez que é uma forma de se compreender o estabelecimento e manutenção de uma prática participativa do gestor escolar e, sobretudo, o equilíbrio das dimensões de gestão escolar. Para tanto, apropriei-me da liter

    Por: Eliaquim Barbosa Pereiral Educação> Ciêncial 27/02/2010 lAcessos: 1,099
    Carla Ravaneda

    A importância da boa formação da docência brasileira, aspectos determinantes na graduação, a importância do estágio supervisionado nos cursos de licenciatura.

    Por: Carla Ravanedal Educação> Ensino Superiorl 11/09/2014
    Zilda Ap. S. Guerrero

    O modelo de aluno que temos hoje em sala de aula, nem de longe lembra- nos os moldes dos alunos dos tempos da escola tradicional, não e somente nas escolas públicas, mas também em diversas escolas particulares e de grande renome no mercado educacional. No entanto, há uma forte contradição entre as aulas ministradas em sala de aula; as quais na grande maioria recheadas de conteúdo e parca praticidade, e quase ausência de contextualização das aulas. Urge então mudanças didáticas na escola atual.

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Educação> Ensino Superiorl 10/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O artigo tem como objetivo explicar a funcionalidade do mundo dos vírus. Para tal é necessário uma análise de suas principais características, a definição fundamental da mecanicidade funcional evolutiva dos parasitas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/09/2014
    Ana Paula Assaife

    Este artigo analisa as dificuldades encontradas pelos docentes em sala de aula para o uso das tecnologias voltadas para educação. Estudos sobre a modernidade mostra que esta dificuldade é muito comum nas universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro. Temos por objetivo analisar os impactos da modernidade sobre a universidade e seus desafios. .Conceituar Modernidade e estudar novas prácticas para o l uso da tecnologia no processo ensino/aprendizagem.

    Por: Ana Paula Assaifel Educação> Ensino Superiorl 04/09/2014 lAcessos: 15

    O presente artigo apresenta a resiliência em um ambiente educacional e o papel dos profissionais que ali trabalham para a formação deste aluno. A escola tem papel fundamental na educação de seres resilientes, capazes de transformar e reinventar novas formas para lidar com as adversidades do cotidiano. Sendo o professor uma espécie de facilitador da aprendizagem, exercendo um papel fundamental no incentivo, construção, articulação de informações e saberes na formação dos educandos.

    Por: Zípora Raquel de Paulal Educação> Ensino Superiorl 01/09/2014

    Este trabalho verso a partir de Kant a problemática sobre o Esclarecimento, que irá mostrar a possibilidade do homem sair de sua menoridade, sendo assim, o mesmo terá capacidade suficiente para estruturar um pensamento autônomo, isto é de pensar por conta própria usando a liberdade de entendimento sem que dependa de outras pessoas para obter a maioridade, entretanto, com essa atitude atingir a própria independência intelectual.

    Por: Derivanial Educação> Ensino Superiorl 01/09/2014

    É inegável que nos últimos anos o tema "Diversidade" tem sido bastante discutido , principalmente no setor educacional. Estamos hoje vivenciando um novo momento em que já se admite, ainda que minimante, a existência de preconceitos diversos e racismo no território brasileiro. Quando o tema diversidade entra em cena, abrimos as portas para que o nosso ponto de vista sobre o outro, e de outros sobre nós sejam apercebidos sob uma nova ótica. Esta que torna "o diferente" tão belo quanto "o eu".

    Por: Ivanilda da Silva Cunhal Educação> Ensino Superiorl 27/08/2014
    Tony Monteiro

    Nos últimos anos, houve uma profunda mudança na maneira de construir, pois antigamente as alvenarias eram utilizadas como elemento resistente e de vedação e a sua estabilidade e resistência eram definidos em função de sua geometria.

    Por: Tony Monteirol Educação> Ensino Superiorl 26/08/2014

    Este texto trata dos pressupostos teóricos e metodológicos acerca da Formação do Gestor Escolar. Destina-se ao aprofundamento das questões relativas à Formação do Gestor Escolar e Gestão e Uso de Tecnologias na Educação. O conteúdo didático desta produção é destinado a quem pretende aperfeiçoar-se na formação do gestor escolar para que este atua na gestão das tecnologias na educação com desenvoltura.

    Por: Marco Antonio Amarall Educação> Ensino Superiorl 12/01/2012 lAcessos: 2,173

    Este artigo apresenta uma experiência do uso de instrumentos de avaliação na formação continuada para professores na modalidade a distância. Analisa o desenvolvimento e uso de instrumentos para avaliar o ambiente de aprendizagem da sala de aula a partir da perspectiva do aluno. Discorre sobre a avaliação, sua forma e importância, contextualiza sua aplicação nos “Cursos de Formação para Professores-tutores em EaD” promovidos pela Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED). Trata do conceit

    Por: Marco Antonio Amarall Educação> Educação Onlinel 02/02/2010 lAcessos: 2,742 lComentário: 1

    Este artigo busca refletir a importância de se efetivar o papel articulador ao fazer cotidiano. Apresenta alguns conceitos a respeito da Educação à Distância, desde seu início até a atualidade. Pondera sobre o real papel do tutor no processo de ensino e aprendizagem. Tenta justificar que é necessário caracterizar a atuação desse profissional para que o cursista tenha formação e aprendizagem significativa, tornando-o autônomo e emancipado plenamente.

    Por: Marco Antonio Amarall Educação> Educação Onlinel 09/12/2009 lAcessos: 2,104

    Este artigo trata da Educação a Distância. Apresenta alguns conceitos a respeito da Educação a Distância, desde seu início até a atualidade. Pondera sobre as abordagens teóricas e metodológicas e sua presença na Lei.

    Por: Marco Antonio Amarall Educação> Educação Onlinel 09/12/2009 lAcessos: 2,022

    Neste artigo trataremos da imperiosa necessidade de se implementar a formação tecnológica do gestor.

    Por: Marco Antonio Amarall Educaçãol 24/04/2009 lAcessos: 1,709

    Este artigo trata das Políticas de Pós Graduação em Educação busca refletir de que forma vem ocorrendo os cursos de pós graduação perante os efeitos da globalização.

    Por: Marco Antonio Amarall Educaçãol 12/03/2008 lAcessos: 601

    Este texto trata das diferentes formas de aprendizagem.

    Por: Marco Antonio Amarall Educaçãol 12/03/2008 lAcessos: 2,114 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast