LINGUA E LINGUAGEM

Publicado em: 04/09/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 20,390 |

INTRODUÇÃO

Na sociedade em que vivemos a linguagem perpassa cada uma de nossas atividades individuais e coletivas, verbais e não verbais. As línguas se cruzam, se complementam e se modificam incessantemente, acompanhando o movimento de transformação do ser humano e suas formas de organização social. No presente artigo aborda-se a língua e a linguagem verificando-se no ato da fala estas qualificam-se no processo comunicativos do ser falante. A obra fora confeccionada na visão do estudioso Saussure, onde o mesmo será publicado via on line,para que possa  contribuir com os acadêmicos,professores e outros interessados no campo da ciência em prol social.

1. LINGUAGEM E COMUNICAÇÃO

A língua é, portanto como afirma Saussure é um "sistema de signos", ou seja, um conjunto de unidades que estão organizadas, formando um todo. O signo como associação entre significantes (imagem acústica) e significado (conceito).

A linguagem verbal é por sua natureza comunicativa, faz com as pessoas se entendam e possam construir referenciais comuns entre si. Conjunto dos sons emitidos quando se fala tem uma ordem, uma gramática da língua.A língua, como vimos, é a linguagem que utiliza a palavra como sinal de comunicação.

O caráter social da língua é facilmente percebido quando levamos em conta que ela existe antes mesmo de nós nascermos. Cada um de nós já encontra a língua formada e em funcionamento, pronta para ser usada. E, mesmo quando a pessoa deixa de existir, a língua, subsistirá independentemente de nós. A língua pertence a todos os membros de uma comunidade; por isso faz parte do patrimônio social e cultural de cada coletividade.

 

 

Linguagem é um conjunto de sinais de que o homem se serve para comunicar-se. A comunicação humana é realizada de várias maneiras, por meios de apelos visuais, auditivos, linguagem corporal e principalmente pela linguagem verbal.

A linguagem não é só um sistema um instrumento utilizado para a comunicação ou veiculação de informações, mas principalmente, uma forma de mostrarmos socialmente aquilo que pensamos que somos o que entendemos do mundo, o que gostaríamos que os outros enxergassem em nós. Para Suassure (1969:26-28)

"Se na dicotomia sincronia versus diacrônica se estabelecem duas maneiras de estudar a língua, na dicotomia língua versus fala há a definição do conceito de língua. Porque a língua é coletiva e a fala e a é particular, portanto, a língua é um dado social e a fala é um dado individual. Além disso, a língua é sistemática e a fala é assistemática".

Baseado em um dos estudos de Saussure sobre a linguagem, destaca-se a relação intrínseca língua e fala. Na definição do lingüista genebrino, língua "é a parte social da linguagem que, em forma de sistema, engloba todas as possibilidades de sons existentes em uma comunidade". Passado desse principio, a língua se caracteriza como ato exterior ao individuo que, não pode criá-la nem modificá-la. De acordo com os lingüistas, a língua evolui de geração em geração.

A língua é uma construção de determinada sociedade e, portanto, um conjunto de escolhas que representam os valores, os modos de se ver, sentir e ser dos grupos sociais. O conjunto de regras de uma língua é estudada pela gramática.

A língua é exterior aos indivíduos, e por isso, este não podem criá-las ou modificá-las individualmente. Ela só existe em decorrência de espécie de contato coletivo que se estabeleceu entre as pessoas e ao quais todos aderiram. A língua portuguesa, por exemplo, pertence a todos que dela se utilizam. Embora popularmente a maioria das pessoas utilize as palavras linguagem, língua e fala para designar a mesma realidade, do ponto de vista lingüístico, esses termos não devem ser confundidos.

É claro que a distinção que se faz entre linguagem, língua e fala tem caráter meramente metodológico, uma vez que esses três conceitos revelam aspectos diferentes de um processo amplo, que o da comunicação humana. Isso, provavelmente, explique a razão por que a maioria das pessoas emprega essas três palavras para designar uma mesma realidade.

Linguagem é todo sistema de sinais convencionais que nos permite realizar atos de comunicação. Ao nosso redor pode-se observar vários tipos de linguagens, tais como, a linguagem dos surdos-mudos, dos sinais de trânsito,a linguagem que usamos,etc.

Além da linguagem verbal, cuja unidade básica é a palavra (escrita, falada), existe linguagens não-verbais que são aquelas que utilizamos para atos de comunicação outros sinais que não palavras, como a música, a dança, etc. Mais recentemente com o aparecimento da informática, surgiu também a linguagem digital, que permite armazenar e transmitir informações em meios eletrônicos.

 

1.2 As variedades lingüísticas

 

Cada um de nós começa aprender a língua em casa, em contato com a família e com as pessoas que nos cercam. Aos poucos vamos treinando nosso aparelho fonador (os lábios, a língua, os dentes, os maxilares, as cordas vocais) para produzir sons que transformam em palavras, frases e textos inteiros, e vamos nos apropriando ao vocabulário das leis combinatórias da língua,ate nos tornarmos bons usuários dessas ,seja pra falar e ouvir ,seja para escrever ou ler .

Em contato com outras pessoas na rua, na escola, no trabalho, observamos que nem todas falam como nos isso ocorre por diferentes razões: porque a pessoa vem de outra região, por ser mais velha ou mais jovem; possuir menor ou maior grau de escolaridade; por pertencer ao um grau de escolaridade; por pertencer ou classe social diferente. Essas diferenças no uso da língua constituintes as variedades lingüística.

 

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Portanto a língua é um aspecto da linguagem. Trata-se de um sistema de natureza gramatical. Pertence a um grupo de indivíduos, formado por um conjunto de sinais (palavras) e por um conjunto de regras e combinações desta. É uma instituição social de caráter abstrato, exterior aos indivíduos que a utilizam, que somente concretiza através da fala e que é também um ato individual de vontade e inteligência.

No entanto, se compreendermos a língua como fruto de um processo de construção histórica e social, concluiremos que ela está em constante transformação;sem cristaliza-se em formas eternas, ela muda.Porque o ser humano é assim, mutante e criativo. As necessidades humanas se alteram, e com elas a língua que as representa e cria referenciais históricos.

REFERÊNCIAS

CEREJA, William. Português 1 Linguagens. 6. ed., São Paulo: Atual, 2008

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix/ Edusp, 1969.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 11 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/lingua-e-linguagem-3201224.html

    Palavras-chave do artigo:

    palavras chave lingua linguagem comunicacao palavra fala

    Comentar sobre o artigo

    O ensino de língua inglesa em um mundo globalizado se torna essencial a todos, pois, independente da razão, seja ela econômica, social, diplomática ou comercial, a necessidade de falar um idioma e conhecer a cultura de outra nação é bem antiga, por isso, os PCNs incluíram dentro dos seus parâmetros o ensino de língua inglesa. Porém, os discentes de faculdades e universidades sentem dificuldades em adquirir esse idioma e transmiti-lo.

    Por: Dayse S. Damascenol Educação> Línguasl 07/11/2010 lAcessos: 3,827 lComentário: 2

    RESUMO A língua pode apresentar diversas características no processo de formação de uma sociedade, levando em consideração os seus aspectos culturais, sociais, hereditários e principalmente econômicos. Este artigo pretende colocar com maior freqüência, o processo de formação de uma linguagem por determinada sociedade, onde aplica-se valores que produzem discriminações no interior dessa polis, apresentando com freqüências as variedades que se formam e aplicam-se no cotidiano cultural.

    Por: ALCILENE SILVAl Educação> Ensino Superiorl 05/09/2010 lAcessos: 3,703

    RESUMO Este artigo foi realizado pelas alunas do 7º semestre do curso de Letras português/espanhol do Centro Universitário _UNIVAG, realizado durante o estágio supervisionado, ma Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Profº Nilo Povoas”, no município de Cuiabá_mt. As perspectivas são: questões de linguagem a serem trabalhadas no ensino Línguas estrangeiras como uma habilidade básica descontextualizada; concepção de linguagem como prática social imersa em condições locais (letramento). As divergências encontradas referem-se: ao conceito de alfabetização/letramento, ao potencial atribuído à alfabetização para o desenvolvimento nacional e melhoria das condições sociais, à possibilidade de uma medida padronizada válida das habilidades de alfabetização, e ao poder do contexto na determinação do letramento como uma prática estável.

    Por: Marta Nunes e Sirleide Carvalhol Educaçãol 21/08/2009 lAcessos: 1,930
    Vilma, Magna , Samara

    Resumo O cenário educacional brasileiro sempre foi um caso a se refletir em especial se o que esta na teoria tão presente em nossas universidades também se encontra na prática. O objetivo do presente trabalho é refletir sobre o processo de alfabetização enfocando os aspectos da oralidade, da leitura e da escrita, baseando-se em uma observação realizada em uma escola da rede pública da cidade de Fortaleza. Buscamos apresentar concepções teóricas articulando-as com o trabalho realizado pela educadora de uma turma do 1º ano, refletindo sobre a importância e o papel que a família e a sociedade desempenham no processo de construção e desenvolvimento de uma aprendizagem significativa para a vida e para a sociedade.

    Por: Vilma, Magna , Samaral Educação> Línguasl 04/10/2009 lAcessos: 12,014 lComentário: 3

    RESUMO: Este trabalho foi realizado durante o estágio, na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio “Prof.º André Avelino Ribeiro” no município de Cuiabá-MT, Bairro CPA I, em que foram direcionados aos alunos, professora e coordenação questionários com o objetivo de acionar uma reflexão acerca do ensino de língua espanhola, o qual se encontra em fase de implantação em nosso estado, visando demonstrar a importância desta língua e como ela vem sendo ensinada nas unidades escolares principalmente nas escolas públicas, o referido estágio foi realizado por mim discente do Centro Universitário UNIVAG, que está cursando o 7º semestre do curso de Letras português/ espanhol.

    Por: Marta Nunes e Sirleide Carvalhol Educaçãol 21/08/2009 lAcessos: 2,257

    RESUMO: Este artigo refere – se sobre o ensino da língua portuguesa na escola tem sido o centro da discussão acerca da necessidade de melhorar a qualidade de educação no país. No ensino fundamental, o eixo da discussão, no que se refere ao fracasso escolar, tem sido a questão de literatura e da escrita. As escolas estão tendo muita dificuldade para trabalhar essas modalidades do ensino.

    Por: Maria Rodrigues Bentol Educação> Educação Infantill 15/11/2010 lAcessos: 969
    Ana Claudia Menezes Araujo

    O presente trabalho foi elaborado com o objetivo de analisar a linguagem de jovens e adolescentes e seus sentidos, levando em consideração, para fins interpretativos, o contexto de fala dos mesmos. Para a concretização do mesmo, fez-se entrevistas com estudantes adolescentes da faixa etária entre 14 e 18 anos. Tal pesquisa evidenciou que os adolescentes utilizam a linguagem de gírias para a comunicação dentro e fora de seu respectivo grupo linguístico.

    Por: Ana Claudia Menezes Araujol Educação> Línguasl 14/09/2010 lAcessos: 7,898 lComentário: 2
    Elizeu Vieira Moreira

    Uma novela da Rede Globo, por mais que o professor concorde ou não com seu conteúdo, pode ser um ponto de saída e de chagada para o processo pedagógico de ensino da Língua Portuguesa. E mais! Uma música como "leque, leque" deve ser levada para a sala de aula não só para servir de exemplo para analisar seu conteúdo gramatical, mas também para mostrar que o "conteúdo melódico e harmônico" é reflexo da educação de nosso país.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educaçãol 21/05/2013 lAcessos: 30
    Antonio Carlos Machado

    Pretende-se evidenciar as práticas de Leitura, Produção Escrita e Análise Linguística do aspecto Morfológico Estrutural das palavras em poemas de Cecília Meireles, identificando os morfemas lexicais, classificatórios, flexionais e derivacionais; de acordo com a visão científica de alguns teóricos da língua portuguesa como Irandé Antunes, Câmara Jr., Ingedore Villaça, Maria Cecília, Geraldi e dentre outros, através de uma experiência aplicada em sala de aula.

    Por: Antonio Carlos Machadol Educação> Línguasl 12/03/2012 lAcessos: 1,149

    Esta pesquisa apresenta uma análise sobre atuação do assistente social na Base Aérea de Boa Vista-BABV , tem como objetivo geral compreender a prática, as perspectiva e desafios do profissional Assistente Social na BABV, por meio deste foi definido três objetivos específicos, sendo desvelar os aspectos da história do Serviço Social no Brasil; Relatar a respeito da Força Aérea Brasileira: Espaço Sócio Ocupacional de atuação do assistente social e conhecer sua prática do profissional na BABV.

    Por: tamires almeidal Educação> Ensino Superiorl 21/08/2014
    Fábio Fabris

    A pesquisa teve como objetivo analisar a intensidade do ruído de uma sala de máquinas de refrigeração de um frigorífico do norte do Mato Grosso e, avaliar o conhecimento dos trabalhadores tem do seu ambiente laboral acerca dos malefícios causados pelo ruído.

    Por: Fábio Fabrisl Educação> Ensino Superiorl 17/08/2014

    O presente artigo busca mostrar que a avaliação se faz presente não só na identificação da perspectiva político-social, como também na seleção de meios alternativos e na execução do pretende-se realizar. Além disso destaca que todo o processo pedagógico escolar está permeado pela avaliação que se faz opção: o ato de planejar até a prática pedagógica.

    Por: monica rolim de moural Educação> Ensino Superiorl 16/08/2014

    Vou te mostrar nesse post como se proteger de plágio e de que forma você pode se beneficiar de um trabalho bem citado e sem problemas de cópia.

    Por: William Leitel Educação> Ensino Superiorl 16/08/2014
    Jonathas Rafael dos Santos

    Este artigo tem como enfoque defender que não é necessário um modelo regido por ideais hierárquicos e inflexíveis para se alcançar resultados satisfatórios no processo de aprendizagem. Para isso, fundamenta-se nos pressupostos teóricos de Jean Piaget, ressaltando as principais concepções da sua teoria e as suas devidas contribuições para a ciência. A saber, a compreensão do desenvolvimento intelectual e moral do sujeito.

    Por: Jonathas Rafael dos Santosl Educação> Ensino Superiorl 15/08/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O mundo poderia não ser o mundo. Tal ideia não é descabida. O universo poderia ser apenas aberto. Escuro e infinito. Interminavelmente. Em todos os aspectos. Em universos contínuos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 11/08/2014 lAcessos: 18

    A avaliação do GMAT é o resultado da conjugação de 4 notas distintas: redação em língua inglesa sobre um tópico que varia de 0 a 6, seção de raciocínio integrado, com 12 questões para serem feitas em 30 minutos, que oscila entre 0 e 8 e as notas individuais das seções quantitativa e verbal, que oscilam entre 0 e 60. Devido a limitações da forma de correção da prova, oscilam entre 6 e 51. O score mais comum do GMAT é uma conjugação desses dois últimos, resultando em uma nota entre 200 e 800.

    Por: Rita Iabrudil Educação> Ensino Superiorl 07/08/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A natureza do agnosticismo, como fonte da racionalidade defende como princÍpio intelectual a razão como único meio do conhecimento necessariamente suficiente, instrumento cognitivo elaborado na memória.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 04/08/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast