Lukács. História e Consciência de Classe

21/12/2012 • Por • 26 Acessos

Gyorgy Lukács.   Hungria.

1885-1971.

Ele desenvolveu uma filosofia política, cujo conteúdo sistemático obrigava  necessariamente pensar a sociedade como um todo.  Procura analisar tudo do  ponto vista histórico e dialeticamente, interligando os fatos de forma  interdisciplinar.

Era marxista e escreveu livros importantes, entre eles podemos citar História  e consciência de classe, nessa obra faz uma analise dialética das condições  históricas do desenvolvimento capitalista, os meios adequados para a criação da  nova sociedade, ou seja, o socialismo de Estado.  

Ele afirmava que a única classe que tem condições de fazer uma análise  visando entender à totalidade da sociedade capitalista, seria a classe  trabalhadora, isso pelo motivo que a mesma é prejudicada na forma que se realiza  o desenvolvimento capitalista.

O proletário consegue entender a sociedade capitalista, porque o mesmo é  produto das crises permanentes e ao mesmo tempo é vítima dessas crises, a  transformação política e econômica interessa aquele que sofre na pele o  significado da exploração. 

Quando o proletário entende o capitalismo, o mecanismo por meio do qual  produz a própria pobreza, é imponderável o termo riqueza sem sua contrapartida,  o fenômeno da pobreza, motivo pelo qual, riqueza e pobreza são produtos de um  mesmo mecanismo de desenvolvimento capitalista.

O Estado é o mecanismo que garante a exploração, sem o mesmo a burguesia não  seria capaz de realizar suas revoluções industriais, ninguém é pobre por  incapacidade, a pobreza é algo produzido politicamente, por isso mesmo só  através da política poderá chegar à construção de um relativo Estado de  Igualdade, o proletário politizado tem essa consciência.

A teoria de classe é elo entre teoria e consciência revolucionária, com  efeito, quando a mesma não é revolucionaria diz Lukács, é uma consciência  massificada, alienada sem nenhuma produção social para a mudança política,  visando à igualdade e bem estar social, o que não poderá acontecer na sociedade  capitalista.

Posteriormente Lukács faz uma crítica ao seu próprio livro, História e  consciência de classe, isso devido a sua análise um tanto subjetiva, entende  ele, que a luta não é tão imediata como por outro lado, a própria consciência, e  que às vezes o desenvolvimento da sociedade capitalista tem poder de captar o  trabalhador para o próprio movimenta capitalista, evitando que o mesmo seja de  fato revolucionário.

Lukács, posteriormente muito desiludido com a perspectiva revolucionaria  imediata, porém, crítico, percebendo que a mudança social não era muito simples,  marxista como era, resolveu desenvolver sua reflexão política modificando um  pouco o seu campo de ação social, sem perder a perspectiva da revolução.

Voltou se mais para estética e para a crítica literária, na sua ultima obra,  Ontologia do ser social, encontramos importantes contribuições à teoria marxista  da história e da política.

Ele procurou recuperar aspectos importantes da obra de Marx, analisando em  particular os aspectos importantes de sua teoria, para o processo de mudança  social, em referencia ao modelo capitalista, em direção a uma sociedade  socialista.

O entendimento humano em sua existência social, como produto do meio, dos  mecanismos dos tempos históricos, quando o homem não consegue desenvolver a  linguagem necessária ao próprio tempo, dentro da história, isso significa um  homem coisificado,  o que não é absolutamente nada do ponto de vista da sua  história política.

Lukács também integrou os textos de Marx, reconheceu uma continuidade entre  eles, na mesma perspectiva, cumprindo suas fases de análises visando exatamente  à transformação política da sociedade, nesse sentido prestou um grande serviço à  teoria revolucionário de Marx, para a superação do próprio capitalismo, isso do  ponto de vista da teoria, no desenvolvimento de uma análise epistemológica.

Edjar Dias de Vasconcelos. 

Perfil do Autor

Edjar Dias de Vasconcelos

Bacharel em Teologia pela Pontifícia Faculdade de Teologia Nossa Senhora da Assunção - Arquidiocese de São Paulo com graduação máxima no...