O conhecimento dos academicos de enfermagem sobre as hepatites

Publicado em: 04/04/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 1,416 |

1. INTRODUÇÃO:

As infecções causadas pelo vírus da hepatite B (HBV) e da hepatite C (HCV)são problemas mundiais de saúde pública. Mais de 2 bilhões de pessoas já foram infectadas pelo HBV em todo o mundo, com cerca de 350 milhões delas tornando-se portadoras crônicas do vírus. A cada ano ocorrem mais de 4 milhões de novos casos agudos da hepatite B, dos quais cerca de 25% (1 milhão de pessoas) morrem anualmente por hepatite crônica ativa, cirrose ou câncer . Em relação ao HCV, estima-se que cerca de 3% da população mundial foi infectada pelo vírus, com aproximadamente 170 milhões de portadores crônicos. A cada ano, surgem de 3 a 4 milhões de novos casos da doença. O HBV é transmitido por exposição parenteral, percutânea ou permucosa, pelo sangue contaminado ou por fluidos corporais. (1) O vírus circula em títulos elevados no sangue e em níveis mais baixos em outros fluidos orgânicos (saliva, sêmen ou fluido vaginal) e é, aproximadamente, cem vezes mais infectante que HIV e dez vezes mais que HCV . A transmissão do HCV ocorre principalmente por transfusão de sangue contaminado (incluindo preparações de imunoglubulina), uso de drogas intravenosas, tatuagens, body piercing e, secundariamente, por via sexual (2).

Os profissionais  e os acadêmicos de Enfermagem estão expostos a estes vírus através

de contato com fluídos corpóreos e manipulação de materiais perfuro cortantes onde

ocorre contaminação pela mucosa na primeira situação e por via cutânea na segunda

onde então entrarão na corrente sanguínea. As causas são variadas desde o não uso dos

equipamentos de proteção individual (EPIs) até o mal hábito de reencapar agulhas. (3;4;5;6).

Existem outros tipos de Hepatites como A e E de transmissão fecal-oral e ainda a Hepatite medicamentosa ou Hepatotoxidade.  Há casos em que a reexposição de indivíduos susceptíveis a fármaco, leva a hepatite aguda de curso fulminante (7).

Estudos comprovam que tanto profissionais de saúde como Acadêmicos de Enfermagem praticam a auto medicação. Essa prática pode ser favorecida por fatores tais como facilidade de acesso aos fármacos e a dificuldade de acesso aos serviços de saúde (enquanto usuários), ora por falta de tempo ora dinheiro para planos de saúde ora pela dificuldade de acesso aos serviços de saúde ora pela dificuldade do cuidados de "si" (8). A prática de automedicação entre os acadêmicos de Enfermagem podem estar relacionado ou não a falta de informações sobre farmacologia e conhecimentos associados ou não (9). Estudos anteriores apontam o uso de antiinflamatórios e analgésicos como principais drogas consumidas na prática da automedicação, seguido do grupo de psicotrópicos (10).

O enfermeiro é responsável pelo acolhimento do usuário do serviço de saúde, considerando-o como sujeito das ações de prevenção e controle da doença e transformador do seu cuidado (11).

É preciso que o profissional em formação perceba o porquê da ocorrência desses acidentes com perfuro cortante, o porquê do uso da automedicação. Se for devido à falta de conhecimento sobre as Hepatites como se adquire, fisiopatologia, tratamento e prevenção e ainda se há conhecimento insuficiente dos efeitos colaterais das medicações, farmacocinética e farmacodinâmica e interações medicamentosas.

Então a proposta deste trabalho é realizar um levantamento de dados através de questões das disciplinas de Doenças Transmissíveis e Farmacologia entre os acadêmicos de Enfermagem do 5º e 6º semestre para saber qual o real conhecimento sobre as tais disciplinas citadas e ainda conscientizar para sermos bons Enfermeiros acolhedores dos usuários dos serviços de saúde é necessário ter conhecimento consistente sobre as doenças, tratamento e prevenção para prestarmos uma assistência no mínimo eficaz.

2 OBJETIVO:

Avaliar o conhecimento dos Acadêmicos de Enfermagem do 5º semestre sobre os tipos de Hepatites.

3 MATERIAL E MÉTODO:

Para o levantamento dos artigos científicos utilizados para a pesquisa, foram consultadas as bases de dados: Google acadêmico, BIREME (LILACS) e Scielo, utilizando os seguintes descritores: conhecimento, acadêmicos de enfermagem, hepatite, profissionais de enfermagem.

Foi realizada uma pesquisa de campo,qualitativa, tendo como objetivo conseguir informações ou conhecimentos acerca de um problema, para o qual se procura uma resposta, ou hipótese, que se deseja comprovar, ou, ainda, descobrir novos fenômenos ou as relações entre eles. O tipo de pesquisa de campo é exploratório, consistindo em investigações de pesquisa empírica cujo objetivo é a formulação de questões ou de um problema, com a tripla finalidade: desenvolver hipóteses, aumentar a familiaridade do pesquisador com o ambiente, fato ou fenômeno, para realização de uma pesquisa futura mais precisa ou modificar e clarificar conceitos. 12

Para a realização desta pesquisa, foi necessária a aplicação de um questionário com 10 perguntas fechadas de múltipla escolha, para facilitar o entendimento do assunto em questão. Local da pesquisa:  foi realizada no Campus da Universidade Nove de Julho, na unidade localizada na rua Vergueiro,nº235/249 , no período Diurno, Vespertino e Noturno, com graduandos do 5º semestre do curso de enfermagem. Critérios de inclusão/exclusão: acadêmicos do curso de enfermagem que estejam cursando o 5º semestre do curso; acadêmicos que estudem no campus da unidade Vergueiro no período diurno, vespertino e noturno; discentes que não estejam realizando dependência ou adaptação da disciplina de Doenças Transmissíveis (DT); discentes que queiram participar da pesquisa. Critérios de exclusão: Discentes do curso de enfermagem que não estejam cursando o 5º semestre do curso; acadêmicos que tenham ficando em dependência ou adaptação na disciplina de Doenças Transmissíveis;  discentes que esteja matriculado em qualquer outro curso da área da saúde, ou que não esteja devidamente matriculado na unidade Vergueiro.Discentes que não queiram participar da pesquisa. O participante da pesquisa teve o direito de conhecer as razões pelas quais foi incluído como sujeito da pesquisa. Informações: O voluntário teve e tem garantia que receberá respostas a qualquer pergunta ou esclarecimento de qualquer dúvida quanto aos procedimentos, riscos benefícios e outros assuntos relacionados com pesquisa. Também os pesquisadores supracitados assumiram o compromisso de proporcionar informação atualizada obtida durante o estudo, ainda que esta possa afetar a vontade do indivíduo em continuar participando.  Aspecto Legal: Elaborados de acordo com as diretrizes e normas regulamentadas de pesquisa envolvendo seres humanos atendendo à Resolução n.º 196, de 10 de outubro de 1996, do Conselho Nacional de Saúde do Ministério de Saúde – Brasília – DF.

Os resultados da pesquisa serão publicados e divulgados conforme autorização da Instituição estudada, através de apresentação oral, Banner e trabalho científico.

A pesquisa encontra-se cadastrada no Sisnep sob o nº 342961

RESULTADO E DISCUSSÃO

Conforme proposto foi realizado a coleta de dados com graduandos de Enfermagem do 5º semestre (3º ano) do campus Vergueiro nos períodos diurno, Vespertino e Noturno no total de 45 pessoas utilizando um questionário com 10 perguntas objetivas elaboradas baseado em Aguiar (13) onde:

Referente as Cirroses Hepática, Biliar e Pós necrótica 64,4% (29 graduandos) responderam que as principais causas são Hepatites B e C, consumo abusivo de álcool em excesso, obstrução de canais biliares por pedras ou tumores, uso de drogas, exposição a inseticidas, bactérias e outros; 13.3% (6 graduandos) responderam que as principais causas estão relacionadas a exposição a bactérias e inseticidas e outros produtos tóxicos, bebida alcoólica em excesso, abuso de cigarro, vida sedentária e obstrução de canais biliares, outros 13,3% responderam que as principais causas são Hepatites virais, medicamentosa, alcoólica e auto-imune; já 6,8% (3 graduandos( responderam nenhuma das afirmações anteriores eram corretas; e 2, 2% (1 graduando ) respondeu que a Cirrose Hepática é causada unicamente por bebida alcoólica, a Cirrose Biliar por Hepatites Virais e obstrução dos canais biliares e a Cirrose Biliar pela Hepatite Auto-imune. O resultado demonstra que mais da metade dos graduandos sabem relacionar as principais Cirroses a suas principais causas. Sendo que as Cirroses mais comuns e suas principais causas segundo Ida (14) a Hepática e a Pós necrótica e essas evoluem para Carcinoma Hepato-Celular (CHC).

Mas quanto aos principais tipos de Hepatites 35,6% (16 graduandos) responderam que são as  virais A B C D e E; 28,9% (13 graduandos) responderam que além das virais existe a medicamentosa, alcoólica e auto-imune; 33,3% (15 graduandos) demais respostas e 2,2%  (1 graduando) não respondeu. É perceptível que apenas 28,9% dos 100% pesquisados, conhecem os principais tipos de Hepatites é importante ressaltar que as Hepatites alcoólica, medicamentosa e auto-imune pode levar um indivíduo a óbito seja de forma gradativa ou fulminante conforme estudos anteriores. (Ida e Oliveira). (14,15)

A situação fica mais crítica quando se refere ao conceito de Hepatite 42,2% (19 graduandos) responderam que é uma doença do fígado e apenas 22,2% (10 graduandos) responderam que é qualquer processo inflamatório que resulta na morte dos hepatócitos, 33,4% (15 graduandos) demais respostas e 2,2% não responderam. Esta questão e a anterior referente aos principais tipos de hepatites estão correlacionadas. Não é possível conhecer as principais Hepatites sem saber o conceito de Hepatite. Um hepatócito é uma célula hepática logo se as células hepáticas morrem todo o órgão sofre e pode comprometer seu funcionamento. (14)

Interessante que 51,1% (23 graduandos) souberam responder que o período de incubação da Hepatite B é de 30 – 180 dias (em média de 60 – 90 dias) em comparação a 46,7% (21 graduandos) responderam que o período mínimo é entre 11 – 15 dias e o período máximo entre 45 – 150 dias e 2,2% não respondeu. Isso demonstra que um pouco mais da metade dos graduandos conhecem o período de incubação: Que é o período entre o contato do indivíduo com o vírus até a manifestação da doença. Além de ser necessário conhecer o período de incubação é importante saber o que fazer após a exposição ao vírus como colher sorologia, estar com a vacinação em dia e fazer a soroconversão o mais rápido possível. (1)

Quanto a das Hepatites B, C e D 40% (18 graduandos) responderam que é por via sexual, parenteral e vertical; 24,4% (11 graduandos) responderam além das citadas acima a via percutânea, 31,2% (14 graduandos) demais respostas e 4,4% (2 graduandos) não responderam. O resultado demonstra que a via percutânea é descartada como via de transmissão destas Hepatites, mas, na realidade é a via que os profissionais de saúde principalmente os de enfermagem e também estagiários estão mais expostos através de lesões por perfuro cortantes (agulhas, bisturi, vidraçarias). (6)

Dos 45 graduandos, 44,4% (20 graduandos) responderam que o risco da Hepatite B evoluir para cronicidade é de 60% a 90%, 24,4% (11 graduandos) responderam que é raro a Hepatite B evoluir para cronicidade, e apenas 20% ( 9 graduandos) responderam que pode evoluir 90% nos menores de 1 ano, 20% - 50% de 1 – 5 anos, e 5% - 10% nos adultos, e 11,2% (5 graduandos) optaram por outras respostas. É perceptível o conhecimento insuficiente sobre o risco de cronicidade da Hepatite B. Segundo Castelo (15) a estimativa de indivíduos contaminados pelo Vírus Crônico da Hepatite B (VCHB) é de 400 milhões e até 1 milhão morram anualmente por causa da doença. A Vigilância Epidemiológica (16) informa que a Hepatite B aguda normalmente tem um bom prognóstico: o indivíduo resolve a infecção e fica livre do vírus em cerca de 90% - 95% dos casos. As exceções ocorrem nos casos de Hepatite fulminante (< de 1% dos casos) e Hepatite B na criança (90% de chance de cronificação em crianças menores de 1 ano e 20% a 50% para aquelas que se infectam entre 1 e 5 anos de idade) e em alguns pacientes com algum tipo de imunodeficiência.

Na questão referente o cuidado que o profissional de Enfermagem deve ter ao lidar com pacientes infectados com a Hepatite B 35,6% (16 graduandos) responderam uso de todas as EPIs, 28,9% (13 graduandos) responderam precaução padrão e vacina, 22,2% (10 graduandos) responderam precaução de contato e vacina, 11,1% (5 graduandos) outras respostas e 2,2% não responderam. O resultado demonstra a preocupação dos graduandos em se proteger seja no uso de todas as EPIs, precauções padrão ou contato e vacinação. Mas segundo o Ministério da Saúde o uso correto da precaução padrão ou precauções universais e a vacinação em dia é o suficiente para garantir a proteção dos profissionais que lidam diretamente com esses pacientes.(6) Vilela (17) afirma que a identificação das vias de transmissão e de entrada determina quais medidas de proteção devem ser adotadas.

Na questão qual (is) Hepatite(s) é (são) considerada(s) DST (s) 51,1% (23 graduandos) responderam Hepatites B e C, 20% (9 graduandos) responderam Hepatites B,C e D, e apenas 15,6% (7graduandos) Hepatite B, 11,1% outras respostas e 2,2% não responderam. O resultado demonstra que um pouco mais da metade dos graduandos entendem que as Hepatites B,C e D são adquiridas por via sexual o que não deixa de ser verdade. Segundo o Ministério da Saúde as Hepatites virais B, C e D são transmitidas pelo sangue (via parenteral e vertical), esperma e secreção vaginal (via sexual), sendo esta última mais incomum para Hepatite C. O Departamento de DST e HIV (6) denomina a Hepatite B como DST; a Hepatite D está relacionada a Hepatite B Crônica onde o vírus da Hepatite D utiliza o envelope do VCHB, tornando viável sua sobrevivência e replicação conforme exposto no Protocolo de Tratamento das Hepatites (1).

Referente  a vacinação 48,9% (22 graduandos) responderam que só há vacina para Hepatite B, 28,9% responderam que não há vacina para Hepatite D, porém se o indivíduo for vacinado contra Hepatite B reduz a prevalência de Hepatite D, 22,2% outras respostas. O resultado demonstra que menos da metade dos graduandos sabem que existe vacina apenas para a Hepatite B para a população. Pelo Programa Nacional de Imunização (18) apenas a vacina para Hepatite B faz parte do calendário vacinal no território brasileiro.

Na questão referente a prevenção das Hepatites em geral, 73,3% (33 graduandos) responderam saneamento básico, uso de seringas e agulhas descartáveis uso de camisinha nas relações sexuais, uso correto das EPIs e consumo de medicamentos mediante prescrição médica, 15,6% responderam uso de EPIs e preservativo nas relações sexuais, 4,4% demais respostas e 6,7% (3 graduandos) não responderam. Percebe-se quanto ao conhecimento da prevenção eles demonstram ter para as Hepatites em geral, mas é necessário ressaltar no ensino acadêmico detalhadamente o uso de Equipamento de Proteção Individual e os tipos de Precauções em cada Hepatite.

CONCLUSÃO

Um pouco mais de 50% conhecem as principais causas das Cirroses e prevenção das Hepatites em geral, por outro lado, menos de 30% sabem as principais vias de transmissão das Hepatites B, C e D; não sabem o perigo de, por exemplo, uma hepatite B tornar-se crônica e não sabem que para cuidar de um paciente portador da Hepatite B basta precaução padrão e o profissional tem a obrigação de estar com a vacinação em dia. Era esperado que o acadêmico do 5º semestre tivesse ao menos 50% de aproveitamento da disciplina de Doenças Transmissíveis. Mas é necessário traçar melhor o perfil desses alunos os impediram de saber um pouco mais. É importante ainda ressaltar que amanhã serão Enfermeiros e terão de saber mais do que sabem hoje para prestar um cuidado adequado no mínimo.

6 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

1. Ministério da Saúde. (BR) Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais. Programa Nacional para Prevenção e o Controle das Hepatites Virais. Brasília (DF); 2009. p. 23.

2. Livramento A do, Cordova CMM de, Spada C, Treitinger A. Avaliação do nível de conhecimento de Adolescentes a respeito da transmissão e prevenção das Hepatites B e C. Revista de Patologia Tropical.v.38 n.3 Goiânia jul-set.2009.

3. Chiodi MB, Marziale MHP, Robazzi ML do CC. Acidentes de trabalho com material biológico entre trabalhadores de unidades de saúde pública. Rev. Lat. Am. enferm. vol.15 no.4 Ribeirão Preto Jul./Ago. 2007 ISSN 0104-1169.

4. Gir E, Netto JC, Malaguti SE, Canini SRM da Silva, Hayashida M, Machado AA. Accidents with biological material and immunization against hepatitis B among students from the health área. Rev. Lat. Am. Enferm. Vol. 16 no.3 Ribeirão Preto May/June. 2008. ISSN 0104-1169.

5. Gomes AC, Agy LL, Malaguti SE, Canini SEM da Silva, Cruz ED de A, Gir E. Acidentes ocupacionais com material biológico e equipe de enfermagem de um Hospital-Escola. Rev. Enferm. Vol.17 no.2 UERJ.RJ 2009.

6. Ministério da Saúde. (BR) Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de atenção básica. Caderno de atenção básica no.18 HIV/AIDS, Hepatites e outras DST. Brasília (DF); 2006. p. 179-90.

7. Oliveira A, Rodrigues S, Jesus G, Jorge R. Hepatite Aguda tratada com corticosteróides. Revista da sociedade Portuguesa de Medicina Interna.Vol.12 no.1 Brasília Jan/Mar 2005.

8. Barros ARR, Griep RH, Rotemberg L. Automedicação entre os trabalhadores de enfermagem de hospitais públicos.. Rev. Lat. Am. enferm. Vol.17 no.6 Nov/Dez 2009 ISSN 01104-1169.

9. Gondim MCSM, Silva DS, Santos AT dos, Araújo MS, Azevedo DM de. A prática da automedicação entre estudantes de enfermagem do campus de Seridó-UERN. 61º Congresso Brasileiro de Enfermagem. Trabalho 1016. Dez 2009.

10. Baggio MA, Formaggio FM. Automedicação: Desvelando o descuidado de si dos profissionais de enfermagem. Rev. Enferm.UERJ. RJ Vol.17 no.3.

11. Felisberto LM, Batista DC, Gomes A da S, Brandão MD, Tavares M do CT, Freitas MI de F. Proposta de sistematização da assistência de enfermagem a portadores de hepatites virais no centro de treinamento e referência em doenças infecciosas e parasitárias. CTR/DIP Orestes Dinis. Anais do 8º. Encontro de Extensão UFMG BH – 03-08/10/2005

12. Lakatos EM, Marconi MA de. Fundamentos de metodologia científica. Editora Atlas S.A. 2005. p188 e 190 ISBN 8522440158.

13. Aguiar ZN, Ribeiro MCSR. Vigilância e controle das doenças transmissíveis. Editora Martinari 2006. 2ª Ed. P165 – 192. ISSN1676-2444.

14. Lida VH, Silva TJA, Silva ASF, Silva LFF, Alves VAF. Hepatic Cirrhosis: morphologic aspects related to its possible complications. A study focused on necropsies. J. Bras. Patol. Med. Lab. Vol. 41 nº1. Fev 2005. ISSN1676-2444.

15. Castelo A, Pessôa MG, Barreto TCBB, Alves MRD, Araújo DV. Estimativas de custo da Hepatite Crônica B no Sistema Único de Saúde Brasileiro em 2005. Rev. Assoc. Med. Bras. 2007. Vol. 53 nº6. doi:10.1590/S0104-42302007000600013.

16. Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiologica. Guia de Vigilância Epidemiológica. 7ªed. Caderno nº6. (DF) 2009. P.26.

17. Vilela RBV. Riscos Biológicos Guia Técnico. Os Riscos biológicos no âmbito da Norma Regulamentadora Nº32. (BR) 2008. P.20.

18. Ministerio da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Imunizações 30 anos. Brasília. MS2003 p.19. ISBN 85-334-0751-3.

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/o-conhecimento-dos-academicos-de-enfermagem-sobre-as-hepatites-4534043.html

    Palavras-chave do artigo:

    conhecimento

    ,

    academicos

    ,

    enfermagem

    Comentar sobre o artigo

    Objetivou-se neste estudo, reconstruir a história do ensino de enfermagem no Brasil desde a criação da Escola de Alfredo Pinto, em 1890, pelo decreto 791/1890, assinando pelo então Presidente da República, Marechal Deodoro da Fonseca até os dias atuais. Embora alguns autores já tenham dissertado sobre este tema, o objetivo neste estudo foi abranger fatos da literatura em um só trabalho, como subsídio complementar para os futuros enfermeiros no Brasil.

    Por: Andrea M.Payal Saúde e Bem Estar> Medicinal 20/10/2012 lAcessos: 351
    Nassiff e Cintia

    O processo analisado neste artigo tem como objetivo descrever o interesse e conhecimento técnico e científico na área de enfermagem sobre a doação de órgãos e tecidos, e observar como os cursos de enfermagem têm abordado o tema de doação de órgãos em suas estruturas curriculares e analisar a abordagem do conteúdo "Doação de Órgãos e Tecidos" no ensino superior. Desenvolvido nas Faculdades Integradas Facvest, favorecendo a obtenção da pesquisa descritiva, com estudo de caráter quanti-qualitativo.

    Por: Nassiff e Cintial Educação> Ensino Superiorl 27/09/2010 lAcessos: 2,108

    As quedas são consideradas problemas de Saúde Pública, pois trazem conseqüências limitantes para as pessoas idosas, são um importante fator causal para a dependência dos idosos, pois, estão relacionadas a um índice elevado de incapacidade e de mortalidade.

    Por: Valeria Infantini dos Santosl Saúde e Bem Estarl 11/10/2010 lAcessos: 4,542

    Um dos maiores objetivos no processo de saúde atualmente é a humanização, cada vez mais nossa sociedade exige e sente a necessidade desse tipo trabalho. O artigo tem como objetivo fazer uma reflexão sobre a humanização na formação do enfermeiro. Por esse fato, considerou-se pertinente desenvolver um estudo que visa discutir sobre a humanização na formação acadêmica de Enfermagem, que busca rever as virtudes humanas que vêm se perdendo ao longo dos anos.

    Por: Bruna Riccil Educação> Ensino Superiorl 09/05/2013 lAcessos: 43
    Marco Antonio Dos Santos Lima

    Introdução: Durante o parto normal, a mãe deve ter o contato direto com seu bebê, pois é neste momento que a troca de sentimento e afeto se torna mútua, trazendo conforto e bem-estar incondicional para a mãe e o bebê. Objeto: a humanização no atendimento ao parto normal. Objetivo: Buscamos determinar a incidência das publicações científicas, no período entre 2002 a 2009, com um estudo descritivo exploratório, que abordam a humanização da assistência no parto normal, da base de dados: Literatura

    Por: Marco Antonio Dos Santos Limal Saúde e Bem Estarl 01/06/2011 lAcessos: 944

    Este trabalho apresenta uma breve reflexão sobre educação continuada do enfermeiro através da Educação à Distância (EaD) via web como instrumento de atualização profissional.

    Por: Marcelo Ricardo Rosal Educação> Educação Onlinel 16/12/2012 lAcessos: 119

    O presente artigo pretende relatar o estresse no profissional de enfermagem, por ser um assunto de grande importância devido o desgaste que acomete esses profissionais.

    Por: Tammy Miguezl Saúde e Bem Estarl 30/06/2010 lAcessos: 3,388
    Claudia Forlin

    A falta de conhecimento do homem é um dos fatores que contribui para evolução dessa patologia. O presente estudo tem como objetivo descrever o conhecimento de alunos de uma universidade privada sobre a ocorrência do câncer de mama no sexo masculino. Metodologia: Foi realizado uma pesquisa exploratória-descritiva em uma Universidade Privada, em São Paulo, SP, nos meses de Junho à Setembro, em 2005. Constituída por 165 alunos do sexo masculino de 20 a 60 anos. Foi aplicado um questionário contendo 12 perguntas e preenchido em uma entrevista. Contendo variáveis como idade, profissão, estado civil, número de filhos, se sabem o que é câncer, conhecimento do câncer de mama, existência do câncer de mama no homem, prevenção do câncer de mama, uma vez orientado sobre a existência da doença realizaria o auto-exame de mamas, divulgação da patologia para outros colegas do sexo masculino, orientação aos mesmos sobre o auto-exame e se conhece algum homem com esta neoplasia. A análise estatística foi realizada utilizando números absolutos e percentuais. Resultados: Os resultados revelaram que os entrevistados não se previnem e não realizam o auto-exame por desconhecer a doença no sexo masculino. Após o conhecimento, os entrevistados relataram divulgar e orientar seus colegas sobre a existência dessa neoplasia. Conclusão: Portanto, os resultados revelam desconhecimento importante dos entrevistados sobre a doença. Nesse intuito, espera-se que este artigo, possa colaborar para o conhecimento quanto existência do câncer de mama no homem, bem como, a importância de mais informações e divulgação sobre esta neoplasia.

    Por: Claudia Forlinl Educação> Ensino Superiorl 01/08/2008 lAcessos: 1,405

    RESUMO A insuficiência da preparação dos futuros professores quanto ao domínio dos conteúdos da matéria a ensinar se manifesta, principalmente, em dificuldades para reelaborar os conteúdos científicos, adequando-os à promoção de aprendizagem de seus futuros alunos. Isso torna o ensino da Biologia muito mais complicado do que era para ser, pois os professores sendo formados de uma maneira inadequada reflete em uma educação não apropriada, descontextualizada e que não transmite algo significati

    Por: Marcia Amelia Gaspar Matosl Educação> Ciêncial 16/07/2010 lAcessos: 2,029
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Uma gotícula da sopa primitiva. Bilhões e bilhões de anos. Resultaram em diversidades. Das formas de vida. Do mesmo núcleo. Resultou a nossa existência. Tudo remonta ao único princípio. O fundamento da célula reprodutora. Muita sorte de sermos o que somos. Duas categorias de primatas. Prossimios e antropoides.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/12/2014

    Como se estruturou historicamente a Psicomotricidade na cidade de Uberlândia/MG nas décadas de 90 até os dias atuais e quais os principais avanços e dificuldades enfrentadas? Este artigo tem como objetivos conhecer a historia da Psicomotricidade na cidade de Uberlândia/MG.

    Por: JOSE BRAGA GUIMARAES NETOl Educação> Ensino Superiorl 17/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A concentração é natural, não da forma que está sendo efetivada nesse momento histórico do capitalismo. Com maior evidência no século XXI. O que poderá de algum modo ameaçar a democracia.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A respeito do saber. Em referência a possibilidade do conhecimento. Um gênio da Filosofia Iluminista alemã. Kant. Relata em sua principal obra. Crítica da Razão da Pura. A maior revolução acadêmica. Sua acepção morfológica da teoria do conhecimento. A natureza do sujeito e do objeto. Mecanismo de cognição. Determinando a metodologia do conhecimento. Em suas divisões epistemológicas. Aos diversos campos aplicativos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 15/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A identidade representativa artística funciona a coerência lógica por intermédio da ação fundamental do entendimento, o princípio contraditório. Com efeito, não poderá ser compreendida pelo caminho fenomenológico da redução indutiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 14/12/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Venho das Famílias. Vasconcelos, Machado, Batista, Bonito, Dias e Silva da Costa. Meu terceiro avô. Por parte do meu pai. Nicomedes Costa de Vasconcelos. Filho de Cristino Costa e Silva. Primo Machado de Vasconcelos. Casado com Belica Batista de Vasconcelos. Irmã do meu outro bisavô. Manoel Batista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 12/12/2014 lAcessos: 12
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O filósofo da Escola de Frankfurt Jurgen Habermas formulou uma teoria interessante a respeito da lógica da razão de instrumento. Em primeiro lugar desenvolve o conceito de uma sociedade produtiva alienada do ponto de vista do consumo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 12/12/2014

    A importância que cada membro da comunidade escolar exerce dentro do educandário, a opinião e a participação dos envolvidos para uma educação de melhor qualidade.

    Por: Paulo Cezar Marangonl Educação> Ensino Superiorl 11/12/2014
    Claudia Forlin

    Este estudo trata-se de uma pesquisa de campo com enfoque qualitativo, realizado em uma instituição privada. Amostra selecionada compreende na faixa etária de 3 a 7 anos de idade, predominada na pré-escolar, foram estudada mediante a autorização dos responsáveis, para observações das reações emitidas pelas mesma durante os procedimento invasivos. A escolha por essa faixa etária é pelo fato de que estas recebem grandes influencias do brinquedo tanto no aspecto motor quanto o aspecto psicológico

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 15/04/2011 lAcessos: 2,246
    Claudia Forlin

    A equipe de enfermagem está envolvida nos esforços para tratar com dignidade o paciente, considerando-o nos seus aspectos biológicos, sociais, psicológicos e espirituais. Entretanto,a condução do processo de terminalidade a equipe precisa ser treinada especificamente para lidar com situações que impõem a abordagem terapêutica para o paciente com doença avançada, onde as medidas terapêuticas, farmacológicas e não farmacológicas, visam conforto do paciente.

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 15/04/2011 lAcessos: 3,139
    Claudia Forlin

    Neste trabalho iremos abordar o trabalho do enfermeiro na pediatria que garanta e promova uma assistência humanizada a criança através de recreações e ao mesmo tempo faz parte de seu tratamento, e como conseqüências uma melhor qualidade de vida na hospitalização tratando não tão somente a sua enfermidade, mas também de sua saúde psicológica e estabelecer uma forma de comunicação entre a enfermagem, familiares e pacientes.

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/04/2011 lAcessos: 3,641
    Claudia Forlin

    O objetivo desta pesquisa é descrever a criança portadora de Fissura Labiopalatina, abordando principalmente suas dificuldades na alimentação. Apesar de se tratar de uma patologia congênita não muito rara, ainda hoje a criança fissurada encontra barreiras no ato do aleitamento materno, prejudicando assim o vínculo mãe-filho e sua saúde em geral. O estudo bibliográfico nos mostra a importância do aleitamento para a criança portadora de fissura labiopalatina e abrange as possibilidades da correção

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/04/2011 lAcessos: 1,575
    Claudia Forlin

    As concepções encontradas referem- se a assistência e as intervenções aplicadas no setor de oncopediatria . Conclui-se que é essencial que o enfermeiro tenha conhecimentos cientifico, mas abranger as necessidades emocionais que englobam este momento complicado para o paciente pediátrico que é enfrentar uma neoplasia.

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/04/2011 lAcessos: 909
    Claudia Forlin

    A escolha desse tema ocorreu devido à observação da demanda dos números ainda crescentes de crianças com HIV. Através deste trabalho obtive dados que mostram a qualidade de vida dessas crianças. Elas convivem com essa patologia que vem causando transtornos fisiológicos e psicológicos e muitas dessas crianças vivem em casas de apoio. A presente revisão foi baseada na consulta bibliográfica em livros e artigos retirados da base de dados Scielo, Bireme, Ministério da Saúde, Ministério Casa Civil.

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/04/2011 lAcessos: 424
    Claudia Forlin

    O estudo teve como objetivo identificar o conhecimento técnico e científico que as enfermeiras da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTIN) detêm sobre os efeitos maléficos que o oxigênio pode acarretar, e suas conseqüências se não for administrado adequadamente ao Recém-nascido pré-termo (RNPT).

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/04/2011 lAcessos: 2,162
    Claudia Forlin

    Esta pesquisa bibliográfica visa informar sobre a evolução do Mal de Alzheimer e os cuidados necessários com seus portadores, cujo número vem aumentando significativamente. A gravidade da doença gera importante custo social e estende seus danos principalmente à família e aos cuidadores do portador, por isso procurou-se enfocar a qualidade de vida do cuidador do paciente com Doença de Alzheimer e de seus familiares.

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 06/04/2010 lAcessos: 6,445 lComentário: 1
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast