O Construtivismo de Piaget e Vygotsky

Publicado em: 31/05/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 732 |

Uma  síntese  para entender a teoria do construtivismo de Piaget e Vygotsky.

No século passado,  apareceram   teorias nas áreas da psicologia educacional.  Os dois principais autores, Piaget e Vygotsky, o  pensamento ao que de denomina de construtivismo.

 A  psicologia cognitiva do momento,  propõe  que o  conhecimento seja construído em ambientes de interação social,  e, estruturados epistemologicamente  dentro de um propósito sintático em direção a analise do entendimento da elaboração da construção, a ação como sujeito.   

 Cada aluno constroi seu próprio aprendizado num processo de dentro para fora baseado em experiências de fundo psicológico,  negando em parte método o  tradicional empírico.

 Do  mesmo modo logicamente,  não aceita aquilo que se denomina processo de síntese, isso a posteriori,   como movimento metafísico, a negação da realidade enquanto tal, o que não  é possível a um sujeito construtivo.

Os autores desta perspectiva procuram  defender  o comportamento humano  numa lógica  em que sujeito e objeto,  dialetizam  em uma dinâmica fruto da   construção e reconstrução de estruturas cognitivas.

 Nessa etimologia,  o sujeito é aquele que aprende a construir o saber,   não apenas ser receptor como metodologia reprodutiva, a pessoa ou o aluno,  como mero receptor sujeito a uma ação,  que vem dentro da razoabilidade externa.   O professor com transmissor de um saber pronto,  sem ação ao tempo histórico.

Piaget de certa forma priorizou mudanças  necessárias  à epistemologia  de Kant, isso em referencia a acepção  do  conhecimento,    pelo fato que  no seu entendimento  não existe nenhuma acepção,   a lógica da  categoria de entendimento "a priori"".  Como de certa maneira,  era aplicado em algumas pedagogias sintéticas.

 A ideia  de tempo, espaço e a definição da lógica aplicada,   de raciocínio  construído pelo indivíduo através da ação em modificação,   dialética com o ambiente substancial das diretrizes do movimento.

 – Vygotsky  enfatiza  o papel  determinante cultural na formação das estruturas comportamentais.

Existe   uma  determinante da cultura, como comportamento padronizado, na definição do sujeito em ação, desenvolvendo também papel de objeto.

 O  construtivismo defende a   ideia,  que o aluno como sujeito fabrica o seu  conhecimento, isso em referencia aos  aspectos  necessários a cognição, tantos aos  aspectos  sociais do comportamento como dos atos do saber e da defesa da ação do entendimento como movimento  político.

Com efeito,  o   aluno não  é um mero produto da cultura antropológica,  muito menos apenas o  resultado de suas disposições psicológicas internas,  isso sim uma proposição,   para uma pedagogia   construtora do próprio movimento em ação libertaria.

 O que acontece a cada dia, formula-se como determinações, a pontuação da interação entre determinantes. O aluno como sujeito e as interações do meio, a questão sócio econômica,   e,  outras mediações da ação psicológica cognitiva.   

Como resultado da lógica construtivista, o conhecimento não poderá ser uma cópia fidedigna   da realidade, mas, antes de tudo o esforço a  uma construção do ser humano".  Não deveria a princípio contrapor as anuências sintéticas, já elaboradas, nos aspectos determinantes do aluno como sujeito da ação.

Vygotsky  entende  o sujeito como um ser eminentemente político e consequentemente social,   na formulação da dialética  marxista, o conhecimento  é tão  somente  produto social. Motivo  pelo  qual  sustenta que todos os processos são  psicológicos e naturalmente cognitivos epistêmicos.  

 .

Defende  que  todos os processos de conhecimentos construídos,  linguagem, raciocínio, etc,  são formulados  no contexto da cultura antropológica, mimeticamente, posteriormente  se internalizam.

Mais tarde transformam-se  em  mecanismo com composto substancial na construção de novos conhecimentos, a elaboraçao  não se desenvolve de um ponto zero na formulação do saber.

Piaget  como  construtivista  desenvolveu    uma acepção  chamada de Epistemologia Genética,  ou   o fundamento da  Psicogenética, a qual  na sua base sistemática, ele defende que a pessoa  desde o seu nascimento, constroi o conhecimento, nega aqui,  em parte os chamados processos globais de sínteses.  

Esta teoria é aceita na sua essência como  concepção construtivista da formação da inteligência. A pessoa como sujeito,  tem  certa relatividade no desenvolvimento do conhecimento,  como formulação do saber.

Piaget enxerga o professor, nessa dialética da construção como um espectador que ajuda na construção, orientada ao desenvolvimento do mecanismo da ação do aluno,  como sujeito e dono do entendimento.

 Nesse  sentido a pedagogia da construção não é um método que ensina, mas ajuda na fabricação do saber. Conhecer é fazer se apenas, a uma dinâmica da liberdade em busca relativamente do novo ou seja,  do  saber. 

  Mas também o professor poderá ser um  favorecedor dos processos de descobrimento autônomo de conceitos,   como um agente natural e  que pode intervir essencialmente  na assimilação do conhecimento.

Nesse sentido o conhecimento não é só construção, até porque à ação cultural é contínua e reprodutiva, não apenas nas ciências como também nas ideologias.

A cultura é  uma  ação dialética, no fornecimento do conhecimento construído  que  se realiza  pela vontade livre da fabricação do saber,  e,  no que foi formulado pelas  sínteses anteriores.

  O  conceito  da pedagogia e suas ações libertárias, o saber nesse aspecto tem uma pedagogia de movimento duplo na construção e do aluno como sujeito.

A epistemologia de Piaget procura dar em  nossos   dias uma etimologia completa para o  desenvolvimento cognitivo do aluno,  na ação  da elaboração  para a pedagogia da construção do saber.

Movimento do sujeito como dono da elaboração epistemológica  esse é o dado que  podemos  assim dizer utópico da sua psicogenética.

Isso no rumo do  entendimento,    tanto pela quantidade de fundamentos que determinam o desenvolvimento do saber cognitivo que vai  do nascimento até a idade necessariamente adulta, por outras palavras a vida toda.

Para  Piaget  influenciado pela filosofia de Locke, percebeu naturalmente que  o comportamento cultural dos homens  não é inato, nem resultado do   puro condicionamentos.

Para ele o  saber e o comportamento são   apenas construídos  numa dialética permanente resultado da interação entre o meio e o indivíduo.

A sua  epistemológica (epistemo = saber; e logia = estudo do conhecimento) é determinada por  uma ótica substancial  da conhecimento.

 O saber da pessoa, como relação  a momentos  novos, com efeito,  está relacionado com a diversidade  da interação da pessoa  com o meio.

 Em análise,   quanto  mais  for diverso essa complexidade,   maior será  a interação,  não será  mais inteligente como pessoa, mas  também, como sujeito e dono da construção.

 Um  caminho respaldado pela liberdade. Saber é de certo modo libertar das ações opressoras da construção, o sujeito como agente.

Epistemologia genética e a relação com o meio, é o   estudo de como se elabora-se   um conhecimento para outro,  como dialética da  superioridade.

 O  acúmulo dos processos de sínteses, ajuda na definição da ação do individuo, como ação responsabilizadora.

 Interação:  fundamento da ação  psicológica que desenvolve a elaboração  do comportamento,  é uma construção resultante do envolvimento  do organismo com o meio em que está localizado.

 Esta  ação  valoriza tanto  o organismo como  o meio. Caminho metodológico pelo qual deve seguir toda ação da construção.

A lógica  do conhecimento construído,  o que deve ser considerado. O fundamento   da  construção,  determina em síntese o entendimento como força de representação da realidade,  em lógicas  organizadas dos fundamentos  que se relacionam entre si.

Numa perfeita ação de construção permanente, cujo conteúdo de sustentação determina-se pelo próprio método, na sua jurisdição permanente, a liberdade da ação designa a prospecção do ato da natureza sintética do homem como  sujeito.

 O aluno cada vez mais se desenvolve seu ato libertário da criação, como voar a uma direção infinita atendendo as diferentes modulações,  possibilitando uma substância de  permanência no tempo.

Por outro lado, com veemência, conserva-se o  mecanismo,  os quais servem ao próprio fundamento necessário ao desenvolvimento da ação construtora.

Mas ao mesmo tempo estão submetidos a processos de mudança que modificam os sistemas construídos a cada momento, que vão  modificar os sujeitos já determinados  em novas essências mediadoras, isso significa que o sujeito construído é sistemático,  e,  não tem tempo histórico. 

Pequena resenha,  para entender o pensamento construtivista, particularmente a elaboração do construtivismo de Piaget.

Trabalho elaborado por:

Professor Edjar Dias de Vasconcelos.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 7 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/o-construtivismo-de-piaget-e-vygotsky-5950201.html

    Palavras-chave do artigo:

    nopsicologia educacional

    ,

    piaget

    ,

    vygotsky

    Comentar sobre o artigo

    Edjar Dias de Vasconcelos

    A sétima Constituição brasileira. Constituição de 1988. Retorno da democracia. Promulgada por uma Assembleia Nacional Constituinte. Foi denominada de Constituição Cidadã. Possibilitou o retorno dos direitos civis e políticos. Como também a defesa dos direitos sociais.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 31/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Existirá um tempo. Que será o tempo. Negado na sua acepção. Posterior a ele. Um imenso vazio. Escuro. Sem nenhuma definição. Como se nada existisse.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Que pode estar na mão de uma pessoa ou de várias, mas a função do Estado político aristotélico dever-se ia ser a defesa do interesse coletivo e não de uma classe social.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Isso significa que o Estado é objetivamente um fato social, de natureza histórica, contrariamente, o desejo fundamental da manifestação formal apenas de um dado momento, na construção da sua institucionalidade.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 29/10/2014

    A escola para a maioria das crianças brasileiras é o único espaço de acesso aos conhecimentos universais e sistematizados, e as crianças que durante sua vida escolar esporádica ou mais frequentemente os assim chamados, crianças com "distúrbios de aprendizagem" ou "problemas de aprendizagem" ou dificuldade de aprendizagem", quando não adequadamente tratados esses distúrbios, com certeza podem aumentar e se ampliar de tal forma que chegam a provocar acentuado insucesso escolar.

    Por: Cátia Martins Bernardes Lenzil Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Resultado direto da Revolução Comercial, do mesmo modo, produto da ideologia política renascentista e posteriormente, da Filosofia iluminista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Exemplo da Inglaterra. O Parlamento resultou. De uma conciliação dos poderes. Entre a nobreza e a burguesia. Sendo que Coroa reina. Mas apenas a burguesia governa.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 23/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O seguinte motivo: não era nacionalista, Jesus defendia o domínio romano sobre os judeus, justificando que o povo pagasse imposto a Roma. Barrabás fora colocado em liberdade, pois defendia a luta armada para Israel libertar-se do domínio romano.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A sétima Constituição brasileira. Constituição de 1988. Retorno da democracia. Promulgada por uma Assembleia Nacional Constituinte. Foi denominada de Constituição Cidadã. Possibilitou o retorno dos direitos civis e políticos. Como também a defesa dos direitos sociais.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 31/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Existirá um tempo. Que será o tempo. Negado na sua acepção. Posterior a ele. Um imenso vazio. Escuro. Sem nenhuma definição. Como se nada existisse.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Que pode estar na mão de uma pessoa ou de várias, mas a função do Estado político aristotélico dever-se ia ser a defesa do interesse coletivo e não de uma classe social.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Isso significa que o Estado é objetivamente um fato social, de natureza histórica, contrariamente, o desejo fundamental da manifestação formal apenas de um dado momento, na construção da sua institucionalidade.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 29/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O que representa de certo modo, conteúdos poderosos que exerceram profundas influências ao espírito humano crítico ao entendimento das relações humanas nos dois estados em referências.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Educação Onlinel 28/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Resultado direto da Revolução Comercial, do mesmo modo, produto da ideologia política renascentista e posteriormente, da Filosofia iluminista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Sei o quanto. Tudo isso não significa nada. Apesar da interminável beleza dos universos. Contínuos. Sei do insignificado das coisas. Do delírio dos deuses. Das franquezas das razões não lógicas. A metafísica não indutiva.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educaçãol 25/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Exemplo da Inglaterra. O Parlamento resultou. De uma conciliação dos poderes. Entre a nobreza e a burguesia. Sendo que Coroa reina. Mas apenas a burguesia governa.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 23/10/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast