O Negro No Brasil

Publicado em: 12/08/2009 |Comentário: 7 | Acessos: 23,688 |

O negro no Brasil

Historicamente o negro sempre foi motivo de discussões no Brasil. Do seu uso como objeto de trabalho, a sua incorporação como trabalhador, de sua invisibilidade social a sua luta por inclusão. Vários são os temas que freqüentam os debates, mas, de uma maneira geral, as diretrizes não são traçadas pelos negros.

Desde o inicio, ainda no século XVI, a incorporação do negro ao Brasil foi balizada pela elite, este mesmo grupo para camuflar a dominação e exploração econômica, criou instrumentos de coerção intelectual que justificavam a idéia da superioridade branca. Com o passar do tempo esta dominação se incorporou aos conceitos sócio-culturais brasileiros e acabou tornando-se parte da superestrutura do Estado.

Abordaremos este assunto, de uma maneira bem sucinta, o dividindo em dois temas: O branco no comando e Da invisibilidade social a luta por inclusão.

 

O branco no comando

Desde o início da colonização portuguesa no Brasil, os negros encontravam uma estrutura produtiva montada, onde eram dominados e usados como máquinas na fabricação de capital. A dominação nesse período se dava a partir da força, da coerção física na escravidão, na qual os negros eram submetidos a castigos quando não correspondiam aos interesses dos brancos. Assim, neste período, ficava estabelecido o modelo de relacionamento social que marcaria a história de negros e brancos no Brasil. Mas que modelo é esse? É um modelo fundamentado na relação econômica, onde o negro é explorado e o branco está no comando.

A partir do século XIX a prática da escravidão começa a ser contestada com mais intensidade, não por ser um ato desumano, mas sim por ser uma vergonha para qualquer sociedade civilizada da época. Além disso, o trabalho escravo, mesmo sendo escravo, era ainda muito oneroso aos brancos, ou melhor, a elite, pois exigia um gasto muito grande com a manutenção da força produtiva e com a logística de controle das revoltas dos negros. Existia uma outra forma de exploração econômica muito mais rentável e que já estava sendo aplicada na Europa há algum tempo, a relação capitalista de trabalho. Nesta relação, o burguês, possuía um vínculo com o trabalhador que se resumia apenas ao pagamento de uma quantia irrisória pela sua força de trabalho. O burguês deixava o trabalhador livre para buscar seu sustento e organizar sua vida.

Mas como aplicar este modelo ao Brasil? O que ocorreria se a liberdade fosse concedida aos negros? De uma coisa a elite branca tinha certeza, de que deveria se precaver para manter seu poder, e mais, sabiam que a liberdade dos negros geraria uma intensa busca, por parte dos dominados, por um pedaço de terra, e isso poderia suscitar, no futuro, condições de igualdade entre os grupos envolvidos no jogo, pois terra por aqui sempre representou poder. E a liberdade dos negros veio, e junto com ela a necessidade de aplicar no país, as tais relações capitalistas de trabalho, e elas foram empregadas, mas com os brancos, leia-se elite, no comando.

O vácuo deixado pelos negros foi ocupado pelos imigrantes europeus, que eram brancos, mas foram obrigados a se submeterem a nossa elite branca. E os negros que partiram para as relações capitalistas foram empurrados para os piores tipos de trabalhos existentes, criando ali o embrião das relações de trabalho capitalistas entre negros e brancos no Brasil. Mas para maquiar essa dominação, a elite tratou de desenvolver dispositivos de todo tipo, que amenizavam a segregação social e ainda justificavam a sua posição de vencedora no jogo do poder.

Entre estes dispositivos está à ideologia da democracia racial, mecanismo coercivo que gerava a falsa idéia de que no Brasil os segmentos étnicos conviviam em perfeita harmonia. Mas na verdade, este sistema de idéias criava uma espécie de estamento étnico-social, que passou a funcionar de duas maneiras, primeiro tirava dos negros a ânsia de conquistarem visibilidade social, pois para o sistema eles já estavam inclusos, bastava aos excluídos que se incluíssem ao modelo capitalista. E esta idéia criava no inconsciente coletivo dos negros a rejeição por suas origens, já que elas representavam humilhação. Assim quanto mais próximos dos brancos, nas roupas ou mesmo na aparência seria melhor.

Isto deu a elite branca o comando da sociedade brasileira, que era justificado não só pelo poder econômico, mas também por ser o modelo que todos aqueles que desejassem alcançar o topo da pirâmide social, deveriam seguir.

 

Da invisibilidade social a luta por inclusão

Dispositivos como este citado acima, desenvolveram uma hierarquização social que empurrou os negros para a marginalização histórica. Com o decorrer do século XX esta marginalização se tornou uma verdadeira invisibilidade social, mesmo com os negros se fazendo notar.

O movimento negro no século XX ganhou força com o surgimento de várias células de resistência, como a imprensa negra paulista e a Frente Negra Brasileira, que veio a se tornar um partido político. Com o advento do Estado Novo este partido foi dissolvido, e em seguida, no período da redemocratização foi considerado ilegal. Assim sem opção política para buscarem visibilidade social e cidadania, os negros são obrigados a retornarem as suas formas tradicionais de resistência cultural. A única exceção neste momento é o Teatro Experimental do Negro, fundado no Rio de janeiro e que tinha como objetivo conscientizar os negros sobre suas origens e de seu papel na sociedade brasileira. Mas a invisibilidade política e social continuava, e os negros, só eram lembrados como referência cultural ou mesmo como um problema para o desenvolvimento do país.

Entre as décadas de 1950 e 1970 surgem dois movimentos negros, a Associação Cultural do Negro e o Instituto de Pesquisa e Cultura Negra, que buscavam rearticular e criar bases ideológicas fortes para o movimento negro brasileiro. Mas era um período de ditadura militar e os militares haviam transformado a democracia racial brasileira em uma de suas bandeiras, com isso, qualquer negro que se levantasse contra essa política era tratado como traidor da pátria. Mais uma vez o movimento negro havia perdido seu poder de contestação, foi cerceado do seu direito de reinvidicação por participação política e de sua busca por uma maior visibilidade social. O movimento hiberna e ressurge forte na segunda metade da década de 1980, o fim da ditadura deu mais liberdade política e civil às pessoas, cientes de suas necessidades, os negros iniciam uma nova etapa em sua luta, a militância.

A partir da elaboração e da promulgação da Constituição federal de 1988, o movimento negro brasileiro sai da passividade e começa a militar por seus direitos. A Constituição ajuda, pois possui dispositivos legais que garantem uma série de direitos aos negros, mas ainda era necessário buscar mais. Neste contexto a principal vitória do movimento foi a conscientização dos afrodescentes, que não se entendiam negros, de sua negritude. Mulatos e pardos acabaram tornando-se negros e isto fez com que o movimento ganhasse força. O grupo passou a exercer pressão não só social mais também política, pois o movimento descobriu que possuía, e em grande número, a moeda de barganha política, o voto.

Outras conquistas vieram como o sistema de cotas, que é visto por muitos de forma ambígua, pois ao mesmo tempo em que da aos negros condições de alcançarem posições que nunca imaginavam, sustenta a idéia de que as conquistas deste grupo só acontecem quando os brancos os auxiliam. Mas sabemos que por de trás de todas estas fórmulas excludentes se escondem as principais razões para se manter este modelo, que são os interesses econômicos e políticos da elite brasileira. Um grupo que não aceita de maneira alguma ter que dividir seu espaço no poder e na riqueza com outros segmentos sociais, e por isso faz de tudo para barrar o avanço dos negros em busca de seu espaço.

 

 

 

 

Referências Bibliográficas

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília: Senado Federal, 1988.

 

_____. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394 20 de novembro de 1996. Diário Oficial da União, Brasília, 1996.

 

_____. Lei nº10.639. Inclui a obrigatoriedade da temática “História e Cultrura Afro-Brasileira” no currículo oficial da rede de ensino. Diário Oficial da União, Brasília, 2003. 

 

BRASIL. Assembléia Nacional Constituinte. VII - Comissão da Ordem Social: Anteprojeto da Comissão. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal, 1987.

 

____. Comissão de Sistematização: Anteprojetos das Comissões Temáticas. Brasília: Centro Gráfico do Senado Federal, 1987.

 

FUKS, M. Arenas de ação e debates públicos: conflitos ambientais e a emergência do meio ambiente enquanto problema social no Rio de Janeiro (1985-1992). Rio de Janeiro: Irih Contas, 1999.

 

GUIMARÃES, A. S. A. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: Editora 34, 1999.

 

HERINGER, R. Promoção da igualdade racial no Brasil. Teoria e Pesquisa, nº 42 e 43, p. 285-302, 2004.

 

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 25 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/o-negro-no-brasil-1121129.html

    Palavras-chave do artigo:

    negro

    ,

    sociedade

    ,

    exclusao

    Comentar sobre o artigo

    O presente texto aborda uma análise das condições sociais da escravidão no período imperial e faz uma associação às situações de exclusão social e discriminação racial.

    Por: Mirian Bartassonl Educação> Ensino Superiorl 13/10/2011 lAcessos: 2,452

    A atual política educacional brasileira orienta em superar o preconceito, a discriminação e o racismo que ainda imperam nas instituições de ensino. Dessa forma, as Leis 10.639/03 e 11.645/08 que incluem o ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Indígena propõem que se acabe com os estigmas que negros e indígenas ainda sofrem. Dessa forma, se pretende, através desse artigo, refletir sobre as imagens dos negros contidos nos livros didáticos e paradidáticos.

    Por: JOANA PESSOA CARVALHOl Educação> Educação Infantill 28/05/2013 lAcessos: 146
    Antonio Gil Castinheiras Neto

    A identificação do processo de exclusão social representa um avanço considerável no campo das ciências sócias aplicadas. No Brasil a escassez de estudos sobre o processo da exclusão social dificulta analisar a evolução da exclusão social no país.

    Por: Antonio Gil Castinheiras Netol Educação> Ensino Superiorl 22/04/2009 lAcessos: 5,220

    Discutir a exclusão social no Brasil implica analisá-lo em uma sociedade colonizada, com conceitos arraigados ao longo do tempo discriminador entre colonizador e colonizado. Nesse sentido, é muito importante que este enfrentamento parta do poder local e das relações existentes entre os diversos setores políticos e institucionais e de seus saberes e interesses, com possibilidades de prestação de políticas públicas a partir de parcerias, introduzindo uma nova lógica na ação política.

    Por: Mirian Bartassonl Educação> Ensino Superiorl 13/10/2011 lAcessos: 265

    O texto versa sobre inclusão/exclusão no contexto da educação escolar. Reflete sobre o papel do gestor educacional e sua importância no processo da inclusão do "diferente".

    Por: Rubem Menezesl Educaçãol 29/04/2008 lAcessos: 18,619 lComentário: 2

    Estudo da exclusão social em O soldadinho de chumbo de Hans Cristian Andersen, visando reconhecer elementos da exclusão no conto, contribui possibilidades de questionar valores, atitudes, levando até o leitor por meios de uma leitura critica para que compreendam a diversidade cultural com riqueza de trocas e experiências.

    Por: Mª Angélica G. de Fariasl Literatural 18/04/2010 lAcessos: 1,550

    O que são as margens das sociedades? Como se fformam e desenvolvem? Serão criativas estas margens? E a cultura popular o que é e como é aceite pela cultura hegemónica? são estas as respostas que se procurão neste artigo que não será mais do que um poequeno contributo para uma reflexão sobre a(s) sociedade (s) moderna (s).

    Por: Victor Cerqueiral Notícias & Sociedade> Desigualdades Sociaisl 02/12/2011 lAcessos: 122

    Este artigo tem como objetivo evidenciar as abordagens utilizadas no tratamento do negro, nos livros didáticos adotados na rede pública estadual de educação em Várzea Grande, levam ao racismo e preconceito contra a pessoa negra. O objeto de estudo são os livros didáticos para o Ensino Fundamental, produzidos entre as décadas de 1980 a 2000, devido às mudanças ocorridas na década de 1980 escolhi essa periodização; quando da formulação da LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação) e dos PCN's (Pa

    Por: sandra ferreiral Educação> Línguasl 19/11/2010 lAcessos: 343

    O foco do trabalho busca comprovar que os Tratados Internacionais de Direitos Humanos que o Brasil assinou, confirmam a constitucionalidade de das ações afirmativas, visto que a Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 consagrou a recepção dos tratados internacionais que versavam sobre direitos humanos e garantias fundamentais estendendo, o rol exemplificativo de seu art. 5º em seu §2º, entendimento confirmado pela Emenda Constitucional 45 que inseriu o §3º,...........

    Por: luciano inacio de mellol Direito> Doutrinal 12/08/2011 lAcessos: 281
    Fábio Fabris

    A pesquisa teve como objetivo analisar a intensidade do ruído de uma sala de máquinas de refrigeração de um frigorífico do norte do Mato Grosso e, avaliar o conhecimento dos trabalhadores tem do seu ambiente laboral acerca dos malefícios causados pelo ruído.

    Por: Fábio Fabrisl Educação> Ensino Superiorl 17/08/2014

    O presente artigo busca mostrar que a avaliação se faz presente não só na identificação da perspectiva político-social, como também na seleção de meios alternativos e na execução do pretende-se realizar. Além disso destaca que todo o processo pedagógico escolar está permeado pela avaliação que se faz opção: o ato de planejar até a prática pedagógica.

    Por: monica rolim de moural Educação> Ensino Superiorl 16/08/2014

    Vou te mostrar nesse post como se proteger de plágio e de que forma você pode se beneficiar de um trabalho bem citado e sem problemas de cópia.

    Por: William Leitel Educação> Ensino Superiorl 16/08/2014
    Jonathas Rafael dos Santos

    Este artigo tem como enfoque defender que não é necessário um modelo regido por ideais hierárquicos e inflexíveis para se alcançar resultados satisfatórios no processo de aprendizagem. Para isso, fundamenta-se nos pressupostos teóricos de Jean Piaget, ressaltando as principais concepções da sua teoria e as suas devidas contribuições para a ciência. A saber, a compreensão do desenvolvimento intelectual e moral do sujeito.

    Por: Jonathas Rafael dos Santosl Educação> Ensino Superiorl 15/08/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O mundo poderia não ser o mundo. Tal ideia não é descabida. O universo poderia ser apenas aberto. Escuro e infinito. Interminavelmente. Em todos os aspectos. Em universos contínuos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 11/08/2014 lAcessos: 16

    A avaliação do GMAT é o resultado da conjugação de 4 notas distintas: redação em língua inglesa sobre um tópico que varia de 0 a 6, seção de raciocínio integrado, com 12 questões para serem feitas em 30 minutos, que oscila entre 0 e 8 e as notas individuais das seções quantitativa e verbal, que oscilam entre 0 e 60. Devido a limitações da forma de correção da prova, oscilam entre 6 e 51. O score mais comum do GMAT é uma conjugação desses dois últimos, resultando em uma nota entre 200 e 800.

    Por: Rita Iabrudil Educação> Ensino Superiorl 07/08/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A natureza do agnosticismo, como fonte da racionalidade defende como princÍpio intelectual a razão como único meio do conhecimento necessariamente suficiente, instrumento cognitivo elaborado na memória.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 04/08/2014

    Tendemos a nos tornar perigosamente anestesiados com tantos escândalos de corrupção, tantas negociatas, roubos, violência... Infelizmente, esses fatos sempre ocorreram, ainda que em menor escala e não tanta desfaçatez, porém, felizmente, agora a imprensa não está sob censura, cumpre seu dever de divulgá-los - e as facções políticas estão em plena disputa, não ocultando o que deve efetivamente vir a público

    Por: Central Pressl Educação> Ensino Superiorl 24/07/2014 lAcessos: 15
    Mario Fernando Calheiros Barbosa de Souza

    Os sindicatos funcionam, em sua grande maioria, como escritórios de contabilidade que ratificam o que a empresa propõem, a paixão, a defesa da categoria na sua essência e as lutas, foram trocadas por uma simples conferência de dados entre empresa e sindicato.

    Por: Mario Fernando Calheiros Barbosa de Souzal Notícias & Sociedade> Desigualdades Sociaisl 31/10/2010 lAcessos: 99
    Mario Fernando Calheiros Barbosa de Souza

    Em minhas andanças procuro sempre escutar os comentários de grupos ou de pessoas, e, ultimamente, ou melhor, normalmente, as conversas giram em torno de alguns assuntos corriqueiros e que parecem ser regra nas rodas de bate papo, tais como: violência, pobreza, poluição, corrupção, impunidade, desemprego, baixos salários, entre outros. Nestes debates criticam outras pessoas e instituições como se elas estivessem acima do bem ou do mal, isentas da coerção que é naturalmente impostas a todos que vivem em uma sociedade capitalista, hipócrita, superficial, oca e desigual como a nossa. Quero destrinchar este tema com cuidado, pois também faço parte desta mesma sociedade e como todos, também sofro com suas algemas.

    Por: Mario Fernando Calheiros Barbosa de Souzal Educaçãol 06/09/2009 lAcessos: 238
    Mario Fernando Calheiros Barbosa de Souza

    Se entendermos as massas como a única força capaz de findar a hegemonia do capital, entenderemos a necessidade de conter sua participação nas tomadas de decisões do país. Para barrar a acessão das massas a elite cria um mito que serve a seus interesses até hoje. Nesse mito, as massas no Brasil são inertes, e não reagem à opressão que lhes é imposta, ele gera uma doutrina que reza pelo distanciamento do povo dos movimentos políticos do país.

    Por: Mario Fernando Calheiros Barbosa de Souzal Educação> Ensino Superiorl 27/08/2009 lAcessos: 915
    Mario Fernando Calheiros Barbosa de Souza

    Tentaremos demonstrar como o modelo capitalista foi aplicado ao Brasil, no Império, a partir de 1850, e na República, até a década de 1930. E principalmente comprovar que o cativeiro dos que trabalham não se findou junto com a escravidão. Demonstraremos que a dominação tornou-se ainda maior, pois a carteira de trabalho e os direitos trabalhistas, maculam o “cabresto” da burguesia sobre a classe trabalhadora.

    Por: Mario Fernando Calheiros Barbosa de Souzal Educação> Ensino Superiorl 22/08/2009 lAcessos: 1,083 lComentário: 1

    Comments on this article

    1
    nilcyleide 05/11/2011
    eu queria saber................Porque os brancos estão no comando..........???????
    3
    isamor 19/07/2011
    A pretensão deste artigo perpassa pelo crivo das nuances que delineiam o processo histórico das políticas de inclusão e ações afirmativas na conjuntura de superação do paradigma excludente, refletindo a condição de identidade e pertença que o sujeito assistido tem de si e a que lhe foi atribuída, tornando-o construtor de sua própria


    qual orijem vem esses fatos?
    0
    Jaci Cirilo Pinheiro 09/06/2011
    Cadê o negro? onde está o negro? será que o negro não vai lutar pelos seus ideais? será que os brancos ainda acham que os negros não serve para nada? será que vai ter de derrar sangue para que os brancos dê uma opustunidade aos negros? os brancos não podem pensar assim, que: quando os negras acordarem pode ficar muito perigoso para o país.
    Jaci Cirilo Pinheiro
    4
    jardel 07/06/2011
    ACHEI MUITO LEGAL MAIS SO QUE PRECISAVA DE MAIS ESPLICACOES
    4
    mario fernando calheiros 27/11/2010
    Cara Verusca,
    entendo sua ignorância interpretativa, pois o analfabetismo funcional é uma realidade em nossa sociedade. Da próxima vez que comentar o artigo de alguém, procure ser mais objetiva com relação ao seu ponto de vista. De uma coisa tenho certeza, seu conhecimento histórico é realmente ridículo.
    Volte mais vezes, mas seja objetiva.
    Obrigado!
    -2
    verusca 19/11/2010
    ridiculo
    4
    karina 22/10/2009
    eu sou morena nao sei porque o racismo?
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast