O Pensamento Político E Pedagógico De Paulo Freire

Publicado em: 26/06/2008 |Comentário: 7 | Acessos: 327,930 |

 

Para Paulo Freire, as questões e problemas principais da educação não são questões pedagógicas, ao contrário, são questões políticas. Para ele, a educação e o sistema de ensino não modifica a sociedade, mas a sociedade é que pode mudar o sistema instrucional. O sistema educacional pode ter um papel de destaque numa revolução cultural. Ele chama de revolução a consciente participação do povo. Logo, a pedagogia crítica, como uma constante, contribui para revelar a ideologia esquecida na consciência das pessoas.

Em sua obra Pedagogia do Oprimido, Freire destaca a revolução. Mas o que pode ser feito antes da revolução? Ele propõe a distinção entre “ação cultural” e “revolução cultural”. Para ele a ação cultural é desenvolvida em oposição à elite que controla o poder e a revolução cultural ocorre em completa harmonia com o regime revolucionário.

A proposta de Freire é a noção de consciência crítica como conhecimento e prática de classe. É uma pedagogia da consciência. Em Pedagogia do Oprimido Freire enfatiza um aspecto fundamental no processo de organização política das classes sociais subordinadas: os elos entre a liderança revolucionária e as práticas das massas.

A palavra conscientização, ou seja, consciência crítica, adquire força nos programas político-culturais e Freire, naquele momento, alertou contra a obsessão do uso dessa palavra como emblema nos programas conservadores onde os princípios educacionais estavam mais próximos da educação bancária do que da educação problematizadora ou da ação cultural para a liberdade. Freire define pedagogia como uma ação cultural, diferenciando duas ações culturais centrais: educação bancária e educação problematizadora.

A proposta de Paulo Freire, em termos educacionais, é uma proposta antiautoritária, onde professores e alunos ensinam e aprendem juntos, engajados num diálogo permanente. Esse processo não deve estar presente apenas na sala de aula, mas em um círculo cultural constante.

Segundo o discurso de Paulo Freire, referente à prática educativo-crítica: “A reflexão crítica sobre a prática se torna uma exigência da relação Teoria/Prática sem a qual a teoria pode ir virando blábláblá e a prática, ativismo”. e “...ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua produção ou a sua construção.” (Paulo Freire, Pedagogia da Autonomia)

Para Freire o educador ao ensinar aprende, havendo uma transferência de conhecimento entre educador e educando.Em sua obra Pedagogia da Autonomia, Freire critica o ensino “bancário”, pois acha que a criatividade do aluno e professor são deformadas. Defende que o professor deve não apenas transmitir conteúdos, mas também ensinar a “pensar certo”, a criticar o que ler, a pesquisar, a ser curioso e acima de tudo respeitar os saberes do aluno.

Segundo Freire todo educador deve acreditar que é possível ocorrer mudanças. Todos devem participar da história, da cultura e da política. Ninguém deve ficar neutro, nem estudar por estudar. Todos devemos fazer perguntas, não podemos ficar alheios. “Ser rebeldes e não resignados”.

“É a partir deste saber fundamental: mudar é difícil mas é possível, que vamos programar nossa ação político-pedagógica, não importa se o projeto com o qual nos comprometemos é de alfabetização de adultos ou de crianças, se de ação sanitária, se evangelização, se de formação de mão-de-obra técnica.” (Paulo Freire, Pedagogia da Autonomia)

No início de seus trabalhos Freire, como ele mesmo declara, “não enxergava” uma relação entre educação e política, somente depois descobriu aspectos políticos na educação. Daí a relação educação-política passa a sofrer substanciais mudanças no transcorrer de seu discurso.

A democracia é tema básico da prática e da teoria de Paulo Freire, uma democracia liberal, social, socialista, mas, sempre democracia. A questão central que percorre todo o discurso freireano, em todos os momentos, é a educação e pedagogia enquanto prática e teoria contribuintes da “radicalidade democrática”. Freire nunca admitiu o autoritarismo.

A conscientização político-pedagógica poderia atingir todas as classes e o diálogo deveria levar ao “entendimento geral para o desenvolvimento de todos”, da Nação, que estaria “acima” de todos os interesses particulares.

O pensamento político-pedagógico de Freire serviu muito mais à mobilização, à organização, à difícil conquista da representatividade e da cidadania das classes populares do que à manipulação típica dos populismos.

Paulo Freire sofre influência de certos parâmetros políticos e ideológicos propostos por alguns socialistas, principalmente Marx. Em sua obra Pedagogia do Oprimido, no contexto da opressão social, já aparecem “classes”, apesar de não ser categoria central de seu discurso. Ao longo de seus trabalhos vão aparecendo expressões com “conflito de classes”, “ação cultural” e “consciência de classe” dentre outras. A seu discurso vão sendo incorporados “marxismos”.

A categoria “trabalho” aparece como contexto político-educativo e “produção” nos conteúdos programáticos escolares e da alfabetização de adultos. Daí a priorização do trabalho e da produção coletiva no processo político-educativo é um novo ponto no discurso de Paulo Freire.

Educação, uma nova educação, para Freire, só poderia ser possível com uma profunda mudança da sociedade, da política (“politicagem”), da ética, do cotidiano dos indivíduos e dos grupos sociais. Essa nova educação não aceita a constante exploração dos oprimidos. Seria uma educação “para a autonomia e para a capacidade de dirigir”, para formar cidadãos plenos, enfim, uma educação cidadã.

Freire foi um incentivador de programas para a educação de adultos. As implicações políticas da educação de adultos excederam as metodologias de instrução formal. Esses programas são mais ligados às necessidades da comunidade e mais sensíveis às suas pressões do que a instrução formal. Portanto, essa “educação popular” deve ser entendida como uma forma de educação desenvolvida pelo oprimido do que para o oprimido.

As implicações políticas da educação de adultos excederam àquelas metodologias de instrução formal. Definindo, por exemplo, as “palavras geradoras” a partir das necessidades da comunidade e de seu “universo vocabular mínimo”.

A educação de adultos possui uma flexibilidade curricular e organizacional, o que não acontece na educação formal, fazendo com que os resultados sejam mais imediatos, colocando o “graduado” no mercado de trabalho ou nas atividades políticas, sem ter que esperar dez ou quinze anos, como é o caso da educação formal.

Paulo Freire era aberto a debates e reuniões e uma das suas principais virtudes era ouvir críticas e, principalmente, auto-criticar-se permanentemente. Com isso modificava, revia e alterava conceitos. Como ele mesmo dizia: “cada vez mais incerto de suas certezas”. O tratamento dado à “conscientização” evidencia tal atenção às criticas sérias.

Era um homem que tinha a capacidade de constante progressão, defensor do processo de conhecimento crítico. Era consciente de sua incompletude. Paulo Freire não parou de “fazer história” e “ser feito por ela”.

Suas propostas foram feitas para serem recriadas, conforme o cotidiano, o imaginário, os interesses e os valores, conforme as condições de vida de seu praticante, sejam educandos ou educadores.

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 20 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/o-pensamento-politico-e-pedagogico-de-paulo-freire-463336.html

    Palavras-chave do artigo:

    pensamento freireano

    ,

    conscientizacao

    ,

    politico pedagogico

    Comentar sobre o artigo

    Jerry Adriano de Souza

    Este trabalho teve como objetivo apresentar um estudo sobre influência do pensamento de Paulo Freire para a educação popular na prática do professor de EJA. Trata-se de uma pesquisa de campo, de cunho qualitativo, na qual destacamos a visão dos professores, suas ideias pedagógicas e didáticas, e a comparação destas com o pensamento de Paulo Freire. O Estudo foi realizado na Escola Estadual Professora Alvani de Freitas Dias em Apodi/ RN.

    Por: Jerry Adriano de Souzal Educação> Ensino Superiorl 03/07/2012 lAcessos: 1,062

    TRABALHA A RESPONSABILIDADE SOCIAL DO PROFESSOR FRENTE A DESCOBERTA DO NOVO HORIZONTE: "O DIÁLOGO".

    Por: DIEGO BRUNO DE SOUZA PIRESl Educaçãol 07/03/2012 lAcessos: 2,195
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Apenas cinco milhões de anos. Inexaurivelmente. O suficiente. O universo ficará escuro. O infinito transformará. Em um grande deserto. Frio e árido. Latíbulo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 24/02/2015

    As tecnologias digitais da informação revolucionaram (e continuam revolucionando) as profissões da comunicação. Ainda que exista uma base teórico-reflexiva que permaneça estável e indispensável, há nova prática e novo saber profissional que, assim como as transformações tecnológicas, mudam continuamente e trazem desafios complexos para a universidade e para o ensino.

    Por: Central Pressl Educação> Ensino Superiorl 23/02/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Somente a Filosofia dá direito ao cidadão ser realmente crítico. Qualquer disciplina, sobretudo, na área do espírito, não poderá ser crítica sem a Filosofia, como instrumento de análise epistemológica. No entanto, a Filosofia é uma disciplina extremamente difícil, complexa e diversa, aplicada em campos variados com fundamentos diferenciados.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/02/2015
    Genilda Vieira Rodrigues

    Este artigo trata-se de um estudo bibliográfico, cujo objetivo foi desvelar a ação supervisora frente a situação indisciplinar discente; considerando aspectos condizentes a função do psicopedagogo na história brasileira, tendo em vista o seu papel de controlar e fiscalizador, como também de cunho participativo; comprometido com o processo de ensinar e aprender, com observância da coerência/incoerência entre as funções atribuídas a este profissional, e a que ele deve realmente desempenhar e sua i

    Por: Genilda Vieira Rodriguesl Educação> Ensino Superiorl 21/02/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Qual o significado etimológico. Da palavra República. Na morfologia romana. Como força do poder imperial. Res Pública, coisa pública. O que pertencia aos patrícios. Governo formado pelo Senado. Pelos magistrados e assembleias. Tais conceituações tinham forças próprias.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/02/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A vida surgiu na terra aproximadamente. A 3.5 bilhões de anos, uma hipótese. Plausível. Apareceram diversidades de vidas. Resultadas da evolução de um DNA ascentral. Comum a todas as replicações. Ramificaram e diversificaram.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/02/2015

    O objetivo do presente artigo é analisar como ocorrem os processos de inclusão de educandos com necessidades especiais na Educação de Jovens e Adultos (EJA), no sistema regular de ensino. Trata-se de um estudo qualitativo abordando a EJA e a inclusão escolar com base na legislação vigente, decretos e conferências que tratam do tema em estudo. Essas abordagens servirão de suporte para o trabalho desenvolvido na EJA do sistema municipal de Teresina tendo com espaço de pesquisa a Escola Municipal P

    Por: JURACI ARAÚJO TEIXEIRAl Educação> Ensino Superiorl 17/02/2015

    O presente estudo trata-se de uma revisão de literatura sobre a alfabetização de adultos e os desafios da EJA. Nesta perspectiva, buscou-se apresentar alguns aspectos teóricos, como também fundamentos que subsidiam a proposta pedagógica da Educação de Jovens e Adultos – EJA, elaborada pela SEMEC para a condução do processo de alfabetização de adultos, na rede escolar municipal de Teresina – PI, colocando em pauta a discussão sobre as questões relacionadas a alfabetização direcionada a esta popul

    Por: JURACI ARAÚJO TEIXEIRAl Educação> Ensino Superiorl 17/02/2015

    Comments on this article

    4
    fabio braga 06/10/2011
    Muito bom o artigo. Excelente fonte de informação. me ajudou muito a fazer uma questao do trabalho....
    -1
    Mirtzy Marcial 18/08/2011
    Achei o artigo bastante conciso e inteligente na sua composição de informação, porisso de rápida compreenção. Era exatamente o que eu precisava. Obrigada!
    3
    Ismayra 21/08/2010
    Está ótimo o artigo, ajudou bastante na minha pesquisa, obrigada!
    5
    Nicknig 06/03/2010
    Esse artigo me ajudou bastante na minha graduação.
    4
    Clara Francisca 08/11/2009
    Muito bom o artigo. Excelente fonte de informação.
    4
    monica 15/04/2009
    concordo com o freire pq educação tem q ser p/todos.
    8
    Álvaro ernani santander correia 01/07/2008
    artigo excelente, ajudou-me bastante.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast