O Professor e sua Postura Docente

23/06/2010 • Por • 2,059 Acessos

 

 

Talvez paradoxal, mas, a verda­de: quem "ensina" precisa estudar mais que o aprendiz. O docente, necessariamente, tem de ser um pesquisador daquilo que se põe a "ensinar".

Em primeiro lugar, ninguém ensina nada; facilita, quando tem noção disso, o aprendizado do alu­no! E essa é, sem dúvida, a postura primeira do Professor: tentativa permanente em entender como seu aluno aprende... A escolha da lin­guagem didática! Qual a linguagem do aprendiz?! Como adaptar a sua (do Professor) linguagem à do aprendiz?!  É a primeira pesquisa!

Em segundo lugar, o que o aluno precisa aprender? Ser escravo de livro didático é o pior que se pode acontecer!

Talvez o discente não precise do que está no livro... talvez não tenha base para assimilar o conteúdo do livro... É muito cômodo dizer que ele não se interessa por nada!... É evidente que, para o Professor não se escravi­zar, precisa de conhecimento, daí o segundo propósito da pesquisa... O Professor domina o que vai facilitar a aprender... Domina a ponto de enxergar a ciência que expõe, de vários ângulos: do ponto-de-vista útil, do lúdico, do teórico, do temporal, do local, do encanta­mento...

Em terceiro lugar, o auto-retrato! O Professor tem obrigação de se enxergar! Se o engenheiro não pode construir ponte que caia, o Profes­sor tem de saber o que está fazendo: repassar conhecimento apenas, gravador dá conta! Professor lida com pessoa, por isso todo seu trabalho é personal!

Professor não "não dá aula pra classe, sim para cada aluno"!...Numa turma de cinquen­ta, certamente não se pode "correr com a matéria"!...(Personal, o má­ximo possível!) Para isso, é mister racionalizar o que se vai disponibi­lizar à aprendizagem...Fonologia, operação com fração ordinária, elementos químicos, raízes quadra­da e cúbica...em que momento deve-se dedicar a tudo isso?! Tal­vez, e quase com certeza, aqueles alunos não vão fabricar submarino nuclear!...

Em suma, ou em quarto lugar, o Professor não pode esconder seu diploma na gaveta, mas pra isso (ostentar sua qualificação) tem de saber o que faz, pesquisar, responsabilizar-se pela direção da apren­dizagem que procura facilitar!... Alguém não pode dizer para ele o de que o aluno (aquele aluno) pre­cisa!...Só o Professor sabe! Por isso a verdadeira avaliação formativa desdenha a nota e prescinde da mesma ou de qualquer símbolo representativo de desempenho no ato de aprender!...

Se se deseja uma mudança nos resultados da Educação Brasileira, os Professores precisam, urgente­mente, rever a postura didático-pedagógica! Assumir a autoria do fazer pedagógico!

Perfil do Autor

alcino

Nascido em 04 /04 /1944 - Professor licenciado em Letras - Curioso das Ciências