O psicopedagogo e as intervenções nas dificuldades de aprendizagens

Publicado em: 23/11/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 226 |

FUNDAÇÃO FRANCISCO MASCARENHAS
FACULDADES INTEGRADAS DE PATOS
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSO
EM PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL
ÁREA DE CONCENTRAÇÃO: EDUCAÇÃO

PEDRO JOSÉ DA SILVA FILHO

O PSICOPEDAGOGO E AS INTERVENÇÕES NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

PATOS – PB
2012

1
PEDRO JOSÉ DA SILVA FILHO

O PSICOPEDAGOG E AS INTERVENÕES NAS DIFICULDADES DE APRENDIZAGENS

Trabalho de conclusão de curso – Artigo Cientifico, apresentado ao programa de Pós-graduação Lato Senso do curso de especialização em Psicopedagogia na faculdade Integrada de Patos, em cumprimento às exigências para a obtenção do titulo de Especialista.
Orientadora: Drª. Tatiana Cristina Vasconcelos
PATOS – PB
2012

2

RESUMO

O presente artigo objetiva em analisar o papel do psicopedagogo e as suas intervenções nas dificuldades de aprendizagem. É preciso criar meios eficazes e inovador na construção do saber, porque o problema de dificuldades de aprendizagem dentro do espaço escolar é uma das problemáticas com a qual o psicopedagogo e o educador deparam-se constantemente nos dias atuais. O profissional nessa área deve procurar promover a melhor maneira possivel de utilizar a intervenção psicopedagogica como transformação pessoal e social, na dinámica da construção do conhecimento quanto a uma apredizagem qualititativa e significativa nas dificuldades de aprendizagem. Além disso, propor sugestões de atividades auxiliando a uma aprendizagem relevante na vida da criança ou adolescente para seu desempenho escolar, cognitivo, psicomotor e déficit de aprendizagem. O psicopedagogo, em sua ação de intervenção, terá o caráter preventivo, por isso, o mesmo precisa lançar um olhar e escuta de forma inovadora numa ação reflexiva com o sujeito aprendente e facilitar uma relação consciente de que questões desconhecidas do não aprender ou na modalidade de aprendizagem. Diante do exposto pode-se dizer que o psicopedagogo em seu trabalho em conjunto com a família, escola e sociedade deve buscar novos conhecimentos dentro das intervenções psicopedagogicas, conduzir a uma aprendizagem renovadora e compreender as dificuldades de aprendizajens de forma preventiva, caracterizando seus síntomas e estrategias de pequeno e grande porte, visando o aperfeiçoamento desse sujeito diante do processo de ensino e aprendizagem.
Palavras-chave: Intervenção psicopedagogica, aprendizagem, dificuldades de aprendizagem.
3

ABSTRACT

The present article aims at in analyzing the paper of the psicopedagogo and your interventions in the learning difficulties. It is necessary to create effective and innovative means in the construction of the knowledge, because the problem of learning difficulties inside of the school space it is one of the problems with which the psicopedagogo and the educator constantly come across in the current days. The professional in that area should try to promote the best possible way to use the intervention psicopedagogica as personal and social transformation, in the dinámica of the construction of the knowledge with relationship to an apredizagem qualititativa and significant in the learning difficulties. Besides, to propose suggestions of activities aiding to an important learning in the child's life or adolescent for your acting school, cognitive, psicomotor and learning deficit. The psicopedagogo, in your intervention action, will have the preventive character, for that, the same needs to throw a glance and he/she listens in an innovative way in a reflexive action with the subject aprendente and to facilitate a conscious relationship that ignored subjects of not learning or in the learning modality. Before the exposed it can be said that the psicopedagogo in your work together with the family, school and society should look for new knowledge inside of the interventions psicopedagogicas, to lead to a renovating learning and to understand the difficulties of aprendizajens in a preventive way, characterizing your síntomas and strategies of small and big load, seeking that subject's improvement before the teaching process and learning.

Key-words: Psychopedagogical Intervention, Learning, Learning Difficulties.
4

INTRODUÇÃO

Na atualidade, é cada vez mais recorrente falar de dificuldades da aprendizagem, quando nos referimos ao desempenho escolar de nossos alunos. Dificuldades de aprendizagem referem-se a crianças que apresentam dificuldades de aquisição de matéria teórica, embora apresentem inteligência normal, e não desfavorecimento físico, emocional ou social. É preciso criar meios eficazes e inovador na construção do saber, do ato de aprender e de uma intervenção psicopedagógica eficiente e qualitativa nessa dinâmica de aprendizagem humana para superar as dificuldades de aprendizagem.
As causas do não aprender pode ser desenvolvidas de várias maneiras, tais como: estruturas familiares mais adequadas de acordo com a necessidade de cada criança e/ou adolescentes no lar, as dificuldade de leituras e escritas, a dislexia, além disso, às vezes ocorre a falta de professores sem capacitação habilitada para desenvolver nas crianças e/ou adolescentes metodologias eficientes para que possam despertar neles o interesse pelo saber nas diversas áreas dos campos do conhecimento humano.
Diante disso, o psicopedagogo é aquele profissional capaz de procurar compreender e fazer a intervenção com a criança ou adolescente em seus aspectos cognitivos referentes aos problemas de aprendizagem. Em vista dessas necessidades se reconhece que é uma ação a ser tomada por parte do psicopedagogo de forma qualitativa, a fim de aperfeiçoar as relações com a aprendizagem de alunos e educadores no contexto tanto escolar como social e familiar.
O presente estudo sugere um aprofundamento maior sobre o desempenho do psicopedagogo e a intervenção nas dificuldades de aprendizagem. Pois, frente aos desafios do conhecimento humano o psicopedagogo possa identificar as causas e consequências nesse processo educativo em que ocorre tanto na comunidade escolar como no seio familiar porque falta ainda uma aprendizagem qualitativa voltadas para crianças e adolescentes que afetam seu desempenho de uma aprendizagem significativa na sociedade atual.
Ao falarmos de aprendizagem, não se pode relacionar diretamente com o aluno, pois, a aprendizagem não ocorre de forma individualista, ou seja, não está ligado meramente aquele que aprende ou se esforça para aprender,mas de processos interligados entre aqueles que ensinam e aqueles que aprendem. Por isso, a aprendizagem é fruto e meio da história de cada sujeito em seu contexto familiar e coletivo. A partir de tais ações averiguadas torna-se importante refletir sobre o conhecimento ao longo da vida, e, sobretudo, analisar a respeito da intervenção psicopedagógicas nos processos de dificuldades de aprendizagens.
Portanto, após verificar essas considerações de alguns autores e o campo de atuação do psicopedagogo e suas intervenções nas dificuldades de aprendizagens existentes no meio escolar, familiar e social sendo afetados nas maiorias das vezes crianças e adolescentes que não tem uma estrutura familiar mais adequada e eficaz no incentivo a leitura e a escrita dificultando o aprendizado deles. Resolveu-se fazer uma pesquisa bibliográfica com o propósito de esclarecer como se processa a aprendizagem qualitativa e produtiva na vida do sujeito que possa conduzir a uma ação reflexiva sobre as principais causas das dificuldades de aprendizagens e as possíveis intervenções psicopedagógicas sobre o referido problema em poder se construir em nossa sociedade metas educacionais voltadas para os princípios estruturais e posturais de uma educação de qualidade para as crianças e adolescentes na atualidade.
APRENDIZAGEM
As relações entre professor e aluno, família-escola deverá ser um estimulo no ato de aprender a aprender. Qualquer que seja a construção desse nosso ideal como psicopedagogo é um processo longo que requer perseverança de forma gradativa no acompanhamento tanto com crianças como adolescentes com dificuldades de aprendizagem tanto em sua estrutura cognitiva como no seu circulo social.
Segundo Cool (2007) afirma que: A atividade do aluno que está na base do processo da construção do conhecimento está inscrita de fato no domínio da interação ou interatividade professor aluno.
A psicopedagogia como campo que se dedica ao estudo da aprendizagem em seus diferentes aspectos nas relações interpessoais e nas circunstancias em que a criança ou adolescente estão inseridos na sociedade, ocupa-se do procedimento de tentar compreender as causas como também as consequências que afeta tanto
 crianças como adolescentes em seu desenvolvimento cognitivo na dinâmica do ato de aprender, da construção de estratégias para o não aprender, na edificação do saber humano. Segundo Fernandes (1999 apude Rezende 2011). Faz entender que a psicopedagogo mobiliza a forma de aprender do aprendente transformando a relação da aprendizagem promovendo-o na sua relação com o saber construído, dessa forma torna-se importante entender os campos de atuação do psicopedagogo.
Para a autora, a psicopedagogia é responsável para identificar tais dificuldades de aprendizagem que compromete todo o raciocínio lógico do ser humano. Do mesmo modo a família deverá contribuir também na formação intelectual da criança ou adolescente que por motivos do não aprender, sentirem incapaz nos desenvolvimentos normais de suas aprendizagens, ou seja, deve ser feito um trabalho em conjunto entre o psicopedagogo e a família da criança ou adolescente que porventura vierem a diagnosticar o déficit de aprendizagem em sua estrutura cognitiva, física, motora e comportamental.
Para Bossa (2007 apud REZENDE, 2011) o psicopedagogo tem muito a fazer na escola, pois a atuação sua intervenção terá o caráter preventivo que podemos incluir determinados fatores para a construção de um futuro aprender com qualidade, tais como: ajudar os professores na formação de elaborar um plano de aula para os alunos entenderem as aulas; na elaboração de projeto pedagógico; orienta-os na melhor forma de atuar em sala de aula, com o aluno com dificuldades de aprendizagem; realizar diagnóstico institucional que averigua os problemas pedagógicos que prejudicam o processo de ensino-aprendizagem... identifica sintomas de dificuldades de aprendizagem no processo ensino-aprendizagem; organiza projetos de prevenção dos processos por que neste contexto o psicopedagogo institucional, como profissional preparado e mais adequado para execução desses acompanhamentos que pode ser realizado tanto com crianças como adolescentes, está apto a trabalhar na área da educação, assistência aos professores e a outros profissionais da instituição escolar para a melhoria e rendimento qualificado das condições do processo de ensino-aprendizagem bem como para a prevenção das dificuldades de aprendizagem.
Desde o nascimento o ser humano já faz parte de uma instituição social, organizada primeiro pela família, depois a escola em seguida a sociedade e no decorrer da existência humana integra-se a outras instituições. Por meio de uma serie de atuação preventiva o psicopedagogo unidos aos professores, alunos, pais e a comunidade procurará descobrir as principais causas nas dificuldades de aprendizagem nos indivíduos que se sentem impedidos de crescer num ritmo acelerado de aprendizagem.
Aprender é construir estruturas de assimilação. A fonte da aprendizagem é a ação do sujeito, ou seja, o individuo aprende por força das ações que ele mesmo pratica: ações que buscam êxitos e ações que a partir do êxito obtido, buscam a verdade ao apropriar-se das ações que obtiveram êxito. (BECKER, 2003, p.14).
Para o autor, o ato de aprender se forma também a partir do sujeito que aprende e assimila de maneira clara e objetiva uma aprendizagem qualitativa através de êxitos obtidos pelos alunos que apresentarem um quadro de problemas de aprendizagem. A fonte da aprendizagem e a ação do sujeito que manifestar o desejo de aprender, e ser participante desse processo dinâmico que poderá abrir portas para a construção de um veiculam positivo com as demais áreas do conhecimento que os alunos necessitam aprimorar. A aprendizagem ocorre com mais facilidade quando sentimos o prazer no ato de aprender e quando o conteúdo possui significado simbólico ou pratico para nós.
No processo aprendizagem de qualquer individuo, coincidem um momento histórico, um organismo, uma etapa genética da inteligência e um sujeito. Parece impossível, pois, compreender ou explicar as dificuldades de aprendizagem sem levar em conta os aspectos orgânicos, psicológicos ou sociais banalizando a importância de cada um ou desconsiderando suas intricadas inter-relações. Na verdade, quaisquer que sejam os obstáculos... o sujeito vai requerer ajuda para superar suas dificuldades. (CARVALHO, 2007, p. 72-73.77)
A atuação do professor frente ao sujeito que aprende e o educador como mediador desse conhecimento humano deve-se buscar na raiz do problema de aprendizagem de cada individuo afetado a partir de seus processos históricos, orgânicos e sociais para ajudar tanto criança como o adolescente a quebrar as barreiras da aprendizagem. Quando surgem dificuldades toda a relação família-sujeito, aprendente-escola encontram-se alterada. Frente ao problema de aprendizagem especifica, em ultima analise, pode-se dizer que uma escola de boa qualidade para todos, uma escola inclusiva, precisa estar preparada para receber e incluir todas as crianças e adolescentes na apropriação e construção do
8
conhecimento sem deixar de lado a história de vida de cada ser envolvente de acordo com o seu meio de convívio e ambiente onde foi criado, porque a criança ou adolescente já trás consigo também suas experiências de vidas. Qualquer individuo é capaz de aprender, assimilar e crescer progressivamente rumo a uma aprendizagem interacional, onde todos participam do saber tanto para o educador como o educando. A aprendizagem acelera processos evolutivos internos que são capazes de atuar quando a criança se encontra em interação com o meio ambiente e com outras pessoas. Porém, ressalta a importância de esses processos sejam internalizados pela criança.
O auto rendimento subtende um processo de aprendizagem, uma vez que não decorre de um talento ou de uma predisposição inexplicável, mas da integração sistêmica de sínteses psicomotoras, a partir do qual os fatores hereditários e envolvimentos integram-se harmoniosamente (FONSECA, 2004, p.141).
A educação psicomotora é a base para o desenvolvimento saudável do processo de aprendizagem da criança e do adolescente. A psicomotrocidade oferece os conhecimentos necessários para que se oportunize o desenvolvimento das capacidades básicas integrando-as de forma harmoniosa no seu rendimento escolar.
Como a psicopedagogia é uma área do que lida com os processos de aprendizagem e seus desvios. A Psicopedagogia faz seu movimento em função de minimizar as dificuldades do não aprender ao mesmo tempo que promove a estimulação para um processo evolutivo de aprendizagem sem dificuldades, seja da leitura, da escrita ou de outras aprendizagens. (COSTA, 2007 p.63)
A interação em termo de aprendizagem, põe em questão a observância de componentes internos (psíquicos e gnosias) e externos (motores e praxis), bastante diferenciados hereditariamente, mas complementares na construção da psicomotricidade, aumentando seu potencial motor, para que através do movimento, atinjam aquisições sistêmicas mais elaboradas, inclusive intelectuais. Todos somos, ao mesmo tempo, aprendentes e ensinantes, nessa dinâmica construímos significados para a vida. Quando educamos alguém, abrimos caminho para que construa sua capacidade de sempre está aprendendo.
9
DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

Os problemas de aprendizagem que podem ocorrer tanto no inicio como durante o período escolar surgem em situações diferentes para cada aluno, o que requer uma investigação no campo em que eles se manifestam. (JOSÉ, 2004 p. 17)
Qualquer problema de aprendizagem requer um trabalho efetivo tanto do professor como do psicopedagogo junto a família da criança ou adolescente. É preciso saber analisar todas as situações inerentes aos déficits cognitivos deles para tentar descobrir as principais causas de aprendizagem e levantar características visando revelar o que está representando dificuldade ou empecilho para que o aluno aprenda.
O que se constata é que os obstáculos á aprendizagem não são exclusividade de cegos, surdos, retardos mentais, dos que tem paralisia cerebral, dos autistas, dos disléxicos, dos disgráficos, dos oriundos das camadas populares, dos que vivem situação de desvantagem, dentre outros...Barreiras à aprendizagem (temporárias ou permanentes) fazem parte do cotidiano escolar dos alunos (deficientes ou ditos normais) e se manifestam em qualquer etapa do fluxo de escolarização. Barreiras existem para todos, mas alguns requerem ajuda e apoio para seu enfrentamento e superação. Precisamos mobilizar a vontade dos pais e dos educadores além de dispor de recursos que permitam elevar os níveis de participação e de sucesso de todos os alunos, sem discriminar aqueles que apresentam dificuldades de aprendizagem (deficientes ou não) (CARVALHO, 2007, p. 59-63)
O que percebemos é que a dificuldade de aprendizagem não se liga unicamente ao portador de algum distúrbio de aprendizagem, tão presente na maioria das vezes em nossa sociedade tanto nas crianças como adolescentes. O psicopedagogo em sua função profissional poderá ter como meta a ampla compreensão dos processos do aprender humano que se interagem com outros processo de aprendizagem dando suporte as dificuldades do sujeito. Pois, remover barreiras de aprendizagem significa dá oportunidades tanto no âmbito escolar como familiar para todas as crianças e adolescentes que necessitarem de apoio, buscando informar sobre as etapas do desenvolvimento de aprendizagem de forma integral, pois cabe a psicopedagogia identificar, analisar, planejar, e intervir de forma preventiva nas etapas do diagnóstico e no tratamento referente as dificuldades de aprendizagem manifestadas no ser humanos em especial aquelas crianças e
10
adolescentes que demonstrarem um quadro mais critico em suas dificuldades de aprendizagem no decorrer de sua vida escolar, familiar e social.
A aprendizagem é um processo de ação reciproca entre o sujeito que aprende, o sujeito que ensina e o ambiente, cujo resultado se dá numa mudança de comportamento. Em se tratando de um processo de uma ação reciproca, as causas que provocam o problema de aprendizagem tanto pode ser encontradas na própria pessoa aprendente, na pessoa do ensinante, como no ambiente onde está se realizando; o que se observa é que a causa nunca está isolada (GLIZ, 2009 p.83).
A possibilidade de aprendizagem escolar está diretamente relacionada a estrutura de personalidade do sujeito. Para aprender o que a escola ensina, é necessário além de outras coisas, uma personalidade medianamente sadia e emocionalmente madura, que tenha superado a etapa de predomínio do processo primário. Assim, diante dos problemas de aprendizagem apresentados por crianças e adolescentes, muito tem se falado com relação às dificuldades de aprendizagem tais, como: problemas emocionais, comportamentais, dislexia, disgrafia, disortográfica, distúrbios de leitura, autismo, problemas cognitivos, sociais e biológicos. Assim, o psicopedagogo deverá proporcionar uma investigação em todos os aspectos que possa estar contribuindo de alguma forma para a problemática a fim de intervir da melhor maneira possível nas dificuldades de aprendizagem.
Dessa forma, o papel do psicopedagogo em sua formação profissional deverá ter em mente a compreensão de que cada ser humano deve ser compreendido de forma interacional e nunca de forma isolada dos demais problemas que poderá acarretar certas dificuldades de aprendizagem tanto em crianças como adolescentes. Além disso, essas crianças e adolescentes deverá ser entendida também a partir do seu meio de convívio entre as demais pessoas que o cercam, para que o psicopedagogo possa também interagir com as famílias e professores para que haja de fato a melhoria da aprendizagem, onde o ensino não aconteça sem a interação da aprendizagem.
Nesse sentido, Scoz (1994: p. 22 apud NUTTI 2011), os problemas de aprendizagem não são restringíveis nem a causas físicas ou psicológicas, nem a análises das conjunturas sociais. É preciso compreendê-los a partir de um enfoque multidimensal, que entenda determinados fatores orgânicos, cognitivos, afetivos, sociais e pedagógicos, percebidos dentro das articulações sociais e escolares. Tanto
11
quanto a análise, as ações sobre os problemas de aprendizagem devem inserir-se num movimento mais amplo de luta pela transformação da sociedade em toda a sua estrutura familiar e escolar.
Portanto, em posições intermediárias do contínuo pessoa-ambiente deve-se situar a maioria dos autores, que busca uma solução pratica e urgente dos quais defendem posturas integradoras e interacionistas, baseadas em uma concepção construtivista das dificuldades de aprendizagem, na qual posições aparentemente opostas podem dialogar e serem complementares entre si na construção do saber dentro das dificuldades de aprendizagem tanto na infância como adolescência.
INTERVENÇÃO PSICOPEDAGOGICA
Por isso, as intervenções psicopedagogicas com a tendência atual de diagnosticar os problemas de aprendizagem entre crianças e adolescentes, para que haja de fato uma aprendizagem inovadora na vida deles. Além disso, o psicopedagogo pode identificar também fatores psicológicos, neurológicos, fonoaudiólogos, psicomotores, estrutura familiar adequada e ações praticas que poderão intervir na relação professor-aluno, família-escola a lidarem com seus próprios modelos de aprendizagens para uma melhor qualidade de aprendizado. Assim, terá a oportunidade em criar novos espaços e horizontes direcionados para uma aprendizagem valorizada no saber, fortalecendo o conhecimento tanto para crianças e adolescentes que tem dificuldades de aprender ou assimilar determinados conteúdos ou regras comportamentais.
Todos os aspectos aqui analisados são passiveis de serem contornados por meio de uma intervenção criteriosa, que busque as causas desencandeadoras ou determinantes dos distúrbios de aprendizagem apresentados pela criança, para, a partir daí, o psicopedagogo escolher o caminho metodológico que melhor se adapte a cada caso. Esse profissional deve sempre se dirigir a criança ou adolescente com abordagens novas, levando-a a acreditar que é capaz de realização nunca conseguidas (GLIZ, 2009, p.121).
Assim, o trabalho preventivo do psicopedagogo pretende evitar os problemas da aprendizagem, utilizando-se da investigação mais apreciada nesse processo
12
global junto a instituição escolar, de seus processos didáticos e metodológicos etc. Além disso, o psicopedagogo com sua experiência adquirida deve justamente tomar ciência do problema da aprendizagem e interpretá-lo para a devida intervenção. Com essa atitude o psicopedagogo auxiliará o sujeito a reelaborar sua história de vida, reconstruindo fatos que estavam fragmentados e a retomar o percurso normal de sua aprendizagem.
"O psicopedagogo pode usar como recursos a entrevista com a família; investigar o motivo da consulta; procurar a história de vida da criança realizando Anamnese; fazer contato com a escola e outros profissionais que atendam a criança; manter os pais informados do estado da criança e da intervenção que está sendo realizada; realizar encaminhamento para outros profissionais, quando necessário". (RUBINSTEIN,1996).
Portanto, o psicopedagogo deve ter consciência de seu papel e responsabilidade profissional e social e acima de tudo deve respeitar, prezar e zelar por cada vida que for colocada sob seus cuidados, lembrando sempre que cada ser é único e que cada um possui singularidades que precisam ser respeitadas e que são estas diferenças que dão significado à vida. Dessa forma, a psicopedagogia, procura estudar, explicar, diagnosticar e tratar dos problemas de aprendizagem, levando-se em consideração todos os aspectos formativos na vida do individuo. Pois, o ser aprendente é um ser sistêmico, que leva consigo toda uma relação que se estabelece com seus processos dinâmicos da aprendizagem.
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Através deste artigo acredita-se que as mudanças são fundamentais para uma atuação do pscicopedagogo por meio de uma intervenção psicopedagogica nas dificuldades de aprendizagem. Assim, os problemas de aprendizagem constituem uma situação real dentro das seguintes instituições: escolar, familiar e sociedade. Portanto faz-se necessário que todos os envolvidos no processo ensino e aprendizagem sejam transformados pelo saber, para que possa possibilitar a compreensão e perceber como se dá a influencia de fatores intra e extras escolares e familiares e como melhor podem ser trabalhados de forma a minimizar as dificuldades da aprendizagem. Para tanto a instituição escolar precisa recorrer aos
13
psicopedagogos para juntos fazerem um trabalho de investigação para estruturarem ações, estratégias e intervenções psicopedagogicas que contribuam como solução para diminuir os problemas de aprendizagem, pois a criança e o adolescente, é o próprio sujeito de transformação e de aquisição de aprendizagem.
Ainda é uma área descoberta pela maioria dos profissionais, são poucas pesquisas sobre a importância da psicopedagogia como ponto estratégico no combate as dificuldades da aprendizagem tanto das crianças como adolescentes.
Portanto, o papel do psicopedagogo deve sempre buscar levar o educando a integrar-se novamente à vida normal, respeitando sua individualidade. Este profissional deve ter conhecimentos multidisciplinares, pois em um processo de avaliação diagnóstica, é necessário estabelecer e interpretar dados em várias áreas, dentre elas: auditiva e visual, motora, intelectual, cognitiva e emocional. É a amplitude destes conhecimentos que permitirá ao psicopedagogo a compreensão do diagnóstico do caso investigado, o que favorecerá a metodologia adequada para o desenvolvimento das suas intervenções psicopedagógicas, valorizando uma aprendizagem de qualidade e solucionando as dificuldades de aprendizagem como um todo. Nesse percurso sabemos que os beneficios e posibilidades que a psicopedagogía nos oferece para promover as mudanças com atividades que permitam e favoreçam ese tipo de proposta, onde a criança e o adolescente terá um aprendizado significativo no decorrer de sua vida.
14
REFERENCIAS
BARONE, Leda Maria Codeço; MARTINS,Lilian Cassia Basich;CASTANHO, Marisa Irene Siqueira. Psicopedagogia: Teorias da aprendizagem. Casa do Psicologo, São Paulo-SP, 2011
BARROS, Célia Silva Guimarães. Pontos de psicologia do desenvolvimento. 12ª ed. Atica. São Paulo-SP 2008, p. 38-44
BECKER, Fernando. A origem do conhecimento e aprendizagem escolar. Artmed, Porto Alegre, 2003 p.14-17
BOSSA, Nadia A. Fracasso Escolar: um olhar psicopedagógico. Artmed. São Paulo. 2002 p. 96-99
______, Nadia A; Avaliação psicopedagogica da criança de sete a onze anos. 12ª ed. VOZES, Petropolis-RJ 2004
______, Nadia A; A Psicopedagogia no Brasil: Contribuições a partir da pratica. 3ª ed. Artimed. São Paulo-SP, 2007 p. 32-35
COOL, Cesar. Aprendizagem Escolar e Construção do Conhecimento. Artmed. São Paulo, 1994 p. 50-51
CARVALHO, Rosita Edler. Removendo Barreiras para à aprendizagem: Educação incluída 7ª Ed. MEDIAÇÃO Porto Alegre, 2007
COSTA, Auredite Cardoso. Psicopedagogia e psicomotrocidade: pontos de interccção nas dificuldades de aprendizagem. 5ª ed. Vozes, Petropolis-RJ, 2007
GLIZ, Maria das Graças Sobral. Psicopedagogia: um conhecimento em contínuo processo de construção. Casa do Psicologo, São Paulo-SP, 2009
JOSÉ, Elisabete da Assunção. Problemas de Aprendizagem. 12ª Ed. ÁTICA, São Paulo 2004, p. 11-12. 17-25
15
MOURA, Luciene Tolentino. Intervenção Psicopedagogica. Disponível em http://www.psicopedagogia.com.br/artigos/artigo.asp?entrID=1169. Acesso em 11 de outubro.
NUTTI, Juliana Zantut. Distúrbios,transtornos, dificuldades e problemasaprendizagem.http://www.psicopedagogia.com.br/artigos/artigo.asp?entrID=339. Disponivel em: 20 de abril de 2012.
PINTO, Silvia Amaral de Mello. Psicopedagogia:um Portal Para a Inserção Social. 3ª Ed. Petrópolis, Vozes, 2007 p. 101-120
REZENDE, Catia Cotijo. Psicopedagogo institucional: atribuições e responsabilidades. http://www.edufatima.inf.br/isf/index.php/es/article/view/23 Disponivel em 16 de Abril de 2012.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/o-psicopedagogo-e-as-intervencoes-nas-dificuldades-de-aprendizagens-6318728.html

    Palavras-chave do artigo:

    intervencao psicopedagogica

    ,

    aprendizagem e dificuldades de aprendizagem

    Comentar sobre o artigo

    Jocsan Pires Silva

    Este artigo trata da importância das atividades lúdicas na recuperação de crianças hospitalizadas em um hospital público através da Brinquedoteca Hospitalar.

    Por: Jocsan Pires Silval Educação> Ensino Superiorl 12/01/2011 lAcessos: 2,948

    O presente trabalho aborda um assunto de estrema importância para o avanço dos direitos educacionais garantidos na Constituição Brasileira, quando se entende que a educação é direito de todos. Em um breve histórico, que versa sobre o contexto no qual fizeram parte as pessoas com deficiência rumo ao processo de inclusão na educação superior, buscaremos apresentar os avanços relacionados à inclusão dos mesmos, como também as atenções voltadas para esse público de discente.

    Por: Duanne Granjal Educação> Ensino Superiorl 21/07/2011 lAcessos: 574
    Tereza Cristiany P. N. Simão

    RESUMO: Este trabalho tem por objetivo fazer uma análise sobre a indisciplina escolar e o papel do psicopedagogo diante deste desafio. Através deste estudos, buscam-se compreender o porquê da indisciplina, quais suas possíveis causas e quais as atividades realizadas pela escola na tentativa de controlá-la. Compreende-se ainda, que a interação escolar é essencial para facilitar o trabalho do professor, o respeito às regras e o bom relacionamento com os colegas, faz com que os alunos entendam que

    Por: Tereza Cristiany P. N. Simãol Educaçãol 21/10/2011 lAcessos: 2,443
    Daniel Caraúna da Motta

    Inteligência emocional e comunicação empática aplicadas como elementos de implementação e aprimoramento do processo de ensino e aprendizagem na gestão democrática participativa no contexto institucional. Emotional intelligence and empathic communication applied as elements of implementation and improvement of the teaching and learning in participatory democratic management in the institutional context.

    Por: Daniel Caraúna da Mottal Educação> Ensino Superiorl 22/02/2010 lAcessos: 4,739
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O artigo discute as causas sobre as dificuldades de aprendizagem apontando a dislexia como uma das principais provedoras de dificuldades. Iniciou-se apresentando a origem do problema relativo às dificuldades de aprendizagem vista pela psicanálise, a partir daí apresentou-se os problemas que interferem na alfabetização, argumentou-se segundo as teorias dos vários autores pesquisados, sobre as dificuldades na leitura, além de dissertar sobre algumas concepções pedagógicas sobre alfabetização.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 15/05/2014 lAcessos: 112
    Lucivania da Silva

    Partindo do principio que a depressão infantil pode ser explicada, levando-se em consideração a história de vida, contingências ambientais, fatores orgânicos e elementos comportamentais, o presente trabalho objetivou descrever alguns aspectos da dinâmica familiar e escolar do indivíduo que causam depressão infantil, sobre a ótica da Psicopedagogia. Por se tratar de uma pesquisa de caráter integrativo, enfatizamos a importância de os profissionais da área educacional estarem atentos aos sintomas.

    Por: Lucivania da Silval Educação> Educação Infantill 25/09/2012 lAcessos: 349
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O artigo mostra o diagnóstico e a intervenção do psicopedagogo na instituição escolar por meio do levantamento de dados e planejamento de estratégias que levem em conta a individualidade da criança em seu contexto educacional e afetivo, ajudam a organizar e com isso melhorar as condições de aprendizagem da criança e a potencializar suas habilidades e capacidades, quanto à qualidade de vida da mesma. Na instituição escolar o psicopedagogo realiza o trabalho com um enfoque preventivo.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 28/12/2012 lAcessos: 167
    Natália de Souza Cardoso

    O artigo abordou como tema "a inclusão de crianças com síndrome de Down na educação física, com o propósito de mostrar à sociedade de que essas crianças são capazes de participar das aulas de educação física, apesar de todos os problemas que enfrentam no decorrer de sua vida.

    Por: Natália de Souza Cardosol Educação> Educação Infantill 22/08/2011 lAcessos: 1,643
    Hilton Andrade dos Santos

    A presente obra é uma síntese de tudo que foi aprendido em sala de aula, na disciplina Família e Aprendizagem, onde o trabalho acadêmico foi apenas um meio de desenvolver e aplicar tudo o que foi ensinado pela professora Michele Pereira, UNIABEU, que serviu de mediadora no processo ensino e aluno, por conseguinte ressonou em conceitos imprescindíveis na formação destes discentes em formação técnico e profissional, na área de psicopedagogia. O caso apresentado é real e os nomes foram alterados.

    Por: Hilton Andrade dos Santosl Educação> Ensino Superiorl 02/04/2011 lAcessos: 5,477

    Este artigo trata da importância da postura do professor universitário no desenvolvimento do aluno e como uma Filosofia Confessional influencia neste propósito. Para isso verificamos o papel das Instituições confessionais protestantes no processo da Educação Universitária do país. Para melhor conhecimento foi realizada uma pesquisa exploratória em forma de entrevista com alunos de uma Instituição confessional Protestante com o objetivo de saber qual a relação que eles têm com seus professores.

    Por: JACKSON ROBERTO DE ANDRADEl Educação> Ensino Superiorl 22/10/2014

    RESUMO Uma só palavra ou teoria não seria capaz de abarcar todos os processos e experiências históricas que marcaram a formação do povo brasileiro. Marcados pelas contradições do conflito e da convivência, constituímos uma nação com traços singulares que ainda se mostram vivos no cotidiano dos vários tipos de "brasileiros" que reconhecemos nesse território de dimensões continentais. A primeira marcante mistura aconteceu no momento em que as populações indígenas da região entraram em

    Por: Joiciane de Sousa Santosl Educação> Ensino Superiorl 21/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Dado ao caráter emergencial da fome generalizada, povos africanos têm que se alimentar de animais portadores de tais vírus, que são mortais ao organismo humano, como cobras, ratos, morcegos e o chimpanzé.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Motivado pelo conflito contra os ingleses com objetivo de controlar o norte da França, o referido monarca, formou um grande exercito, sustentados por impostos cobrados no território nacional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Em toda minha vida. Apenas sonhei. Em não ser. O que sou. Não teria nem mesmo preposição. Axiomática. Desejo ser diferente. O que de fato não sou. Serei todos os meus sonhos perdidos. Esquecidos no mimetismo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O que vejo no mundo político. Uma guerra indelével. Na defesa de duas tendências. Ambos as forças políticas. Defende o mesmo modelo. Fundamentado no liberalismo econômico. Nao existe ideologia de esquerda no Brasil. Apenas uma acepção imperscrutável. Ao silêncio da ignorância nacional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 18/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Ver e perceber. Apenas a parcialidade da compreensão. E que poderá ser sempre a distorção. Como de fato costuma ser. Dado a natureza do mundo representativo. Significando o desejo do engano. As fantasias dos sonhos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A respeito da teoria da evolução formulada por Charles Darwin 1809-1882, quem melhor organizou a ideia de como as espécies evolui a partir uma das outras, na superação de elos inferiores, criando as diversidades das mesmas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/10/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast