Para entender a Crítica da razão pura em Kant

Publicado em: 10/07/2012 |Comentário: 0 | Acessos: 468 |

Para entender a Crítica da razão pura em Kant.

Kant foi o maior filósofo da filosofia iluminista, responsável pelo desenvolvimento da razão como determinante, para formulação de uma análise completa, a respeito do entendimento crítico a uma compreensão  essencialmente crítica da epistemologia  das ciências.

  Sempre esteve preocupado com a possibilidade do conhecimento, sobretudo, com a autonomia da razão em relação ao saber. Da sua possibilidade ou não na formulação para compreensão da análise enquanto objeto da interpretação, isso a respeito de alguns aspectos, por outro lado,  compreender o significado do entendimento.   

   Procurou entender as condições do desenvolvimento de uma razão crítica e analítica ao mesmo tempo, com a finalidade de investigar as condições nas quais é possível o conhecimento.

 Isso porque no campo essencialmente prático do conhecer da elaboração da epistemologia, existem variáveis de análises, o conhecimento é um mecanismo extremamente difícil, pois usam metodologias diferentes, elas são  complexas ao próprio entendimento.

A questão fundamental na obra de Kant refere se ao fundamento do saber, a possibilidade do conhecimento, no seu livro clássico, a mais importante obra da produção iluminista, a Crítica da razão pura, distingue duas formas básicas para o conhecimento.

A primeira forma, o que se denomina de conhecimento empírico, o que significa na prática essa forma de entendimento, o que será esclarecido pela elaboração desenvolvida nessa exposição, naturalmente que não é fácil entender Kant.  

 Ao que se referem aos dados exclusivamente fornecidos pelos sentidos, atinge ao campo da formalidade da experiência, significa a posteriori a experiência, o conhecimento vem após a formulação dela, mas ele é do campo experimental, por isso empírico.

  Diferentemente do método a priori, exemplo, o carro é vermelho.  Com efeito, o conhecimento se define a posteriori, depois que foi realizada a experiência.  Só sei que carro é vermelho depois da consciência da sua fabricação.

O segundo tipo de conhecimento, é que se determina na sua epistemologia, como conhecimento a priori, nesse caso específico, não é determinado pela experiência, mas tão somente, por uma lógica racional de identificação universal, sem relação com o mundo empírico, acepção se define por meio de um conceito abstrato.

 Não necessita dos dados do sentido, sua elaboração é anterior ao campo experimental.  Surge essencialmente, de uma operação da razão, exemplificando, duas linhas paralelas jamais se encontram em um mesmo ponto.  Esse tipo de juízo é válido em qualquer parte do mundo, desde que use a lógica em referência.

O juízo aplicado nesse caso, não se refere a uma determinada linha, mas todas as linhas, exatamente por esse motivo, o conhecimento é universal, com o mesmo exemplo, dois mais dois são quatro, em qualquer parte do mundo, em que se aplica a lógica da matemática, o raciocínio é verdadeiro.

 O conhecimento para ser válido não depende de uma situação específica, exatamente por esse motivo é um conhecimento necessário e inquestionável. O conhecimento a priori não empírico basta se por ele mesmo, é lógico, e não contém em sua lógica, nenhum princípio da contradição.

Com efeito, cabe aqui deixar claro que o conhecimento a priori, leva a juízos universais e necessários, já o conhecimento empírico, não tem essas características, aplica-se a situações concretas do mundo empírico, sem a chamada aplicação da lógica prática dos conceitos universais, é de certo modo um conhecimento mais frágil, prende se a situações temporais da análise.   

Já os juízos são classificados por Kant, com duas características essenciais, tipos específicos, esses juízos serão analisados em detalhes, sãos os juízos analíticos e os sintéticos.

O que é um juízo analítico, qual a sua melhor explicação, todo juízo analítico, o predicado esta dentro do sujeito de forma clara, muito objetivo, é só analisar o sujeito, entender a lógica do raciocínio, exemplo típico, o quadrado tem quatro lados, é só analisar sujeito quadrado, já entendemos tudo, concluímos necessariamente os quatros lados.

Esse tipo de juízo não acrescenta nada de novo ao  conhecimento, ele atende a lógica da construção de argumentos, cuja formulação atende a silogística de uma operação abstrata e racional,  aplicação aos princípios da não contradição, um pouco daquilo que ainda vem do entendimento aristotélico.  

Juízos sintéticos, quando o predicado não está contido no sujeito, nesse caso acrescenta algo novo, que é o predicado, o que vamos analisar o seu significado.

 Eles ampliam o conhecimento, de forma clara e objetiva, os corpos movimentam, por mais que tentamos fazer uma análise desse movimento, não conseguimos extrair informações a respeito do predicado, ou seja, do movimento dos corpos.

Ao analisar o valor de cada juízo Kant faz a seguinte classificação, juízo analítico serve apenas para facilitar melhor o que já se sabe do sujeito.

Ele não precisa de experiência, é universal, absoluto nele mesmo, mas pouco útil na produção do conhecimento, porque tudo é muito velho, apenas silogístico. 

Já o juízo sintético a posterior, está ligado ao campo da nossa experiência, tem sua validade sempre ligada ao tempo e ao espaço, onde realizou a experiência, não produz conhecimento universal, com efeito, não são necessários, são sempre ligados a um fato particular.  Exige apenas a compreensão da análise.

Juízo sintético a priori, é o mais importante por dois motivos básicos, não esta ligado ao campo da experiência, é  universal, necessário, acrescenta conhecimento, por meio do predicado, o sujeito amplia conhecimento, a matemática e a física trabalham com esse tipo de juízo.

Para Kant o conhecimento resulta de um trabalho de síntese entre o sujeito que conhece e o objeto que é conhecido, para ele é impossível conhecer as coisas em sua natureza, o chamado ser em si.

Conhecemos apenas pelo mecanismo da percepção, o objeto apresenta ser para sujeito, então no fundo o conhecimento é a projeção do processo de síntese de domínio do sujeito, porque a apresentação do obejeto ao sujeito depende de um paradigma, todo mundo entende a partir de uma determinada metodologia, nada representa ao sujeito sem ideologia, porque o próprio sujeito é resultado de produção ideológica.  

No fundo sua posição epistemológica, o conhecimento resulta de uma síntese entre o idealismo e o realismo, de certo modo para superar esse antagonismo, Kant dá a seguinte definição, o conhecimento não é definido nem pelo sujeito, como também por outro lado, não só  pelo objeto. Mas tão somente, por uma razão lógica de interposições mútuas, obviamente que existe uma superposição do sujeito nessa construção.

O conhecimento é estabelecido por uma relação entre o sujeito e o objeto, com princípios dialéticos, o que é muito interessante, o saber desenvolve entre os dois antagonismos, com efeito, o que podemos conhecer são apenas os fenômenos tais quais eles aparecem para nós.

 Mas eles apresentam ao sujeito, de acordo com o paradigma do sujeito, essa é a crítica do idealismo kantiano, parece ser uma metodologia sem perspectiva rumo ao caminho da objetividade.

Motivo pelo qual não podemos conhecer os objetos tais quais eles são, nas objetividades dos fenômenos, porque não podemos conhecer os objetos em si mesmos, Kant responde o principal motivo, desse entendimento.

Conhecemos a realidade a partir de princípios a priori, dentro do tempo e espaço, mas os objetos, ao desejar formular a análise deles, como se fosse um saber puro, foi simplesmente um erro.

Essas noções são puras intuições, existem como representações básicas da sensibilidade para o conhecimento.

Tudo se organiza por conceitos existentes a priori no entendimento, tais como: a questão das causas e seus efeitos, do mesmo modo, o critério da necessidade, entre outros para determinação dos juízos necessários ao julgamento da realidade.

Conhecer como tudo indica, sempre foi e será, mesmo no campo empírico, a compreensão do objeto, a impossibilidade do inexaurível saber, apenas uma perspectiva relativa da análise.   

Edjar Dias de Vasconcelos.

                                                                                              

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/para-entender-a-critica-da-razao-pura-em-kant-6043017.html

    Palavras-chave do artigo:

    categorias de analises de kant

    Comentar sobre o artigo

    Edjar Dias de Vasconcelos

    Exatamente a grande interrogação desenvolvida por Kant, a razão não poderia desenvolver o conhecimento apenas por meio do método dedutivo aristotélico aplicação da lógica formal, esse método estava sendo profundamente questionado na época e substituído por outro, o método indutivo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 09/10/2012 lAcessos: 671
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A partir da teoria formulada por Kant, ou seja, a defesa do princípio da incognoscibilidade, acepção que diz a respeito da teoria do conhecimento, quando se trata do estudo da essência perceptiva das coisas. A verdadeira percepção da natureza de qualquer fundamento.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 24/04/2014 lAcessos: 30
    marcos paulo almeida morais

    Tentei neste pequeno artigo trazer a problemática sobre a existência de Deus na filosofia de René Descarte, Kant, Hegel e Nietsche. De modo resumido, contudo abordando os pontos principais de maneira a mais simples possível de modo que qualquer pessoa possa ler e entender as principais idéias de cada filósofo.

    Por: marcos paulo almeida moraisl Literatural 11/05/2012 lAcessos: 222
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O segundo axioma sustentado no princípio que a sensibilidade racional, recebe as impressões sensíveis. Sendo possível devido ao fato que a razão trabalha com formulações a priori, objetivadas em noções do tempo e do espaço, as denominadas sínteses anteriores.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Literatura> Poesial 03/07/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O que se deve definir em duas categorias de análises, as chamadas Ciências do espírito na perspectiva de uma razão essencialmente cartesiana, na aplicação da lógica formal respeitando o princípio da identidade em consideração às premissas. As regras da lógica formal. Edjar.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 05/03/2013 lAcessos: 15
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A importância de entender esse fundamento, a relação dialética do número e do fenômeno, o número é a manifestação da coisa em si, a essência das coisas, materiais ou espirituais, que existem fora independente de nossa consciência.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/04/2013 lAcessos: 84

    Na Grécia antiga a arte dramática era encenada nos teatros de arena, propondo certa catarse naquele que assistia. Um golpe no narcisismo do espectador. Como em uma ab-reação que alertasse a platéia, de qualidades da realidade, que no cotidiano pudessem ser de alguma forma ignoradas, ou mesmo perdidas nas tarefas repetitivas do dia a dia.

    Por: Renato Dias Martinol Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 10/10/2009 lAcessos: 707
    marcos paulo almeida morais

    O trabalho tratou do Estado e das classes sociais, mostrando o Direito como produto dialético resultante de antagonismos e contradições a partir de uma perspectiva Marxista, a fim de destacar que através das lutas sociais é possível diminuir as injustiças sociais e combater as relações de poder que se estabelece na sociedade capitalista.

    Por: marcos paulo almeida moraisl Direito> Doutrinal 18/06/2013 lAcessos: 47

    A problemática a cerca do aborto de fetos anencéfalos, fetos estes com má formação congênita onde a inexistência do cérebro impede o curso natural da vida extra-uterina, é tema recorrente, provocando acirrada discussão doutrinária no âmbito médico e jurídico. O artigo expõe como a discussão sobre o aborto provoca fundamentos constitucionais como o direito a vida e a dignidade humana, e analisa como esse polêmico tema, transcende o o âmbito do Direito Penal, adentrando outras ciências.

    Por: Evandro Carneiro Rios Juniorl Direitol 02/02/2010 lAcessos: 1,319

    Este artigo trata da importância da postura do professor universitário no desenvolvimento do aluno e como uma Filosofia Confessional influencia neste propósito. Para isso verificamos o papel das Instituições confessionais protestantes no processo da Educação Universitária do país. Para melhor conhecimento foi realizada uma pesquisa exploratória em forma de entrevista com alunos de uma Instituição confessional Protestante com o objetivo de saber qual a relação que eles têm com seus professores.

    Por: JACKSON ROBERTO DE ANDRADEl Educação> Ensino Superiorl 22/10/2014

    RESUMO Uma só palavra ou teoria não seria capaz de abarcar todos os processos e experiências históricas que marcaram a formação do povo brasileiro. Marcados pelas contradições do conflito e da convivência, constituímos uma nação com traços singulares que ainda se mostram vivos no cotidiano dos vários tipos de "brasileiros" que reconhecemos nesse território de dimensões continentais. A primeira marcante mistura aconteceu no momento em que as populações indígenas da região entraram em

    Por: Joiciane de Sousa Santosl Educação> Ensino Superiorl 21/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Dado ao caráter emergencial da fome generalizada, povos africanos têm que se alimentar de animais portadores de tais vírus, que são mortais ao organismo humano, como cobras, ratos, morcegos e o chimpanzé.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Motivado pelo conflito contra os ingleses com objetivo de controlar o norte da França, o referido monarca, formou um grande exercito, sustentados por impostos cobrados no território nacional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Em toda minha vida. Apenas sonhei. Em não ser. O que sou. Não teria nem mesmo preposição. Axiomática. Desejo ser diferente. O que de fato não sou. Serei todos os meus sonhos perdidos. Esquecidos no mimetismo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O que vejo no mundo político. Uma guerra indelével. Na defesa de duas tendências. Ambos as forças políticas. Defende o mesmo modelo. Fundamentado no liberalismo econômico. Nao existe ideologia de esquerda no Brasil. Apenas uma acepção imperscrutável. Ao silêncio da ignorância nacional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 18/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Ver e perceber. Apenas a parcialidade da compreensão. E que poderá ser sempre a distorção. Como de fato costuma ser. Dado a natureza do mundo representativo. Significando o desejo do engano. As fantasias dos sonhos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A respeito da teoria da evolução formulada por Charles Darwin 1809-1882, quem melhor organizou a ideia de como as espécies evolui a partir uma das outras, na superação de elos inferiores, criando as diversidades das mesmas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Dado ao caráter emergencial da fome generalizada, povos africanos têm que se alimentar de animais portadores de tais vírus, que são mortais ao organismo humano, como cobras, ratos, morcegos e o chimpanzé.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Motivado pelo conflito contra os ingleses com objetivo de controlar o norte da França, o referido monarca, formou um grande exercito, sustentados por impostos cobrados no território nacional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Em toda minha vida. Apenas sonhei. Em não ser. O que sou. Não teria nem mesmo preposição. Axiomática. Desejo ser diferente. O que de fato não sou. Serei todos os meus sonhos perdidos. Esquecidos no mimetismo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 19/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O que vejo no mundo político. Uma guerra indelével. Na defesa de duas tendências. Ambos as forças políticas. Defende o mesmo modelo. Fundamentado no liberalismo econômico. Nao existe ideologia de esquerda no Brasil. Apenas uma acepção imperscrutável. Ao silêncio da ignorância nacional.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 18/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Ver e perceber. Apenas a parcialidade da compreensão. E que poderá ser sempre a distorção. Como de fato costuma ser. Dado a natureza do mundo representativo. Significando o desejo do engano. As fantasias dos sonhos.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A respeito da teoria da evolução formulada por Charles Darwin 1809-1882, quem melhor organizou a ideia de como as espécies evolui a partir uma das outras, na superação de elos inferiores, criando as diversidades das mesmas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Existe uma conspiração. Presa nas nuvens. Substanciada. Na dialética hegeliana. Uma conspiração. Historicamente cética. De causalidade material. Contra os princípios. Do materialismo histórico. Silenciada na alma humana.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 16/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O que foi. Ato Institucional AI 5. Medida jurídica de exceção. Contra o Estado de Direito. Com a finalidade de preservar. O Regime Militar. Evitar a redemocratização da nação. Portanto, um ato de natureza fascista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 14/10/2014 lAcessos: 18
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast