Planejamento: O Que? Porque? Para Que?

Publicado em: 21/11/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 1,553 |

 

È fato que ao longo da história o homem inconscientemente planeja suas ações, afirmamos que isso ocorre de forma inconsciente, pois, não se observa uma sistematização do plano, mas reflexões, pensamentos, conversas em torno de: O que fazer? Como fazer? E quando fazer? Em relação aos mais variados assuntos. Desta forma pode – se verificar a presença inata do ato de planejar na vida humana. Este se faz necessário e presente nas mais diversas esferas e áreas do conhecimento.

No entanto observa – se que na área educacional o planejamento das ações e do movimento refletirá automaticamente nos resultados do processo.

È fato conhecido que em sala de aula temos os mais diferentes níveis intelectuais e tipos de ouvinte ficando evidentes as diferenças de tempos e modos de aprendizagem. Neste modelo o planejamento do curso é utilizado como norte para que se tenha conhecimento do que se pretende ensinar, já o planejamento das aulas norteia o como ensinar, não basta saber o conteúdo a ser transmitido é necessário ir além e buscar formas variadas para faze – lo.

No cenário de graduação ainda encontramos mais que rotineiramente professores que trabalham apenas com a primeira parte do planejamento, ou seja, o que ensinar a determinado grupo e quanto ao como fazer aplica- se o de sempre aulas interativas de exposição onde o professor fala e o aluno ouve e anota o que concluir necessário. Então fica a pergunta: E na hora de avaliar?A resposta se põe quase que automaticamente, marca-se uma data e aplica – se uma avaliação escrita onde o aluno irá expor aquilo que assimilou.

Contrariando tudo que se ouve nos cursos de formação de educadores fala – se que devemos formar seres pensantes, críticos e conscientes de seus direitos, que as aulas devem ser atrativas. Mas de forma se faz tudo isso se o que se aprende na prática universitária na maioria das vezes vai na contra mão desta via. No processo educacional é impraticável seguir aquele ditado popular “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Aprende – se muito mais pelo exemplo e vivência que com textos e teorias.

Neste caso é necessário que o campo de visão dos professores universitários se transforme e passem a demonstrar na prática tudo que é colocado na teoria, faz se necessário aulas dinâmicas e criativas para que este sim seja o modelo a ser seguido.

O adulto ainda é como uma criança e como tal aprende mais rapidamente e eficazmente quando sente prazer em estar no cenário de aprendizagem. Não se deixará de lado o estudo de textos teorias que são de extrema importância, apenas se dá a estes um novo formato de estudo.

Debater, criar jogos de perguntas e respostas, realizar produções críticas em grupo ou individualmente do tema estudado, criar formas de aplicação prática das teorias estudadas, realizarem leitura prévia da aula e realizar em promover um espaço de troca de conhecimentos no espaço escolar... Estas poderiam ser apenas algumas possibilidades de aulas interativas.

Neste caso as aulas se tornam práticas de fato articula – se teoria e prática de maneira natural e o processo avaliativo se dá de maneira mais coerente uma vez que este ocorre ao longo do processo de maneira natural, podendo o professor observar o processo de aprendizagem do aluno de forma natural. O aluno coloca o que sabe e aprendeu e a partir destas observações é possível planejar as ações adequadas para atender as dúvidas e dificuldades dos alunos.

Aos educadores dos mais diversos níveis convido a realizar um retorno reflexivo aos quatro pilares da educação: “aprender a ser, aprender a conviver, aprender a fazer, aprender a aprender”. Façamos uma pausa de alguns minutos em nossa prática e pensemos sobre esses pilares de maneira a realizar uma auto avaliação. Será que de fato estou seguindo estes pilares... Não se constrói uma casa bem edificada começando pelo telhado, a estrutura é o que de fato faz a casa ficar de pé e produzir abrigo.

Vamos construir uma educação de qualidade em nosso país e o primeiro passo deve ser dado por aqueles que se dignificam a formar novos educadores a base é construída na universidade.

Este é o momento vamos juntos galgar a caminhada educativa infinita e aprende dia após dia a ser, a conviver, a fazer e, sobretudo a aprender.  

 

 Referências bibliográficas:

 PACCA, Jesuína L. A.,Revista Brasileira de Ensino de Física. Vol.14 nº1, 1992 – Diversos. http://www.sbfisica.org.br/rbef/pdf/vol14a07.pdf

 GAMA, Anailton de Souza, FIGUEREDO, Sonner Arfux de. O planejamento no contexto escolar. http://www.uems.br/na/discursividade/Arquivos/edicao04/pdf/05.pdf

 

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/planejamento-o-que-porque-para-que-1487235.html

    Palavras-chave do artigo:

    planejamento

    ,

    educacao

    ,

    ensino

    Comentar sobre o artigo

    Camila Peres

    Por trás de todo humor contido no filme ‘A Fuga das Galinhas’ podemos fazer uma relação de seu enredo as práticas e condutas de nosso feito na educação através de um planejamento de ensino, já que ambos apresentam uma problemática a ser resolvida (urgentemente).

    Por: Camila Peresl Educaçãol 03/12/2009 lAcessos: 3,379
    Silmara Marcela Dobjenski

    Segundo Pimenta, não basta produzir conhecimento, mas é preciso produzir as condições de produção de conhecimento. Ou seja, conhecer significa estar consciente do poder do conhecimento para a produção da vida material, social e existencial da humanidade. A partir de então, Pimenta salienta a necessidade da relação entre teoria e prática, no contexto do curso de Formação de Docentes, fato que auxilia na compreensão da realidade, servindo assim de referência em pesquisas futuras...

    Por: Silmara Marcela Dobjenskil Educação> Ciêncial 13/07/2012 lAcessos: 463
    Julio Brandao

    Este artigo foca no docente do ensino superior. Em como as relações interpessoais pode auxiliar no desenvolvimento do seu trabalho, em como a sua forma de pensar em culturas alternativas (multiculturalismo) pode melhorar a relação entre professor e aluno e em como o professor deve planejar o ensino de uma forma mais habilidosa.

    Por: Julio Brandaol Educação> Ensino Superiorl 14/10/2010 lAcessos: 2,861

    Este artigo teve como finalidade investigar as dificuldades dos docentes do IFAC no tocante à avaliação do ensino-aprendizagem na modalidade PROEJA, como forma de auxiliar na orientação da prática pedagógica. Estuda os critérios avaliativos utilizados em sala de aula e sua relação com o planejamento de ensino global da Instituição. A pesquisa foi enriquecida com o trabalho de campo através de entrevistas semi-estruturadas e análise documental do projeto político-pedagógico dos cursos técnicos.

    Por: Gilmara Amorim de Moraesl Educação> Ensino Superiorl 01/12/2012 lAcessos: 140
    Zaira Fabiola Teles da Silva

    RESUMO Todo o planejamento educacional, para qualquer sociedade, tem que responder ás marcas e aos valores dessa sociedade. Só assim é que pode funcionar o processo educativo, ora como força estabilizadora, e em outro momento como fator de mudança.

    Por: Zaira Fabiola Teles da Silval Educação> Ensino Superiorl 30/10/2010 lAcessos: 2,354
    Eduardo Luis Ferreira

    A avaliação na educação é um tema muito polêmico, pois avaliar requer um intrincado de meios, métodos e percepção/intuição profissional, cabendo a ele transmitir através de nota a evolução ou não do educando, tornando uma tarefa não muito fácil, haja vista que, existe um prazo determinado para esta avaliação. Na história da avaliação educacional constata-se que alunos e professores freqüentemente tem sido alvo dos interesses dos avaliadores, sob múltiplas e variadas perspectivas. Hoje a avaliaçã

    Por: Eduardo Luis Ferreiral Educaçãol 20/07/2010 lAcessos: 6,864
    Clecia Pacheco

    O presente trabalho busca fazer uma demonstração dos aspectos teóricos da avaliação no processo de ensino e aprendizagem, destacando sua evolução ao longo dos tempos, o fator nota na avaliação, os princípios básicos e finalidades da avaliação, bem como as suas funções no processo de ensino e aprendizagem.

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 12/10/2010 lAcessos: 6,429
    GUTEMBERG MARTINS DE SALES

    O artigo destaca a avaliação, tema esse voltado às séries do ensino fundamental. Consiste nas interrogativas sobre o que é avaliação da aprendizagem, avaliação do rendimento e auto-avaliação e sua eficácia. Apresentamos também os critérios para uma avaliação qualitativa, buscando mostrar através das concepções dos autores pesquisados a importância do preparo do educador.

    Por: GUTEMBERG MARTINS DE SALESl Educação> Educação Infantill 22/05/2011 lAcessos: 3,445
    Professor Marcos Paulo

    Esta modalidade de ensino não pode ser encarada como uma panacéia para todos os males da educação brasileira. Há um esforço muito grande dos educadores e pesquisadores da educação em mostrar que os problemas da educação brasileira não se concentram somente no interior do sistema educacional, mas, antes de tudo, refletem uma situação de desigualdade e polaridade social, produto de um sistema econômico e político perverso e desequilibrado...

    Por: Professor Marcos Paulol Educação> Educação Onlinel 15/09/2011 lAcessos: 229
    Elizeu Vieira Moreira

    O propósito do presente decurso é refletir sobre a Educação Brasileira no período da Ditadura Civil-Militar (1964-1985). O processo usado para pensar alguns aspectos da educação escolar à luz do materialismo histórico e dialético pode significar a crítica contundente a uma política educacional que se caracterizou por proporcionar uma precária formação escolar e uma escolarização básica para inserção nos processos produtivos, por procurar subtrair do ensino superior público seu conteúdo crítico.

    Por: Elizeu Vieira Moreiral Educação> Ciêncial 08/03/2011 lAcessos: 3,102
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A sétima Constituição brasileira. Constituição de 1988. Retorno da democracia. Promulgada por uma Assembleia Nacional Constituinte. Foi denominada de Constituição Cidadã. Possibilitou o retorno dos direitos civis e políticos. Como também a defesa dos direitos sociais.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 31/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Existirá um tempo. Que será o tempo. Negado na sua acepção. Posterior a ele. Um imenso vazio. Escuro. Sem nenhuma definição. Como se nada existisse.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Que pode estar na mão de uma pessoa ou de várias, mas a função do Estado político aristotélico dever-se ia ser a defesa do interesse coletivo e não de uma classe social.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 30/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Isso significa que o Estado é objetivamente um fato social, de natureza histórica, contrariamente, o desejo fundamental da manifestação formal apenas de um dado momento, na construção da sua institucionalidade.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 29/10/2014

    A escola para a maioria das crianças brasileiras é o único espaço de acesso aos conhecimentos universais e sistematizados, e as crianças que durante sua vida escolar esporádica ou mais frequentemente os assim chamados, crianças com "distúrbios de aprendizagem" ou "problemas de aprendizagem" ou dificuldade de aprendizagem", quando não adequadamente tratados esses distúrbios, com certeza podem aumentar e se ampliar de tal forma que chegam a provocar acentuado insucesso escolar.

    Por: Cátia Martins Bernardes Lenzil Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Resultado direto da Revolução Comercial, do mesmo modo, produto da ideologia política renascentista e posteriormente, da Filosofia iluminista.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 27/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Exemplo da Inglaterra. O Parlamento resultou. De uma conciliação dos poderes. Entre a nobreza e a burguesia. Sendo que Coroa reina. Mas apenas a burguesia governa.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 23/10/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O seguinte motivo: não era nacionalista, Jesus defendia o domínio romano sobre os judeus, justificando que o povo pagasse imposto a Roma. Barrabás fora colocado em liberdade, pois defendia a luta armada para Israel libertar-se do domínio romano.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/10/2014
    Elisângela Bresciani

    Reflexão sobre a questão comportamental infantil, em busca de compreensão da fronteira entre falta de limite e patologia.

    Por: Elisângela Brescianil Educaçãol 28/12/2009 lAcessos: 733
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast