Políticas e Gestão da Educação Básica no Brasil

Publicado em: 08/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 1,414 |

                      A gestão educacional apresenta-se diferente de outras formas de administração por ter características próprias, quando refletimos sobre ela entendemos que é um processo complexo , pois, não se limita apenas ao campo intra-escolar, ela abrange um cenário mais amplo e trata-se de um cenário com várias perspectivas e concepções pois, segundo  DOURADO " é fundamental não perder de vista que o processo educativo é mediado pelo contexto sociocultural, pelas condições em que se efetiva o ensino aprendizagem, pelos aspectos organizacionais e, conseqüentemente, pela dinâmica com que se constrói o projeto político-pedagógico e se materializam os processos de organização e gestão da educação básica" Porém, isso não significa que o papel da escola deva ser relegado a um segundo plano, em favor das condições externas, mas é primordial o seu conhecimento como adverte também DOURADO, "Trata-se, portanto, de buscar apreender, no feixe dessas proposições, os limites e possibilidades à gestão das políticas (dada a situação nacional, em que estados e municípios se colocam como principais atores na oferta da educação básica no país), de modo a propiciar elementos para a compreensão dos processos de regulação e financiamento, bem como os arranjos institucionais que contribuem para a materialidade das políticas de gestão e organização educacionais no Brasil".

                      "A concepção de gestão educacional deve aliar as esferas político-pedagógicas, descreve DOURADO," a concepção de educação é entendida, aqui, como prática social, portanto, constitutiva e constituinte das relações sociais mais amplas, a partir de embates e processos em disputa que traduzem distintas concepções de homem, mundo e sociedade". Com essa afirmação do autor, Fica então evidenciado que a gestão educacional deve a priori estar voltada em afirmar o compromisso da escola pública com a comunidade em que esta inserida e a quem serve.

                      Historicamente as políticas educacionais implantadas no Brasil eram pautadas na descontinuidade dos programas e ações e na centralização política. Sobre essa temática DOURADO assevera que: "A constituição e a trajetória histórica das políticas educacionais no Brasil, em especial os processos de organização e gestão da educação básica nacional, têm sido marcadas hegemonicamente pela

 lógica da descontinuidade, por carência de planejamento de longo prazo que evidenciasse políticas de Estado em detrimento de políticas conjunturais de governo...".Tal quadro criticado pelo autor passa por transformações a partir da aprovação promulgação da constituição Federal em 1.988 e amplia-se com a aprovação da Lei de Diretrizes e  Bases da Educação em 1.996, lei essa que redefine  no âmbito das políticas educacionais a ordem jurídico-institucional, dando maior soberania as escolas na busca do que o autor chama maior organicidade das políticas educacionais.

                       Nos últimos anos tem sido implantadas no Brasil uma série de "politicas focalizadoras", essas políticas educacionais são consideradas urgentes e necessárias, elas são compostas por   programas e ações conjuntas entre união ,estados e municípios  e  tem como foco a melhoria na qualidade do ensino fundamental. Com embasamento nas definições do Ministério da Educação (MEC), entre os programas educacionais podemos destacar:

                       O Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) atende toda a educação básica, da creche ao ensino médio. Substituto do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), que vigorou de 1997 a 2006, o Fundeb está em vigor desde janeiro de 2007 e se estenderá até 2020. 

                      Segundo o Ministério da Educação (MEC), "a  estratégia é distribuir os recursos pelo país, levando em consideração o desenvolvimento social e econômico das regiões - a complementação do dinheiro aplicado pela União é direcionada às regiões nas quais o investimento por aluno seja inferior ao valor mínimo fixado para cada ano. Ou seja, o Fundeb tem como principal objetivo promover a redistribuição dos recursos vinculados à educação. A destinação dos investimentos é feita de acordo com o número de alunos da educação básica, com base em dados do censo escolar do ano anterior. O acompanhamento e o controle social sobre a distribuição, a transferência e a aplicação dos recursos do programa são feitos em escalas federal, estadual e municipal por conselhos criados especificamente para esse fim. O Ministério da Educação promove a capacitação dos integrantes dos conselhos".

                      Os Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs - são referências de qualidade para o Ensino Fundamental e Médio do país, elaboradas pelo Governo Federal em 1996. Essas diretrizes são voltadas, sobretudo, para a estruturação e reestruturação dos currículos escolares de todo o Brasil, essas referencias curriculares são obrigatórias para a rede pública e opcional para as instituições privadas. Ou seja, o objetivo principal dos PCN é padronizar o ensino no país, estabelecendo pilares fundamentais para guiar a educação formal e a própria relação escola-sociedade no cotidiano. Divididos em disciplinas, os parâmetros abrangem práticas de organização de conteúdo, formas de abordagem das matérias com os alunos, a aplicação prática das lições ensinadas e a melhor conduta a ser adotada pelos educadores em situações diversas.  Na escola em que trabalho os  Parâmetros Curriculares Nacionais - PCNs - são referências para o planejamento anual dos professores, sendo que suas indicações são tomadas por base na organização do currículo.

                      De acordo com o Ministério da Educação (MEC), "o Plano de Desenvolvimento da Escola (PDE-Escola) é uma ferramenta gerencial que auxilia a escola a realizar melhor o seu trabalho: focalizar sua energia, assegurar que sua equipe trabalhe para atingir os mesmos objetivos e avaliar e adequar sua direção em resposta a um ambiente em constante mudança". Em nossa escola o  programa  pode ser considerado como uma espécie de planejamento estratégico pensado e desenvolvido objetivando a melhoria da qualidade do ensino e da aprendizagem. O PDE-Escola é uma forma de organização  da escola para produzir decisões e ações fundamentais  projetadas pela equipe gestora e executadas cotidianamente.

                       Já a implantação do Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) consiste na assistência financeira às escolas públicas da educação básica das redes estaduais, municipais e do Distrito Federal e às escolas privadas de educação especial mantidas por entidades sem fins lucrativos. O objetivo desses recursos é a melhoria da infra-estrutura física e pedagógica, o reforço da autogestão escolar e a elevação dos índices de desempenho da educação básica. Os recursos do programa são transferidos de acordo com o número de alunos, com base no censo escolar do ano anterior ao do repasse, no início do ano os profissionais da escola e os representantes do Conselho Deliberativo em assembléia definem as prioridades físicas e pedagógicas do recurso que é investido mediante aprovação  do coletivo da  escola .

                       Além dos programas alocados ao texto, podemos ainda citar outros programas educacionais federais de grande importância para o desenvolvimento da educação, são eles:

                       Plano Nacional de Educação (PNE).

                       Programa Nacional do Livro Didático (PNLD).

                       Programa Nacional do Livro Didático para o Ensino Médio (PNLEM).

                       Pró-Letramento - Mobilização pela Qualidade da Educação.

                       Programa Nacional Biblioteca da Escola.

                       ProInfância.

                       Proinfantil.

                       Projeto Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE).

                       Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

                       Prova Brasil.

                       Provinha Brasil.

                       Rede Nacional de Formação de Professores.

                        Plano de Ações Articuladas (PAR).

                       Merenda Escolar.

                       Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB).

                       Gestar II.

                       Explorando o ensino.

                        Programa Nacional Escola de Gestores da Educação Básica Pública.

                        Ensino Fundamental de Nove Anos.

                        Conselhos Escolares.

                        Essa gama de Programas educacionais do Ministério da Educação (MEC), nem sempre resulta em melhoria das condições educacionais, alguns programas não expressam os anseios da escola, eles tem uma grande burocracia para sua aplicabilidade, o tempo para a aplicação dos recursos e respectiva prestação de contas é diminuto impossibilitando determinadas ações.

                        A partir de experiências podemos afirmar que, mesmo não se efetivando em sua totalidade, os programas educacionais do Ministério da Educação (MEC), são instrumentos necessários a implantação efetiva da gestão democrática na escola pública, possibilitando aos  vários segmentos uma ampla participação na construção e no direcionamento das ações  educativas desenvolvidas, bem como acompanhamento dos recursos financeiros aplicados na escola .

 

 

 

        Bibliografia.

 

       DOURADO, Luiz Fernandes .Políticas e gestão da educação básica no Brasil: limites e perspectivas/ Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 921-946, out. 2007, Disponível em    

      http://www.cedes.unicamp.br.

 

     http://portal.mec.gov.br/index.php

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/politicas-e-gestao-da-educacao-basica-no-brasil-4878527.html

    Palavras-chave do artigo:

    politica gestao educacao basica

    Comentar sobre o artigo

    Guilherme P. F. Camargo

    A política de educação do campo e programa nacional de educação na reforma agrária – PRONERA destinam-se à ampliação e qualificação da oferta de educação básica e superior às populações do campo.

    Por: Guilherme P. F. Camargol Direito> Doutrinal 08/11/2010 lAcessos: 279

    A pesquisa irá abranger assuntos que influenciam na construção e da necessidade de se melhorar a qualidade da educação oferecida não só na entrada à escola, mas também no desejo do estudante de continuar nela, mas para que isso ocorra são necessárias atuações que promovam mudanças desse quadro de baixa qualidade da aprendizagem na educação básica, a metodologia de pesquisa fes uso de bibliografias referente ao assunto, que perpassa assuntos críticos da realidade do cotidiano educacional.

    Por: regina rodrigues gusmaol Educação> Ciêncial 03/12/2013 lAcessos: 63

    O presente trabalho tem como propósito apresentar um estudo através de uma análise bibliográfica sobre a incorporação das tecnologias da informação e da comunicação na educação básica. Apontando algumas reflexões e discussões acerca do uso das tecnologias no cotidiano e nas práticas pedagógicas dos professores de educação básica.

    Por: Patricia Coelhol Educação> Educação Onlinel 24/08/2010 lAcessos: 4,746 lComentário: 1

    O presente artigo pretende identificar, discutir e entender as principais questões que envolvem o papel do professor, currículo e avaliação dentro de uma perspectiva de pedagogia antiautoritária e autônoma ancorada nas teorias de Paulo Freire.

    Por: Júlio César Dias do Nascimentol Educação> Ensino Superiorl 27/07/2011 lAcessos: 1,115 lComentário: 1

    Este trabalho tem como objetivo refletir sobre a função do coordenador pedagógico nos dias atuais e sua postura diante da educação continuada e do plano político pedagógico, uma vez que sua função vem sendo definida desde os tempos mais remotos, perpassando o contexto educacional até sua institucionalização. Destaca-se ainda o dia a dia deste profissional junto ao corpo docente, abordando elementos constitutivos do processo de ensino aprendizagem, bem como a importância do trabalho coletivo.

    Por: Vânia Marilda Scardinil Educaçãol 02/12/2014 lAcessos: 46

    O atual artigo propõe refletir os principais aspectos pertinentes à discussão teórica do Estado Nacional, nos aspectos gerais e, a formação filosófica do Estado brasileiro, no aspecto particular.

    Por: Shirley da Rocha Afonsol Educaçãol 12/09/2009 lAcessos: 14,682 lComentário: 3

    A legislação atual acentua cada vez a Educação como indicador de desenvolvimento social e econômico do país. Nesse cenário, a Educação Infantil brasileira, considerada primeira etapa da Educação Básica, vem conquistando destaque e intensas transformações, em busca de qualidade e acesso a todos que dela precisam.

    Por: Daniela Feltrinl Educação> Educação Infantill 21/11/2011 lAcessos: 469
    marlucia pontes gomes de jesus

    O artigo faz um histórico do conceito da gestão democrática da educação enfatizanto as exigências legais e dos movimentos sociais. Nesse contexto, direciona o tema para uma análise da atuação e composição dos conselhos estaduais de educação no país e, em especial, no Estado do Espírito Santo.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 29/04/2011 lAcessos: 2,004

    O artigo é uma reflexão preliminar que faz parte de uma pesquisa mais ampla em que se busca investigar a parceria entre setor público e privado na área educacional para uso de material didático apostilado. O estudo se baseia em pesquisas já realizadas sobre o tema e nos dados coletados. A pesquisa inicial demonstra que, em nível global, a parceria público-privada faz parte de um conjunto de estratégias utilizadas pelos governantes para o enfrentamento da crise do capitalismo moderno.

    Por: Neide Pena Cárial Educaçãol 06/07/2011 lAcessos: 798
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Apenas cinco milhões de anos. Inexaurivelmente. O suficiente. O universo ficará escuro. O infinito transformará. Em um grande deserto. Frio e árido. Latíbulo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 24/02/2015

    As tecnologias digitais da informação revolucionaram (e continuam revolucionando) as profissões da comunicação. Ainda que exista uma base teórico-reflexiva que permaneça estável e indispensável, há nova prática e novo saber profissional que, assim como as transformações tecnológicas, mudam continuamente e trazem desafios complexos para a universidade e para o ensino.

    Por: Central Pressl Educação> Ensino Superiorl 23/02/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Somente a Filosofia dá direito ao cidadão ser realmente crítico. Qualquer disciplina, sobretudo, na área do espírito, não poderá ser crítica sem a Filosofia, como instrumento de análise epistemológica. No entanto, a Filosofia é uma disciplina extremamente difícil, complexa e diversa, aplicada em campos variados com fundamentos diferenciados.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 22/02/2015
    Genilda Vieira Rodrigues

    Este artigo trata-se de um estudo bibliográfico, cujo objetivo foi desvelar a ação supervisora frente a situação indisciplinar discente; considerando aspectos condizentes a função do psicopedagogo na história brasileira, tendo em vista o seu papel de controlar e fiscalizador, como também de cunho participativo; comprometido com o processo de ensinar e aprender, com observância da coerência/incoerência entre as funções atribuídas a este profissional, e a que ele deve realmente desempenhar e sua i

    Por: Genilda Vieira Rodriguesl Educação> Ensino Superiorl 21/02/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Qual o significado etimológico. Da palavra República. Na morfologia romana. Como força do poder imperial. Res Pública, coisa pública. O que pertencia aos patrícios. Governo formado pelo Senado. Pelos magistrados e assembleias. Tais conceituações tinham forças próprias.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/02/2015
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A vida surgiu na terra aproximadamente. A 3.5 bilhões de anos, uma hipótese. Plausível. Apareceram diversidades de vidas. Resultadas da evolução de um DNA ascentral. Comum a todas as replicações. Ramificaram e diversificaram.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 17/02/2015

    O objetivo do presente artigo é analisar como ocorrem os processos de inclusão de educandos com necessidades especiais na Educação de Jovens e Adultos (EJA), no sistema regular de ensino. Trata-se de um estudo qualitativo abordando a EJA e a inclusão escolar com base na legislação vigente, decretos e conferências que tratam do tema em estudo. Essas abordagens servirão de suporte para o trabalho desenvolvido na EJA do sistema municipal de Teresina tendo com espaço de pesquisa a Escola Municipal P

    Por: JURACI ARAÚJO TEIXEIRAl Educação> Ensino Superiorl 17/02/2015

    O presente estudo trata-se de uma revisão de literatura sobre a alfabetização de adultos e os desafios da EJA. Nesta perspectiva, buscou-se apresentar alguns aspectos teóricos, como também fundamentos que subsidiam a proposta pedagógica da Educação de Jovens e Adultos – EJA, elaborada pela SEMEC para a condução do processo de alfabetização de adultos, na rede escolar municipal de Teresina – PI, colocando em pauta a discussão sobre as questões relacionadas a alfabetização direcionada a esta popul

    Por: JURACI ARAÚJO TEIXEIRAl Educação> Ensino Superiorl 17/02/2015

    No Brasil o movimento de democratização da educação ganha força no final dos anos 1980 com a promulgação da constituição federal (1988) e efetiva-se em meados dos anos 1990 através da implantação da lei 9394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), é nesse momento de reestruturação que alguns aspectos da organização escolar são também redefinidos. Dentre os aspectos esta a gestão democrática das escolas,tendo por plano de fundo o aumento da autonomia das instituições de ensino apresenta como

    Por: Odair José Barletal Educação> Ensino Superiorl 08/06/2011 lAcessos: 554
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast