POR QUE AVALIAR? DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS GERAIS

Publicado em: 14/10/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 8,320 |

POR QUE AVALIAR? DEFINIÇÃO DOS OBJETIVOS GERAIS

A relação entre objetivos e avaliação

De acordo com os PCNEF (1998), estabeleceram-se os macro-objetivos da educação; assim, no processo de ensino e aprendizagem, a atuação dos educadores e alunos deve ser a de atingir os propósitos e metas pré-estabelecidas em cada etapa do ensino, tanto no ensino fundamental quanto no ensino médio, de modo a que ao final de todo o processo de ensino e aprendizagem o aluno consiga atingir os objetivos propostos e definidos para serem atingidos.

Já vimos que existe uma relação íntima entre a formulação de objetivos e a avaliação. Avaliar consiste, essencialmente, em determinar em que medida os objetivos previstos estão sendo realmente alcançados. Portanto, a avaliação é funcional, pois se realiza em função dos objetivos estabelecidos.

A elaboração do plano de ensino e a definição de objetivos do ensino-aprendizagem tornou-se importante, sobretudo a partir da ampliação do conceito de aprendizagem, pois, atualmente, aprender é considerado algo mais do que a simples memorização de informações.

A formulação de objetivos de ensino consiste na definição de todos os comportamentos que podem modificar-se como resultado da aprendizagem.

Para que a avaliação possa ser considerada legítima deverá ser realizada em função dos objetivos previstos, pois, do contrário o professor poderá obter muitos dados isolados, mas de pouco valor para determinar o que cada um dos alunos realmente aprendeu.

É a partir da formulação dos objetivos que vão nortear o processo de ensino e aprendizagem, que se define o que e como julgar, ou seja, o que e como avaliar, sendo fundamental também que se definam com clareza os critérios para a obtenção e alcance dos objetivos propostos É por isso que habitualmente se diz que o processo de avaliação começa com a definição dos objetivos e com a delimitação dos critérios de avaliação para cada um deles.

 

Mecanismos e técnicas de avaliação

Todas as colocações anteriormente apresentadas nos demonstram que a avaliação, atualmente, está inserida dentro das novas concepções de educação proposta pelas práticas interdisciplinares, e que, além da sua tradicional função de diagnóstico, de controlar a consecução dos objetivos previstos para o sucesso de ensino e aprendizagem, possa desempenhar essas novas funções que a educação moderna exige, e, para isso, será necessário o uso combinado de vários mecanismos e técnicas de avaliação.

Antes de aplicar quaisquer técnicas e instrumentos de avaliação é preciso lembrar que a medição no processo de ensino e aprendizagem é realizada de forma indireta. O que isso quer dizer? Isso significa que a aprendizagem, assim como qualquer processo psicológico, não pode ser medida em si. O que pode ser medido são alguns comportamentos observáveis que nos permitem deduzir se houve ou não aprendizagem. Por isso Tyler (1976) afirma que: "(...) a avaliação envolve a obtenção de evidências sobre mudanças de comportamento nos estudantes [e completa afirmando que], Toda situação avaliativa é do tipo de situação que dá aos estudantes uma oportunidade de expressar o tipo de comportamento que estamos procurando avaliar" (Tyler, 1976, pp. 104-105). Portanto, ao verificar o rendimento escolar de seus alunos, o professor está medindo e avaliando certos comportamentos que lhe permitem deduzir o que o aluno aprendeu.

É interessante lembrar também que não é possível medir toda a aprendizagem, mas apenas amostras dos resultados alcançados. Por isso, para que a medição seja considerada válida, diz Carvalho (1987, p. 345), por isto: "(...) é preciso que seja tão extensa quanto possível, e que as amostras sejam deveras representativas do conjunto".

Considerando que, quanto maior for a amostragem, mais perfeita é a avaliação, todos os recursos disponíveis de avaliação devem ser usados na obtenção dos dados. Essa é mais uma razão que justifica o uso, pelo professor, de técnicas variadas e instrumentos diversos de avaliação. Pois, quanto mais dados ele puder colher sobre os resultados da aprendizagem, utilizando instrumentos variados e adequados aos objetivos propostos, tanto mais válida será considerada a avaliação.

O desenvolvimento do processo de ensino e aprendizagem deve, portanto, ser acompanhado de uma avaliação constante. Verificações periódicas fornecem maior número de amostras e funcionam como um incentivo para que o aluno estude de forma sistemática, e não apenas nas vésperas de uma prova. "Tais verificações podem ser informais (trabalhos, exercícios, participação nos debates, solução dos problemas, aplicação de conhecimentos etc.) ou formais (provas propriamente ditas)", propõem Carvalho (1987, p. 346).

Porém a eficácia da avaliação depende do fato de o aluno conhecer seus erros e acertos, para poder reafirmar os acertos e corrigir os erros. Não é o aumento do número de provas que vai contribuir para melhorar a aprendizagem, porém se as mesmas visarem apenas a atribuição de notas, não irão contribuir para melhorar o rendimento do aluno. O importante é que elas sejam utilizadas tanto pelo aluno como pelo professor: o aluno deve ter acesso à sua prova corrigida para saber o que acertou e o que errou; o professor, por sua vez, deve analisar o desempenho de seus alunos para aperfeiçoar seu ensino. A avaliação não é um fim em si mesma, mas antes sim é um meio a ser utilizado por alunos e professor para o aperfeiçoamento do processo de ensino e aprendizagem. Moretto (2005, p. 96) afirma que: "A avaliação da aprendizagem é um momento privilegiado de estudos e não um acerto de contas".

Existem várias técnicas e vários instrumentos de avaliação. Para a avaliação formativa temos as observações, os exercícios, os questionários, as pesquisas, entre outros. E, finalmente, para a avaliação somativa os dois tipos instrumentos mais utilizados são as provas objetivas e as provas subjetivas.

Se, por um lado, as provas objetivas têm a vantagem de precisão e clareza, elas são mais limitantes do que as provas subjetivas. As provas subjetivas oferecem mais chance ao aluno. É importante abrir um parêntese para a seguinte observação. As provas não são subjetivas; os elementos de informação que fornecem é que permitem uma avaliação mais objetiva (dados objetivos) ou uma avaliação mais subjetiva. Contudo, a avaliação comporta sempre uma grande parte de subjetividade (até a escolha pelo docente do que vai considerar na amostragem e a ponderação que lhe dará são fatores interferentes de cunho subjetivos). Não estarmos conscientes de que existe sempre a subjetividade do avaliador introduz o risco da arbitrariedade.

De acordo com a taxonomia classificatória de Bloom (1973, p.16), são os seguintes os diferentes níveis ou categorias de habilidades cognitivas:

- conhecimento – envolve a evocação de informações. Nesta categoria, estão os conhecimentos de terminologias, de fatos específicos, de critérios, de metodologia, de princípios e generalizações, de teoria e estruturas, entre outros. Neste nível, o aluno reproduz o que lhe foi apresentado. Tal objetivo pode ser aprendido apenas por memória. Veja um exemplo:

- compreensão – refere-se ao entendimento de uma explanação contida numa comunicação.

Para o nível da compreensão, o aluno não deve somente repetir, mas compreender o que aprendeu, ao menos de maneira suficiente para afirmá-lo de outra forma. Exemplo: "formule um problema didático com suas próprias palavras".

- aplicação – refere-se à habilidade para usar abstrações em situações particulares e concretas.

O estudante é solicitado a usar um método, uma regra ou um princípio para resolver um problema. O problema deve ser novo. Caso contrário, o aluno pode estar memorizando soluções e não aplicando princípios. Exemplo: apresenta-se ao aluno um problema didático para que ele o resolva aplicando os princípios da Didática.

- análise – refere-se à habilidade de desdobrar uma comunicação em seus elementos ou partes constituintes. Exemplo: "identificar os aspectos relevantes de um problema didático-pedagógico" e, para alcançar esse objetivo, o aluno deve usar habilidades citadas nas categorias anteriores. Deve saber o que procurar, compreender os conceitos envolvidos e aplicar os princípios.

- síntese – trata-se da habilidade para combinar elementos e partes de modo a formar um todo novo. Na síntese, cada aluno deve exprimir suas próprias idéias, experiências ou pontos de vista. Não apenas uma resposta correta. Qualquer resposta que englobe a expressão própria e criativa do aluno vai ao encontro do objetivo de síntese. Exemplo: capacidade para escrever, de forma criadora, uma história, um ensaio ou uma poesia sobre a atividade didático-pedagógica.

- avaliação – refere-se à habilidade para fazer um julgamento sobre o valor do material e dos métodos empregados com o objetivo de alcançar determinados propósitos. O aluno deve justificar a posição por ele assumida, baseando-se no raciocínio e na relação dos argumentos.

Para ser avaliação e não compreensão ou aplicação, o objetivo deve surgir a expressão de um ponto de vista individual. Não pode haver uma única "resposta correta". Por isso, esse objetivo não pode ser avaliado adequadamente por itens de múltipla escolha. (Bloom, 1973, p.16)

Ainda de acordo com Bloom (1973, p. 17), podem-se agrupar as diversas técnicas e os instrumentos de avaliação da seguinte maneira:

I – Medidas de rendimento escolar;

II – Medidas de desenvolvimento geral.

Essa divisão entre rendimento escolar e desenvolvimento geral do alunado, serve apenas para agrupar as diferentes técnicas e instrumentos utilizados nos procedimentos de avaliação escolar, sendo que na realidade e no entendimento da pesquisadora, ambos os aspectos são relacionados e avaliados de forma concomitante.

Segundo Hoffmann (2003, p. 46): "A medida, em educação, deve resguardar o significado de um indicador de acertos e erros. Esse indicador passa a adquirir sentido a partir da interpretação pelo professor do que ele verdadeiramente representa (...)".

Sendo assim, considera-se em acordo com os autores estudados e os pressupostos teóricos analisados que nos procedimentos da avaliação de desempenho do alunado as formas de quantificação não são absolutamente indispensáveis e muito menos primordiais à avaliação, pois consistem apenas em mais uma modalidade e em mais uma ferramenta de trabalho pedagógico, sendo esta útil, somente se assim for compreendida por quem avalia e de forma contextualizada apresentada a quem é avaliado.

 

A dimensão avaliativa: é necessário (re) pensar as práticas avaliativas

Por ser a avaliação um momento de encontro e diálogo é fundamental que passe a assumir um caráter inclusivo, onde o aluno adquira confiança em si mesmo, sendo estimulado a avançar cada vez mais em busca de novos conhecimentos, ampliando assim sua visão de mundo.

A ação avaliativa oferece subsídios para os educadores refletirem sobre sua pratica pedagógica, no intuito de identificar os conhecimentos prévios do aluno, auxiliando-o no seu processo de desenvolvimento e construção da sua autonomia. A prática da avaliação deverá ser coerente com a metodologia de ensino utilizada pelo professor. Ensinar e avaliar deve ter correspondências quanto aos níveis de complexidade adotados, ou seja, não se deve ser simplista ao ensinar e complexo ao avaliar, ou vice-versa.

Avaliando a aprendizagem, avalia-se o ensino, num processo contínuo, pois o que se pretende questionar com isso é a forma ensinada, sua adequação às várias maneiras de desenvolver as aprendizagens apresentadas na sala de aula, levando-se em consideração a contextualização e fatos históricos vividos pelos alunos que influenciam na sua maneira de aprender.

É necessário que o professor conheça as características do grupo como um todo, o desenvolvimento cognitivo, psicológico e social e, a partir daí, organize condições adequadas para a aprendizagem, redirecionando o planejamento, dentro de seus aspectos de flexibilidade, e suas estratégias de ensino, pois aprender é construir significados e ensinar é oportunizar esta construção, afirma Moretto (2002).

A proposta de avaliação de aprendizagem, fundamentada nos princípios sócio-interacionistas, que compreende o educando como um ser em constante processo de construção e transformação, deve fazer com que a Avaliação se constitua como um instrumento pedagógico não apenas para mensurar, de modo imediatista, o conhecimento adquirido pelo aluno, mas para fazê-lo desenvolver em sua dimensão cognitiva, implicando também antever o desenvolvimento educativo do aluno em dois processos articulados e indissociáveis: diagnosticar e intervir.

Desta forma, uma avaliação no sentido de intervir, proporciona ao educando um feedback que orienta no processo de aprendizagem e na autonomia do saber, não sendo possível um diagnóstico sem uma intervenção e uma intervenção sem um diagnóstico, pois um depende do outro na articulação dos procedimentos a serem tomados.

Nestes aspectos a aprendizagem pode ser pensada como um processo de mudança, provocada por estímulos diversos, mediados por emoções, que pode vir ou não a manifestar-se em mudança no comportamento da pessoa.

São diversas as correntes de estudos de psicólogos enfatizando a necessidade de distinguir entre o processo de aprendizagem, que ocorre dentro do organismo da pessoa que aprende, e as respostas emitidas por esta pessoa, as quais podem ser observáveis e mensuráveis externamente a ela, através de suas manifestações e ações práticas.

Neste sentido destacam-se as duas vertentes teóricas que sustentam os principais modelos de aprendizagem e cujas decorrências no sistema educacional formal são evidentes: o modelo behaviorista e o modelo cognitivista, diz Skinner (1974).

Modelo Behaviorista – seu foco principal é o comportamento, pois este é observável e mensurável; partindo do principio de que a análise do comportamento significa o estudo das relações entre eventos estimuladores e as respostas, planejar o processo de aprendizagem implica estruturar este processo em termos passíveis de observação, mensuração e réplica científica.

Modelo Cognitivista – pretende ser um modelo mais abrangente do que o behaviorista, explicando melhor os fenômenos mais complexos, como a aprendizagem de conceitos e a solução de problemas; procura utilizar tantos dados objectivos e comportamentais, como dados subjectivos, levando em consideração as crenças e percepções do indivíduo que influenciam seu processo de apreensão da realidade.

A Teoria da Gestalt, precursora do cognitivismo, pesquisa o processo de aprendizagem por insights. "O indivíduo que tem um insight vê uma situação de uma nova maneira, que implica a compreensão das relações lógicas ou percepção das conexões entre meios e fins".(Hill, 1981, p 48).

 

Qual avaliação se busca construir? Qual avaliação se deve construir?

Segundo Antunes (2002) a questão da avaliação da aprendizagem sempre se constitui em tema apaixonante e essencial na educação brasileira. Em décadas passadas, por propiciar a alguns professores um caráter autoritário, prepotente e segregador, centralizado nas mãos arrogantes deste ou daquele que fazia de sua nota seu instrumento de sadismo ou sua maneira egocêntrica de selecionar os bons e maus alunos, esse sistema, altamente injusto para o aluno, era incontestavelmente bastante confortável para o professor.

Infelizmente ainda na atualidade constamos essa perspectiva enraizada em alguns professores, que entendem que o conhecimento é um bem que se acumula, um material que enche um reservatório previamente existente no cérebro de cada individuo, supostamente vazio. É assim natural que se pense ainda que avaliar e medir representam uma igual tarefa.

Porém, uma lâmpada que necessita ser acesa envolve a discussão sobre qual

perspectiva de ensino é utilizada pela escola e pelo professor, pois somente À luz desse paradigma é que se pode falar sobre avaliação. É impossível discutir-se a avaliação da aprendizagem escolar sem que se saiba qual a teoria e perspectiva educacional utilizada.

Considerando, pois a importância dessa emergência, é importante que se caminhe em direção à construção de um sistema educacional, estruturando-o através de seis perspectivas, conforme propõem Antunes (2002, pp. 15-18):

- Perspectiva Construtivista – "a aprendizagem humana se processa na medida em que o educando é capaz de construir significados e atribuir sentido ao conteúdo da aprendizagem; Múltiplas Inteligências – não existe mais espaço para que a revelação do saber se faça apenas pelas vias lingüísticas e/ou lógico-matemática";

- Aprendizagem Significativa – "o processo da verdadeira aprendizagem sensibiliza a memória de longa duração e faz do aluno um solucionador de problemas e um sujeito capaz de transferir saberes construídos para múltiplos contextos";

- Ensinar a verdade – "a organização de um currículo com disciplinas diferentes e conteúdos específicos somente tem validade na medida em que estes possam acreditar em seu poder de ensinar a verdade, valendo-se dos desafios das ciências exatas e humanas";

- Centro de Sociabilidade – "toda escola deve representar um espaço de vivência para o trabalho, um ambiente de estímulos epistemológicos e, sobretudo, não ser um armazém que estoca saberes para serem doados ou vendidos sem que se saiba como e o que fazer no uso desses saberes";

- Observação Contínua – "somente podemos considerar que uma avaliação do rendimento escolar seja eficiente quando é produto de uma observação constante, e não somente concentrada nos momentos de provas e exames".

Partindo destes pressupostos apresentados por Antunes (2002) é possível afirmar que não existe avaliação se não existir perspectiva por resultados. Assim, o primeiro passo a ser dado para se pensar em uma mudança no critério utilizado para a avaliação da aprendizagem é esclarecer que a passagem de um docente por uma atividade escolar pressupõe expectativas quanto à melhoria em suas capacidades, em suas inteligências e em suas competências.

O progresso do alunado entendido e avaliado quanto às capacidades desenvolvidas necessita no mínimo ser percebido quanto aos aspectos motores, cognitivos, emocionais, relacionais e interpessoais e de inserção social.

Portando, ao longo de um determinado período de presença na escola é essencial que o aluno mostre algum progresso nestas atividades e desenvolva capacidades a elas relacionadas, pois de nada valerá que saiba que 2 + 2 são 4, se não souber utilizar tal premissa e saber em situações vivenciais e estas são eminentemente relacionadas com suas emoções, sentimentos, atitudes e modos de ver e vivenciar o mundo e o ambiente onde se insere.

 

 

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

ANTUNES, Celso. Avaliação da Aprendizagem Escolar. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

________________. Trabalhando Habilidades: construindo idéias. São Paulo: Scipione, 2003.

 

BLOOM, Benjamim; Hastings, J. Thomas; Madaus, George F. (orgs) (1971). Handbook on

Formative and Summative Evaluation of Student Learning. N. Y.: McGrraw-Hill Inc., 4

volumes. – Existe tradução em Espanhol, da Ed. Troquel, S. A. Buenos Aires, de 1975; o 1º é de teoria geral e os outros 3 volumes são por áreas disciplinares.

 

CARVALHO, Irene M. O Processo Didático. 6. ed. Rio de Janeiro/RJ: FGV, 1987. pp. 346

(Instituto de Documentação).

 

HILL, W. Aprendizagem. Rio de Janeiro: Guanabara, 1981.

 

HOFFMANN, Jussara. Avaliação Mediadora: uma prática em construção, da Pré escola á Universidade. Porto Alegre, RS: Educação e Realidade, 1996.

__________. Avaliação: mito & desafio: uma perspectiva construtivista. 32. ed. Porto Alegre, RS: Mediação Ed., 2003.

 

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais:

Apresentação dos Temas Transversais/Secretaria de Educação Fundamental- Brasília:

MEC/SEF, 1998, p. 436.

 

MORETTO, Vasco P. Prova – Um Momento Privilegiado de Estudo – Não Um Acerto de Contas. 3 ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SKINNER, B. F. Sobre o Behaviorismo. São Paulo: Editora Cultrix, 1974.

 

TYLER, Ralph W. Princípios Básicos de Currículo e Ensino. 3. ed. Tradução de Leonel Vallandro. Porto Alegre, RS: Globo, 1976.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 2 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/por-que-avaliar-definicao-dos-objetivos-gerais-3476114.html

    Palavras-chave do artigo:

    avaliacao mecanismos tecnicas

    Comentar sobre o artigo

    Este artigo apresenta uma experiência do uso de instrumentos de avaliação na formação continuada para professores na modalidade a distância. Analisa o desenvolvimento e uso de instrumentos para avaliar o ambiente de aprendizagem da sala de aula a partir da perspectiva do aluno. Discorre sobre a avaliação, sua forma e importância, contextualiza sua aplicação nos “Cursos de Formação para Professores-tutores em EaD” promovidos pela Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED). Trata do conceit

    Por: Marco Antonio Amarall Educação> Educação Onlinel 02/02/2010 lAcessos: 2,748 lComentário: 1
    Pr. Suedem Medeiros

    Avaliar é dinamizar oportunidades de auto-reflexão, num acompanhamento permanente do professor. O professor deve assumir a responsabilidade de refletir sobre toda a produção do conhecimento do aluno, promovendo o movimento, favorecendo a iniciativa e a curiosidade no perguntar e no responder, construindo assim, novos saberes junto com o aluno.

    Por: Pr. Suedem Medeirosl Educação> Ensino Superiorl 03/12/2009 lAcessos: 7,898
    Clecia Pacheco

    O presente trabalho busca fazer uma demonstração dos aspectos teóricos da avaliação no processo de ensino e aprendizagem, destacando sua evolução ao longo dos tempos, o fator nota na avaliação, os princípios básicos e finalidades da avaliação, bem como as suas funções no processo de ensino e aprendizagem.

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 12/10/2010 lAcessos: 6,341

    Este artigo teve como finalidade investigar as dificuldades dos docentes do IFAC no tocante à avaliação do ensino-aprendizagem na modalidade PROEJA, como forma de auxiliar na orientação da prática pedagógica. Estuda os critérios avaliativos utilizados em sala de aula e sua relação com o planejamento de ensino global da Instituição. A pesquisa foi enriquecida com o trabalho de campo através de entrevistas semi-estruturadas e análise documental do projeto político-pedagógico dos cursos técnicos.

    Por: Gilmara Amorim de Moraesl Educação> Ensino Superiorl 01/12/2012 lAcessos: 127
    Ana Paula Lopes

    Resumo: Este artigo visa esclarecer os principais alicerces que o educador deverá fundamentar a sua proposta de avaliação da aprendizagem objetivando uma prática realmente fidedigna e válida. Sendo assim, ao longo da discussão abordaremos a questão do ato avaliativo focando nos seus principais objetivos educacionais, e analisando reflexivamente a prova um instrumento eficaz para auxiliar o educador sobre a aprendizagem efetivada pelo aluno.

    Por: Ana Paula Lopesl Educaçãol 08/10/2009 lAcessos: 3,084

    Ao se pensar em avaliação escolar associa-se este elemento a um problema de grande escala nas instituições de ensino. Neste procedimento, a avaliação é tida como aferição de resultados em provas e/ou exames. Apesar de grandes discussões sobre a temática, este instrumento tem sido utilizado como ferramenta e/ou demonstração de puro autoritarismo, sobrepondo-se à importância do conhecimento e de sua posterior difusão, imputando ao aluno a aprendizagem forçada por meio de pressão.

    Por: HUDSON CANUTOl Educação> Ensino Superiorl 21/03/2011 lAcessos: 955
    Diogo Freitas

    As organizações estão se transformando em verdadeiras agências de aprendizagem elas estão se proporcionando enormes vantagens em relação às organizações tradicionais. Uma nova cultura que enfatiza o compartilhamento e todo o conhecimento, comunicações abertas e espírito de equipe, e a ampla difusão de novas idéias. Dentro das organizações os especialistas adotam um conceito comportamental e um dos aspectos comportamentais humanos é aquela que procura compreender como as pessoas vivem e resolvem seus problemas. Acreditando que o ambiente de trabalho estivesse suficientemente arrumado e organizado, o empregado não terá outro comportamento senão o de produzir. Dentro das organizações a avaliação de desempenho ajuda a julgar ou estimular o valor, a excelência e a qualidade de uma pessoa e sobre tudo a sua ajuda para o interesse da organização.

    Por: Diogo Freitasl Negócios> Administraçãol 03/05/2009 lAcessos: 15,600 lComentário: 3

    Após o período entre 1930 a 1950, conhecida como revolução industrial, o Brasil, passou a ter grande desenvolvimento em suas atividades industriais, inaugurando grandes companhias e criando novas indústrias, como o passar do tempo, além das novas tecnologias criadas e implantadas nas mesmas, passou a notar como um diferencial de mercado, o capital social, o ser humano como ferramenta fundamental e estratégica, para obter melhores resultados. Dentre vários mecanismos, foi desenvolvido,para que pu

    Por: ALEX OSTAl Negócios> Gestãol 20/07/2010 lAcessos: 3,436
    marlucia pontes gomes de jesus

    O texto discute a recomendação do Conselho Nacional de educação de que os alunos do ensino fundamental não sejam retidos nos dois primeiros anos de estudos, principalmente levando em consideração a grande rejeição da progressão continuada por professores e até mesmo pela população. Nesse contexto, faz uma distinção entre progressão continuada e progressão automática, procurando demonstrar a importância da recuperação contínua para que a sua adoção tenha sucesso.

    Por: marlucia pontes gomes de jesusl Educaçãol 25/07/2011 lAcessos: 1,786
    Gerisval Alves Pessoa

    Aborda um estudo sobre a Importância que tem o processo de Avaliação de Desempenho para as empresas do ramo de Fast Food. Tem como objetivo principal, compreender a importância do processo de avaliação de desempenho para o sucesso das organizações e para o desenvolvimento profissional das pessoas. Apresenta uma revisão bibliográfica sobre a avaliação de desempenho nas organizações e mostra os aspectos determinantes para a consolidação desse processo. Apresenta um estudo caso em uma organização.

    Por: Gerisval Alves Pessoal Negócios> Gestãol 20/01/2010 lAcessos: 1,602

    Esta pesquisa teve como propósito o estudo do dilema da teoria social, através de pesquisa qualitativa e, uso de técnicas bibliográficas e documental, baseados nos trabalhos científicos de Dalbosco (2010), Carvalho (2013), Lília (2009), Morigi (2004), Netto (2012 e Maia apud Connell (2009).

    Por: Carlos Queirozl Educação> Ensino Superiorl 27/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Foi exatamente em tal contexto social e político que se desencadeou o cenário do Romantismo naquele país, possibilitando o nascimento de várias obras literárias, fundamentais ao desenvolvimento do Romantismo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 24/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Não resultamos diretamente deles, mas parentes próximos. Numa acepção moderna, primos, o que significa muito para a comparação das espécies, a ponto de afirmar que, geneticamente, somos a mesma espécie.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 23/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Há uma arte projetiva. A linguagem é o mecanismo auxiliar. Da metodologia de projeção. Naturalmente. Não se projeta de qualquer forma. Porque são milhares de projeções. O que é o conhecimento fenomenológico. Em parte pelo menos. Produção de uma ilusão do entendimento.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/09/2014
    Carla Ravaneda

    A importância da boa formação da docência brasileira, aspectos determinantes na graduação, a importância do estágio supervisionado nos cursos de licenciatura.

    Por: Carla Ravanedal Educação> Ensino Superiorl 11/09/2014 lAcessos: 14
    Zilda Ap. S. Guerrero

    O modelo de aluno que temos hoje em sala de aula, nem de longe lembra- nos os moldes dos alunos dos tempos da escola tradicional, não e somente nas escolas públicas, mas também em diversas escolas particulares e de grande renome no mercado educacional. No entanto, há uma forte contradição entre as aulas ministradas em sala de aula; as quais na grande maioria recheadas de conteúdo e parca praticidade, e quase ausência de contextualização das aulas. Urge então mudanças didáticas na escola atual.

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Educação> Ensino Superiorl 10/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O artigo tem como objetivo explicar a funcionalidade do mundo dos vírus. Para tal é necessário uma análise de suas principais características, a definição fundamental da mecanicidade funcional evolutiva dos parasitas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/09/2014
    Ana Paula Assaife

    Este artigo analisa as dificuldades encontradas pelos docentes em sala de aula para o uso das tecnologias voltadas para educação. Estudos sobre a modernidade mostra que esta dificuldade é muito comum nas universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro. Temos por objetivo analisar os impactos da modernidade sobre a universidade e seus desafios. .Conceituar Modernidade e estudar novas prácticas para o l uso da tecnologia no processo ensino/aprendizagem.

    Por: Ana Paula Assaifel Educação> Ensino Superiorl 04/09/2014 lAcessos: 18
    Clecia Pacheco

    Objetiva discorrer, através de uma busca à história, sobre a escravidão afro-indígena no Brasil

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 13/12/2010 lAcessos: 732
    Clecia Pacheco

    Este artículo trata sobre gestión educativa y la evaluación del aprendizaje, centrándose en la necesidad de cambios en los paradigmas evaluativos tradicionales y señalando los retos cotidianos de la escuela brasileña.

    Por: Clecia Pachecol Educación> Universidades&Academias;l 22/10/2010 lAcessos: 263 lComentário: 1
    Clecia Pacheco

    O presente trabalho busca discorrer sobre a avaliação na visão dos Parâmetros Curriculares Nacionais e, faz uma breve reflexão acerca de para que, o que e como avaliar. Finalmente, faz uma reflexão sobre o perfil dos professores frente as mudanças no contexto educacional.

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 14/10/2010 lAcessos: 4,078
    Clecia Pacheco

    O presente trabalho busca fazer uma demonstração dos aspectos teóricos da avaliação no processo de ensino e aprendizagem, destacando sua evolução ao longo dos tempos, o fator nota na avaliação, os princípios básicos e finalidades da avaliação, bem como as suas funções no processo de ensino e aprendizagem.

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 12/10/2010 lAcessos: 6,341
    Clecia Pacheco

    O presente artigo objetiva fazer uma breve explanação acerca da integração existente entre a gestão da educação e o processo de avaliação da aprendizagem, enfatizando a importância da interdisciplinaridade na educação.

    Por: Clecia Pachecol Educação> Ensino Superiorl 12/10/2010 lAcessos: 983
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast