QUALIDADE NA EDUCAÇÃO: ANÁLISE CRÍTICA DO DISCURSO POLÍTICO E AS MEDIDAS EFETIVAS

Publicado em: 13/07/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 2,065 |

Sabemos que a qualidade da educação não é um envolvimento unilateral, mas que envolve docente, discente (pais e alunos) e mantenedor(es). Considerando a amplitude, relevância e complexidade envolvida na reflexão sobre a qualidade da educação, este artigo pretende ater-se na análise crítica do discurso político e das medidas efetivamente propostas.

Muito se tem falado sobre a qualidade da educação, órgãos governamentais desfraldam bandeiras e alardeiam medidas mirabolantes que somente produzem efeitos visuais e eleitoreiros, mas que nada trazem de efetivo para a melhoria da qualidade educacional. Medidas são anunciadas como solução qualitativa definitiva; todavia, sua função real é a transferência de responsabilidade, como se fosse possível que qualquer uma das partes que compõem a tríade educacional, pudesse eximir-se do processo. Soluções paliativas que atingem apenas a parte externa, mas não modificam de maneira qualitativa o bojo do problema.

A criação de parâmetros para avaliar a qualidade no ensino no Brasil (SAEB, IDEP, PISA, ENEM, ENADE) e no Estado de São Paulo (SARESP e IDESP) tem trazido dados preocupantes sobre a qualidade da educação brasileira e, principalmente, paulista que, contribuem para que os dirigentes educacionais das secretarias de educação e poderes executivos inflamem seus discursos na tentativa de dirimir suas responsabilidades através do anúncio de medidas meramente superficiais, mas de cunho eleitoreiro que impressionam seus ouvintes; no entanto, sua contribuição é efêmera e, por vezes, temporal.

Entre estas, podemos destacar a criação do bônus para o magistério que incorpora variáveis imensuráveis e critérios ininteligíveis, que não possibilitam uma previsão por parte dos envolvidos no processo, talvez nem seus próprios gestores saibam explicar como se procedem os cálculos. Um critério que revolta a gestores e docentes é sobre as faltas, pois mesmo faltas de direito legal (médicas e abonadas) são consideradas para decompor o tal bônus do magistério.

Para os que recebem, é uma incógnita acompanhada de surpresa (agradável ou desagradável, conforme a expectativa de cada um). Por ser um critério desnorteado e complexo, invés de atuar como um fator de incentivo para a melhoria da qualidade da educação; contribui para o desânimo de gestores e docentes que, ao perceberem que pouca relevância existe nos resultados efetivamente alcançados, apesar de seus esforços pedagógicos, causam desânimo; pois o diferencial principal é a assiduidade e esta contempla os assíduos, não os competentes.

A época escolhida para o pagamento do bônus aos integrantes do magistério não é adequada para proporcionar um investimento na formação continuada, complementação pedagógica ou até mesmo em atividades de lazer, mas acaba se tornando um auxiliar no pagamento de tributos federais e estaduais ou na amenização de débitos.

Outra medida é a promoção por mérito, que se tornou o mais brilhante investimento governamental para impulsionar definitivamente a qualidade da educação paulista e proporcionar aos docentes a composição de um salário digno ao longo de sua carreira. Alardeada e apresentada politicamente como sendo o reconhecimento pelo labor docente, desvinculando qualquer responsabilidade governamental sobre o ínfimo soldo do magistério e profissionais da educação.

Todavia, o caminho para se atingir o teto monetário estabelecido é uma verdadeira jornada para Hércules; primeiro por conter um fator quadrienal que acabará dirimido pela inflação e ser a única forma para o aumento salarial. Segundo fator: faltas, novamente direitos trabalhistas são desprezados e aviltados, pois o percentual de aumento somente é concedido para aqueles que, durante ciclo, não teve falta médica, licença prêmio e faltas abonadas. Concordamos que faltas em excesso podem prejudicar o processo e a qualidade; todavia, existe um percentual tolerável.

Embora a apresentação feita à sociedade e a imprensa demonstrava tratar-se de uma medida que recompensaria o bom profissional da educação, o que é anseio geral; as verdades embutidas, somente surgem quando, após atingir a pontuação necessária para receber o percentual, percebe que existem outros empecilhos funcionais não anunciados. A decepção e impotência conduzem ao desânimo daqueles que, envidaram esforços, não apenas visando a cifra monetária, mas que se empenham para dar o melhor de si no processo ensino-aprendizagem.

Não estamos considerando os percentuais estabelecidos sobre o efetivo dos profissionais da educação que, mesmo atingindo a pontuação necessária e sendo merecedores do percentual de aumento, não são contemplados por falta de verbas, é como oferecer alguma coisa que não é suficiente para todos os envolvidos no processo. A frustração causada nesses profissionais de maneira nenhuma irá contribuir para a qualidade na educação.

Na metade dos anos noventa, iniciou-se a informatização da escola pública. Foram implantadas salas de informáticas em todas as escolas estaduais; todavia, não houve capacitação de docentes para a utilização dos computadores, softwares e internet, alguns se arriscaram na aprendizagem autodidata, com tímida aplicação de aulas; pouca ou nenhuma melhoria resultou este investimento para a qualidade da educação, apesar da promoção política na época.

Não basta apenas reformar e equipar as escolas, mudar ou unificar o currículo, implantar novas metodologias ou teorias da educação, é preciso capacitar o docente para sua aplicação. Diz o ditado de autoria desconhecida: "Quem nunca se sentou para aprender, não deve se levantar para ensinar". A busca da qualidade na educação não deve ser permeada apenas por ações impactantes, mas com baixo poder transformador; é preciso instrumentalizar e capacitar os agentes para operacionalizar os instrumentos.

Já que se busca qualidade com a política de bônus, porque não facilitar e promover a formação inicial e continuada? Não se pode crer que alguém que é exposto a novas metodologias, novos conhecimentos e novos recursos educacionais deixe de, no mínimo, alterar sua prática pedagógica em sala de aula. Todo profissional que não se atualiza estaciona sua evolução funcional, a "reciclagem" é uma forma de não tornar-se "obsoleto" e "inadequado".

Todas as práticas profissionais se modernizaram, apenas a educação permanece no "Método da Salivação", tão criticado pelo professor Júlio César de Mello e Souza (Malba Tahan) nas décadas de sessenta/setenta. Quase na totalidade das aulas nas escolas públicas paulistas são ministradas utilizando giz, lousa e saliva; o mundo mudou, mas a sala de aula continua a mesma.

A vitalidade da adolescência somada à virtualidade e dinâmica tecnológica tem seu impacto mais fulminante quanto; ao sentar-se na carteira escolar, o jovem deixa de ser ativo e movido pela curiosidade, para tornar-se passivo diante do detentor do conhecimento que o conduzirá pelas trilhas da sabedoria utilizando um quadro negro desbotado, pichado e obsoleto, falando, falando, falando.

É um quadro que, por si só, demonstra que a qualidade na educação é um objetivo inatingível, que a participação do aluno no processo de aprendizagem estará próxima a zero, apesar do esforço cognitivo pedagógico do professor, embora procure utilizar toda a sua capacidade profissional, trará pouca ou nenhuma contribuição para que o aluno atinja níveis de aprendizagem que alterem os métodos de avaliação da educação.

Os poucos alunos que se saem bem nestas avaliações possuem hábitos de estudos ou participam de cursinhos pré-vestibulares, por aspirarem interesses próprios. A maioria já está desmotivada pela defasagem cognitiva acumulada no decorrer de sua trajetória escolar com tendência do fracasso escolar, profissional e pessoal. Acostumada com sua promoção semi-automática pressionada pela geração do bônus da unidade escolar, já que a retenção e evasão são fatores consideráveis na sua composição.

A melhoria no processo educacional somente poderá produzir uma ação efetiva e transformadora, quando a construção do processo pedagógico gerar uma linha geral produzida pelos participantes ativos neste processo: docentes, discentes e mantenedores e uma linha individualizada que leve em consideração a realidade de cada escola. Sem o envolvimento de todos os interessados diretamente, os passos dados sempre serão trôpegos e a caminhada curta.

Incentivos financeiros são bem vindos quando não tem a intenção de ser o objetivo final do processo, pois o alvo deve ser a melhoria na qualidade, não o dinheiro; além de que, avaliar o processo por apenas uma das extremidades, não garante que tenha apresentado desempenho satisfatório nem que todos os esforços envidados foram mensurados; pois sua participação é voluntária e seu desempenho pode não retratar a realidade através desmotivação, desinteresse ou desleixo na hora da elaboração da avaliação, mascarando a realidade.

Avaliar a qualidade do processo ensino-aprendizagem através de uma prova dada aos alunos, considerando a evasão escolar e repetência e assiduidade do professor; não estabelece um parâmetro real que contribua para avaliação e revisão da prática pedagógica em sala de aula; todavia, vai incentivar o uso de artifícios ilusórios como transferência dos alunos evadidos, aprovação sem condições para o prosseguimento dos estudos e incentivo a não participação na avaliação de alunos que podem contribuir para redução da nota final da escola.

O que atrai o bom profissional é uma remuneração compatível com sua capacidade profissional que consiga promover a satisfação funcional e pessoal; as políticas educacionais atuais favorecem a imigração, cada vez mais, os bons profissionais da educação pública para a educação privada. As políticas de qualidade na educação têm que passar pelo resgate, valorização e incentivo aos bons profissionais; utilização de novas metodologias e tecnologias; formação inicial e continuada, promoção da valorização da formação do aluno e pelo comprometimento das partes envolvidas no processo educacional.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/qualidade-na-educacao-analise-critica-do-discurso-politico-e-as-medidas-efetivas-2823389.html

    Palavras-chave do artigo:

    qualidade na educacao

    ,

    bonus do magisterio

    ,

    promocao por merito

    Comentar sobre o artigo

    silvio broxado

    O servidor público carrega o estigma de ser considerado profissional desengajado, arredio às mudanças e sem comprometimento, apesar de estarmos vivenciando um período o paradigmático quanto aos conceitos do desempenho humano na nova gestão pública. Essa avaliação no comportamento e no desempenho de servidores geram uma série de descren-ças com relação a qualidade do serviço público ao cidadão.No contexto, muitas questões vêem a tona, principalmente sobre o modelo ideal de gestão por mérito.

    Por: silvio broxadol Negócios> Administraçãol 22/03/2011 lAcessos: 1,626

    A descoberta dos números surgiu através de estudos sobre a humanidade e como se processa a aprendizagem da matemática em nosso cérebro.

    Por: ANA MARIA LIBARDIl Educação> Ensino Superiorl 16/11/2014

    O uso do computador e internet para realização de trabalhos escolares e acadêmicos tornou-se prática cotidiana. A internet é, atualmente, uma fonte quase que inesgotável de informações e referências. Isso gerou algumas situações características...

    Por: Valter Ribeirol Educação> Ensino Superiorl 16/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Da cosmologia grega. As não substancialidades. Das essências. Tudo flui. Nada persiste o mesmo. Nem mesmo a mudança. O ser não é mais. O que virá a ser. Apesar de ser o futuro. A negação do eterno presente. Do mesmo modo o mundo. E todas as formas de movimento. A vida é uma eterna transformação. Nada se sustenta em si mesmo. Acepção do entendimento.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 16/11/2014

    O termo reciclagem em geral, quer dizer, o retorno da matéria-prima, sendo usado pela população para indicar o conjunto de operações envolvidas no aproveitamento dos dejetos/detritos e seu futuro reaproveitamento. A intenção principal este projeto foi conscientizar e sensibilizar os alunos de que a participação efetiva é indispensável para a obtenção de um meio ambiente saudável, que promova o desenvolvimento sem destruir os recursos naturais.

    Por: Patrícia Maria Barros Piovezanl Educação> Ensino Superiorl 14/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    A indiferença do povo brasileiro, em relação à Segunda Guerra Mundial, o governo de getulista desenvolve a compaixão popular, como forma de sustentação no poder, com o objetivo de ter em mãos o Estado.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 14/11/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Certa vez disse Einstein. A respeito da epistemologia. É necessário desenvolver centenas. De análises. Para que algum pensamento. Possa ter fundamento. Mas de certo modo, o conhecimento profundo. É apenas intuitivo. Desse modo pude chegar à natureza. Da essência do fundamento do mundo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 13/11/2014

    A Federação Nacional das Escolas Particulares (FENEP), em parceria com a Fundação Getúlio Vargas (FGV), publica documento de análise e construção de um marco quantitativo destinado ao setor educacional privado, de extrema utilidade para estudiosos e pesquisadores educacionais, tanto dos setores privado quanto público.

    Por: Central Pressl Educação> Ensino Superiorl 13/11/2014
    Zilda Ap. S. Guerrero

    Nessse artigo nossa abordagem será em torno da alfabetização das crianças de escolas públicas e a adoção do construtivismo enquanto metodologia e não como concepção de Piaget, face a exposição das crianças no campo da observação e experimentação.

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Educação> Ensino Superiorl 11/11/2014 lAcessos: 11
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast