Resenha do livro o que é Educação

Publicado em: 06/06/2010 |Comentário: 1 | Acessos: 13,022 |

BRANDÃO. Carlos Rodrigues. O que é Educação. 41°Ed. São Paulo, Brasiliense 2007.

O autor é natural do Rio de Janeiro graduado em psicologia pela PUC, tem o mestrado em Antropologia pela UNB e o doutorado em Antropologia USP. Foi professor universitário na UNB (Universidade de Brasília) da UFG (Universidade Federal de Goiás) e pela UNICAMP (Universidade Federal de Campinas).

Entre suas principais obras são: Os Deuses do Povo: Uma introdução às religiões, Diário de Campo: Antropologia como alegoria, Educação como cultura, Educação Popular, Identidade e Etnia, O que é folclore entre outros.

A presente obra visa fazer uma discussão sobre o conceito de educação saber que a inventou, e desmistificar a idéia que só existe o processo educacional somente na escola. O escrito se desdobra em nove capítulos.

O primeiro capítulo, Educação? Educações aprender com o índio, (p.7 -12)  argumenta que em nenhum lugar dá para escapar da educação, que esta se apresenta em toda parte da vida que pode ser na casa, rua, igreja, escola que tanto pode ser para ensinar, para aprender e ao mesmo tempo ensinar e aprender, e questiona o conceito de educação, para colocar em seu lugar a palavra educações no plural, por não é só em um lugar que se aprende e ensina, mas em todos os lugares. E diz que a educação é a construção social de um determinado povo, que tanto pode ajudar para a sua autonomia como também para aceitar a submissão a outros povos. E cita o exemplo de uma carta famosa de um índio americano que escreveu para os colonizadores que ofereciam uma educação, para seus filhos, e dizia que agradecia, mas que a educação dos colonizadores não correspondia à realidade que eles precisavam dos homens de sua aldeia, pois se tornavam inúteis, e em contra partida ofereceu a educação a sua educação para os filhos dos colonizadores para se tornarem verdadeiros guerreiros. E conclui que a educação é uma construção do imaginário dos grupos sociais para transformá-los em algo melhor naquilo que se considera ideal.

No segundo capitulo, Quando a escola é na aldeia, (p.13-26) a educação existe em lugares em que não há escola, por isso em lugares em que há redes de estrutura sociais a transmissão de conhecimento de uma geração para outra. Os antropólogos tiveram um olhar sobre a relação que os nativos tinham entre si ensinando seus valores para as gerações mais novas, eles não utilizavam a palavra educação para designar esse fenômeno de transmissão de conhecimento de uma geração mais velha para a mais nova, mas sim de ritual de passagem. Aqueles que sabiam ensinavam, quem não sabia ficava atento observava e imitava aos mais velhos, pois o que aprendia eram as atividades no cotidiano, com objetivo de formar os mais novos para assumirem as funções sociais de sua tribo.

No terceiro capitulo, Então surge a escola, (p.27- 35)diz que quando os povos tradicionais começam a separar um saber que tem um sentido que se faz, e que em seguida se tem consciência que se faz, começa a transmitir o que se sabe para os outros, ou seja, ensinar o saber adquirido por várias gerações e passa para novas gerações, em que "todos" se transformam como educador, e apresenta como algumas tribos africanas transmitiam o seu conhecimento para os mais novos, e diz que vários grupos dividem e hierarquizam os vários tipos de saber, e diz que a educação está presente em todo canto do mundo, presente nas relações sociais entre as pessoas que são perenes e persistem nas sociedades humanas. E diz que a escrita surgiu nos povos enriquecido com um poder muito centralizado como exemplo dos egípcios ou dos astecas, mas que com o passar do tempo a educação mostrou sinônimo de diferença de classes como pode se observado na Grécia, e em Roma, e ai surgiu possivelmente à invenção da escola.

No quarto capítulo, Pedagogos, mestres-escola e sofistas, (p. 36- 47) apresenta como era a experiência educacional na Grécia Antiga que era o problema da aprendizagem dos ofícios simples no período da paz e na guerra. Nesse sentido houve a transição entre os saberes da agricultura, do artesanato da subsistência e da arte, tudo misturado com os princípios da honra e a solidariedade ligada com a fidelidade da polis. Nesse contexto existe uma diferença entre a educação do homem livre, e do escravo. O escravo aprendia os saberes fora da escola, já os homens livres tinham sempre um professor particular que o ensina como devia ser sempre livre. Durante um determinado período a educação era somente o privilegio da nobreza guerreira, e se aprendia as tradições escutando as declamações poéticas de Homero. Os pobres não podiam levar seus filhos à escola, por não ter condição financeira para pagar ao professor. Com o tempo a educação clássica deixa de ser assunto para alguns privilegiados para ser uma questão da polis. E Brandão conclui esse capitulo dizendo que a grande contribuição que a civilização grega apresentou para a civilização ocidental e que esta esqueceu com o tempo é que a educação existe em toda parte, e que vai muito além da escola convencional, e diz que são as pequenas relações sociais existente entre vários membros da sociedade é que vai construído a educação.

No quinto capítulo, A educação que Roma fez, e o que ela ensina, (p.48-53) faz um paralelo entre a educação grega e a educação romana, dizendo que os primeiros latinos eram camponeses e viviam em comunidade, e que a iniciação das crianças e dos adolescentes era aprender os valores dos antepassados, que chamavam de educação doméstica, que se aprendia em casa, com intuito de chegar à formação de uma consciência moral. No inicio da formação da cidade de Roma não existia um cuidado na educação física e intelectual de seus cidadãos ociosos que pensavam primeiramente somente em governar e guerrear. Com enriquecimento da nobreza romana, essa se afasta do labor da terra e se ocupa somente pela política. E dessa maneira pouco a pouco o ensino que era pastoril camponês passa a ser a formação para ser guerreiro, e ai surge uma oposição entre o ensino dos pais e dos mestres-pedagogos que convivem com os educandos e os acompanham durante um determinado período de sua vida para a formação de seu saber. E conclui que a educação romana influenciada em parte pelo espírito grego vai ajudar os filhos dos soldados e funcionário romanos a controlar os vencidos e impor sobre eles a vontade, e a visão de mundo do dominador.

No sexto capítulo, Educação: Isto e aquilo, ao contrário de tudo, (p.54-60) Brandão refleti sobre a palavra educação confrontando com conceito dos dicionários e chega à conclusão que eles tentam explicar o que a educação serve. Faz uma comparação com a legislação brasileira no final da ditadura que diz que o objetivo da educação é preparar para o trabalho, e conseqüentemente exercer sua cidadania, e após analisar a legislação educacional, apresenta outra interpretação da educação que pode se manifestar como uma ideologia que atende interesses econômicos de um determinado grupo social. E conclui esse capitulo dizendo que a definição, e a legislação sobre a educação é feita como uma maneira de camuflar os interesses de uma determinada classe social que tem o poder econômico, como político.

No sétimo capitulo, Pessoas "versus" sociedade: um dilema que oculta outros, (p. 61-72) inicia a sua explicação sobre o conceito de educação de uma maneira filosófica se ela é inata, vem de dentro da pessoa, ou se ela externa o meio que forma a pessoa. E resolve o dilema dizendo que a educação é uma construção social que foi pensada por uma pessoa ou instituição com o objetivo de atender uma necessidade do coletivo, para que individuo obtenha tudo que precise para construir sua subjetividade. Ou seja, o intuito da Educação é formação integral desse ser humano. E volta a discussão que essência da educação é a humanização desse(a) homem e mulher para manutenção da comunidade como era feito na Grécia Antiga, e em Roma, e diz que a educação é uma parte real da vida de como esse ser humano deve existir. E conclui que a educação humanística visa retornar o sentido de educação que era pensando pelos gregos e romanos, uma educação voltada para a comunidade.

No oitavo capítulo, Sociedade contra Estado: Classe e educação, (p.73-97) Brandão diz que a educação é uma prática social, em que o fim desta é determinado pelas pessoas que estão a sua frente, por isso esta pode ser usada como um mecanismo de dominação por determinados grupos sociais. E retorna a idéia de capítulos anteriores em diz que a educação não é uma propriedade individual, mas é da comunidade, ou seja, é o resultado de uma consciência vivida por uma determinada comunidade humana, que pode ser da família, de uma classe, ou de um grupo de profissionais. Por isso o surgimento de vários tipos de educação e sua evolução depende dos fatores sociais que determinam o desenvolvimento e as transformações da educação. E questiona sobre qual seria o ideal de perfeição da educação, e esse ideal é determinado pelas necessidades que pequenos grupos sociais têm para a sua sobrevivência, pois cada sociedade determina a função de seus membros. E apresenta mais uma variável da educação que esta pode ser uma possibilidade de mudança, pois a sociedade não é parada está em constante mudança e a leis precisam ser mudada, como a sociedade muda. E conclui fazendo uma reflexão sobre as leis que regem a educação no país, que diz algo, e que na pratica ocorre tudo ao contrario. Por isso que há uma predominância de uma educação autoritária na sociedade desigual.   

No nono capítulo, A esperança na educação, (p.78-110) faz uma reflexão dos capítulos anteriores, e reforça a idéia que a educação se dá fora do poder de controle do sistema escolar, e que é preciso reinventar a educação no dia-a-dia, algo que as pequenas comunidades sabem fazer se reunir para reinvidicar seus direitos que muitas vezes o Estado ignora. Questiona a estrutura escolar dos pedagogos que dizem que a educação só se dá pela escola, e se esquecem que a educação é vida, está muito além da escola. E conclui dizendo que somente o educador "deseducado" é que pode transforma essa realidade educacional, e dar um novo sentido para educação com a valorização do cotidiano de seus alunos.

A leitura da obra é um subsidio importante para todos os professores e graduandos (as) de todas as licenciaturas.

No plano estrutural do texto o autor utiliza o método etnográfico para descrever as diferentes experiências pedagógicas para questionar o conceito de educação baseado na estrutura escolar; e usa a teoria marxista para fundamentar a sua tese.

A linguagem do autor é simples e acessível para qualquer estudante que pretende pesquisa sobre o conceito de educação.

Assim, a obra é uma leitura importante para todos os educadores, tem uma visão diferente da educação que tenta fugir das estruturas, no entanto a única limitação do livro é que o autor vê a educação influenciada pela concepção durkheimiana em que uma geração mais velha é que ensina a mais nova, e impede a possibilidade de um velho aprender com o mais jovem, um adulto apreender com uma criança. Tirando essa limitação o livro é de uma grande valia para o estudo sobre a educação.

 

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 8 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/resenha-do-livro-o-que-e-educacao-2560528.html

    Palavras-chave do artigo:

    educacao

    ,

    antropologia da educacao

    ,

    vida pratica

    Comentar sobre o artigo

    Antonio Cunha

    Este artigo tem como objetivo geral o reconhecimento da forma como as políticas públicas culturais (ações, programas e projetos culturais) do governo municipal de Curitiba, entre 1970 e 2004, contemplaram a pluralidade étnica da cidade, sob responsabilidade da Fundação Cultural de Curitiba. No contexto urbano da cidade de Curitiba, observa-se a inserção das diversas etnias e multiculturalismo visto que a população curitibana apresenta interfaces étnico-culturais e que as políticas pública

    Por: Antonio Cunhal Notícias & Sociedade> Polítical 10/08/2009 lAcessos: 2,200 lComentário: 1
    Gisele Leite

    A autora traça resumidamente acerca da história da Criminologia, seus principais representantes, escolas e influências nas ciências criminais

    Por: Gisele Leitel Direito> Doutrinal 23/03/2011 lAcessos: 698
    EVERALDO RUFINO DA SILVA

    Este trabalho como parte das disciplinas de história antiga do ocidente e história antiga do oriente, apresenta os conceitos historiográficos.

    Por: EVERALDO RUFINO DA SILVAl Educação> Ensino Superiorl 04/07/2011 lAcessos: 1,190
    Hellen Bessa de Oliveira

    Este trabalho tem como objetivo apresentar uma leitura sobre como está sendo tratada a questão da sexualidade na escola.

    Por: Hellen Bessa de Oliveiral Educação> Educação Infantill 28/05/2013 lAcessos: 121
    Manuella Santos da Hora

    O presente trabalho objetiva discutir a organização e a linguagem, em Os sertões (1902), de Euclides da Cunha (1866-1909). A partir desse objetivo, relatam-se algumas das relações que vinculam as narrativas históricas e culturais no corpo da obra citada, destacando a sua organização e linguagem na composição do enredo euclidiano.

    Por: Manuella Santos da Horal Educação> Línguasl 03/02/2014 lAcessos: 74
    Profª Bia Senday

    Os períodos da educação brasileira, desde o jesuítico até a atualidade., de forma resumida e direta.

    Por: Profª Bia Sendayl Educaçãol 25/08/2014
    Antonio Cunha

    O presente trabalho de pesquisa tem por objetivo principal demonstrar que a linguagem afeta sobre maneira a qualidade do processo decisório, considerando as circunstâncias temporais, análise ambiental, relacionamento inter-pessoal e aspectos políticos inerentes ao contexto em que são tomadas. O processo decisório envolve cognição, e a linguagem é especializada para cada campo de conhecimento, como na Administração e Direito aqui apresentada. Correlações sob diferentes aspectos foram coletadas no desenvolvimento teórico da pesquisa, assim como buscou-se informações num bairro curitibano, conhecido como Cabral. Dez empresas em que se consultou empregadores e empregados sobre problemas relacionados com o uso da linguagem.

    Por: Antonio Cunhal Negócios> Gerêncial 10/08/2009 lAcessos: 5,038 lComentário: 1

    Esta pesquisa tem por objetivo disseminar a pluralidade artística do Mestre Calú, mamulengueiro da Zona da Mata de Pernambuco. Tomou-se por bases referenciais os consagrados autores Hermilo Borba Filho e Jofre Dumazedier, além de conteúdos do Ministério do Turismo . Metologicamente, fez-se o uso de fontes primárias, entrevistas pessoais e consultas a referências biográficas. Chegou-se a conclusão de que há sim uma maior valorização da cultura hoje, mas ainda há falhas que precisam ser corrigidas

    Por: Antônio Joaquim de S. Netol Arte& Entretenimento> Artel 26/08/2013 lAcessos: 71

    Este trabalho apresenta a preocupação do estado em incluir estudantes afrodescendentes nas Universidades públicas brasileiras. Salienta a polêmica gerada pela nomenclatura usada para definir tal comportamento. Aponta a constitucionalidade do ato. Discorre sobre o processo evolutivo do ser humano e ressalta o senso de responsabilidade presente na sociedade contemporânea.

    Por: Arlindo Fernandes Netol Educação> Ensino Superiorl 16/05/2011 lAcessos: 32

    Esta pesquisa teve como propósito o estudo do dilema da teoria social, através de pesquisa qualitativa e, uso de técnicas bibliográficas e documental, baseados nos trabalhos científicos de Dalbosco (2010), Carvalho (2013), Lília (2009), Morigi (2004), Netto (2012 e Maia apud Connell (2009).

    Por: Carlos Queirozl Educação> Ensino Superiorl 27/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Foi exatamente em tal contexto social e político que se desencadeou o cenário do Romantismo naquele país, possibilitando o nascimento de várias obras literárias, fundamentais ao desenvolvimento do Romantismo.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 24/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Não resultamos diretamente deles, mas parentes próximos. Numa acepção moderna, primos, o que significa muito para a comparação das espécies, a ponto de afirmar que, geneticamente, somos a mesma espécie.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 23/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    Há uma arte projetiva. A linguagem é o mecanismo auxiliar. Da metodologia de projeção. Naturalmente. Não se projeta de qualquer forma. Porque são milhares de projeções. O que é o conhecimento fenomenológico. Em parte pelo menos. Produção de uma ilusão do entendimento.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 20/09/2014
    Carla Ravaneda

    A importância da boa formação da docência brasileira, aspectos determinantes na graduação, a importância do estágio supervisionado nos cursos de licenciatura.

    Por: Carla Ravanedal Educação> Ensino Superiorl 11/09/2014 lAcessos: 14
    Zilda Ap. S. Guerrero

    O modelo de aluno que temos hoje em sala de aula, nem de longe lembra- nos os moldes dos alunos dos tempos da escola tradicional, não e somente nas escolas públicas, mas também em diversas escolas particulares e de grande renome no mercado educacional. No entanto, há uma forte contradição entre as aulas ministradas em sala de aula; as quais na grande maioria recheadas de conteúdo e parca praticidade, e quase ausência de contextualização das aulas. Urge então mudanças didáticas na escola atual.

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Educação> Ensino Superiorl 10/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O artigo tem como objetivo explicar a funcionalidade do mundo dos vírus. Para tal é necessário uma análise de suas principais características, a definição fundamental da mecanicidade funcional evolutiva dos parasitas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/09/2014
    Ana Paula Assaife

    Este artigo analisa as dificuldades encontradas pelos docentes em sala de aula para o uso das tecnologias voltadas para educação. Estudos sobre a modernidade mostra que esta dificuldade é muito comum nas universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro. Temos por objetivo analisar os impactos da modernidade sobre a universidade e seus desafios. .Conceituar Modernidade e estudar novas prácticas para o l uso da tecnologia no processo ensino/aprendizagem.

    Por: Ana Paula Assaifel Educação> Ensino Superiorl 04/09/2014 lAcessos: 19

    A presente resenha apresenta os principais pontos trabalhado por Montesquieu sobre o que ele entende sobre o Espírito das Leis.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Polítical 09/05/2011 lAcessos: 9,048

    O presente texto visa discutir a construção do método fenomenológico elaborado pelo filosofo alemão Edmund Husserl, e como esse método pode ser aplicado na parte metodológica do professor no momento em que elabora sua didática em sala de aula. Por isso a importância de conhecer esse método pelos professores de qualquer área do conhecimento como uma possibilidade da utilização esse método para melhor elaborar a sua didática e possibilitar a construção do conhecimento do discente.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educaçãol 07/09/2010 lAcessos: 1,336

    O sociólogo Carlos Benedito Martins apresenta o que é Sociologia, e mostra o seu conceito contraditório sobre essa ciência, que abre para a diversidade de interpretação.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Cotidianol 17/07/2010 lAcessos: 17,210

    O presente texto visa apresentar as idéias centrais debatida por ZUIN sobre o seu livro o trote na universidade em que por ocasião do ingresso de muitos jovens na universidade teve vários trotes em que levaram vários calouros à morte. O trote universitário que antes devia ser um rito de passagem para que os jovens calouros se tornem amigo dos veteranos em que conhecem uma nova forma de socialização com os outros (veteranos) se torna um rito de passagem marcado pela violência física e moral.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educação> Ensino Superiorl 01/04/2010 lAcessos: 941

    A presente resenha do livro faz uma reflexão sobre de como a didática do professor ajuda reproduzir a hostilidade entre professor e aluno. E isso mostra-se presente nas comunidades do orkut. A resenha contribui para a reflexão dos professores e que estes precisam revisar sua atitude diante de sala de aula.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educação> Ensino Superiorl 31/03/2010 lAcessos: 1,358

    A presente resenha apresenta um texto que é pouco conhecido dos leitores brasileiros sobre o tratado sobre a Educação, que não afasta muito da sua tese do imperativo categorico, em que mostra como os pais devem educar os seus filhos. Uma leitura essencial para todos aqueles que fazem licenciatura.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educaçãol 11/01/2010 lAcessos: 1,375

    O presente texto visa apresentar a resenha de um livro escrito por Fernando Henrique Cardoso falando sobre sua experiencia política, e diz o que é necessário que o jovem faça para se transforma um bom político.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Notícias & Sociedade> Polítical 30/12/2009 lAcessos: 1,942 lComentário: 1

    O presente ensaio visa apresentar a visão de quatro historiadores sobre a visão do Imperio do Brasil.

    Por: Vicente Vagner Cruzl Educaçãol 21/12/2009 lAcessos: 1,186

    Comments on this article

    3
    Natália 12/04/2011
    A resenha do livro " O que é educação? " em termos de conteúdo está razoavelmente elaborado. É importante estarmos sempre atentos a essas publicações, para que corrijam os erros gramaticais existentes no texto.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast