Sociedade E O Assistente Social

03/06/2009 • Por • 9,588 Acessos

Sociedade e o Assistente Social

Gilmar dos Santos Nascimento*

 

Pensar o Brasil num contexto social, é construir uma ampla radiografia das questões sociais, cuja profundidade não permite, no âmbito de um artigo, realizar  maiores reflexões.. Assim, nosso caminho nesse terreno passa a ser pavimento por uma discussão da profissão do assistente social e consequentimente dos cursos que qualificação para  intervenção na realidade social. O olhar é de um sociólogo preocupado com a emergência de tantas questões e da perpetuação de tantas outras.

 

Nessa encruzilhada, estabelecer uma ponte entre o todo e as partes se faz oportuno. As cidades brasileiras, são fotografias das multifaces do Brasil, alem de uma população de migrantes com origem em diversas localidades, as questões sociais apresentam se na mesma amplitude, com um diferencial, somos um estado jovem, com emergência de numerosos problemas, em relação a outras partes deste Pais. Isso por si só não justifica, mas aponta alguns desafios entre os quais à necessidade da formação de profissionais para atuarem   e ampliação de políticas públicas preventivas.

 

A constituição de 1988, considerada “cidadã” já aponta São direitos sociais a educação, a saúde, o trabalho, a moradia, o lazer, a segurança, a previdência social, a maternidade e a infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.

 

Certamente que os caminhos nesses mais de vinte anos apresentaram-se pouco pavimentados, ainda muitas pedras precisam ser retiradas, quando se desloca o olhar  para um Estado novo não seria demais  lembra dos diversos profissionais que aqui chegaram nas décadas de setenta e oitenta para assumirem as atividades técnicas na área social. Um sonho mediava as ações: colocar em práticas políticas sociais de atendimento ao combate às desigualdades.

 

Primeiro ponto, talvez o de maior relevância para os futuros assistentes sociais seja rompe a ideia preconcebida e preconceituosa de que o assistente social é o profissional do paternalismo, aquele que surge nas horas mais adversas para  trazer ajuda, atuando com ações paliativas, isso pode ser qualquer coisa mas não é o que defini o perfil desse profissional. O que norteia as atividades docentes é a compreensão de que as desigualdades  sociais precisam ser combatidas,  os benéficos serão para todos, a pobreza, a falta de empregos, a violência, não atingem apenas os desfavorecidos,mas as reflexões dessas questões  aparece em toda estrutura da sociedade.

 

Outro aspecto relevante da existência de um curso de serviço social, além de formação profissional é a produção que  será gerada, com discussões da problemática social local, a partir daí a possibilidade de elaboração de ações preventivas e conscientizadoras,O  perfil atual de Porto Velho, mesclado pela euforia desenvolvimentista e as grandes questões sociais que assolam qualquer cidade com suas características evidenciam a importância de formação de profissionais para o trabalho na área de políticas sociais.

 

Num processo de construção avanços  e recuos  são parte de um mesmo contexto, porem  criar as condições para que no presente e intervir nas questões Sociais. O espaço das faculdades são campos iniciais das discussões que se espalham por projetos  em comunidades, por pesquisas temáticas e analises das questões sociais que povoam o cotidiano., sempre com a preocupação,de estabelecer políticas preventivas.

 

 * Mestre em Sociologia e professor da Fimca

Perfil do Autor

Gilmar dos Santos Nascimento

Graduado em Historia,Mestre em sociologia, desenvolve pesquisa na area de conhecimento sobre movimentos sociais, imaginario e migrações. Na docencia leciona Sociologia e Antropologia