Transcrição fonética

Publicado em: 03/06/2011 |Comentário: 0 | Acessos: 1,404 |

Segundo Borba (1975) fonética é o ramo da Línguistica que estuda a natureza física da produção e da percepção dos sons da fala humana. Preocupa-se com a parte significante do signo linguístico e não com o seu conteúdo.

De acordo com Bisol (2005), o objeto de estudo é a realidade física dos sons produzidos pelos falantes de uma língua. A fonética visa ao estudo dos sons da fala ao ponto de vista articulatório, verificando como os sons são produzidos ou articulados pelo aparelho fonador, ou do ponto de vista acústica, analisando as propriedades físicas da produção e propagação dos sons, ou ainda do ponto de vista auditivo, parte que cuida da recepção dos sons.

A fonética articulatória se destina ao estudo da fisiologia e da anatomia da criação da fala, ou seja, observa e traça a forma como os sons da fala são articulados pelo aparelho fonador. O aparelho fonador inclui órgãos que são ao mesmo tempo comuns ao aparelho digestivo e ao aparelho respiratório e que são responsáveis pela articulação da fala humana. Sendo grande parte dos sons das línguas criadas durante a expiração, o ar sai dos pulmões, percorre os brônquios, a traqueia e a laringe até que encontra as cordas vocais na glote. Se estas membranas estiverem abertas, os sons articulados são surdos ou não vozeados, se as cordas vocais estiverem fechadas, os sons tornam-se sonoros ou vozeados. Depois, o ar passa pela faringe e encontra outro órgão que influencia a produção sonora: o véu palatino. Este responsável pela produção de sons nasais. Se for levantado, fecha a cavidade nasal, e conduz o ar apenas pela cavidade oral. Assim se produzem os sons orais [p], [b], [k], etc., que constituem a maioria dos sons da fala. Se, ao contrário, o véu palatino estiver baixado, o ar sai igualmente pelas cavidades oral e nasal, produzindo-se sons nasais.
Na boca é que se criam os refinamentos sonoros. Definitivamente o ar passa livremente pela cavidade bucal, criando-as vogais ou semivogais. Se existir alguma obstrução feita à passagem do ar, quer pelo contato da língua nos alvéolos dos dentes ([t], [d]) ou no palato ([L], [S], [Z]) quer através da obstrução ocorrida ao nível dos lábios ([p], [b]) ou do lábio inferior contra os incisivos superiores ([f], [v]), obtêm-se as consoantes. Quanto ao ângulo de abertura do maxilar superior em relação à língua, as vogais podem ser fechadas, semi-fechadas, semi-abertas e abertas. Quanto à posição da língua em relação ao palato, as vogais podem ser anteriores, centrais e posteriores. As vogais posteriores [u], [o], [ó] podem ainda ser mais ou menos arredondadas conforme a projeção dos lábios. Do ponto de vista articulatório, as consoantes são classificadas quanto ao seu modo de articulação, ou seja, a maneira como se dá a obstrução, e quanto ao seu ponto de articulação, ou região na boca onde se dá a obstrução.

A fonética Acústica se destina às propriedades acústicas dos sons da fala, estudando o tipo de ondas sonoras que a produzem a sua propagação e proteção, os filtros que a modificam, os ressonadores que a alongam além do necessário, etc. A fonética acústica recorre a instrumentos de análise e de observação das características físicas dos sons, análise essa que atualmente pode ser feita por ferramentas computacionais de análise de sinais de fala.
A fonética Auditiva se destina ao estudo dos processos de audição da fala humana e de processamento das suas características pelo cérebro humano. Estuda também a anatomia e fisiologia do ouvido humano, a forma como são recebidas as ondas sonoras e como estas são conduzidas pelos neurônios ao cérebro, onde são finalmente processadas e reconhecidas. A fonética auditiva interessa-se também pela "realidade psicológica" ou representação mental dos sons da fala, profundamente condicionados pelos processos cognitivos de reconhecimento dos sons e muito influenciados pelas representações cerebrais dos sons pela escrita. Por outras palavras, o número de sons do português reconhecidos por um falante estrangeiro será diferente em relação ao número de sons reconhecidos por um português nativo. De qualquer modo, a realidade fonética é muito superior, uma vez que nunca produzimos um som exatamente igual, como o provam as análises acústicas computacionais.

Segundo Celso Cunha (2001), para simbolizar na escrita a pronúncia real de um som usa-se um alfabeto especial, o alfabeto fonético. Em nossas transcrições fonéticas, sempre que possível utilizamos o Alfabeto Fonético Internacional, no entanto, tivemos de acrescentar e adaptar alguns sinais necessários para a transcrição de sons de variações da língua portuguesa para os quais não existe sinal próprio naquele Alfabeto.

Para ilustrar as diferentes formas de pronunciar uma mesma palavra em um mesmo país, no caso o Brasil, a seguir uma tabela com transcrições fonéticas de 20 palavras diferentes, com a transcrição de um sergipano, a transcrição de um carioca e a transcrição de um paulista, nesta mesma ordem.

A importância da transcrição fonética está além do que muitos imaginam, ela pode nos auxiliar desde o aprendizado de uma língua estrangeira, quanto no caso de uma descoberta de uma nova língua completamente estranha, pois os estudiosos poderiam anotar o que eles falam através da transcrição fonética, criar um trabalho para localizar as palavras recorrentes, as fronteiras das palavras e a partir desse estudo criar um dicionário dessa nova língua.

A transcrição fonética também auxilia na descrição das variantes lingüísticas de um país, como no Brasil, que possui uma vasta variedade lingüística e que através da transcrição fonética é possível diferencia - lá.

 

 

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 1 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ensino-superior-artigos/transcricao-fonetica-4858138.html

    Palavras-chave do artigo:

    fonetica

    ,

    transcricao

    Comentar sobre o artigo

    Fernanda Rodrigues de Sousa

    RESUMO - Este artigo objetiva apresentar os estudos e teorias acerca da Fonética Articulatória área que tem contribuído fundamentalmente para a descrição linguística, permitindo a classificação dos sons da fala de acordo com o contexto no qual os mesmos são articulados. Com base em análises sobre os aspectos fisiológicos, os articulatórios, a observação da descrição dos sons ou seja tratando dos constituintes do discurso segmentados no nível mais profundo e desprovidos de significação:os sons.

    Por: Fernanda Rodrigues de Sousal Educação> Línguasl 03/12/2012 lAcessos: 337

    RESUMO Neste artigo, faz-se uma breve exposição, na visão de Mattoso acerca da fonética e da fonologia. Tal atividade é relevante, porque esse estudo possibilitou-nos aprofundarmos nossos conhecimentos acerca do tema. Ressalta-se, porém, que o trabalho foi pautado apenas em pesquisa bibliográfica e restringe-se a concepção do referido autor sobre fonética e fonologia. Neste sentido, pode ser interessante a acadêmicos do curso de Letras, professores e a quem mais possa ter interesse pelo assunto

    Por: Maria do Socorrol Educação> Ensino Superiorl 04/09/2010 lAcessos: 4,250

    Este artigo discorre sobre a função e o entendimento da fonética, assim como a natureza da relação entre as representações lingüísticas e as representações sonoras.

    Por: Luciana Soares da Silva Garcial Educação> Línguasl 25/06/2010 lAcessos: 5,824
    Anne Kelly

    Estamos em uma era cuja informação é alcançada em poucos segundos com o auxílio de apenas um clique: a era da internet. Praticamente todos nós estamos inseridos nesse contexto cibernético e com nossos educandos não seria diferente: estão tão ou mais conectados que nós, docentes. O "problema" é quando esses alunos resolvem escrever textos em uma linguagem inédita: o internetês.

    Por: Anne Kellyl Educação> Línguasl 30/03/2014 lAcessos: 18

    Trechos em versão simplificada, da Teoria Geral da Confusão a ser editada pelo grupo Euetú Nós de analítica infinitesimal, sob título Hermenêutica Aplicada, estudo de muitas confusões encontradas na TV, na Rede mundial de deturpação (não só) da Língua pátria, na Entrevista, no Catálogo Telefônico da Capital, no Guia Turístico, no Jornal, na Publicidade, dos bancos de dados (não só) do Senado, até na Lei ‒ e demais mídias, especialmente no tema Brasília e DF.

    Por: Euetu Nósl Educação> Ensino Superiorl 19/09/2011 lAcessos: 117

    Não se explica o banimento, frontalmente conflitante com a Regra II – K, W, Y determinante do uso dessas letras, em quais casos são substituídas por q, u, i, ainda quanto às unidades de medida: acaso usamos qm, nas distâncias, ou qu e qvh (vát, na Televisão...), na energia elétrica, na Língua Portuguesa? Ou Uóchinton Luís, presidente? O nosso almirante Vandelcólqui? O Alquimim? Na Casa de Rui – impressionante – o Curi? Perda Nacional de Lógica.

    Por: Euetu Nósl Negóciosl 28/06/2009 lAcessos: 947

    A tentativa de esclarecer dúvidas, mostrar aos educadores o sentido real de alfabetizar e como fazer isso, justifica a efetivação deste trabalho, visto que muitos discentes estão empenhados em mudar, mas não sabem como fazer porque não tem um referencial acerca do assunto.

    Por: edilma de moura de oliveiral Educação> Educação Infantill 05/02/2013 lAcessos: 178
    Marcos Suel dos Santos

    Este artigo tem como pretensão levar docentes a refletirem sobre a importância das mídias na área da Educação, sobretudo em sala de aula. Diante dessa necessidade, é pertinente destacar, o uso de alguns aparatos tecnológicos, bem como rever pontos referentes aos sites de relacionamento, os quais têm como a grande maioria dos usuários, os alunos. Por outro lado, discuti-se a importância do papel do professor diante dessa avalanche de informações que permeiam as discussões dos alunos, ou seja, é p

    Por: Marcos Suel dos Santosl Educação> Línguasl 10/01/2012 lAcessos: 322

    A ortografia “oficial” só excluiu o Águia. Aliás, nesta, continuam Paty do Alferes e o Patrimônio Nacional Paraty, não podemos mudar-lhe nem o nome. Só em Ruy, patrimônio nacional do País das incoerências. ...

    Por: Euetu Nósl Educação> Línguasl 30/07/2009 lAcessos: 400
    Carla Ravaneda

    A importância da boa formação da docência brasileira, aspectos determinantes na graduação, a importância do estágio supervisionado nos cursos de licenciatura.

    Por: Carla Ravanedal Educação> Ensino Superiorl 11/09/2014
    Zilda Ap. S. Guerrero

    O modelo de aluno que temos hoje em sala de aula, nem de longe lembra- nos os moldes dos alunos dos tempos da escola tradicional, não e somente nas escolas públicas, mas também em diversas escolas particulares e de grande renome no mercado educacional. No entanto, há uma forte contradição entre as aulas ministradas em sala de aula; as quais na grande maioria recheadas de conteúdo e parca praticidade, e quase ausência de contextualização das aulas. Urge então mudanças didáticas na escola atual.

    Por: Zilda Ap. S. Guerrerol Educação> Ensino Superiorl 10/09/2014
    Edjar Dias de Vasconcelos

    O artigo tem como objetivo explicar a funcionalidade do mundo dos vírus. Para tal é necessário uma análise de suas principais características, a definição fundamental da mecanicidade funcional evolutiva dos parasitas.

    Por: Edjar Dias de Vasconcelosl Educação> Ensino Superiorl 08/09/2014
    Ana Paula Assaife

    Este artigo analisa as dificuldades encontradas pelos docentes em sala de aula para o uso das tecnologias voltadas para educação. Estudos sobre a modernidade mostra que esta dificuldade é muito comum nas universidades públicas do Estado do Rio de Janeiro. Temos por objetivo analisar os impactos da modernidade sobre a universidade e seus desafios. .Conceituar Modernidade e estudar novas prácticas para o l uso da tecnologia no processo ensino/aprendizagem.

    Por: Ana Paula Assaifel Educação> Ensino Superiorl 04/09/2014 lAcessos: 12

    O presente artigo apresenta a resiliência em um ambiente educacional e o papel dos profissionais que ali trabalham para a formação deste aluno. A escola tem papel fundamental na educação de seres resilientes, capazes de transformar e reinventar novas formas para lidar com as adversidades do cotidiano. Sendo o professor uma espécie de facilitador da aprendizagem, exercendo um papel fundamental no incentivo, construção, articulação de informações e saberes na formação dos educandos.

    Por: Zípora Raquel de Paulal Educação> Ensino Superiorl 01/09/2014

    Este trabalho verso a partir de Kant a problemática sobre o Esclarecimento, que irá mostrar a possibilidade do homem sair de sua menoridade, sendo assim, o mesmo terá capacidade suficiente para estruturar um pensamento autônomo, isto é de pensar por conta própria usando a liberdade de entendimento sem que dependa de outras pessoas para obter a maioridade, entretanto, com essa atitude atingir a própria independência intelectual.

    Por: Derivanial Educação> Ensino Superiorl 01/09/2014

    É inegável que nos últimos anos o tema "Diversidade" tem sido bastante discutido , principalmente no setor educacional. Estamos hoje vivenciando um novo momento em que já se admite, ainda que minimante, a existência de preconceitos diversos e racismo no território brasileiro. Quando o tema diversidade entra em cena, abrimos as portas para que o nosso ponto de vista sobre o outro, e de outros sobre nós sejam apercebidos sob uma nova ótica. Esta que torna "o diferente" tão belo quanto "o eu".

    Por: Ivanilda da Silva Cunhal Educação> Ensino Superiorl 27/08/2014
    Tony Monteiro

    Nos últimos anos, houve uma profunda mudança na maneira de construir, pois antigamente as alvenarias eram utilizadas como elemento resistente e de vedação e a sua estabilidade e resistência eram definidos em função de sua geometria.

    Por: Tony Monteirol Educação> Ensino Superiorl 26/08/2014
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast