José De Arimatéia

26/02/2010 • Por • 4,195 Acessos

                 JOSÉ DE ARIMATÉIA

Depois disto, José de Arimatéia, que era discípulo de Jesus, mas ocultamente, por medo dos judeus, rogou a Pilatos a autorização para tirar o corpo de Jesus. Pilatos permitiu. Foi, pois e tirou o corpo de Jesus. Acompanhou-o Nicodemos, (aquele que anteriormente fora de noite ter com Jesus), levando umas cem libras de uma mistura de mirra e aloés. Tomaram o corpo de Jesus e envolveram-no em panos com aromas, como os judeus costumam  sepultar. “

                                                                     João, 19 38-40

                                      José de Arimatéia nasceu em Rama, chamada pelos gregos de Arimatéia. Seu pai chamava-se José e era negociante de tecidos, profissão muito rentável naquela época, já que os judeus davam muita importância às vestes. Sua mãe chamava-se Ruth, era uma mulher bonita e de estatura mediana. Ela trabalhava com tecidos e moia grãos.

                                      José de Arimatéia se tornou tecelão, a profissão do pai.  As primeiras letras sagradas foram dadas pelo pai. Mais tarde tomou aulas com o mestre ou Hazzan. As mulheres aquele tempo ficavam impedidas de receberem as letras.

                                      O casamento era obrigatório naquele tempo. O rapaz, geralmente com 18 anos e a moça com 12 ou 13 anos. O pai do moço é quem escolhia a moça para o filho. Com José não houve problema já que seu pai escolheu a colega de infância de Arimatéia por nome Débora, filha de Ezequiel.

                                      Com a morte do pai, Arimatéia muda-se para Jerusalém onde seu pai possuía um pequeno empório. Jerusalém era considerada a capital do mundo judeu. Jerusalém está ligada a religião.  Havia o grande templo de Iahweh onde a autoridade máxima era o sumo sacerdote.

                                      Arimatéia freqüentava o templo construído por Herodes, o grande. O primeiro templo foi construído por Salomão e destruído por Nabucodonosor, o segundo foi construído pelo egresso do exílio da Babilônia e o terceiro foi construído por Herodes. Os romanos deixaram a administração religiosa e civil para os Judeus que criaram o grande Sinédrio composto de setenta e um líderes, incluindo o presidente que era o próprio sumo sacerdote. Havia também o pequeno Sinédrio composto de vinte e três juízes e que existia em quase todas as cidades da Judéia e da Galiléia. 

                                      Arimatéia era muito amigo de Nicodemos com quem tinha longas conversas. Débora também era muito amiga de Damaris, mulher de Nicodemos. Foi com Nicodemos que José ficou sabendo da existência de Jesus – o novo profesta, e se interessou muito pelo mestre. Também era amigo do velho Zebedeu, marido de Salomé com quem tinha dois filhos: João e Tiago.

                   Como Arimatéia era também membro do Sinédrio, foi convidado uma vez por Anãs para uma reunião em sua casa. Na reunião estava Anãs, o rabi Gamaliel, o amigo Nicodemos, o rabi Eliazar, Salatiel bar Eliakhim, um escriba e mais três ou quatro pessoas. Era para decidir sobre os destinos de Jesus, pois Caifás estava muito preocupado com a pregação de Jesus que estava angariando muitas ovelhas.

                   Arimatéia ficou muito preocupado com o que ouviu lá no Sidedrio e resolveu procurar a mãe de Jesus – Maria. Na casa dela encontrou o menino Tiago que chamou a mãe. Ele pediu que Maria aconselhasse Jesus sobre o perigo que estava passando, mas Maria disse que Jesus sabia o que estava fazendo e do perigo que estava passando. Que não se preocupasse com ele.

                   No grande Sinédrio, Arimatéia e Nicodemos procuram defender Jesus de todas as formas. Não conseguiram porque o sumo sacerdote Caifás estava mesmo disposto a matar Jesus. A causa principal é que o seu rebanho perdia força a cada dia e a de Jesus aumentava assustadoramente.

                   De longe Arimatéia acompanhou o drama de Jesus, tentando fazer alguma coisa, mas estava impotente diante da situação. Depois de enterrar Jesus, ele passou o que tinha a seu filho, pegou o Cálice da última ceia de Cristo que estava com ele e resolveu partir pelo mundo a pregar a boa nova do Cristo.