O EVANGELHO E AS MULHERES - Na Genealogia de Jesus

18/11/2010 • Por • 410 Acessos

 

Blog de reflexaobiblica :REFLEXÃO BIBLICA, O EVANGELHO E AS MULHERES - Na Genealogia de Jesus

Dando continuidade ao nosso propósito de realçar o papel das mulheres nas narrativas evangélicas, destacamos agora aquelas mulheres que tiveram seus nomes incluídos na genealogia de Jesus Cristo.
Há muitas questões peculiares nesta decisão de Mateus em incluir na genealogia de Jesus o nome destas mulheres:
- Seria mais provável que esta atitude fosse tomada por Lucas, até chamado de o evangelista do feminino uma vez que dá ênfase especial ao papel desempenhado pelas mulheres no ministério de Jesus - porém ele não o fez. Mateus tem um público alvo de origem judaica, perceptível pela ênfase no cumprimento literal das profecias messiânicas do AT, e nas genealogias judaicas os nomes de mulheres não eram incluídos. A fórmula padrão era: "A é pai de B" e nunca "A era mãe de B". Portanto, o evangelista "impacta" seus leitores desde as primeiras linhas ao romper o padrão genealógico.
- Se não bastasse perturbar o "padrão" incluindo o nome de mulheres, com exceção de Maria, as demais citadas possuem uma sombra escura em suas ações morais, Tamar, Raabe, Bate-Seba, e Rute é uma moabita, povo descendente de Ló, portanto resultado de um incesto duplo. Além de que Raabe e Rute são estrangeiras.
Fica evidenciado desde o primeiro momento que o nascimento de Jesus seria um acontecimento peculiar e distinto, uma interferência radical de Deus na História Humana. Todos os acontecimentos envolvendo o nascimento desta criança estarão revestidos do inusitado e do sobrenatural.
TAMAR: Se olharmos apenas o fato de que ela engana seu sogro e acaba gerando um filho dele, isolado de seu contexto histórico, certamente teremos uma visão profundamente negativa e distorcida dela. Entretanto, antes disto, é preciso saber que ela apenas esta defendendo seus direitos assegurados pela própria lei do "levirato ou levirado" (a palavra deriva de "levir", que em latim significa "cunhado") era um costume cultural onde se exigia que um homem casasse com a viúva de seu irmão quando este não deixasse descendência masculina, sendo que o filho deste casamento era considerado descendente do morto. Entretanto o irmão do marido falecido (cunhado) de Tamar não assumiu suas responsabilidades e ela armou uma situação de maneira a defender seus direitos (pois não havia Procon naqueles dias). Sua idoneidade foi comprovada, quando o sogro admitiu que ela estava dentro de seus direitos e através de seus filhos ela é inserida na linhagem de Davi e por conseguinte, como atesta o evangelista, na linhagem direta do Messias.
RAABE: Muitos séculos depois de Tamar encontramos a história desta cananita que, com risco da própria vida, acolhe os espias israelitas em sua casa e estabelece uma aliança com eles. Ela havia ouvido a respeito dos grandes feitos de Deus em favor de seu povo e o seu coração foi totalmente tomado por um temor. Há o "medo" que paralisa ou que acovarda, mas Raabe foi dominado por um "temor" que a impulsionou a tomar uma atitude positiva e radical. Há muitas pessoas que tem medo de Deus, mas há bem poucas que tem temor de Deus - e isto é o que vai fazer a grande diferença no fim. Raabe manifestou uma coragem e destemor em relação às orientações recebidas por parte das autoridades da cidade - "Pelo que o rei de Jericó mandou dizer a Raabe: Faze sair os homens que vieram a ti e entraram na tua casa, porque vieram espiar toda a terra". Ela preferiu ignorar as palavras do rei a enfrentar a ira do Rei dos Reis. Este misto de temor e fé certamente tornou Raabe uma mulher distinta entre os demais moradores de Jericó. Ela não apenas foi inserida como participante da Aliança de Deus e seu povo, como veio a ser inserida na genealogia do seu Senhor e Salvador.

BETE-SEBA: A próxima mulher também tem sua reputação questionada. Era esposa de Urias, um dos comandantes do rei Davi. O rei se encanta com sua beleza e se envolve sexualmente com ela. Numa sucessão de atos desvairados, incluindo a decisão de colocar Urias à frente de batalha para que morresse, Davi acaba por tomá-la por esposa. Uma história triste e ninguém lamentou mais do que o próprio Davi, quando confrontado pelo velho profeta Natã e depois quando o bebe gerado deste adultério veio a falecer. Mas agora como esposa legal Bete-Seba gerou outro filho de Davi - Salomão que acabou por suceder o pai no trono de Israel. E por entrar na linhagem de Davi esta mulher também veio fazer parte da genealogia do Messias tão esperado.

RUTE: Em relação às suas antecessoras a história desta moabita é a menos nebulosa. Viúva de um dos filhos de Noemi, ela prefere retornar com a sogra para Belém (olha a cidade onde Jesus nasceria) em vez de retornar à sua parentela. Esta sua decisão é fruto de uma fé genuína atestada por uma das mais celebres declaração em toda a Bíblia: "o teu Deus será o meus Deus e o teu povo o meu povo". Ao retornarem Noemi toma conhecimento de que há um parente próximo que tem condições de resgatar suas terras, anteriormente penhorada por causa das dívidas contraídas no período terrível de seca. Orientada pela sogra Rute aproxima-se de Boás que se enamora da jovem viúva e dentro dos preceitos legais resgata a dívida familiar e passa a ter direito de casar-se com ela. Deste casamento nasce o avó de Davi, o que explica o nome de Rute aparecer nesta genealogia de Jesus.

MARIA: Coroando esta participação feminina na genealogia de Jesus temos a jovem Maria. Ela não trás nenhuma sombra sobre sua idoneidade moral, também não trás o estigma de ser estrangeira, é uma jovem judia de comportamento ilibado e que dentro do seu conhecimento demonstra uma fé genuína. Aguardando os dias para a efetivação de seu casamento, uma vez que juridicamente já se encontrava compromissada com José, é surpreendida pelo aparecimento do anjo Gabriel que lhe informa o propósito de Deus em gerar através dela o Messias, o Salvador. Sua reação é de temor e fé o que apenas realça suas atitudes. Diante de tão grande privilégio seu coração e alma transbordam de alegria e compõem um dos mais belos hinos bíblicos. Maria foi e continua sendo um modelo de fé e submissão aos propósitos eternos de Deus.
Cada uma destas mulheres e a somatória delas são mais um testemunho claro de que a mulher sempre, desde o momento da criação, fez parte integrante do Projeto de Deus. A Queda originada pelo pecado trouxe suas terríveis conseqüências, incluindo a depreciação do papel da mulher na construção história, mas as narrativas bíblicas do AT e NT resgatam pontualmente e sistematicamente a importância e relevância da mulher, que assim como o homem, em Cristo Jesus retomara a plenitude de sua humanidade e dignidade no novo céu e na nova terra.

Rev. Ivan Pereira Guedes

http://reflexaobiblica.spaceblog.com.br/

 

Perfil do Autor

Ivan Guedes

Tenho uma grande paixão pela pesquisa e nestes últimos anos tenho me dedicado aos textos bíblicos.