A Lenda Do Girassol

Publicado em: 31/12/2008 |Comentário: 2 | Acessos: 5,724 |

Há muito tempo atrás havia ao norte do Amazonas uma tribo de índios chamada Ianomâmi


O feiticeiro também o chefe religioso da tribo, sempre reunia os curumins, em volta da fogueira para contar-lhes velhas lendas da tribo.


O pajé muito esperto sentia que as crianças adoravam suas histórias e quando as contava, notava em seus rostinhos o brilho dos olhos denunciando o interesse e a participação na vivência.


Contava que certa vez em sua tribo nascera uma indiazinha de cabelos claros, quase dourados. Foi um verdadeiro reboliço na tribo, pois nunca haviam visto coisa assim. Foi chamada de Ianaã, que queria dizer a deusa do sol.


Todos a adoravam, os fortes e mais belos guerreiros da tribo e da vizinhança também, não resistiam aos seus encantos. Mas ela os recusava dizendo ser ainda muito cedo para assumir compromisso.


Um dia, estava ela alegremente brincando e nadando no rio, quando sentiu que o sol lhe enviava raios como se fossem grandes braços acariciando levemente sua pele dourada. Só agora, o sol havia tomado conhecimento daquela figurinha tão linda e se apaixonou perdidamente por ela.


Ianaã também sente se atraída por ele, e todas as manhãs ela esperava o nascer do sol toda feliz. Ele ia aparecendo aos poucos e o seu primeiro sorriso e os raios dourados e morninhos eram para ela.Era como se dissesse: _Bom dia, minha flor!


  Por onde ela passava os pássaros voavam e pousava sobre seus ombros, ela os beijava e os chamava de amiguinhos.


Um dia a pequena índia ficou muito triste e adoeceu, quase não saia de sua choupana. O sol apaixonado fazia de tudo para alegrá-la, tudo era em vão. Ela morreu.


A mata ficou em silêncio, o sol deixou de aparecer, tudo se transformou em tristeza na aldeia.


O povo da tribo chorou muito. Enterraram Ianaã perto do rio que tanto amava.


O sol derramou muitas lágrimas até que decidiu aquecer a terra onde sua amada estava sepultada.


Depois de vários meses, nasceu uma planta verdinha que foi crescendo e abriu uma grande flor redonda com suas pétalas amarelas e ao centro formada por sementes escuras, que ficava voltada para o sol desde ao amanhecer até o seu crepúsculo vespertino, e à noite ela se pendia para baixo como se quisesse adormecer. Acordando no início do novo dia pronto para adorar o sol e por seus raios ser beijada e acariciada. Suas sementes seriam o alimento para os seus queridos amiguinhos.   


Essa flor tão bela recebeu da tribo o nome de girassol.

Avaliar artigo
4
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 10 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ficcao-artigos/a-lenda-do-girassol-704778.html

    Palavras-chave do artigo:

    lendas

    ,

    girassol

    Comentar sobre o artigo

    Na floresta o alarido era imenso, o papagaio todo envaidecido foi incumbido de ir anunciando por todos os lugares, que no próximo dia de lua cheia haveria uma linda festa caipira, pois era noite de são João, e que todos estavam convidados, só que teriam que comparecer vestidos a caráter.

    Por: Neuza Razzal Literatura> Ficçãol 31/12/2008 lAcessos: 6,992 lComentário: 4
    Erineia nascimento da Silva

    O folclore nasceu entre o fim do século XVIII e o inicio do século XIX, quando os estudiosos como os irmãos Grimm e Herdes iniciaram pesquisa sobre a poesia tradicional na Alemanha e "descobriu-se" a cultura popular, oposta a cultura erudita, cultuada pelas instituições oficiais, logo esse interesse espalhou-se por outros países, chegando ao Brasil, na comunidade escolar o folclore é uma realidade regional muito presente no dia-a-dia dos nossos alunos, e como não poderia deixar de ser, na vida

    Por: Erineia nascimento da Silval Educaçãol 13/06/2013 lAcessos: 59

    Quer queiram quer não a corrupção é uma droga, um tóxico que traz inúmeros prejuízos para uma nação. A politicagem pode ser considerada um câncer metasteseado, e que se, não for duramente combatido se transformará num mal sem cura, que poderá dizimar os mais miseráveis, os mais sofridos, os mais necessitados, pois são eles os mais prejudicados pela politicagem, daqueles que não saber fazer política. Sempre fazemos alusões à importância da política para qualquer nação, pois é a ciência dos ...

    Por: Antonio Paiva Rodriguesl Literatura> Ficçãol 15/12/2014

    Uma pequena e linda flor estava muito triste pois sentia-se abandonada. Em seu coração desejou ser como o vizinho cacto, forte e independente. O cacto, com muito amor faz para ela uma oração e a ajuda perceber seu valor. Os dois buscam e encontram em Deus uma bela solução para o problema.

    Por: Cintial Literatura> Ficçãol 04/11/2014 lAcessos: 21

    O mundo dos pais das criaturas onde são elaboradas as formas de todos os seres existentes. As mães Almas elaborando suas crias. O mundo onde todos os seres animais e humano convivem juntos, se comunicam e participam ativamente de suas naturezas.

    Por: Alf Arianl Literatura> Ficçãol 03/10/2014 lAcessos: 11

    Os criadores de cada espécie existente. Imaginemos a possibilidade de visualizar o reino onde existam estes "deuses" da criação.

    Por: Alf Arianl Literatura> Ficçãol 02/10/2014 lAcessos: 20
    Fabio Haubert

    Numa visita a seus pais Denise comenta sobre um dos segredos mais bem guardados da Dimensão Turismo. A Jornalista Rita sua irmã gêmea usará sua semelhança com ela para entrar no local e fazer uma reportagem sobre o que tem lá.

    Por: Fabio Haubertl Literatura> Ficçãol 14/09/2014 lAcessos: 12
    vicente de percia

    O referido conto incluí a trajetória do autor, também crítico de arte, membro da associação internacional e brasileira de críticos de arte com vários livros publicados. Seus contos segundo o crítico Jorge de Sá( UFF) possuem uma cumplicidade com o seu trabalho e o meio que o circunda: o circuito das artes e suas viagens por ouros países. Poucas vezes o autor usa do subjetivismo, ou seja, prefere doar as suas experiências às personagens.

    Por: vicente de percial Literatura> Ficçãol 19/08/2014 lAcessos: 14
    Murilo Artese

    Resenha sobre o livro escrito pelo autor Lois Lowry, que inspirou o filme "O Doador de Memórias".

    Por: Murilo Artesel Literatura> Ficçãol 02/08/2014

    O que os autistas sabem? Apenas um conto e nada mais, sem pretensão científica.

    Por: Marcelo Horta Marianol Literatura> Ficçãol 28/07/2014 lAcessos: 16

    Uma linda e delicada borboleta vem batendo suas asas muito coloridas e pousando em cada flor para sentir o perfume adocicado das flores.

    Por: Neuza Razzal Literatura> Ficçãol 13/09/2009 lAcessos: 118

    Que coisa mais gostosa quando em nosso rosto bate o vento suavemente, como se fosse uma leve caricia. Se fosse sempre assim como seria bom, é o pensamento de uma linda e majestosa palmeira, com suas folhas verdes, brilhantes balançando ao sabor daquela brisa que levanta suas folhas como se estivesse em um baile, rodopiando alegremente nos braços desse vento delicado e amoroso pelo imenso salão todo iluminado.

    Por: Neuza Razzal Literatura> Ficçãol 13/09/2009 lAcessos: 173

    Bob um garoto alegre e brincalhão, morava numa chácara com seus pais e avós. È muito conhecido por todos, anda sempre com um bermudão que bate até o meio das pernas e camiseta larga e na cabeça um chapéu de palha com a aba desfiada como esses usados em festas juninas e nos pés calçados com botinhas de couro.

    Por: Neuza Razzal Literatura> Ficçãol 13/09/2009 lAcessos: 727

    Em uma bela casa de campo com seu imenso quintal, onde circula por todos os cantos como senhor absoluto o gato Benê, com seu andar elegante de cabeça altiva, com seus pêlos limpos, perfumados e brilhantes. Convivendo no mesmo espaço com a cadelinha Lilica toda enfeitada como se fosse uma menininha metida. Mas Benê nem toma conhecimento dela, é como se ela nem existisse.

    Por: Neuza Razzal Literatura> Ficçãol 13/09/2009 lAcessos: 145

    Certa vez houve uma revolução no fundo do mar, quando uma mãe desesperada viu que de sua ninhada nasceu uma coisinha que não era de sua formação genética e que não era de nenhuma que alguém tenha visto por ali. Era um bebê pequenino, desajeitada com quatro patinhas, carinha triste, aparência envelhecida, sem escamas, sua pele revestida de couro e com uma boquinha esquisita. Era muito diferente de todos os irmãos. A mãe não se conformava, e a rejeição logo foi sentida por todos no fundo do mar. Para eles era uma aberração algo nunca visto.

    Por: Neuza Razzal Literatura> Ficçãol 13/09/2009 lAcessos: 704

    Um velho passeia todos os dias pelo campo, lá onde mora o conhecem como um homem estranho para uns, para outro um sonhador, contador de histórias, mas ninguém sabe nada sobre ele.

    Por: Neuza Razzal Literatura> Ficçãol 31/12/2008 lAcessos: 542

    Todos os sábados, domingos e feriados, os pescadores se reúnem para fazer suas pescarias e também contar causos que nem sempre são verdadeiros, no rancho que eles construíram a beira do rio Paraná.

    Por: Neuza Razzal Literatura> Ficçãol 31/12/2008 lAcessos: 226

    Dois patos que iam embora de uma represa que havia secado foram se despedir da tartaruga.

    Por: Neuza Razzal Educação> Educação Infantill 31/12/2008 lAcessos: 3,644

    Comments on this article

    0
    Débora 18/11/2010
    Adorei a Lenda, essas Lendas encina muitos as pessoas a respeitar os outros...Muito Bom ADOREIIII
    -2
    mel 28/04/2010
    e,e arrepilante e ao mesmo tempo sombria mas muito emocionante
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast