A MULHER À BEIRA DO POÇO

21/11/2010 • Por • 183 Acessos

Era aproximadamente o meio do dia, ela sabia, pois sua sombra praticamente inexistia. Estava na hora, ela pega seu cântaro de barro e lentamente, como fazia todos os dias naquele horário, passou pela pequena porta de sua casa e com o sol a irritar seus olhos com seu intenso brilho e queimar-lhe as poucas partes de sua pele exposta, não coberta pela suas roupas.

Certamente o bom senso diria que aquele era o pior horário para sair de casa, mas por outro lado, era o melhor horário para ela. Apesar do calor escaldante ela podia tranquilamente caminhar com o seu cântaro até o poço para enchê-lo de água fresca e assim abastecer sua casa, sem ter que enfrentar olhares de repreensão e até mesmo de velado ódio.

Houve dias em que este pequeno  trajeto era feito até com uma certa alegria, apesar de ser sempre exaustivo. Quando mais jovem fora com sua mãe muitas e muitas vezes buscar água naquele poço abençoado. Sua mãe com um cântaro maior e ela com seu pequeno cântaro, foram bons e gostosos tempos. Quanta saudade de sua mãe, que falecera, e daqueles juvenis dias de sua infância.

Agora a distância parece que triplicou, o poço tornou-se mais fundo e o cântaro mais pesado, apesar de nada absolutamente ter mudado. Na verdade foi ela quem mudou ... infelizmente. Todos os dias, enquanto caminha, ficar a pensar no que fizera com sua vida; onde as coisas começaram a dar errado; como acabou chegando a este ponto de ter de buscar água na hora mais quente do dia.

Ela tem consciência de que não é perfeita – e quem é? Sabe que tomou algumas decisões equivocadas, mas quem não toma? Não deveria ter se deixado levar apenas pelo impulso do coração e pela busca de uma felicidade prazerosa. Ao fazer esta opção não tinha a real percepção do que faria com a sua vida – naqueles dias tudo parecia mais fácil e tudo parecia ser possível.

Apostara tudo em sua beleza, tão comentada por todos e até mesmo pelas outras jovens de sua idade. Nunca lhe faltaram muitos pretendentes e isto a deixava orgulhosa. Ganhava presentes dos mais diversos, lindas pulseiras e belos brincos, muitos deles de ouro e prata, sem falar nas roupas e muitas de sede pura. Tinha certeza de que nada daria errado.

Mas os anos se passaram rapidamente, foi-se a juventude e com ela parte de sua beleza e os pretendentes se foram – sobrando apenas os homens errados da sua vida. Cada um deles, pouco se aproveitava. Um a um passaram e se foram, alguns tão rapidamente que ela pouco se lembrava deles. O resumo de sua história – pegar água no pior horário do dia.

Houve tempo em que cultivou uma esperança de mudança. Quantas vezes ela foi ao templo de Gerezim, na expectativa de que conseguisse forças para mudar sua trajetória - mudar sua história. Mas descia de volta para descobrir que nada mudara. Com o tempo perdeu até mesmo a motivação para fazer esta longa caminha monte acima – já que nada adiantaria para que todo este esforço.

Ao olhar para o poço percebe que há um homem estava assentado à beira do poço. Quem seria àquela hora. Só poderia ser visitante, pois ninguém em sã consciência iria sair da casa fresca para um sol torrencial deste, só para tomar um gole de água. Deve ser algum viajante, concluiu ela.

Na medida em que se aproxima percebe para sua surpresa que se trata de um homem judeu! O que ele estava fazendo passando pelo caminho dos samaritanos e pior ainda, assentado na beira do poço e àquela hora do dia?

Fica sem saber se mantém seus passos, se diminui – opta por continua no mesmo ritmo. Ao chegar procura ser o mais discreta possível, ainda que esteja cheia de curiosidade. Coloca seu cântaro à beira do poço, como sempre fazia, e prepara-se para enchê-lo. Mal começou a encher o cântaro o homem lhe diz: "Mulher dá-me de beber". Será que ela esta ouvindo coisas? Ele esta mesmo se dirigindo a ela? Esta pedindo água a ela? Vira e pela primeira vê seu rosto, então pausadamente responde: "Você é um judeu, não é? Porventura não te ensinaram desde criança que os judeus não conversam com os samaritanos? E pior ainda, eu sou uma mulher samaritana. Ao me pedir água você esta rompendo tradições centenárias e contrariando a esmagadora maioria de seus contemporâneos. Meu senhor, não sei por onde tem andado, mas este seu pedido a mim é totalmente descabido".

Mas o homem lhe fala novamente: "Mulher, nada conheces sobre a graça de Deus e sobre mim, pois se tivesse a mínima idéia, você é que me pediria água e eu lhe daria uma água sem qualquer comparação – água viva".

Mas do que este homem esta falando? Suas palavras não fazem o mínimo sentido. Então ela fala: "Senhor, já viste a fundura deste poço? Não trazes contigo qualquer corda ou utensílio, como podes me dar desta água viva?"

Continua ela, dando-lhe uma lição de história: "Porventura desconheces quem descobriu este poço? Não sabes que foi nosso ancestral Jacó, um dos Patriarcas, quem estabeleceu este poço, que por todos estes séculos tem saciado a sede de inúmeras famílias e seus animais?"

Mas o homem parece que não ouviu uma única palavra que acabara de falar e continuou: "Esta água que tiras deste poço diariamente jamais saciara completa e definitivamente sua sede, por isso voltas aqui todos os dias. Mas a água que estou te oferecendo é suficiente para saciar a tua sede para sempre e mais ainda, esta água viva produzirá em você um manancial de águas que jamais terá fim".

Por favor, disse ela imediatamente, dá-me desta água. Você, pensa ela, não sabe o quanto tem sido difícil a minha vida, todos os dias em meio a humilhação e ao sol mais ardente, tenho vindo buscar água neste poço. Por favor, eu preciso muito desta água, para acabar com minha humilhação e sofrimento – dá-me desta água!!

Mas em vez de água o homem lhe dirige uma palavra totalmente inesperada e atordoante: "Vai, chame teu marido, e volte aqui".

A única coisa que ela pode responder é: "Eu não tenho marido".

Então aquele homem fala: "Realmente, falou corretamente, pois você teve cinco maridos, mas o que esta contigo hoje não é teu marido de fato".

O que é isto ela pensa: Este homem só pode ser um profeta! Como ele poderia saber tudo isto sobre a minha vida, pois nunca o vi e ele nem é samaritano, é um judeu. Não mora e nem nunca morou por aqui, é apenas um viajante, como pode saber estas intimidades minhas, a não ser por revelação!

Então ela diz algo, como que para desviar o foco da conversa que se tornara inesperada e inexplicavelmente tão intima: "o senhor me parece ser um profeta. Então me responda: há uma discussão centenária sobre onde se deve adorar realmente a Deus, se aqui em Samaria ou em Jerusalém?"

A resposta dele foi surpreendente, como tudo que estava acontecendo até agora: "Ouça bem, mulher, que a hora chegou onde o local de adoração não será importante. Vocês têm adorado sem o conhecimento completo das Escrituras, enquanto os judeus têm recebido toda a revelação necessária para a salvação. Fique sabendo que esta é a hora em que os verdadeiros adoradores realmente adorarão o Pai em espírito e em verdade, pois são somente a estes que o Pai procura para adorá-lo".

A forma serena, porém, plena de autoridade com que ele falava, encheu ela de animo para questioná-lo sobre outra questão polêmica, que talvez ela nunca mais teria oportunidade, visto que os rabinos nem ao menos davam valor a mulher, quanto mais esclarecer-lhes as dúvidas.

"Eu aprendi, desde pequena, que o Messias que se chama o Cristo vem e que quando isto acontecer tudo será esclarecido". E antes que ela pudesse falar mais alguma coisa, aquele homem falou, como nunca ela ouvira alguém falar: "Eu o sou, eu que falo contigo".

Ela não acredita! Será possível! Ela uma mulher samaritana, menosprezada pelos seus próprios vizinhos. Ela uma mulher tão pecadora, tão indigna. Ela que até mesmo havia perdido o animo para ir ao templo orar. Ela, a mais indigna entre todas as pessoas – será possível que Ele, o Messias aguardado por séculos, proclamado desde os dias de Moisés e cantado pelos salmistas, o Cristo do Senhor – esta se revelando a ela?

Ela nem percebe que outros homens, discípulos dele, estão se aproximando abismados, por ele estar conversando com uma mulher samaritana. A única coisa que deseja fazer é correr o mais rapidamente e avisar aos moradores da vila que o Messias esta entre eles.

Deixa seu cântaro e correndo vai gritando a todas as pessoas: "Venham! Venham! Venham, rapidamente, pois há um homem no poço de Jacó, que tem revelado tudo o que se passou na minha vida – é ele o Messias, o Cristo do Senhor?. Corram! Não percam esta oportunidade de conhecê-lo e ouvir suas palavras maravilhosas. Venham! Venham, todos!"

As pessoas começam a sair de suas casas, ao som agudo daquela mulher. Alguns ignoram, pois duvidam de sua credibilidade. Outros, porém, instigados pelas palavras dela, vão em direção do poço. E depois de ouvi-lo, insistem veementemente para que permaneça com eles – e ficou ainda ali por dois dias.

E o pequeno número inicial foi aumentado e ao final dos dois dias eram várias dezenas de pessoas, homens e mulheres – que depositaram sua fé na pessoa bendita de Jesus Cristo, o Messias tão desejado e aguardado por todos eles.

Agora, pela primeira vez, depois de tantos anos, a mulher samaritana pode sair com seu cântaro, antes da quentura do sol do meio dia, para buscar água.

E com o rosto estampando a paz dos que foram perdoados e a alegria incontida dos que foram salvos, ela caminha tranqüila e serena, misturando-se a outras mulheres que também estão indo ao poço. Mas ela sabe, que a sua alma jamais terá sede novamente, pois um manancial de águas transborda dentro dela.

Meu querido amigo(a) a quanto tempo você tem buscado água solitariamente no poço da vida. Lutando diariamente com seus temores e anseios; angustiado e desassossegado por não encontrar respostas para suas inquietações e questionamentos. Vivendo na secura de uma vida totalmente desprovida de sentido e sem qualquer perspectiva de eternidade.

Jesus está sentado à beira do poço, aguardando que você venha para te dizer tudo quanto você tem feito – não para te condenar – mas para ministrar o perdão curativo à tua alma e te dar uma perspectiva correta e certa da eternidade.

Venha, hoje! Venha, agora! Beba da água que somente Ele pode oferecer, e você também, como aquela mulher e tantos milhares e milhões até hoje, jamais terá sede e um rio de águas vivas jorrara de sua alma para sempre.

Rev. Ivan Pereira Guedes

http://reflexaobiblica.spaceblog.com.br/r53437/Reflexao/3/

 

Perfil do Autor

Ivan Guedes

Tenho uma grande paixão pela pesquisa e nestes últimos anos tenho me dedicado aos textos bíblicos.