Análise: A LITERATURA E A FORMAÇÃO DO HOMEM, de Antonio Candido

Publicado em: 10/12/2013 |Comentário: 0 | Acessos: 405 |

     Para o ensaísta, o conceito de função não está em voga em sua escrita, pois, as correntes mais modernas concentram suas preocupações, sobretudo com o conceito de estrutura. Para confirmar sua ideia, Candido cita que os dois enfoques seriam mutuamente exclusivos. Imediatamente lança o seguinte questionamento: "Que incompatibilidade metodológica poderia existir entre o estudo da estrutura e o da função?" (CANDIDO, 1982).

Mediante a isso, o autor propõe a discussão das variações da função humanizadora que ela apresenta. O estudioso assinala três funções básicas do texto literário, a saber: a psicológica, a formativa da personalidade e a função formativa de conhecimento de mundo e do ser.

Candido argumenta que de fato, quando enfocamos função no domínio da literatura, logo vem a mente "função da literatura como um todo", seguindo de "função de uma determinada obra" e por último, "função do autor", tudo isso voltado aos receptores.

 Segue sua escrita defendendo a ideia inicial de que os estudos modernos de literatura se voltam mais para a estrutura do que para a função. Portanto, a ideia de função passa verdadeiramente por certa crise.

Nesse contexto, o escritor centra sua expectativa em desvendar aspectos internos relacionados a sua intenção, ao papel de uma obra, que exprime o seu modo de ver e pensar a realidade no qual está inserido. Para isso é mostrado que o estudo da função da obra literária ultrapassa seus limites estruturais, isto é, seus elementos de organizações, levando ao valor e intenções que a obra representa para o público leitor.  Logo, expandindo a literatura como força humanizadora, não fechada como sistema de obras, de maneira ampla, como algo que exprime o homem e depois atua na própria formação do homem.

Na segunda parte do texto, Antonio Candido, fala que a função humanizadora da literatura, além de exprimir o homem, também ajuda na construção de sua formação.

A partir desta visão, o autor apresenta duas funções voltadas à literatura, trata-se da função psicológica e da função formadora. A primeira está relacionada com uma característica própria dos ser humano, se baseia numa espécie de necessidade universal de ficção e de fantasia. A segunda é mais complexa do que pressupõe a visão da pedagogia tradicional. De acordo com as palavras do ensaísta podem ser observadas lado a lado com as necessidades mais elementares do ser humano, como algo universal e involuntário, independentemente da cultura, raça ou classe social, ou outro fator externo que explique o homem em sua diversidade.

A função formadora contribui para a formação da personalidade, confere a literatura um caráter formativo, distinto da pedagogia oficial, educativo, atuando diretamente na formação do ser humano. Assim, sua função educativa é muito mais complexa do que pressupõe um ponto de vista rigorosamente pedagógico. Em suma, essas complexidades encontradas na literatura podem justificar as atitudes ambivalentes de alguns educadores que em algum momento se sente fascinados pela força humanizadora da literatura. Logo, o escritor defende que a literatura não corrompe nem edifica, mas sim humaniza o homem em sua totalidade.

Por fim, na terceira e última parte do texto, é mostrado outra função da literatura social, resultante da relação pelo o leitor entre e a realidade e ficção. Trata-se da função formativa de conhecimento de mundo e do ser. O leitor participa de uma representação em que procura conhecer seu mundo. Foca na interação com a obra literária, assim o leitor pode adquirir novos conhecimentos.

No que se refere ao problema da função literatura como representação de uma dada realidade social e humana, o autor faz referencia a regionalismo brasileiro, à luz de escritos de dois autores, Coelho Neto e Simões Lopes Neto que representa de maneira geral a dualidade entre a postura predominantemente regionalista da referente época.

De acordo com o autor, alguns regionalistas fizeram uso da linguagem regional, acentuando assim as diferenças entre o discurso do autor com seu modo convencional caracterizando as falas típicas da região. Como se ele estivesse querendo marcar pela dualidade de discursos a diferença de natureza e de posição que o separava do objeto exótico que é o seu personagem.

Em suma, as questões perpassadas por Antonio Candido, mostrou um caráter humanizador da literatura, por meio do seu texto, ele ressaltou que a obra literária merece um enfoque que ultrapasse seus limites estruturais, mostrando que a literatura tem uma força capaz de tornar o homem mais humano.

Referência

 

CÂNDIDO, Antônio. A literatura e a formação do homem. Ciência e cultura. São Paulo, 1972.

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/ficcao-artigos/analise-a-literatura-e-a-formacao-do-homem-de-antonio-candido-6858585.html

    Palavras-chave do artigo:

    humanizacao

    ,

    literatura

    Comentar sobre o artigo

    a humanização no serviço de saúde ainda é muito lenta, e em algumas áreas existe ainda uma grande resistência, como é no caso do parto com a assistência de enfermagem. O objetivo desse estudo é de enfatizar a importância de uma boa assistência e humanização no momento do parto até o nascimento, mostrando a assistência prestada da enfermagem obstétrica e sua equipe. A pesquisa foi realizada por literatura bibliográfica, pesquisa virtual e artigos sobre o tema através do site REHUNA.

    Por: Mayara Leao de Moraes Silval Notícias & Sociedadel 28/11/2008 lAcessos: 5,667 lComentário: 4
    Claudia Forlin

    Neste trabalho iremos abordar o trabalho do enfermeiro na pediatria que garanta e promova uma assistência humanizada a criança através de recreações e ao mesmo tempo faz parte de seu tratamento, e como conseqüências uma melhor qualidade de vida na hospitalização tratando não tão somente a sua enfermidade, mas também de sua saúde psicológica e estabelecer uma forma de comunicação entre a enfermagem, familiares e pacientes.

    Por: Claudia Forlinl Saúde e Bem Estar> Medicinal 04/04/2011 lAcessos: 3,672

    Matéria completa para trabalho sobre o tema desenvolvido pelo aluno de fisioterapia noturno

    Por: natan souza rosal Direitol 14/09/2009 lAcessos: 11,787 lComentário: 1
    Marco Antonio Dos Santos Lima

    Introdução: Durante o parto normal, a mãe deve ter o contato direto com seu bebê, pois é neste momento que a troca de sentimento e afeto se torna mútua, trazendo conforto e bem-estar incondicional para a mãe e o bebê. Objeto: a humanização no atendimento ao parto normal. Objetivo: Buscamos determinar a incidência das publicações científicas, no período entre 2002 a 2009, com um estudo descritivo exploratório, que abordam a humanização da assistência no parto normal, da base de dados: Literatura

    Por: Marco Antonio Dos Santos Limal Saúde e Bem Estarl 01/06/2011 lAcessos: 954
    SANDRA VAZ DE LIMA

    A leitura exerce papel relevante na vida de qualquer indivíduo, seja durante a vida estudantil ou depois dela. A pessoa que lê exercita o cérebro, alimenta a intelectualidade, enriquece a linguagem, expande sua visão e compreensão das coisas e do mundo, abrindo horizontes para o raciocínio, a contextualização e a argumentação.

    Por: SANDRA VAZ DE LIMAl Educaçãol 15/02/2010 lAcessos: 3,042

    Esse artigo é uma pesquisa qualitativa que visa entender, quais as dificuldades em realizar a humanização. A palavra humanização pode ser entendida como a maneira de ver e considerar o ser humano a partir de uma visão geral, onde buscamos superar a fragmentação da assistência ao paciente. Os aspectos que envolvem uma prática de nossa natureza estão relacionados ao modo como tratamos com o outro. E essa característica se aplica ao modo como lidamos com outro, tratando-o com dignidade e respeito,

    Por: mayla morol Educação> Ensino Superiorl 09/05/2013 lAcessos: 52

    O estudo teve como objetivo levantar as principais literaturas nacionais que abordem a humanização das equipes de enfermagem, identificando sua necessidade e importância na atividade da enfermagem. Após análise, descreveu-se aspectos da formação acadêmica voltada para humanização, considerações éticas à assistência e a necessidade de humanizar o cuidado frente aos avanços tecnológicos. Concluiu-se que humanizar a assistência de enfermagem em centro cirúrgico é um desafio.

    Por: emilainel Educação> Ensino Superiorl 09/05/2013 lAcessos: 118

    Este artigo realiza uma reflexão sobre a literatura infantil, focando sua análise na questão da função da mesma. Faz um rápido levantamento diacrônico, após abordar o problema conceitual e conclui que a literatura infantil ideal tem como função específica ajudar no despertar crítico dos futuros leitores adultos. Convida você para uma viagem ao universo da literatura infanto-juvenil.

    Por: Darci Martinsl Educação> Educação Infantill 01/06/2012 lAcessos: 2,240
    Patricia Cassia Pereira Porto

    Todo discurso está impregnado de impressões muito pessoais, subjetivas; mas todo discurso também parte de uma cultura socializada, na qual, ideologicamente, as palavras simbolizam um universo coletivo. Os textos, principalmente os orais, estão marcados por valores éticos, estéticos, políticos, culturais, religiosos. Tanto nos estudos literários quanto nos estudos históricos notamos a crescente busca pelas marcas orais e sócio-temporais que não foram documentadas pelo registro da escrita.

    Por: Patricia Cassia Pereira Portol Educação> Línguasl 11/04/2011 lAcessos: 566
    Magdiel Dantas

    Para dar inicio aos bons ventos que estão passando pelo Vida Experimental, estamos começando uma série de post's nomeada de Literatura Nacional. O foco dessa série é mostrar um pouco sobre livros nacionais e apresentar aos jovens fãs de literatura estrangeira que aqui, no nosso país, também se escreve coisa muito boa! O primeiro livro a ser mostrado por nós, do V.E, é do jornalista carioca Jorge Lourenço. Se você ainda não conhece esse livro, caro leitor, saiba que deveria.

    Por: Magdiel Dantasl Literatura> Ficçãol 19/02/2015
    Profª Bia Senday

    Refletir sobre o gênero é depositar o olhar sobre o mundo, considerando com propriedade o caráter biológico, o cultural, o histórico, o social, o ideológico, o religioso. Nesse sentido, o gênero apresenta-nos uma função analítica que traz à luz conflitos entre homens e mulheres e define formas de representar a realidade social e de intervir nela.

    Por: Profª Bia Sendayl Literatura> Ficçãol 03/02/2015
    Profª Bia Senday

    Machado tece suas narrativas de modo que seus leitores, mesmo os "distraídos", vão aderindo ao pacto de leitura, na tentativa de buscar os deciframentos para as situações que lhes são postas. Isso faz parte da estratégia machadiana em colocar o seu leitor a par dos questionamentos do ser humano e dos reveses da vida.

    Por: Profª Bia Sendayl Literatura> Ficçãol 03/02/2015
    Profª Bia Senday

    As obras da fase realista de Machado de Assis têm como cenário a cidade do Rio de Janeiro do final do século XIX e inicio do século XX; seus personagens são representantes autênticos da sociedade burguesa vigente na época, as narrações são sempre conduzidas por protagonistas masculinos o que nos leva a crer que a mulher é sempre mostrada a partir de um ângulo que revela a visão do homem a respeito da condição feminina.

    Por: Profª Bia Sendayl Literatura> Ficçãol 03/02/2015
    Profª Bia Senday

    No Brasil do Segundo reinado (de 1840 a 1889), impera o conhecido "parlamentarismo às avessas", quando o Imperador D. Pedro II escolhe o senador ou o deputado para o cargo de primeiro-ministro, com a complacência do Partido Liberal e do Partido Conservador, que se revezavam no poder, sempre segundo os interesses da oligarquia agrária. O romance realista começa com o fim do romance romântico, opondo-se criticamente a ele, sendo, sem dúvida à crítica ao romantismo.

    Por: Profª Bia Sendayl Literatura> Ficçãol 03/02/2015
    Profª Bia Senday

    Resumo Comentado de Algumas das principais obras Machadianas, tais como: Memória Póstuma de Brás Cubas, Dom Casmurro e Quincas Borba.

    Por: Profª Bia Sendayl Literatura> Ficçãol 03/02/2015
    JORGE FLOQUET

    Hoje a tarde , falei com um João. E foi assim! Puxa, João que bom te ver assim! Assim, como? Sóbrio! Afirmei. Sabe, tenho saudades: Itaparica, Rio de Janeiro. Não muito dos velhacos! Que velhacos, João? Os da Academia! Agora sei, João. Da Academia Brasileira de Letras, não é? Certamente! Acho que foi isso que me enterrou de vez! Afirmou Ubaldo, em espírito! Que nada! Quem te enterrou foi a "manguaça". A branquinha! Não foi? Deixa para lá. Agora não posso mesmo! Claro que pode! Não me enrola !

    Por: JORGE FLOQUETl Literatura> Ficçãol 22/01/2015
    Jose Gaspar

    O segundo capítulo do folhetim de mistério Um Cadáver na Cozinha. Durval e Dolores resolver chamar a polícia depois de encontrarem um cadáver em sua cozinha.

    Por: Jose Gasparl Literatura> Ficçãol 14/01/2015 lAcessos: 13
    Adriana M. de Almeida Carvalho

    A obra Estranho da noite, a primeira vista, começando pelo próprio título já remete seus leitores a algo estranho, denota algum mistério liga-se ao enigmático. Nesse contexto, a autora Hilda G. D. Magalhães, apresenta por meio da sua escrita uma narrativa "incomum", capaz de causar nos seus leitores um misto de espanto aliado ao deslumbramento.

    Por: Adriana M. de Almeida Carvalhol Literatura> Ficçãol 10/12/2013 lAcessos: 36
    Adriana M. de Almeida Carvalho

    A imprensa sensacionalista brasileira se origina nas remotas seções de variedades, fatos Diversos, notícias diversas, notas noticiais, cenas de sangue. Assuntos presentes em diversos jornais brasileiros, que relatam sobre acontecimentos prodigiosos, crimes e notícias acerca do cotidiano em geral.

    Por: Adriana M. de Almeida Carvalhol Educação> Ensino Superiorl 10/12/2013 lAcessos: 39
    Adriana M. de Almeida Carvalho

    Danilo Angrimani Sobrinho (1995) faz um estudo em seu texto intitulado: "Sensacionalismo na Comunicação", sobre o uso dessa ferramenta na imprensa e apresenta suas características, partindo do seu conceito, talvez para que não ocorram dúvidas, ele apresenta sua definição. Diante disso, ainda difere o termo sensacionalista de sensacional e sensacionalismo.

    Por: Adriana M. de Almeida Carvalhol Educação> Ensino Superiorl 10/12/2013 lAcessos: 50
    Adriana M. de Almeida Carvalho

    Em A leitura em sua Dimensão histórica e social (1997), Vera Teixeira de Aguiar ressalta que "a leitura é um ato social marcado historicamente", a partir dessa constatação ela traça uma abordagem da leitura em sua proporção histórica e social.

    Por: Adriana M. de Almeida Carvalhol Literatura> Ficçãol 10/12/2013 lAcessos: 38
    Adriana M. de Almeida Carvalho

    A evasão escolar está dentre os temas que historicamente faz parte dos debates e reflexões no âmbito da educação pública brasileira e que infelizmente, ainda ocupa até os dias atuais, espaço de relevância no cenário das políticas públicas e da educação em particular. Em face disto, as discussões acerca da evasão escolar, em parte, têm tomado como ponto central de debate o papel tanto da família quanto da escola em relação à vida escolar do aluno.

    Por: Adriana M. de Almeida Carvalhol Educação> Educação Infantill 10/12/2013 lAcessos: 45
    Adriana M. de Almeida Carvalho

    Uma leitura comparativa entre os contos "A terceira margem do rio", de Guimarães Rosa, e "A porta está aberta", de Luiz Vilela.Tal leitura justifica-se pela forma, inovadora e criativa, como Vilela dialoga com o texto rosiano. Nos dias atuais, já soa como desgastado e quase ultrapassado falar em conceitos como o de intertextualidade.

    Por: Adriana M. de Almeida Carvalhol Literatura> Poesial 10/12/2013 lAcessos: 25
    Adriana M. de Almeida Carvalho

    Bakhtin ressalta em seu texto intitulado: Os gêneros do discurso, que sua riqueza e diversidade são múltiplas, pois consistem nos vários tipos de enunciados uma vez que possuem uma marca puramente individual. Dentro destes respectivos gêneros podemos exemplificar o diálogo do dia a dia, uma ordem militar ou documentos oficiais.

    Por: Adriana M. de Almeida Carvalhol Educação> Ensino Superiorl 09/12/2013 lAcessos: 18
    Adriana M. de Almeida Carvalho

    Após a leitura do livro: "O português são dois..." Novas fronteiras, velhos problemas, observa-se que a autora realiza uma ampla discussão acerca do ensino da língua portuguesa. Diante das questões postas pela escritora, constatamos por meio de sua escrita sua posição contrária ao ensino prescritivo da gramática tradicional, sendo assim, em seu livro, pode-se dizer que ela defende um ensino voltado à diversidade linguística.

    Por: Adriana M. de Almeida Carvalhol Educação> Ensino Superiorl 09/12/2013 lAcessos: 50
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast