ANÁLISE COMPARATIVA DE JOHN MAYNARD KEYNES E SEUS ANTECESSORES

Publicado em: 26/02/2008 |Comentário: 1 | Acessos: 3,688 |

Keynes

ANÁLISE COMPARATIVA DE JOHN MAYNARD KEYNES E SEUS ANTECESSORES

Agatha Sthefanini [1]
Evânia Silva Almeida [2]
Flávia Almeida [3]
Gustavo Agnaldo de Lacerda [4]
Renata Grasielle Pereira [5]

Na intenção de concatenar idéias a ponto de vislumbrar John Maynard keynes como divisor d’água para o desenvolvimento da economia mundial, essa resenha foi divida em parágrafos com as teses dos destacados pensadores antecessores de Keynes juntamente a antítese de keynes a cada uma delas.

O primeiro, Adam Smith, economista e filósofo escocês que teve como cenário para a sua vida o século das Luzes, o século XVIII, é referenciado como o pai da economia moderna e é considerado o mais importante teórico do liberalismo econômico. Autor de A riqueza das nações (SMITH, 1776)[6], procurou demonstrar que a riqueza resultava da atuação de indivíduos movidos apenas pelo seu próprio interesse egoísta (self-interest), que promoviam o crescimento econômico e a inovação tecnológica. Como disse o próprio Adam Smith, “não é da benevolência do padeiro, do açougueiro ou do cervejeiro que eu espero que saia o meu jantar, mas sim do empenho deles em promover seu próprio 'auto-interesse.”[7]. Assim, Smith acreditava que a iniciativa privada deveria agir livremente, com pouca ou nenhuma intervenção governamental. A competição livre entre os diversos fornecedores levaria forçosamente não só à queda do preço das mercadorias, mas também a constantes inovações tecnológicas, no entusiasmo de baratear o custo de produção e vencer os competidores. Ele analisou a divisão do trabalho como um fator evolucionário poderoso a propulsionar a economia. “(...) o mercador ou comerciante, movido apenas pelo seu próprio interesse egoísta (self-interest), é levado por uma mão invisível a promover algo que nunca fez parte do interesse dele: o bem-estar da sociedade”[8]. Como resultado da atuação dessa "mão invisível", o preço das mercadorias deveria descer e os salários deveriam subir. Esta teoria foi tida como verdadeira até que Keynes começa a combate-la e defender que o Estado deve intervir na organização da economia para que se controle a concentração de renda, causando uma revolução de conceitos na esfera econômica mundial.

Num momento pos Smith mas antes de keynes surgiram as teorias de David Ricardo e Stuart Mill. Num contexto econômico que salientava a importância da agricultura para o crescimento da economia, Ricardo discutia a formação da riqueza nacional e sua distribuição, os custos dos produtos produzidos pelos trabalhadores com a “Teoria das Vantagens Comparativas”[9]. Stuart Mill defendia a influência do processo técnico na agricultura, que o aperfeiçoamento e as inovações tecnológicas seriam fundamentais para o desenvolvimento econômico. Já Keynes, em uma época de flutuações e concentração de renda por causa da industrialização, viu que algumas nações se desenvolviam mais que outras e em razão disso defendia uma ação mais efetiva do Estado no direcionamento da economia.


Já um pouco diferente de D. Ricardo e S. Mill, os neoclássicos[10] apresentavam uma visão do processo de produção com ênfase nos problemas de mercado e na melhor alocação de recursos[11]. Consideravam o desenvolvimento um processo gradual, contínuo e harmonioso, derivado da acumulação de capital e diferente do pensamento Keynesiano, viam o desenvolvimento constituir-se por seus elementos fundamentais com a poupança e a taxa de juros. Historicamente, os neoclássicos serviram à política econômica dos paises capitalistas até a crise de 1929 quando então a noção de desenvolvimento passou a ser ligada à questão da distribuição de renda. Principalmente com Keynes a análise caiu sobre a macroeconomia do pleno emprego com o Estado tendo por função básica a regulação da economia, ou seja, diferente dos neoclássicos, Keynes voltou seu foco sobre a estabilidade social em conjunto com a econômica.

Keynes então, acreditava que a economia seguiria o caminho do pleno emprego, sendo o desemprego uma situação temporária que desapareceria graças às forças do mercado. Contrariamente, Karl Marx acreditava no processo de crescimento capitalista ocorrendo com o desemprego crescente dos trabalhadores, acompanhado da concentração de renda e de riqueza.

No inicio da década de 1910, Joseph Schumpeter apontou o dimamismo da oferta na explicação do crescimento econômico. Segundo ele, tudo se resumia no poder inovador do empresário que manipulava a oferta de produtos. São os efeitos de encadeamento nas mãos dos empresários. Diferente de keynes, a teoria shumpeteriana acreditava na economia de trocas numa trajetória cíclica: ascensão, recessão, depressão e recuperação.

Desse modo, keynes teve a oportunidade de refutar tais teses com um pensamento, definido pelo Luiz Gonzaga de Mello Belluzzo, como “moral-social”[12] cuja acumulação de riquezas não se daria pela acumulação de dinheiro e sim pelo fortalecimento da moeda.

Em outras palavras: “o objetivo da produção não é maximizar o volume e sim maximizar o valor unitário monetário”[13].

Portanto, correto é afirmar que Keynes foi quem de fato rompeu no modo de pensar a economia até 1930, já que, com a Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda, de 1936[14]; o desenvolvimento se volta agora para a acumulação de força monetária e não mais sobre a forma de acumulação de bens reais e daí a necessidade do Estado vir a intervir diretamente na economia. Keynes assim, se preocupava com o aperfeiçoamento humano-social, mas acima de tudo, se preocupava com a reforma capitalista.

[1] Graduando em Direito.
[2] Graduando em Direito.
[3] Graduando em Comércio Exterior.
[4] Graduando em Direito.
[5] Graduando em Comércio Exterior.
[6] SMITH, Adam. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e causas. Trad. Luiz João Baraúna. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1996. v. I e II (Os Economistas).
[7] SMITH, Adam. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e causas. Trad. Luiz João Baraúna. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1996. v. I e II (Os Economistas)
[8] SMITH, Adam. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e causas. Trad. Luiz João Baraúna. 2. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1996. v. I e II (Os Economistas)
[9] Teoria das vantagens comparativas...
[10] Peter F. Drucker, Willian Newman, Ernest Dale, Ralph C. Davis, Louis Allen e George Terry.
[11] MUNHOZ, C.P.B. A evolução histórica do conceito de desenvolvimento. In.: CHESEN, M.T.C.S.; DI SENA JUNIOR, R. Comercio internacional e Desenvolvimento. São Paulo: Saraiva, 2004.
[12] Dados obtidos de entrevista televisinada pela Tv Cultura realizada em...
[13] Dados obtidos de entrevista televisinada pela Tv Cultura realizada em...
[14]. MUNHOZ, C.P.B. A evolução histórica do conceito de desenvolvimento. In.: CHESEN, M.T.C.S.; DI SENA JUNIOR, R. Comercio internacional e Desenvolvimento. São Paulo: Saraiva, 2004

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 3 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/financas-artigos/analise-comparativa-de-john-maynard-keynes-e-seus-antecessores-342542.html

    Palavras-chave do artigo:

    desenvolvimento economico

    ,

    economia

    ,

    cresimento economico

    Comentar sobre o artigo

    Quem conhece quais são as contas que a empresa tem a pagar e a receber todo mês provavelmente consegue fazer seu negócio funcionar bem melhor do que quem deixa de ligar para tais contas. As contas a pagar e a receber têm extrema importância dentro da gestão financeira e do planejamento de uma empresa, principalmente pelo fato de estarem presente ali durante todos os meses no seu fluxo de caixa e movimentar grande parte do dinheiro da empresa, isto é, já que movimenta dinheiro entrando ou saindo

    Por: Sayuri Matsuol Finançasl 08/09/2014

    O fluxo de caixa é uma ferramenta para fazer o controle financeiro de uma empresa que é extremamente importante e essencial para que se saiba o que está acontecendo nela e o que vai acontecer, podendo deixar as coisas já preparadas para o futuro e evitar furadas e sustos desnecessários, pois mexer com dinheiro é algo bem sério! Sendo assim, o fluxo de caixa é toda a movimentação financeira que ocorre na sua empresa em um certo período de tempo, mostrando o dinheiro que entra e sai de conta e ain

    Por: Sayuri Matsuol Finançasl 27/08/2014

    Muitas pessoas relutam pois acham que possuir alguma forma de controle financeiro é desespero ou que elas não precisam disso agora, pois sabem viver muito bem com seu dinheiro.

    Por: Sayuri Matsuol Finançasl 27/08/2014

    "É preciso um fluxo de caixa estruturado para crescer", diz a empresária Teresinha de Paula, dona do bufê Teras, de São Paulo, que atualiza diariamente seu fluxo de caixa com projeções para os 90 dias seguintes. Acha que parece exagero? Mas foi exatamente assim que a empresa dela saiu de sua cozinha e conseguiu obter uma sede própria!

    Por: Sayuri Matsuol Finançasl 26/08/2014

    Todos que possuem uma empresa devem ter a consciência de que fazer o registro e o controle das contas a pagar e receber, é extremamente importante para o fluxo de caixa e para a própria gestão financeira. E para que sua empresa só saia no lucro, mesmo cheia de despesas em todos os meses, aqui vão quatro dicas essenciais para cuidar das suas contar a pagar, que são as contas que ajudam a manter a empresa, apesar de parecerem ruins pensando de primeira.

    Por: Sayuri Matsuol Finançasl 26/08/2014

    Saiba mais sobre o fluxo de caixa de uma empresa, como ele funciona e para que serve.

    Por: Sayuri Matsuol Finançasl 11/08/2014

    Todo mês é a mesma coisa: dinheiro vai, dinheiro vem, contas a pagar, contas a receber, tudo igual. Saiba como planejar-se melhor.

    Por: Sayuri Matsuol Finançasl 11/08/2014

    Para fazer o controle financeiro existem diversos métodos, como o registro em cadernos, registro em planilhas digitais ou a adoção de softwares oferecidos por empresas que disponibilizam o controle já pronto

    Por: Sayuri Matsuol Finançasl 22/07/2014

    No meio de tantas normas existem algumas que são superiores a outras, no sentido de que são mais amplas e estabelecem princípios a que as demais devem estabelecer. Assim, as normas elevadas de um país estão contidas em sua Constituição.

    Por: Ágatha Sthefanini Silva Ferreiral Direitol 22/02/2008 lAcessos: 669

    Comments on this article

    0
    jp guimarães 14/10/2008
    Desculpe-me mas a passagem \\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"Keynes então, acreditava que a economia seguiria o caminho do pleno emprego, sendo o desemprego uma situação temporária que desapareceria graças às forças do mercado. Contrariamente, Karl Marx acreditava no processo de crescimento capitalista ocorrendo com o desemprego crescente dos trabalhadores, acompanhado da concentração de renda e de riqueza.\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\\"
    Está equivocada Keynes não era um liberal e era a favor de intervenções estatais, esperava que o mercado mais as intervenções ajudassem a atingir o pleno emprego, ou seja a intervenção do Estado quase que patrocinaria o pleno emprego.
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast