Falando Sobre Futebol ( A Peleja)

Publicado em: 01/12/2009 |Comentário: 0 | Acessos: 549 |

FALANDO SOBRE FUTEBOL (a peleja)

 

Eu tinha muito o que escrever sobre ontem à noite, mas ela pode não gostar. O que se fala não se escreve.  E como ela fa­lou...

O clima esquentou ontem à noite. Ape­nas me permito divulgar laconicamente isso. O resto fica para a imaginação de vocês. Da­rei ape­nas umas dicas futebolísticas sobre o que não aconteceu, sobre o que não foi falado. Com criatividade e por eliminação vocês podem concluir por conta própria o que foi dito e feito.

Antes de mais nada é preciso afirmar que a Nike não estava patrocinando nada e que o desempenho dela não ia interferir em possíveis contratos publicitários. Ela não chegou vestida de canarinho, não colocou caneleiras, bem como não estava de chuteiras. Não entrou nervosa, nem teve convulsão pela manhã. Não falou que queria porque queria aparecer para a torcida (não havia torcida), nem de­clarou: “Tudo faremos pela vitória”". Não foi preciso aquecimento no vestiá­rio, não teve hino, coro ou bandeiras. Não houve cara ou coroa para de­cidir quem ficaria de que lado e quem daria o pontapé inicial. Não houve pontapé em mo­mento al­gum, nem entrada violenta ou carri­nhos, se bem que ela não deixou de receber uma entrada dura por trás. Ela não ficou fazendo cera, não fez tudo para haver pror­rogação e não levou cartão vermelho ou advertên­cia, aliás, não havia juiz, bandeirinha, ou linha de que divide a área. Ela não ficou o tempo todo com a bola nos pés. Não houve cabeçada em momento algum, nem tiro livre indi­reto. Ela não se posicionou bloqueando a intermediária, ou foi direto para o ataque, nem caiu na retranca, ou ficou só insistindo pelo meio, no vai-e-vem. Ela não deu entrevista no intervalo. Não houve ne­cessidade de substituição por problemas técnicos, falta de pre­paro físico ou por contusão. Ela não caiu com caimbras. Não havia ninguém se aquecendo para entrar nos minutos finais. Ela não gritou na hora do gol, mas não deixou de vibrar muito. Não foi uma noite sem gol. Não houve cobertura da imprensa, nada foi gravado ou televi­sionado. Luciano do Vale e Galvão Bueno sequer souberam do acontecimento. Não teve apito inicial ou final. Não houve erro de fina­lização. Não houve vencedor, ela não reclamou que o Dunga acabou cansado e ao final, não trocamos de camisas.

Terminada a narrativa, só espero que ela não ache que fui por demais explícito!

    

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/futebol-artigos/falando-sobre-futebol-a-peleja-1527349.html

    Palavras-chave do artigo:

    gol

    ,

    penalti

    ,

    tiro livre

    Comentar sobre o artigo

    Sérgio Freitas

    Uma reflexão sobre a possibilidade da aplicação da filosofia Kaizen como mecanismo de mudança no futebol.

    Por: Sérgio Freitasl Esporte> Futeboll 22/06/2010 lAcessos: 356
    Frederico Gazel

    Xadrez e futebol? Veja o comparativo e tire as suas dúvidas.

    Por: Frederico Gazell Esportel 06/12/2010 lAcessos: 318 lComentário: 1
    José de Aguiar Machado Filho

    Depois de alguns anos no Ostracismo, aos poucos o maior Clube de Futebol do Nordeste, volta a ressurgir em grande estilo.

    Por: José de Aguiar Machado Filhol Esporte> Futeboll 10/12/2014
    Gabriel Zezo

    Sempre que português é favorito a conquista, série de notícias, declarações de presidentes, técnicos e jogadores aparecem para discordar ou aumentar as chances de outro concorrente para que Cristiano não vença o prêmio.

    Por: Gabriel Zezol Esporte> Futeboll 21/11/2014
    Gabriel Zezo

    Situação da equipe merengue na atual temporada é semelhante a da equipe alemã na temporada passada.

    Por: Gabriel Zezol Esporte> Futeboll 09/11/2014

    Análise sobre a atual situação do Borussia Dortmund, time o qual nos últimos anos vinha impressionando a Europa, mas de um tempo para cá tem sucumbido ao grande rival Bayern de Munique e sofrendo com várias lesões e vendas de seus principais jogadores.

    Por: Gustavol Esporte> Futeboll 05/10/2014 lAcessos: 21

    o recrudescimento dos atos de racismo no Brasil nos obriga a uma ampla reflexão sobre se somos ou não efetivamente racistas. Se somos o país do futebol e se a maioria dos nossos jogadores são negros ou pardos, por que ainda vemos xingamentos, ofensas e gestos racistas que ofendem não só os esportistas, mas o próprio Brasil.

    Por: Alfredo de Souzal Esporte> Futeboll 04/09/2014 lAcessos: 31
    Boas Tardes

    Artigo escrito com base na Copa do Mundo que acontece no Brasil e nas guerras que acontecem em outros lugares. A Copa do Mundo devia servir de confraternização entre os povos, mas nem isso tem feito.

    Por: Boas Tardesl Esporte> Futeboll 11/07/2014 lAcessos: 14
    JORGE FLOQUET

    O que a seleção alemã aprendeu aprendeu quando perdeu na semifinal para a seleção brasileira em 2006? Estamos vendo os resultados! O que seleção brasileira aprende com essa experiência negativa na semifinal no Brasil? Veremos em algumas à frente! Certamente que pensar que a seleção brasileira seria campeã, com toda certeza, é falta de inteligência. Saber aprender perder é uma vitória. Reconhecer que podemos evoluir com essa derrota é um indício de inteligência. Evoluímos muito desde de 1950!

    Por: JORGE FLOQUETl Esporte> Futeboll 10/07/2014 lAcessos: 17
    JORGE FLOQUET

    O que podemos aprender com o futebol? O que aprendemos com a estratégia imposta pela seleção holandesa na partida contra a Costa Rica? Por que será que o goleiro titular da seleção holandesa não foi informado que seria substituído, caso a disputa fosse para os pênaltis? Faltou comunicação com as partes interessadas ou isso fazia parte da estratégia? Todos já sabiam que a disputa iria para os pênaltis? Claro que não! Mas, qual o impacto gerado nos seus adversários quando perceberam a mudança?

    Por: JORGE FLOQUETl Esporte> Futeboll 08/07/2014 lAcessos: 23
    Luiz Otavio D. Pinheiro

    Especulação sobre o futuro dos quatro como músicos caso eles não tivessem se conhecido. "O que poderia ter sido se assim não fosse", uma abordagem tipo a utilizada no livro "O Homem do Castelo Alto" de Philip K. Dick.

    Por: Luiz Otavio D. Pinheirol Arte& Entretenimentol 19/11/2014
    Luiz Otavio D. Pinheiro

    Texto denúncia, recebido por e-mail sobre a ação do PT e da PETRALHADA. Imperdível. Divulgue, pense no Brasil.

    Por: Luiz Otavio D. Pinheirol Notícias & Sociedade> Desigualdades Sociaisl 24/09/2014 lAcessos: 16
    Luiz Otavio D. Pinheiro

    Uma obra de arte que não provoca emoção, sentimentos prazerosos, é apenas obra. A arte experimental, para mim, circunda este campo. Qual é o problema de não ser original, de repetir o que já foi feito, se esta "repetição" agrada aos sentidos e suscita prazer? Venha participar dessa discussão no curso BEATLES - HISTÓRIA ARTE E LEGADO - início em abril /2014 CCE PUC-Rj

    Por: Luiz Otavio D. Pinheirol Press Releasel 26/02/2014 lAcessos: 13
    Luiz Otavio D. Pinheiro

    Depois de muita pesquisa compartilho com os leitores a colocação de um vídeo do youtube num blog/site. Não é difícil, apenas basta saber fazer..... Divulgação na net é uma coisa que deve ser bem planejada e executada

    Por: Luiz Otavio D. Pinheirol Internetl 26/08/2011 lAcessos: 78
    Luiz Otavio D. Pinheiro

    Cena inusitada num balcão de bar e duas considerações sobre tudo e nada feitas em uma das mesas

    Por: Luiz Otavio D. Pinheirol Notícias & Sociedade> Cotidianol 26/08/2011 lAcessos: 35
    Luiz Otavio D. Pinheiro

    Este texto, produto de vivência e reflexão, é uma mensagem sem nenhum propósito em baixo dos panos para os jovens moços. É apenas uma colaboração e uma forma de agradecer a vida o fato de eu ter chegado a maturidade sem ser maculado pelas consequencias do jogo dos sete erros.

    Por: Luiz Otavio D. Pinheirol Relacionamentos> Relações Amorosasl 26/08/2011 lAcessos: 191
    Luiz Otavio D. Pinheiro

    Considerações comparativas sobre cidades que tem ou deviam ter o "Brand" explorado

    Por: Luiz Otavio D. Pinheirol Arte& Entretenimento> Músical 26/08/2011 lAcessos: 73
    Luiz Otavio D. Pinheiro

    A critica da crítica. Quando falamos que algo é bom, tem qualidade, falamos em nome de quem? De Deus? Será? Um pouco de humildade não é ruim, até ajuda

    Por: Luiz Otavio D. Pinheirol Psicologia&Auto-Ajuda> Psicoterapial 01/04/2011 lAcessos: 69
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast