Presenciando a implosão do Estádio da Fonte Nova

Publicado em: 24/09/2010 |Comentário: 0 | Acessos: 68 |

Presenciando a implosão do Estádio da Fonte Nova


Ontem á noite me resolvi, iria assistir a implosão do Estádio da Fonte Nova.  Fiquei em dúvida vários dias por me assaltarem sentimentos de tristeza. Afinal, foi ali que me iniciei esportivamente, quando meu pai me levava para entrar em campo com o time do Vitória, e onde comecei a partir de 1961(Bahia 1 X 1 Santos) a assistir os grande jogos (e depois os pequenos mesmo!). Foi lá também que presenciei oito campeonatos do meu clube, e, em especial, o único "bi" no estádio, (o de 1964/1965) e sua entrada no segundo campeonato nacional em 1972. A firma de meu pai, a EMBACIL, foi à encarregada da parte elétrica da obra de ampliação do estádio que lhe possibilitou ter um anel superior aumentando sua capacidade de 40.000 para mais de 90.000 pessoas.
Minha despedida do estádio, entretanto, foi muito antes de sua interdição, quando assisti no atual milênio a vitória eletrizante do meu clube sobre o nosso arquirrival por 6 X 5. Doravante só assistiria aos jogos em casa, leia-se a casa do meu clube, o Barradão.

Mas, voltando a minha decisão, levantei hoje ás oito horas da madrugada e tomei café resolvido a enfrentar de cara o sentimento com a implosão.  Havia pensado em levar "painho" (agora com 88 anos), mas fiquei em dúvida sobre a emoção que experimentaria ao rever nestas condições a sua obra. O que me decidiu pelo contrário foi olhar pela janela (moro no bairro do Tororó que fica nas imediações do estádio) e ver o Dique do Tororó interditado aos veículos. Logo após recebi o amável convite de "Lourdinha", sindica de um prédio que fica na Rua José Duarte e que oferece melhor visibilidade do que o meu prédio, para o infortúnio, digo melhor, a implosão.
As 09h30min vesti a minha camisa do EC Vitória e me dirigi para o terraço do referido prédio, observando com satisfação que ainda há locais onde pessoas de classe média se reúnem em dias especiais. Os moradores foram chegando aos poucos, havia ali umas quarenta pessoas. Vimos gente no terraço de muitos prédios, inclusive uma equipe de filmagem. Haviam seis helicópteros sobrevoando a área, os moradores deram até acenaram com as mãos esperando sair em algum programa de televisão. Alguém lembrou brincando de que deveriam "ter cobrado ingressos" para ajudar o condomínio, mas, como os torcedores do Vitória eram maioria, achamos que a renda deveria ser
destinada a pagar o salário dos jogadores do "Já ia", pois senão este iria
mais tarde despencar na tabela.

Na hora marcada, às dez horas, a implosão não aconteceu. Não faltou quem disse que "isso é coisa da Bahia" onde nem uma implosão começa na hora. Outro observou que ainda não havia sido formada a rede de televisão, é que estavam transmitindo o grande premio de automobilismo. Enquanto esperávamos desfrutamos de agradáveis conversas. Procurei saber se do pessoal mais próximo se haviam ido ao estádio. Uma senhora havia ido mas "pra nunca mais voltar". É que para azar dela foi à inauguração do anel superior e passou pelo mesmo sufoco que eu passei naquela que (esta sim!) seria a maior tragédia da Fonte Nova.

Fiquei surpreso com o número de pessoas ligadas pelo celular com a mídia. Várias pessoas estavam sintonizadas com a transmissão da TV e diziam "ainda nem começou a contagem regressiva"! Será que seria assim, tipo réveillon, onde quem decidiria a hora da implosão não seria o chefe da engenharia mas o diretor da rede de televisão? Aproveitei pra ouvir os comentários. Alguém lembrou que o Ministério Público tinha colocado obstáculos á derrubada do estádio mas que nos últimos dias havia feito um acordo onde a obra tinha sido "barateada", ao invés de 1,6 bi havia passado pra 1,4 bi. Outro observou que a implosão estava se realizando um mês antes das eleições. Não
faltaram os "bairristas" magoados que afirmavam: "Só assim o bairro do Tororó saía na mídia mundial"!

Começaram a tocar umas músicas pelo celular. Daqui a pouco alguém disse "chegou a hora". A implosão atrasou 27 minutos (alguém contou), mas ocorreu. Ouvimos uma série de explosões (pareciam fogos juninos um pouco mais barulhentos), muita poeira e o estádio estrebuchou. Alguns ensaiaram palmas que não foram seguidas pela grande maioria. Um garotinho chorou, mas não sei se devido ao barulho ou a tristeza. Quanto a mim senti uma ponta de tristeza e saí logo após do "espetáculo". Neste momento ouvi um dos moradores dizer "è triste".

Franklin Oliveira Jr.

Escritor e professor universitário

Avaliar artigo
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 0 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/futebol-artigos/presenciando-a-implosao-do-estadio-da-fonte-nova-3332935.html

    Palavras-chave do artigo:

    Bahia

    ,

    futebol

    ,

    sonhos

    Comentar sobre o artigo

    James Eudocio Dos Santos

    Origem do Futebol Futebol a origem de tudo onde tudo começou Futebol(Origem do Futebol 1-Introdução O futebol é um dos esportes mais populares no mundo. Praticado em centenas de países, este esporte desperta tanto interesse em função de sua forma de disputa atraente. Origem do futebol

    Por: James Eudocio Dos Santosl Esporte> Futeboll 19/03/2013 lAcessos: 28

    Este artigo é o resultado de um estudo sobre a utilização do marketing esportivo pelas organizações como estratégia mercadológica. O esporte vem sendo uma excelente oportunidade de divulgação, reciclagem e promoção, uma vez que ele funciona de modo simples, através de patrocínio a times ou atletas, do licenciamento de produtos e muitas outras possibilidades. Para ilustrar esse tema foi utilizado como objeto de estudo a Fiat Automóveis S/A, localizada em Betim/MG.

    Por: Luciana Ribeirol Marketing e Publicidadel 20/11/2008 lAcessos: 4,520
    Bruno Lima Rocha

    Em rodada do Campeonato Brasileiro repleta de clássicos, finalmente vimos o maior deles aparecendo nos estádios brasileiros: Ricardo Teixeira e cia. versus o torcedor brasileiro. Já era hora! Dérbi, Gre-Nal, San-São, Vovô, dos Milhões... A última rodada do primeiro turno (27 e 28 de agosto) do Brasileirão deste ano foi repleta de clássicos estaduais, oito, mais um Ceará X Bahia para marcar o espaço da região Nordeste.

    Por: Bruno Lima Rochal Notícias & Sociedade> Polítical 05/09/2011 lAcessos: 50
    Rosilene Coimbra Costa Pinto

    É notória a crise pela qual a educação vem passando nos dias atuais: professores descontentes, alunos desmotivados, pais preocupados. No entanto, acredita-se que para uma possível melhora deste quadro se faz necessário, além da formação contínua dos professores, a introdução da ludicidade como subsídio no processo de construção do conhecimento cognitivo, físico, social e psicomotor, desenvolvendo nos educandos o prazer ao construir o próprio aprendizado de forma mais atraente e estimuladora.

    Por: Rosilene Coimbra Costa Pintol Educação> Educação Infantill 02/03/2012 lAcessos: 4,581
    Quintas Private

    Casas de férias da Odebrecht Realizações Imobiliárias (OR) em Sauípe são comercializadas no inovador sistema fractional, que permite férias em diversos locais do mundo.

    Por: Quintas Privatel Press Releasel 23/09/2011 lAcessos: 52
    Gabriel Zezo

    Situação da equipe merengue na atual temporada é semelhante a da equipe alemã na temporada passada.

    Por: Gabriel Zezol Esporte> Futeboll 09/11/2014

    Análise sobre a atual situação do Borussia Dortmund, time o qual nos últimos anos vinha impressionando a Europa, mas de um tempo para cá tem sucumbido ao grande rival Bayern de Munique e sofrendo com várias lesões e vendas de seus principais jogadores.

    Por: Gustavol Esporte> Futeboll 05/10/2014 lAcessos: 12

    o recrudescimento dos atos de racismo no Brasil nos obriga a uma ampla reflexão sobre se somos ou não efetivamente racistas. Se somos o país do futebol e se a maioria dos nossos jogadores são negros ou pardos, por que ainda vemos xingamentos, ofensas e gestos racistas que ofendem não só os esportistas, mas o próprio Brasil.

    Por: Alfredo de Souzal Esporte> Futeboll 04/09/2014 lAcessos: 27
    Boas Tardes

    Artigo escrito com base na Copa do Mundo que acontece no Brasil e nas guerras que acontecem em outros lugares. A Copa do Mundo devia servir de confraternização entre os povos, mas nem isso tem feito.

    Por: Boas Tardesl Esporte> Futeboll 11/07/2014 lAcessos: 11
    JORGE FLOQUET

    O que a seleção alemã aprendeu aprendeu quando perdeu na semifinal para a seleção brasileira em 2006? Estamos vendo os resultados! O que seleção brasileira aprende com essa experiência negativa na semifinal no Brasil? Veremos em algumas à frente! Certamente que pensar que a seleção brasileira seria campeã, com toda certeza, é falta de inteligência. Saber aprender perder é uma vitória. Reconhecer que podemos evoluir com essa derrota é um indício de inteligência. Evoluímos muito desde de 1950!

    Por: JORGE FLOQUETl Esporte> Futeboll 10/07/2014 lAcessos: 14
    JORGE FLOQUET

    O que podemos aprender com o futebol? O que aprendemos com a estratégia imposta pela seleção holandesa na partida contra a Costa Rica? Por que será que o goleiro titular da seleção holandesa não foi informado que seria substituído, caso a disputa fosse para os pênaltis? Faltou comunicação com as partes interessadas ou isso fazia parte da estratégia? Todos já sabiam que a disputa iria para os pênaltis? Claro que não! Mas, qual o impacto gerado nos seus adversários quando perceberam a mudança?

    Por: JORGE FLOQUETl Esporte> Futeboll 08/07/2014 lAcessos: 22
    José Flávio Santos de Carvalho

    Mais que um texto sobre futebol, o texto seguir é uma exaltação às belezas de nosso país.

    Por: José Flávio Santos de Carvalhol Esporte> Futeboll 05/07/2014 lAcessos: 20
    José Flávio Santos de Carvalho

    Lesão sofrida por Neymar e comentários sobre os jogos da semifinal da Copa.

    Por: José Flávio Santos de Carvalhol Esporte> Futeboll 05/07/2014 lAcessos: 15

    Professor universitário e escritor, com quatro livros publicados, conta como se tornou escritor e dá conselhos que podem ser úteis.

    Por: Franklin Oliveira Jr.l Literatura> Crônicasl 28/10/2010 lAcessos: 164

    Entre 1961 e 1974, durante 13 anos teria encontros com Pelé. Ele porém não sabe sequer que eu existo, sendo todos os oito encontros realizados no Estádio da Fonte Nova em Salvador. Alí, entretanto, se iria construindo mais que uma amizade, uma admiração que dura até os dias de hoje.

    Por: Franklin Oliveira Jr.l Esporte> Futeboll 11/10/2010 lAcessos: 88

    Em 1989, a renúncia do governador Waldir Pires iria ter sérias implicações políticas fazendo voltar os anos carlistas na Bahia. O ato possui várias versões difundidas até hoje. Uns afirmam que foi causado pela solidariedade de Waldir a Ulysses. Outros falam de um compromisso prévio que teria sido feito enquanto candidato a governador com as oligarquias dissidentes. O autor viveu esses tempos e examinar sua complexidade e outras possibilidades.

    Por: Franklin Oliveira Jr.l Notícias & Sociedade> Polítical 25/09/2010 lAcessos: 349

    Na segunda parte dos anos 60 tive a oportunidade de participar do clíma dos festivais. Este envolvimento se deu assistindo pela TV, inscrevendo músicas na TV Record, e com a classificação para os festivais nordestinos de MPB da época. Vendo recentemente o filme "Uma noite em 67" estas recordações voltaram de novo a minha memória.

    Por: Franklin Oliveira Jr.l Literatura> Crônicasl 19/09/2010 lAcessos: 179

    Durante a campanha reivindicatória dos músicos no carnaval da Bahia em 1988, o sindicato da classe promoveu o "sequestro" do coordenador do carnaval Waly Salomão, o famoso poeta e multiartista brasileiro já falecido. O episódio ocorreu num ano de eleições municipais na capital do estado, onde o cantor/compositor Gilberto Gil se candidatava a prefeito. O artigo narra as estratégias utilizadas pelo sindicato neste quadro político-musical para a conquista das reivindicações da categoria.

    Por: Franklin Oliveira Jr.l Arte& Entretenimento> Músical 13/09/2010 lAcessos: 129
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast