É possível motivar alguém?

Publicado em: 15/02/2008 |Comentário: 0 | Acessos: 34,704 |

Muito já se falou, muito já se escreveu e muito já se discutiu sobre motivação. Entretanto, se você demonstra interesse pelo assunto, é porque acredita que ainda há algo a ser dito, a ser aprendido, a ser questionado, a ser aceito ou a ser rejeitado sobre motivação.

Conceitualmente, ninguém motiva ninguém. O que pode ser feito é incentivar ou estimular alguém, uma vez que a motivação é intrínseca à pessoa. Por isso, muita gente a traduz como “ter vontade de”. Há muitos artigos sobre o tema escritos por psicólogos, administradores, pedagogos e sociólogos que evidenciam o aspecto multidisciplinar da motivação, que por sua vez afeta as pessoas em suas atividades diárias, sejam elas profissionais, escolares, familiares, sociais ou de lazer.

Naturalmente, a dimensão profissional da motivação tem recebido mais destaque. São inúmeras teorias, com destaque para quatro delas: Teoria Comportamentalista, que tem como alicerce a relação estímulo-resposta e é contestada por alguns autores, porque se sabe que as pessoas são diferentes e reagem de forma divergente aos estímulos recebidos com base em sua individualidade; Teoria das Necessidades de Maslow, também conhecida por Pirâmide de Maslow, que apresenta as necessidades humanas de forma hierarquizada e diz que o ser humano busca atender às suas necessidades obedecendo a uma seqüência pré-definida: necessidades fisiológicas, de segurança, sociais, de auto-estima e de auto-realização; Teoria das Expectativas, que descreve a concretização de uma ação como uma decisão pessoal, baseada nas recompensas esperadas e no esforço estimado para sua realização; e Teoria dos Dois Fatores ou Teoria Higiene-Motivação de Herzberg.


Com relação à última teoria, no contexto empresarial, são considerados fatores de higiene aqueles que não causam motivação, mas, se ausentes, trazem insatisfação, como o salário, condições de trabalho, relacionamentos e status. A designação “fatores higiênicos” decorre de uma analogia à área hospitalar: as condições de higiene em um hospital não garantem melhorias ao paciente, mas sua ausência traz conseqüências que degrada o estado de saúde do paciente.

Há ainda empresários que acreditam que o salário traz motivação ao profissional. Na realidade, salário é um instrumento utilizado para “contratar” ou “reter” uma pessoa, pois se sabe que, mesmo recebendo um salário muito bom, depois de alguns meses, a pessoa o incorpora ao seu orçamento e o internaliza como algo normal e rotineiro.

De acordo com a Teoria dos Dois Fatores, os itens motivadores são aqueles que efetivamente causam satisfação: crescimento profissional, conhecimento, responsabilidade e reconhecimento (inclusive a premiação), que, na analogia com a área hospitalar, representariam aqueles que trazem reais condições de melhoria ao paciente.

Embora o tema motivação seja polêmico, há uma verdade: a realização de uma ação depende única e exclusivamente da própria pessoa. Por isso, é importante que todo gerente conheça e reconheça cada pessoa de sua equipe como única e distinta, respeitando-a e procurando entender seus valores, expectativas e ambições. Não estamos falando em manipulação de pessoas, tampouco em paternalismo protetor. Expurgue-se também do contexto os excessos de sentimentos. Deve ser incluída, porém, a criação de um ambiente de confiança mútua, no qual as pessoas aceitem novas responsabilidades, ensinem e aprendam, e sejam reconhecidas por suas conquistas, para que possam se sentir realizadas por sua atuação profissional.

Todo gerente deve incentivar e estimular os profissionais de sua equipe, porque possui habilidades para fazer com que ela esteja motivada para alcançar os objetivos de um projeto ou organização.

A cultura da empresa e as políticas internas existentes podem facilitar ou dificultar esse processo. Porém, há gerentes que, por apatia ou comodidade, ficam paralisados diante das adversidades, transformando estes itens em subterfúgios para ocultar sua incompetência e falta de vontade para “fazer e acontecer”.

Bons gerentes são aqueles que utilizam da melhor forma possível os instrumentos gerenciais disponíveis na organização e, com liderança, agem de maneira pró-ativa para promover avanços, compartilhando informações e conhecimento, definindo claramente as responsabilidades e procurando desenvolver, capacitar e premiar os profissionais de sua equipe. Para estes, a palavra Gerente deve ser escrita com “G” maiúsculo.

Avaliar artigo
5
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 8 Voto(s)
    Feedback
    Imprimir
    Re-Publicar
    Fonte do Artigo no Artigonal.com: http://www.artigonal.com/gerencia-artigos/e-possivel-motivar-alguem-334131.html

    Palavras-chave do artigo:

    motivacao

    ,

    teorias motivacionais

    ,

    recursos humanos

    Comentar sobre o artigo

    Em diferentes esferas de atuação profissional, percebe-se a propagação do mito de que ser profundo conhecedor de um tema basta para falar bem em público. Mas é comum assistir a discursos em público de profissionais experts – seja um diretor de uma área na empresa, um responsável por um importante projeto ou um professor renomado em uma área – e avaliar a mensagem falada como pouco clara ou o orador como pouco envolvido ou preparado.

    Por: Vívian Cristina Riol Negócios> Gerêncial 21/03/2014
    Ricardo Mallet

    Mal administrado, um conflito que poderia ser oportunidade de melhoria e inovação, poderá ser o estopim que detonará atos de vingança e traição. Vamos estudar esse roteiro e entender por quê.

    Por: Ricardo Malletl Negócios> Gerêncial 20/01/2014 lAcessos: 16

    FRANQUIAS DE ALIMENTAÇÃO As franquias de alimentação apresentaram o segundo maior faturamento do franchising em 2012, registrando R$ 20 bilhões e um avanço de 17,6% em faturamento, em relação a 2011.

    Por: Thiago Franklinl Negócios> Gerêncial 13/01/2014 lAcessos: 13
    Noscilene Santos

    No início do século XXI, estudos realizados por Hersey & Blanchard, deram origem a liderança situacional, baseado em modelos já conhecidos como a teoria de Maslow, Hetzberg, Douglas Mcgregor e muitos outros. Para os autores, a ação do líder deve estar relacionada ao grau de maturidade do colaborador, que consiste na capacidade de estabelecer objetivos, aceitar responsabilidades e na habilidade em desempenhar tarefas, mantendo em foco as diretrizes estabelecidas pela empresa.

    Por: Noscilene Santosl Negócios> Gerêncial 30/11/2013 lAcessos: 20
    Bruna Azevedo

    Modelo é adotado por empresas que desejam focar em seus negócios e aumentar rentabilidade

    Por: Bruna Azevedol Negócios> Gerêncial 14/11/2013 lAcessos: 35
    Gilmar Duarte da Silva

    Precificar serviços é uma tarefa difícil. Há muitos interessados em ampliar o conhecimento, mas ainda há pouco incentivo, o que acaba limitando o crescimento deste tema. A solução pode ser simples.

    Por: Gilmar Duarte da Silval Negócios> Gerêncial 10/09/2013 lAcessos: 24
    Marcelo Sicoli

    Em agosto de 2013, completei um ano à frente do Centro Clínico Sudoeste, maior prédio comercial do bairro de mesmo nome, em Brasília. Nosso edifício conta com 90 empresas em operação e gera cerca de 900 empregos direto. Relata experiencia como sindico

    Por: Marcelo Sicolil Negócios> Gerêncial 09/08/2013 lAcessos: 27
    João Garcia

    Existe uma grande necessidade de muitas empresas em todo o Brasil de conseguir bons serviços em consultorias e serviços especializados em renegociação de dívidas bancárias e planejamento financeiro. Em contrapartida, existem muitos profissionais experientes da área financeira que buscam novos caminhos e uma oportunidade de ter seu próprio negócio e não sabem por onde começar.

    Por: João Garcial Negócios> Gerêncial 14/07/2013 lAcessos: 37
    Armando Terribili Filho

    A sigla "CHA" representa Conhecimento, Habilidades e Atitudes. Na atualidade, as contratações de gerentes de projetos têm caminhado pela busca de profissionais certificados e/ou profissionais pós-graduados na área. Esses requisitos (conhecimento/habilidades) têm se mostrado necessários, mas não suficientes. Há necessidade de "atitude": criatividade, equilíbrio emocional, imparcialidade, trabalho em equipe, disponibilidade, empenho, agilidade, entusiasmo, colaboração e ética.

    Por: Armando Terribili Filhol Negócios> Ger. de Projetosl 12/12/2013 lAcessos: 34
    Armando Terribili Filho

    Os oito passos para criação de um novo negócio, englobando a realização de pesquisa de mercado com o potencial cliente, investigação da legislação vigente, a análise do mercado, a elaboração do plano de marketing, do estudo de viabilidade econômico-financeira, o plano operacional, a análise de riscos e o cronograma para implantação.

    Por: Armando Terribili Filhol Negócios> Pequenas Empresasl 16/02/2013 lAcessos: 151
    Armando Terribili Filho

    Quando se fala em melhoria, pode-se pensar em várias abordagens distintas: melhoria pontual, melhoria contínua e reengenharia. Confira!

    Por: Armando Terribili Filhol Negócios> Ger. de Projetosl 16/02/2013 lAcessos: 33
    Armando Terribili Filho

    O uso adequado das técnicas/ferramentas pode ser fundamental para o sucesso de um projeto, seja no seu planejamento ou na execução.

    Por: Armando Terribili Filhol Negócios> Ger. de Projetosl 16/02/2013 lAcessos: 80
    Armando Terribili Filho

    O grande desafio na gestão de equipes virtuais em projetos era o da aspecto da "dispersão geográfica", com profissionais trabalhando em outras cidades, outros países e até, outros continentes. Com as novas tecnologias, isto foi sendo superado. Os dois novos desafios para o gerente de projetos na atualidade são: a dispersão temporal e a inclusão de clientes/fornecedores na participação de equipes virtuais. Confira!

    Por: Armando Terribili Filhol Negócios> Ger. de Projetosl 16/02/2013 lAcessos: 70
    Armando Terribili Filho

    Com base neste artigo, pode-se perceber a importância de se realizar um planejamento de custos detalhado e realista, para todos os projetos. Os casos reais apresentados no artigo, evidenciam essa importância.

    Por: Armando Terribili Filhol Negócios> Ger. de Projetosl 16/02/2013 lAcessos: 43
    Armando Terribili Filho

    As organizações têm, em geral, sistemas de premiação, que nem sempre são utilizados como poderiam e deveriam. Neste artigo além de conceitos sobre o tema, são apresentados casos reais.

    Por: Armando Terribili Filhol Negócios> Ger. de Projetosl 16/02/2013 lAcessos: 28
    Armando Terribili Filho

    O artigo debate as mudanças comportamentais com as constantes inovações tecnológicas, incluindo a facilidade de aprendizagem, a inclusão do modelo mental de "tentativa e erro" e a dificuldade em "esperar". Uma questão que surge é a ética no uso não-autorizado de imagens e vozes na Internet. Afinal, o que é publico e o que é privado? Torna-se imprescindível a Educação Digital, não no sentido de desenvolver habilidades técnicas no jovem, mas de fundo moral: de ética, de ética digital...

    Por: Armando Terribili Filhol Tecnologia> Tecnologiasl 29/06/2012 lAcessos: 1,142
    Perfil do Autor
    Categorias de Artigos
    Quantcast